501 capítulos
Medium 9788520432938

8. As três principais posições de mobilidade da pelve

Blandine Calais-Germain, Núria Vives Parés Editora Manole PDF Criptografado

8

As três principais posições de mobilidade da pelve

160 Apresentação

162 Posição em pé

166 Posição sentada sobre uma bola de ginástica

170 Posição com a gestante de joelhos/em quatro apoios

159

chapitre 8.indd 159

13/5/13 12:50 PM

Apresentação

Este capítulo é dedicado a você que está prestes a dar

à luz, que deseja conhecer melhor o seu corpo nesse momento único da vida e que deseja acompanhar o nascimento de seu filho. Nós tentamos tornar o texto menos técnico, com duas intenções:

• colocar à sua disposição ideias e ferramentas para o momento do parto;

• possibilitar a utilização dessas ideias durante a gestação, na sua vida cotidiana e em sua preparação para o parto.

Por que as “três posições principais”?

Todas as posições que foram analisadas no Capítulo 6 servirão para aliviar a dor e facilitar a passagem do feto pelo canal ósseo interno da pelve até a sua chegada ao mundo.

Entre todas essas posições, três foram especialmente escolhidas. Elas são provavelmente as que oferecem mais possibilidades para a prática antes do parto.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520427125

46. Complicações Ortopédicas

Sebastião Piato Editora Manole PDF Criptografado

Capítulo 46

Complicações Ortopédicas

Cláudio Santili

Robert Meves

Maria Fernanda Silber Caffaro

Ricardo Shigueaki Galhego Umeta

A gestação é um período de transformação biomecânica e de preparo, no qual o organismo feminino pode sofrer várias alterações fisiológicas e psíquicas. A mulher grávida, além de abrigar e nutrir o feto, deve adaptarse à sua nova forma e às alterações hormonais, principalmente da relaxina.

Este hormônio produzido pelo corpo lúteo, decídua e placenta tem como função principal assegurar a troca de nutrientes entre os organismos materno e fetal, mas também age nos tecidos conectivos, afrouxando-os.

O ganho médio de peso esperado para uma gestação normal é de 12,8 kg; isto faz com que as forças e cargas sobre as articulações dos membros inferiores aumentem em média 2 vezes.

O aumento da lordose lombar e a flexão cervical ocorrem para compensar o aumento do diâmetro uterino e a mudança do centro de gravidade (Figura 46.1). A distensão e o conseqüente enfraquecimento da musculatura abdominal, associados à frouxidão dos ligamentos longitudi-

Ver todos os capítulos
Medium 9788580552980

Caso 60

Eugene C. Toy, Benton Baker III, Patti J. Ross, John C. Jennings Grupo A PDF Criptografado

CASO 60

Uma mulher que já teve filhos de 51 anos queixa-se de história de prurido vaginal há quatro anos. Ela coça a área diariamente e refere que o prurido

é pior à noite. Ela tem diabetes bem controlado, está na pós-menopausa há três anos, nega história de DST ou esfregaço de Papanicolaou anormal e tem quatro crianças nascidas de parto vaginal. A inspeção e o exame da genitália feminina externa revela: aspecto atrófico, tecido sobre os lábios menores fino e esbranquiçado, clitóris de difícil avaliação, escoriações nos lábios maiores bilateralmente e algumas contusões no introito vaginal. Ela é muito sensível ao exame e a inserção do espéculo é difícil, já que o introito parece estenosado.

O colo uterino é visualizado e não há secreção. O exame bimanual revela útero pequeno e ausência de massas anexiais.

Qual é o diagnóstico mais provável?

Qual é o próximo passo no diagnóstico?

 Qual é a terapia mais provável?

Toy - Ginecologia e Obstetrícia.indd 505

Ver todos os capítulos
Medium 9788527732390

9 - Liquens Vulvares

Ricardo Bassil Lasmar, Ricardo Vasconcellos Bruno, Roberto Luiz Carvalhosa dos Santos, Bernardo Portugal Lasmar Grupo Gen PDF Criptografado

9

Liquens Vulvares

Nilma Antas Neves | Renata Lopes Britto

j j j j

Introdução, 88

Líquen escleroso, 88

Líquen plano, 92

Líquen simples crônico, 93

INTRODUÇÃO

Os liquens vulvares podem ser classificados em três tipos: escleroso, plano e simples crônico. As expressões distrofias vulvares e líquen escleroatrófico, comumente usadas no passado, não são mais empregadas pelas sociedades médicas que lidam diretamente com as doenças vulvares, pois o líquen escleroso (LE) refere-se às áreas de atrofia e de hiperplasia. A classificação vigente é a da International Society for the Study of Vulvovaginal Disease (ISSVD), que busca a interação das diversas especialidades afins com essa área.

A classificação atual enfatiza a importância da especificidade das alterações dermatológicas vulvares (2011),1 e não menciona mais os termos distrofias (1975) ou alterações epiteliais não neoplásicas da vulva (1987).

O estudo dos liquens vulvares é importante em função de seu quadro clínico e da possibilidade de evolução para neoplasia intraepitelial e invasora. O sintoma mais frequente desses liquens é o prurido vulvar de intensidade variável, mas que pode perturbar o sono e as atividades cotidianas.

Ver todos os capítulos
Medium 9788582714072

Capítulo 19 - Neoplasia do corpo uterino

Eduardo Pandolfi Passos, José Geraldo Lopes Ramos, Sérgio H. Martins-Costa, José Antônio Magalhães, Carlos Henrique Menke, Fernando Freitas Artmed PDF Criptografado

19

Neoplasia do corpo uterino

Márcia L. Appel

Valentino Magno

Heleusa Monego

Tiago Selbach Garcia

Razyane Audibert Silveira

Hiperplasia endometrial

A hiperplasia endometrial (HE) é uma condição histológica caracterizada pela proliferação das glândulas endometriais que exibem tamanho e formato variados, aumento da relação glândula-estroma e presença ou não de atipias epiteliais. Do ponto de vista clínico, a HE está associada a sangramento uterino anormal

(SUA) perimenopáusico ou pós-menopáusico.

A HE resulta do estímulo estrogênico persistente e prolongado, sem a habitual oposição cíclica da progesterona e, portanto, é quase invariavelmente encontrada em mulheres anovulatórias perimenopáusicas. Na mulher pós-menopáusica, os estrogênios exógenos utilizados de maneira contínua, sob forma de terapia hormonal (TH), sem oposição da progesterona, ou os estrogênios endógenos, obtidos a partir da conversão periférica (no tecido adiposo) de androstenediona em estrona (estrogênio), podem expor o endométrio ao estímulo prolongado, levando à hiperplasia e, às vezes, ao câncer. De fato, alguns tipos de hiperplasia representam estados pré-malignos. Em 1985, Kurman e colabora-

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos