691 capítulos
Medium 9788580556025

Capítulo 148. Doenças inflamatórias intestinais

Dennis Kasper, Anthony Fauci, Stephen Hauser, Dan Longo, J. Jameson, Joseph Loscalzo Artmed PDF Criptografado

944

Seção 11

148

GastrenteroloGia

Doenças inflamatórias intestinais

As doenças inflamatórias intestinais (DII) são distúrbios inflamatórios crônicos de etiologia desconhecida do trato gastrintestinal (GI). Os picos de ocorrência são observados entre os 15 e 30 anos e entre os 60 e 80 anos, apesar de o início poder ocorrer em qualquer idade. As características epidemiológicas são demonstradas no Quadro

148.1. A patogenia das DII envolve a ativação de células imunes por um agente desencadeante desconhecido (microrganismo, componente dietético, agente bacteriano ou autoantígeno?) que induz a liberação de citocinas e de mediadores inflamatórios.

O componente genético é sugerido pelo maior risco em parentes de primeiro grau de pacientes com DII e pela concomitância do tipo de DII, localização da doença de

Crohn (DC) e evolução clínica. As associações relatadas incluem HLA-DR2 em pacientes japoneses com retocolite ulcerativa (RCU) e um gene relacionado com a DC denominado CARD 15 no cromossomo 16p. As mutações em CARD 15 podem ser responsáveis por 10% do risco de DC. Outros fatores patogênicos potenciais incluem anticorpos séricos anticitoplasma de neutrófilos (ANCA) em 70% dos pacientes com

Ver todos os capítulos
Medium 9788527735957

24 Hiponatremia

Sergio TIMERMAN, Hélio Penna GUIMARÃES Grupo Gen ePub Criptografado

Hiponatremia é definida como concentração sérica de sódio ([Na]) < 135 mEq/ e ocorre em até 30% dos pacientes hospitalizados. Alguns conceitos importantes para o entendimento do tema são apresentados a seguir.

Osmolaridade plasmática é determinada pelo total de solutos diluídos no total de água do plasma (mOsm/).

Pode ser calculada pela fórmula:

POsm = 2 × sódio + glicose/18 + ureia/16

em que a concentração de sódio é o principal determinante.

A redução da osmolaridade plasmática é responsável pelo fluxo de água do espaço extracelular para o intracelular, originando as manifestações clínicas da hiponatremia (ver “Quadro clínico | Exame físico”, adiante).

Os neurônios têm a capacidade de realizar extrusão de seus solutos intracelulares a fim de igualar sua osmolaridade à do plasma.

Esse processo ocorre ao longo de 48 horas, ao fim das quais a adaptação cerebral estará completa.

Qualquer correção muito rápida da natremia realizada após esse período provocará aumento da osmolaridade plasmática, que se tornará maior do que a osmolaridade intracelular neuronal, ocasionando a saída de água do espaço intracelular para o extracelular, causando desidratação celular e consequente desmielinização osmótica (ver “Síndrome de desmielinização osmótica”, adiante).

Ver todos os capítulos
Medium 9788580556025

Capítulo 94. Tuberculose e outras infecções micobacterianas

Dennis Kasper, Anthony Fauci, Stephen Hauser, Dan Longo, J. Jameson, Joseph Loscalzo Artmed PDF Criptografado

Tuberculose e outras infecções micobacterianas

CAPÍTULo 94

575

rendimento diagnóstico. O exame histológico de amostras de biópsia intestinal permanece sendo um procedimento diagnóstico útil, embora seja menos sensível que a PCR.

TRATAMeNTo

DoeNçA De WHIPPLe

Embora o esquema e a duração ideais não sejam conhecidos (e provavelmente dependam do local da infecção), ceftriaxona (2 g IV a cada 24 h) ou meropenem (1 g IV a cada

8 h) por 2 semanas seguido por SMX-TMP (800/160 mg VO 2 x/dia) por 3 a 12 meses parece ser eficaz. Para infecções cardíacas ou do SNC, ceftriaxona (2 g IV a cada 12 h) ou meropenem (2 g IV a cada 8 h) por ≥ 2 semanas seguido por uso oral de doxiciclina ou minociclina mais hidroxicloroquina ou cloroquina por ≥1 ano parece prudente.

Para uma discussão mais detalhada, ver Filice GA: Nocardiose,

Cap. 199, p. 1084; e Russo TA: Actinomicose e doença de Whipple, Cap. 200, p. 1088, do Medicina Interna de Harrison, 19ª edição.

Ver todos os capítulos
Medium 9788580551662

Capítulo 45 - Queimaduras e inalação de fumaça

C. Keith Stone, Roger L. Humphries Grupo A PDF Criptografado

45

Queimaduras e inalação de fumaça

Dorian Drigalla, MD, FACEP

Jennifer Gemmill, MD *

Manejo imediato de problemas ameaçadores à vida

Avaliação adicional do paciente queimado

Manejo ambulatorial de queimaduras menores

Lesão por inalação de fumaça

Lesão térmica

Lesão química

Envenenamento químico sistêmico

// Manejo

imediato de problemas ameaçadores à vida

�F UNDAMENTOS DO DIAGNÓSTICO

O ABC

Inicie a ressuscitação com líquidos

00 Obtenha informação diagnóstica

00

00

Ver Figura 45-1.

00 Estabelecimento de uma via aérea adequada

Quando um paciente entra no Departamento de Emergência

(DE), as primeiras etapas da assistência envolvem a avaliação do ABC — especialmente no caso de pacientes com queimaduras. Queimaduras graves na região inferior da face e no pescoço podem estar associadas à formação de edema nas vias aéreas

* Este capítulo é uma revisão do capítulo escrito por David A. Fritz, MD,

Ver todos os capítulos
Medium 9788580556025

Capítulo 165. Outros distúrbios musculoesqueléticos

Dennis Kasper, Anthony Fauci, Stephen Hauser, Dan Longo, J. Jameson, Joseph Loscalzo Artmed PDF Criptografado

outros distúrbios musculoesqueléticos

165

CAPÍTULo 165

1033

outros distúrbios musculoesqueléticos

ARTRITE ENTEROPÁTICA

As artrites tanto periféricas quanto axiais podem estar associadas à doença inflamatória intestinal (DII): retocolite ulcerativa ou doença de Crohn. A artrite pode ocorrer depois ou antes do início dos sintomas intestinais. A artrite periférica é episódica e assimétrica; afeta mais frequentemente o joelho e o tornozelo. Em geral, as crises regridem no transcorrer de várias semanas, sendo típico seu desaparecimento completo sem qualquer dano articular residual. Entesite (inflamação na inserção de tendões e ligamentos no osso) pode ocorrer com manifestações de “dedo em salsicha”, tendinite calcânea (de Aquiles) e fascite plantar. O acometimento axial pode manifestar-se como espondilite e/ou sacroileíte (frequentemente simétrica). Os achados laboratoriais são inespecíficos; ausência de fator reumatoide (FR); o HLA-B27 é positivo em

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos