817 capítulos
Medium 9788520432334

5. Oxigenoterapia e ventilação manual

PRADO, Cristiane do; VALE, Luciana Assis Editora Manole PDF Criptografado

5

Oxigenoterapia e ventilação manual

Celso Moura Rebello

Luciana Branco Haddad

Introdução

A descoberta do oxigênio (O2) foi relatada inicialmente por Joseph Priestly em

1774, quando, ao aquecer o óxido de mercúrio vermelho, obteve um gás incolor. Ao inalar esse gás, Priestly descreveu uma sensação de “respirar mais suave”.1

Posteriormente, em 1777, Antonie Lavoisier repetiu com sucesso essa ex­pe­riên­ cia e deu o nome de oxigênio ao gás descoberto por Priestly. Chaussier foi o primei­ ro a utilizá-lo para tratar recém‑nascidos (RN) com insuficiência respiratória; ape­ nas nos últimos 75 anos, a oxigenoterapia começou a ser estudada, e há algumas décadas é frequentemente utilizada na assistência de RN e crianças com insuficiên­ cia respiratória.2

A oxigenoterapia consiste na oferta de O2 em uma concentração superior à en­ contrada no ambiente, visando a tratar ou corrigir sintomas ou manifestações da hipóxia. O ar ambiente é composto por 20,93% de O2, 78% de nitrogênio (N2),

Ver todos os capítulos
Medium 9788527724982

61 - Tecnologia Assistencial e Mobilidade na Cadeira de Rodas

WILLARD, Helen S.; SPACKMAN, Clare S.; CREPEAU, Elizabeth Blesedell; COHN, Ellen S.; SCHELL, Barbara Grupo Gen PDF Criptografado

Tecnologia

Assistencial e

Mobilidade na

Cadeira de Rodas

MARY ELLEN BUNING

Objetivos de Aprendizagem

Após a leitura deste capítulo, você será capaz de:

1. Explicar como as metas do cliente estimulam a seleção da tecnologia de assistência e seu uso para possibilitar a ocupação e a participação.

2. Descrever os dispositivos de tecnologia de assistência com base em sua capacidade de ajudar as pessoas a compensarem os desafios ao desempenho ocupacional.

3. Descrever como o conhecimento do desempenho ocupacional ajuda a identificar e otimizar a interface ser humano-tecnologia.

TECNOLOGIA DE ASSISTÊNCIA:

TECNOLOGIA PARA POSSIBILITAR

A ATIVIDADE E A PARTICIPAÇÃO

A tecnologia de assistência (TA) é uma abordagem multidisciplinar que ajuda as pessoas a desenvolverem técnicas compensatórias para se dedicarem às atividades importantes para elas. Os terapeutas ocupacionais que se especializam em tecnologia de assistência utilizam o conhecimento sobre a ocupação humana, a cinesiologia e biomecânica, a percepção e a teoria do aprendizado e as habilidades de análise de atividades e conservação de energia para ajudar as pessoas a fazerem o que elas desejam fazer. Os terapeutas ocupacionais orientam os clientes quanto à seleção de soluções de TA e em sua integração

Ver todos os capítulos
Medium 9788570066107

Capítulo 16 - Abordagem Fisioterapêutica na Prevenção da Trombose Venosa Profunda (TVP)

ULTRA, Rogério Brito Grupo Gen PDF Criptografado

Abordagem Fisioterapêutica na

Prevenção da Trombose Venosa

Profunda (TVP)

16

ROGÉRIO BRITO ULTRA

A trombose venosa profunda (TVP) é um problema que deve ser abordado pelo fisioterapeuta intensivista de forma bem cuidadosa e demonstra a grande importância da interação com o médico plantonista, já que não só os sinais clínicos, assim como os fatores de risco, devem ser levados em consideração.

Trombo significa coágulo sanguíneo. Trombose é a formação de um trombo, podendo ocorrer em uma veia na superfície corporal, e ser classificada de superficial quando está superficial em relação à pele, recebendo o nome de tromboflebite.

Quando se localiza mais profundamente, nas veias profundas ou no interior dos músculos, é chamada de TVP (Tabela I).

A TVP é causado por uma obstrução do segmento do sistema venoso profundo por um trombo resultado de um processo de hipercoagulação sistêmica, em associação com uma estase venosa local, decorrente quase sempre de redução da atividade física do paciente (imobilidade).

Ver todos os capítulos
Medium 9788527724982

68 - Supervisão

WILLARD, Helen S.; SPACKMAN, Clare S.; CREPEAU, Elizabeth Blesedell; COHN, Ellen S.; SCHELL, Barbara Grupo Gen PDF Criptografado

Supervisão

MARY JANE YOUNGSTROM

Objetivos de Aprendizagem

Após a leitura deste capítulo, você será capaz de:

1.

2.

3.

4.

5.

Compreender os papéis e as funções da supervisão.

Diferenciar os tipos de supervisão.

Descrever os processos de supervisão e sua implantação.

Descrever as abordagens para gerenciar o desempenho.

Aplicar as diretrizes da AOTA para a supervisão adequada de profissionais da terapia ocupacional.

A

supervisão é parte integrante da prestação de serviço de terapia ocupacional. O processo de supervisão é utilizado de maneira consciente em nossa profissão para garantir que nossos clientes recebam atendimento seguro e efetivo de terapia ocupacional. Embora a capacidade de supervisionar de maneira competente seja desenvolvida ao longo da carreira do profissional, o profissional iniciante precisa conhecer o processo de supervisão e ter uma compreensão inicial de como fazer e receber a supervisão de modo compatível com os valores e as expectativas da profissão. Este capítulo irá fornecer-lhe uma visão geral do que é a supervisão e apresentar-lhe as informações básicas de que você necessitará para desenvolver relações de supervisão positivas e efetivas. Serão apresentadas expectativas de supervisão e padrões específicos para a profissão da terapia ocupacional.

Ver todos os capítulos
Medium 9788527730617

26 - Estudo do Transtorno do Desenvolvimento da Coordenação e do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade | Tendências e Perspectivas

TANI, Go Grupo Gen PDF Criptografado

26

Estudo do Transtorno do Desenvolvimento da Coordenação e do

Transtorno de Déficit de

Atenção e Hiperatividade |

Tendências e Perspectivas

Roseane Oliveira do Nascimento, Juliana Barbosa Goulardins e Jorge Alberto de Oliveira

Considerações iniciais

O transtorno do desenvolvimento da coordenação (TDC) e o transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) são transtornos do neurodesenvolvimento bastante comuns em crianças.1

O TDC é marcado por dificuldades no desenvolvimento da coordenação motora, manifestadas pelo comprometimento da aprendizagem e da execução de habilidades motoras, considerando-se a idade cronológica e a oportunidade para a aquisição e uso.1

O TDAH, por sua vez, é considerado um transtorno do desenvolvimento do autocontrole, com problemas associados à atenção, controle do impulso e nível de atividade.2

Ambos têm início precoce, curso em longo prazo, maior prevalência masculina, influências genéticas e várias associações com possíveis alterações nas funções cerebrais.1,3 O TDC é frequente e representa o transtorno de movimento mais prevalente na infância.4 Já o TDAH não é apenas um dos transtornos neuropsiquiátricos mais comuns em crianças, mas também uma das condições mais investigadas em saúde mental infantil e adolescente.5-8

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos