710 capítulos
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788536532158

Considerações iniciais

Ana Letícia Carnevalli Motta, Renata Pinto Ribeiro Miranda, Sanmya Feitosa Tajra Editora Saraiva PDF Criptografado

CAPÍTULO

8

Técnicas de Enfermagem

Considerações iniciais

Neste capítulo, descreveremos as técnicas de enfermagem desenvolvidas conforme conceitos e princípios fundamentais. As descrições das técnicas foram baseadas no Manual de Técnicas de Enfermagem.

Todos os profissionais de enfermagem, no decorrer de sua profissão, visam ao aprimoramento de suas habilidades técnicas associadas aos conceitos teóricos, assegurando a qualidade do atendimento prestado.

A destreza manual e a segurança são adquiridas ao longo do trabalho diário, pois quanto mais procedimentos forem realizados, mais habilidade e confiança o profissional vai adquirir.

Os princípios gerais para a realização das técnicas de enfermagem são:

Quanto à segurança: a) Evitar contaminação:

▪▪ pessoal;

▪▪ do cliente;

▪▪ do material.

b) Evitar acidentes.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536506555

Capítulo 9: Programa Nacional de Imunizações

Raphaela Karla de Toledo Solha Editora Saraiva PDF Criptografado

Agora é com você!

1) Pesquise na internet qual a cadeia de transmissão da esquistossomose. A partir dela, indique quais são as ações preventivas possíveis a fim de quebrar cada elo da cadeia e impedir a transmissão.

2) Planeje com seus colegas de turma uma palestra, voltada aos profissionais que atuam na área de beleza, sobre as DT que podem ser transmitidas em um salão de beleza e em clínicas de estética e as formas de preveni-las (você pode ler o Capítulo 10 para fazer essa atividade).

3) O ciclo de transmissão da tuberculose pode ser resumido da seguinte forma: Mycobacterium tuberculosis - homem - vias aéreas - transmissão direta - vias aéreas homem. Quando se realiza a busca ativa de sintomáticos respiratórios, qual elo da cadeia da transmissão está sendo quebrado?

4) Joana tem 4 anos de idade, mora com sua família em uma casa construída com restos de construção e madeira, em uma favela, com mais cinco irmãos. A mãe sustenta sozinha a todos os filhos; ela sai para trabalhar às 4h30 da manhã e volta para casa somente depois das 19h. As crianças são cuidadas pelas irmãs de 12 e 10 anos de idade, que não estão na escola. Joana já teve hepatite A, várias diarreias e está com as vacinas atrasadas. Em sua região, não existem ACS. Quais situações da vida de Joana a deixam mais suscetível às doenças transmissíveis?

Ver todos os capítulos
Medium 9788536527284

7.5 Exercícios

Paulo Roberto Barsano, Rildo Pereira Barbosa Editora Saraiva PDF Criptografado

136

Segurança do Trabalho • Guia Prático e Didático

Somente podem emitir laudos técnicos, para efeitos de insalubridade e periculosidade, o engenheiro de segurança do trabalho ou o médico do trabalho.

O adicional de periculosidade consistirá no percentual de 30% (trinta por cento), calculado sobre o salário-base, sem os acréscimos resultantes de gratificações, prêmios etc.

(CLT, art. 193, § 1o).

São consideradas atividades e operações perigosas com a percepção do adicional de periculosidade:

• Atividades e operações perigosas com explosivos.

• Atividades e operações perigosas com inflamáveis.

• Atividades e operações perigosas com radiações ionizantes ou substâncias radioativas.

• Atividades e operações perigosas com energia elétrica.

• Atividades e operações envolvendo roubos ou outras espécies de violência física nas atividades profissionais de segurança pessoal e patrimonial.

O empregado pode optar pelo adicional de insalubridade que porventura lhe seja devido. Neste caso, cabe a ele escolher qual é mais vantajoso.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536528588

4.8 Habilitação e reabilitação profissional

Mardele Eugênia Teixeira Rezende, Paulo Tarso Augusto do Pinho Taveira, Agenor Antônio e Silva Editora Saraiva PDF Criptografado

Segurança do Trabalho e Meio Ambiente – O Diferencial da Dupla Atuação

Importante destacar que a Lei nº 8.213/91 dispõe sobre os planos de benefício, e a anteriormente citada (Lei nº 8.212/91) dispõe sobre a organização da Seguridade Social e institui seu plano de custeio.

Pesquise

Outro ponto para o qual chamamos atenção é com relação ao benefício da aposentadoria especial. Essa modalidade de aposentadoria tem características próprias, sendo um tema complexo que sofreu sucessivas alterações da legislação, que compreendem análises de direitos adquiridos em vigência das normas legais correspondentes a cada período laborado pelos segurados, apreciações técnicas de extrema complexidade. Em função disso, é passível de várias interpretações da legislação bem como de enquadramentos diferentes. Por isso, foi elaborado um

Manual cujo objetivo é facilitar e uniformizar os critérios aplicados.

Acesso o Manual da Aposentadoria Especial disponível em: . Acesso em: 17 jul. 2018.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536506296

1 - Conhecimentos Prévios aos Atendimentos de Socorro

Lucila Medeiros Minichello de Sousa Editora Saraiva PDF Criptografado

Conhecimentos

Prévios aos

Atendimentos de Socorro

1

Para começar

Neste capítulo, abordaremos alguns pontos relevantes para o início de sua nova atividade: socorrista do

Suporte Básico à Vida.. O fato de possuir conhecimentos e técnicas de protocolos universais para atender uma vítima remete-nos à confiabilidade dos procedimentos. À medida que se utilizar das condutas aqui apresentadas, você poderá entender o propósito de cada ensinamento e detectar sua qualificação para novos recursos didáticos.

1.1 Conceitos básicos

Vamos entender o que significa Suporte Básico à Vida (SBV)? Trata-se de reconhecer uma situação e poder diagnosticá-la entre urgência e emergência, atentando-se para as condutas técnicas de primeiros socorros.

A Legislação é clara quando contempla o Artigo 135 do Código Penal, que atribui crime para quem não socorre. Para tanto, faz necessário o conhecimento de condutas técnicas para a atuação necessária. A propedêutica (conduta técnica ou plano de ação) para o desempenho às vítimas.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536529813

4.5 TRAUMA NA GESTAÇÃO

Nívea Cristina Moreira Santos Editora Saraiva PDF Criptografado

4.5

TRAUMA NA

GESTAÇÃO

Manuel-F-O/Thinkstock.com

Durante a gestação, qualquer envolvimento da gestante em acidentes acarreta em trauma também para o feto, independentemente da idade gestacional.

Figura 4.10 • Queda é um dos principais acidentes ocorridos durante a gravidez.

É comum que haja tensão mais elevada em acidentes envolvendo gestantes, pelo fato de estarmos lidando com duas vítimas. Dependendo do grau de envolvimento da gestante no acidente, podemos perder parâmetros de idade gestacional e do estado clínico da gestação, o que dificulta as ações do socorrista. Por isso, é muito importante conhecermos as fases gestacionais e suas principais características.

4.5.1 Alterações que devem ser observadas na gestação

• Até a 12ª semana de gestação, o útero permanece em posição intrapélvica, mas posteriormente invade a cavidade peritoneal. Com isso, o espaço peritoneal diminui e o útero fica mais exposto a traumas. Consequentemente, a placenta e o feto tornam-se igualmente mais vulneráveis.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536529813

3.5 RECURSOS UTILIZADOS NO ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR (APH)

Nívea Cristina Moreira Santos Editora Saraiva PDF Criptografado

PONTUAÇÃO

FR

P. SISTÓLICA

ESCALA DE COMA

1

1a5

1 a 49

4a5

0

0

0

3

Interpretação do resultado: Trauma grave: 0 a 6; Trauma moderado:

7 a 10; Trauma mínimo: 11 a 12.

Sempre que na avaliação da escala de trauma for obtido resultado inferior a nove, é necessário acionar apoio médico no local da ocorrência.

3.5

RECURSOS

UTILIZADOS NO

ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR (APH)

Vejamos a seguir os equipamentos e recursos utilizados para o Atendimento Pré-Hospitalar (APH).

3.5.1 Recursos materiais a) Ambulância: equipada para atender a todo e qualquer tipo de ocorrência. b) Equipamentos de primeiros socorros.

Classificação dos equipamentos e materiais

• Equipamentos de comunicação móvel e portátil: são os rádios de comunicação das viaturas do Corpo de Bombeiros e da polícia, assim como das ambulâncias.

• Equipamentos para segurança no local do acidente: dividem-se em dois tipos, os equipamentos de proteção individual de cada socorrista e os equipamentos que garantem a segurança da equipe e dos envolvidos no acidente. Os primeiros têm a finalidade de evitar a transmissão de doenças e proteger os integrantes da equipe de atendimento.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536532158

CAPÍTULO 11 Técnicas de Sondagem

Ana Letícia Carnevalli Motta, Renata Pinto Ribeiro Miranda, Sanmya Feitosa Tajra Editora Saraiva PDF Criptografado

130

Normas, Rotinas e Técnicas de Enfermagem

e) Retirar as roupas do cliente. f) Se necessário, banhar o corpo do cliente. g) Substituir curativos sujos por limpos e ocluir orifícios. h) Tamponar ouvidos, orofaringe, rinofaringe, vagina e reto com me-

cha de algodão. Usar esparadrapo na boca.

i) Vestir a roupa. j) Colocar a 1ª etiqueta de identificação na pele; a 2ª, no lençol que en-

volverá o cliente; encaminhar a 3ª para a recepção central.

k) Amarrar o queixo, os pés e as mãos com ataduras. l) Transportá-lo, após confirmação da identificação, para o necrotério. m) Anotar todo o procedimento realizado e o encaminhamento do

cliente ao necrotério no seu prontuário.

Dados da etiqueta: a) Nome. b) Leito. c) Clínica. d) Data e hora do óbito. e) Médico responsável.

CAPÍTULO

11

Técnicas de Sondagem

Considerações iniciais

Neste capítulo, descreveremos as técnicas de sondagem realizadas pelos enfermeiros.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536527284

10.3 Condições sanitárias e de conforto nos locais de trabalho

Paulo Roberto Barsano, Rildo Pereira Barbosa Editora Saraiva PDF Criptografado

186

Segurança do Trabalho • Guia Prático e Didático

Nas atividades que exijam sobrecarga muscular estática ou dinâmica do pescoço, ombros, dorso e membros superiores e inferiores, e a partir da análise ergonômica do trabalho, deve ser observado o seguinte: a. todo e qualquer sistema de avaliação de desempenho para efeito de remuneração e vantagens de qualquer espécie deve levar em consideração as repercussões sobre a saúde dos trabalhadores; b. devem ser incluídas pausas para descanso; c. quando do retorno ao trabalho, após qualquer tipo de afastamento igual ou superior a 15 (quinze) dias, a exigência de produção deve pressupor um retorno gradativo aos níveis de produção vigentes na época anterior ao afastamento.

Nas atividades de processamento eletrônico de dados, deve-se, salvo o disposto em convenções e acordos coletivos de trabalho, observar o seguinte: a. o empregador não deve promover qualquer sistema de avaliação dos trabalhadores envolvidos nas atividades de digitação com base no número individual de toques sobre o teclado, inclusive o automatizado, para efeito de remuneração e vantagens de qualquer espécie; b. o número máximo de toques reais exigidos pelo empregador não deve ser superior a 8.000 por hora trabalhada, sendo considerado toque real, para efeito desta NR, cada movimento de pressão sobre o teclado; c. o tempo efetivo de trabalho de entrada de dados não deve exceder o limite máximo de 5 (cinco) horas, sendo que, no período de tempo restante da jornada, o trabalhador poderá exercer outras atividades, observado o disposto no artigo 468 da Consolidação das Leis do Trabalho, desde que não exijam movimentos repetitivos, nem esforço visual; d. nas atividades de entrada de dados deve haver, no mínimo, uma pausa de 10 minutos para cada 50 minutos trabalhados, não deduzidos da jornada normal de trabalho; e. quando do retorno ao trabalho, após qualquer tipo de afastamento igual ou superior a 15 (quinze) dias, a produção em relação ao número de toques deverá ser iniciada em níveis inferiores ao máximo estabelecido na alínea “b” e ser ampliada progressivamente.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536528588

6.4 Normas gerais de segurança

Mardele Eugênia Teixeira Rezende, Paulo Tarso Augusto do Pinho Taveira, Agenor Antônio e Silva Editora Saraiva PDF Criptografado

Segurança do Trabalho e Meio Ambiente – O Diferencial da Dupla Atuação

Para análise das causas dos acidentes existem diversas metodologias das quais os profissionais da área podem lançar mão, como: brainstroming (tempestade de ideias), fluxogramas, folhas de verificação, diagrama de pareto, estratificação dos acidentes, histograma, diagrama de causas e efeitos (espinha de peixe) etc.

6.4  Normas gerais de segurança

Tanto os prepostos do empregador quanto os trabalhadores devem observar as normas de segurança, para que possíveis acidentes de trabalho sejam evitados e a segurança de todos seja garantida. Dentre as normas gerais de segurança destacamos:

• A necessidade de uso de EPIs adequados.

• A área de trabalho deve estar limpa e organizada.

• Somente profissionais habilitados deverão trabalhar com atividades envolvendo eletricidade.

• Todo acidente deverá ser comunicado, por menor que seja.

• Ninguém deve operar qualquer equipamento, a menos que tenha recebido treinamento para tal, e que todas as medidas de segurança estejam implantadas no maquinário (lembre-se: dispositivos de segurança não devem ser desativados).

Ver todos os capítulos
Medium 9788536527383

8.5 Pressão arterial invasiva (PAI)

Elisangela Oliveira de Freitas Editora Saraiva PDF Criptografado

8.3.7  Cateter de Swan-Ganz com medida de

débito cardíaco contínuo

Este cateter possui um filamento térmico que o envolve, sendo ele conectado e controlado por computador. Fica posicionado no ventrículo direito. Seguindo uma programação de tempo, esse filamento é aquecido, variando a temperatura local sanguínea. A variação da temperatura é detectada pelo termistor, que está próximo à ponta do cateter, onde é reproduzida a curva de termodiluição do débito cardíaco.

8.4 Pressão venosa central (PVC)

A pressão venosa central (PVC) é uma medida hemodinâmica muito frequente na UTI, determinada pela interação entre volume intravascular, função do ventrículo direito, tônus vasomotor e pressão intratorácica.

Em termos fisiológicos, podemos considerar a mensuração da PVC como sendo um método muito preciso da estimativa da pressão de enchimento do ventrículo direito, de grande importância na interpretação de sua função.

O principal propósito de mensurar a PVC é estimar a pressão diastólica final do ventrículo direito. Em pacientes com reserva cardíaca e resistência vascular pulmonar normal, ela ajuda no manuseio hemodinâmico global. Outra utilidade muito relevante da técnica é a possibilidade de coletar amostras para a realização de exames laboratoriais com frequência, sem submeter o paciente a punções venosas.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536529936

5.1 CICLO PDCA E SUA INTERFACE COM SISTEMA DE GESTÃO OCUPACIONAL

Joubert Rodrigues dos Santos Júnior Editora Saraiva PDF Criptografado

NÃO

CAPÍTULO 5 – Ciclo PDCA Aplicado à Gestão em Segurança do Trabalho  61

Padronização

Monitoramento

P

Plan

Planejar

D

Do

Executar

C

Check

Verificar

A

Act

Agir

E agora? Foi atingido?

SIM

ANÁLISE CRÍTICA

PERIGO OU RISCO ELIMINADO

OU NEUTRALIZADO?

ANÁLISE CRÍTICA

SIM

Objetivo atingido?

CICLO

Figura 5.2  Ciclo PDCA utilizado na prevenção de acidentes.

5.1  C

� ICLO PDCA E SUA INTERFACE COM

SISTEMA DE GESTÃO OCUPACIONAL

Seiffert (2010) reforça que um sistema de gestão é caracterizado por um conjunto de mecanismos inter-relacionados e interdependentes que a organização utiliza para planejar, operar e controlar suas atividades. O objetivo é atingir metas predefinidas. Devem ser observados:

■■

princípios;

■■

objetivos;

■■

estratégias;

■■

política;

■■

diretrizes;

Ver todos os capítulos
Medium 9788536529813

9.3 QUEIMADURA SOLAR

Nívea Cristina Moreira Santos Editora Saraiva PDF Criptografado

9.3

QUEIMADURA

SOLAR

Caracterizada pela exposição prolongada ao Sol em horários críticos.

vchal/ThinkStock.com

As queimaduras solares aparecem sem que a vítima perceba e podem causar graves danos ao indivíduo.

Figura 9.8 • Queimadura solar.

Sinais e sintomas

• Pele hiperemiada (podendo haver ou não aparecimento de bolhas), quente e seca.

• Mal-estar geral.

• Cefaleia.

• Tontura, náuseas e vômitos.

• Taquicardia.

• Temperatura corporal acima de 39 ºC.

• Perda de consciência e desmaios.

Como proceder em caso de queimadura solar?

• Manter o indivíduo deitado com os membros inferiores ligeiramente elevados, o que auxilia no retorno venoso.

• Acomodar o paciente em local fresco e arejado.

192

BOOK_P3.indb 192

CAPÍTULO 9 • Queimaduras

09/08/18 20:02

• Manter a vítima com pouca vestimenta.

• Controlar o pulso e a respiração.

• Dar bastante líquido para a vítima.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536529813

5.6 EMERGÊNCIAS RESPIRATÓRIAS

Nívea Cristina Moreira Santos Editora Saraiva PDF Criptografado

e) Hidrocortisona: via de administração – endovenosa. Ação – diminui o edema. f) Dobutamina: via de administração – endovenosa. Ação – trata-se de droga vasoativa, que contribui para o melhor acondicionamento do ventrículo esquerdo. Deve ser infundida sob controle rigoroso, em bomba de infusão própria, com monitorização da pressão e do pulso. Sua suspensão não deve ser imediata e sim ocorrer mediante “desmame”.

5.6

EMERGÊNCIAS

RESPIRATÓRIAS

• Bronquite: inflamação aguda ou crônica dos brônquios com produção excessiva de muco. Apresenta como sintoma mal-estar geral, rouquidão, febre, tosse de início seca e subsequentemente produtiva.(1)(8)

• Enfisema pulmonar: é o acúmulo de ar entre as camadas que revestem os pulmões, podendo ocorrer dilatação desses órgãos. Apresenta como sintoma dificuldade respiratória (respiração ruidosa), cianose de extremidades, cefaleia, fraqueza e até confusão mental.

É a doença respiratória mais grave, pois pode acarretar em consequência cardíaca.(1)(5)(8)

Ver todos os capítulos
Medium 9788536509211

9.8 Processamento de revelação manual

Alessandra Pacini de Campos, Renato Camargo, Lucimara Dias de Almeida Editora Saraiva PDF Criptografado

Densidade é a relação entre a massa e o volume ocupado pelo líquido. Esta medida é dada pelo densímetro, que registra o volume (litros) ocupado por uma determinada massa (gramas).

9.8 Processamento de revelação manual

Na revelação manual, a película é imersa na solução do revelador, os grãos de haleto de prata são convertidos em prata metálica e ao mesmo tempo a camada de gelatina do filme se dilata, amacia e torna-se pegajosa.

A solução do fixador remove os grãos de haleto não revelados, contrai e endurece a camada de gelatina, a lavagem retira os últimos traços das substâncias de revelação, a secagem faz com que a gelatina se contraia ainda mais e perca toda sua pegajosidade. O tempo e a temperatura em cada etapa são designados pelo fabricante dos produtos químicos utilizados.

No processamento manual, o filme radiográfico é colocado em uma colgadura (suporte metálico que mantém o filme radiográfico preso pelos cantos por presilhas) proporcional ao seu tamanho.

Ver todos os capítulos

Carregar mais