8376 capítulos
Medium 9788582713808

Capítulo 23 - Diuréticos

Heinz Lüllmann; Klaus Mohr; Lutz Hein Grupo A PDF Criptografado

174

23.1 Diuréticos: aspectos gerais

23 DIURÉTICOS

Diuréticos: aspectos gerais

Os diuréticos (saluréticos) promovem um aumento na eliminação de urina (diurese). Em sentido estrito, o termo aplica-se aos fármacos com ação renal direta. O aumento da eliminação de urina decorre principalmente da inibição da reabsorção de NaCl e água.

As principais indicações para os diuréticos são as seguintes:

Mobilização de edemas (► Fig. 23.1A). Edemas são inchamentos de tecidos determinados pelo teor excessivo de líquidos acumulado sobretudo no espaço extracelular (intersticial). Quando o diurético é administrado, o aumento da excreção renal de Na+ e água causa redução no volume plasmático com hemoconcentração. Como resultado, a concentração de proteínas plasmáticas aumenta e, com isso, a pressão oncótica também. Esta exerce uma força de atração sobre a água, a qual sairá do interstício para o leito capilar e a circulação sanguínea. O conteúdo de líquidos nos tecidos diminui, e os edemas regridem. A diminuição do volume plasmático e intersticial significa uma diminuição do volume de líquido extracelular (VLE). Dependendo da situação, a escolha recai sobre tiazídicos, diuréticos de alça, antagonistas da aldosterona e diuréticos osmóticos.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536326184

Capítulo 107 - Avaliação de Problemas de Saúde Mental

Bruce B. Duncan; Maria Inês Schmidt; Elsa R. J. Giugliani; Michael Schmidt Duncan; Camila Giugliani Grupo A PDF Criptografado

1072

Medicina Ambulatorial

CAPÍTULO 107

Avaliação de Problemas de Saúde Mental

Mário Tregnago Barcellos

Thiago Botter Maio Rocha

Christian Kieling

Jair de Jesus Mari

Não há saúde sem saúde mental. É, muitas vezes, com essa frase que profissionais de saúde, movimentos sociais, organizações internacionais e, mais recentemente, entidades governamentais têm reconhecido o papel central dos problemas de saúde mental na atenção à saúde das populações. Durante muito tempo, tais problemas permaneceram negligenciados em estudos e políticas públicas, tendo apenas ultimamente recebido maior destaque, sobretudo após a demonstração do impacto que representam em termos de morbidade em saúde pública.

Dados internacionais apontam que doenças neuropsiquiátricas contribuem independentemente com cerca de 14% da chamada carga global de doenças. Acredita-se que esse número possa representar uma subestimativa, na medida em que ainda são pouco estudadas as relações entre problemas de saúde mental e outros problemas de saúde, apesar de cada vez mais evidentes.1

Ver todos os capítulos
Medium 9788582714959

Capítulo 111. Síncope

Alberto Augusto Alves Rosa; José Luiz Möller Flôres Soares; Elvino Barros Grupo A PDF Criptografado

SÍNCOPE

CAPÍTULO 111

SÍNCOPE

MAURÍCIO NICOLA BRANCHI

MARCELO NICOLA BRANCHI

CONCEITOS ► Síncope é uma síndrome clínica na qual ocorre perda transitória da consciência ocasionada por um período de perfusão cerebral inadequada, resultando em perda do tônus muscular. Normalmente é de curta duração (cerca de 8-10 segundos) e autolimitada.

► A síncope está presente em até 20% da população mundial. Sua incidência aumenta após os 70 anos de idade, sendo mais frequente em pacientes do sexo feminino.

ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS

CLASSIFICAÇÃO ► As síncopes podem classificadas em:

• Síncope vasovagal: é caracterizada por fatores desencadeantes como estresse emocional, dor ou medicamentos. Em geral, é precedida por pródromos (diaforese, náusea, palidez, cansaço), e seu mecanismo envolve hipotensão vasodepressora e/ou bradicardia inapropriada;

• Síndrome do seio carotídeo: síncope reflexa associada à hipersensibilidade do seio carotídeo, a qual é definida por pausa > 3 segundos e/ou queda da pressão arterial (PA) > 50 mmHg durante estimulação do seio carotídeo. É mais frequente em pacientes idosos;

Ver todos os capítulos
Medium 9788582713136

Anexo Z

Elvino Barros Grupo A PDF Criptografado

Zanamivir

Z

Grupo farmacológico. Antiviral, inibidor da neuraminidase.

Nome comercial.

DD Referência. Relenza (GlaxoSmithKline)

Apresentação. Pó, 5 mg, embalagem contendo 5 ro­ta­disk, com 4 doses.

Receituário. Receituário de Controle Especial C, em duas vias (branco) – validade de 5 dias.

Espectro. Vírus da Influenza A e B.

Usos. Tratamento da Influenza não complicada, com dois dias ou menos de sintomas.

Contraindicações. Hipersensibilidade aos componentes da fórmula.

Posologia.

●● Adulto: aplicar2 inalações de 5 mg, 2x/dia, por 5 dias.

Modo de administração.

●● Via inalatória: Spray: agitar bem o spray antes do uso. Não deve ser reconstituído em qualquer formulação líquida.

Esquecimento da dose. Em caso de esquecimento da dose, orientar o paciente a ingerir o medicamento assim que lembrar, mas, se estiver próximo do horário da dose seguinte, pular a dose esquecida e tomar a do horário normal. Não dobrar as doses para compensar a do esquecimento.

Ver todos os capítulos
Medium 9788582713402

Capítulo 1 - Princípios básicos de fisiologia

Robert K. Stoelting; James P. Rathmell; Pamela Flood; Steven Shafer Grupo A PDF Criptografado

PARTE I

Princípios básicos de fisiologia e farmacologia

CAPÍTULO 1

Princípios básicos de fisiologia

Este capítulo revisa os princípios básicos da composição corporal e a estrutura celular.

I. Composição corporal

A. Em um homem adulto, cerca de 60% do peso corporal é composto por água. Em mulheres, aproximadamente 50% do peso é composto por água (refletindo um aumento da gordura corporal em mulheres) e, em recém-nascidos, esta composição é de 70%. (Tabela 1-1).

B. Os líquidos corporais podem ser divididos em intracelular e extracelular, dependendo da sua localização em relação à membrana celular (Fig. 1-1).

1. O líquido intersticial está presente nos espaços entre as células.

2. O plasma está em equilíbrio dinâmico com o líquido intersticial por meio de poros nos capilares; o líquido intersticial funciona como reservatório a partir do qual a água e os eletrólitos podem ser mobilizados para a circulação.

3. A ingestão diária normal de água (bebidas e produção interna pelo metabolismo alimentar) por um adulto é, em média, 2,5 L, dos quais cerca de 1,5 L é excretado na urina, 100 mL é perdido no suor e 100 mL está presente nas fezes.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos