201 capítulos
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788597019452

28 - Ofício

MARTINS, Dileta Silveira; ZILBERKNOP, Lúbia Scliar Grupo Gen PDF Criptografado

28

Ofício

1 CONCEITO

Ofício é um gênero administrativo oficial usado, principalmente, por órgãos de governo e autarquias.

O papel utilizado é o tamanho ofício.

Portugues Instrumental.indb 158

14/12/2018 14:23:39

Ofício

159

Seu esquema gráfico é o seguinte:

TIMBRE

5,5 cm

6,5 cm

10 cm

2,5 cm

N Prot. o

Local/Data

1,5 cm

VOCATIVO

5,0 cm

Parágrafo (texto)

1,5 cm

2,5 cm

Margem (texto)

Fecho

2,0 cm

Assinatura

Nome

Cargo ou função

2,0 cm

End. Destinatário

2,0 cm

1.  Quando se numeram os parágrafos, o primeiro e o fecho não são numerados.

2. �Quanto ao endereçamento, recomenda-se que se coloque apenas o cargo, embora se verifique que, algumas vezes, se coloca também o nome civil do destinatário.

Portugues Instrumental.indb 159

14/12/2018 14:23:40

160

Capítulo 28

3. �Quando o ofício constar de mais de uma folha, o endereço irá ao pé da primeira página.

Ver todos os capítulos
Medium 9788521630821

V

PIMENTA, Reinaldo Grupo Gen PDF Criptografado

V

Vá plantar batatas!

A expressão surgiu em Portugal, na segunda metade do século XIX. Na época, ser operário numa fábrica era um trabalho digno, moderno, que dava prestígio ao trabalhador. Já a agricultura era considerada uma atividade secundária, braçal, para gente desqualificada. Assim, mandar alguém plantar batatas equivalia a remeter o ofendido ao campo para cuidar de tarefas rudimentares.

Vacas gordas, vacas magras

A expressão “no tempo das vacas gordas”, com o sentido de época de fertilidade e abundância, e seu oposto “no tempo das vacas magras” vieram dos tempos bíblicos. Está no Gênese (41).

José, filho de Jacó e de Raquel, desde jovem tinha a mania de interpretar sonhos alheios e os de produção própria. Aos 17 anos, foi vendido pelos irmãos invejosos a mercadores de escravos, que o levaram para o Egito. Lá José, aos 30 anos, ouviu do Faraó o relato de dois sonhos: no primeiro, sete vacas gordas e lustrosas pastavam junto ao Nilo e foram devoradas por sete vacas magras e feias; no segundo, sete espigas, fartas e belas, cresciam na mesma haste e foram devoradas por sete espigas mirradas e feias, nascidas atrás das primeiras (espigas, não vacas, estamos no segundo sonho).

Ver todos os capítulos
Medium 9788521630821

Q

PIMENTA, Reinaldo Grupo Gen PDF Criptografado

Q

4711

4711 é a marca de uma famosa água-de-colônia.

No início do século XIX, o banqueiro Ferdinand Muhlens vive na cidade prussiana (hoje alemã) de Colônia. Ele oferece refúgio a um monge, que, em retribuição, o presenteia com um papel contendo o número 4711 e uma fórmula secreta para fazer uma “Aqua Mirabilis” (água milagrosa), que era um perfume.

O banqueiro gosta da ideia e dá início à produção da primeira e legítima águade-colônia.

Seis anos depois, Napoleão ocupa Colônia. Para os franceses, dominar a Prússia até que não foi difícil, complicado mesmo era entender a grafia da língua local.1

Os soldados franceses vão à fábrica de Muhlens, na rua Glockengasse, e começam a examinar seus papéis, aturdidos naquele mar de palavras inexpugnáveis.

Onde, diabos, Muhlens teria escondido as vogais? Já estão prestes a mandar chamar o compatriota Champollion, que anda ocupado com algo parecido, quando constatam, aliviados, que os números alemães são iguaizinhos aos franceses. Quer dizer, da papelada toda só conseguem mesmo decifrar uma coisa: 4711. Então, escrevem o número com giz no muro da fábrica, como se fosse a identificação do endereço do imóvel: Glockengasse, 4711. Muhlens se inspira nisso para batizar seu perfume.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597019452

60 - Emprego do Infinitivo

MARTINS, Dileta Silveira; ZILBERKNOP, Lúbia Scliar Grupo Gen PDF Criptografado

60

Emprego do infinitivo

1 CONCEITO

O infinitivo é uma das três formas nominais dos verbos. Há dois tipos de infinitivo: o impessoal, que não flexiona, e o pessoal (inexistente na maioria das línguas conhecidas), que flexiona. Exemplos:

Viver é bom. (= infinitivo impessoal)

É interessante leres com atenção. (= infinitivo pessoal)

2 INFINITIVO IMPESSOAL

O infinitivo impessoal é empregado, nas seguintes situações: a) com sujeito idêntico ao do verbo regente, formando uma locução verbal:

Não ousaste encarar teu ofensor. suj.

tu

Costumamos levantar cedo. suj.

nós

Tomaram a resolução de resistir até o fim. suj.

eles

b) com sentido passivo (geralmente, vem depois de um adjetivo + preposição e funciona como complemento nominal):

Esses livros são bons de ler (= de serem lidos).

Portugues Instrumental.indb 403

14/12/2018 14:23:51

404

Capítulo 60

Tais coisas não são fáceis de perceber (= de serem percebidas).

Ver todos os capítulos
Medium 9788522485581

20 Texto Expositivo-Argumentativo

MEDEIROS, João Bosco Grupo Gen PDF Criptografado

20

Texto

Expositivo-Argumentativo

1 Redação

1.1 Conceito de parágrafo argumentativo

Narração, descrição e dissertação são modalidades discursivas que em geral não se apresentam de forma pura. Elementos de uma e outra modalidade misturam-se no texto, podendo-se afirmar que há dominância de uma forma sobre outra. No discurso dissertativo, por exemplo, prevalecem a exposição de ideias e a apresentação de argumentos, mas não significa que nele não haja partes narrativas e descritivas.

Já foi apresentado neste livro que a dissertação é um tipo de discurso que veicula ideias, debates de pontos de vista, defesa de posições ou ataques a elas.

Um parágrafo argumentativo caracteriza-se como aquele em que há exposição de um raciocínio por meio do qual se tira uma consequência. Argumentar é demonstrar ou refutar uma ideia.

Chama-se argumento qualquer espécie de raciocínio formalizado e expresso. O raciocínio tanto pode ser dedutivo, como indutivo.

Ver todos os capítulos
Medium 9788521630821

E

PIMENTA, Reinaldo Grupo Gen PDF Criptografado

E

Eco

Ninfas, na mitologia, eram divindades femininas de segunda classe. Elas não habitavam o Olimpo, viviam no campo, junto às fontes, muito contentinhas. Ninfa veio do latim nympha, do grego nymphē, moça em idade de casar.

Daí ninfomania, que era assim definida pelo dicionário médico Larousse de

1912: “Excitação sexual excessiva na mulher. Tratamento: calmantes, casamento.” E o manual não receitava nada para o pobre e atlético marido.

Outro exemplo é ninfeta, menina que tem ou desperta desejo sexual. Ninfeta se formou de ninfa + -eta, terminação com sentido diminutivo, tal como em vareta.

Voltemos às ninfas. Uma delas se chamava Eco, do grego ekhó, ruído. Eco se apaixonou perdidamente por Narciso, cujo grande amor era ele mesmo e que originou o narcisismo (o cúmulo do narcisismo é o homem, no momento do orgasmo, gritar o próprio nome). Desprezada pelo amado e impossibilitada de eliminar o concorrente, Eco decidiu definhar. E se transformou num rochedo, que apenas servia para repetir os últimos sons das falas humanas.

Ver todos os capítulos
Medium 9788521630821

W

PIMENTA, Reinaldo Grupo Gen PDF Criptografado

W

Wella

A história da fabricante de cosméticos para cabelos começa em 1872, na região de Thuringia, na Alemanha. Um cabeleireiro chamado Franz Ströher decide confeccionar e vender perucas. O negócio prospera e em 1880 ele funda sua empresa.

Depois da Primeira Guerra Mundial, na década de 1920, entra na moda um corte de cabelo feminino, bem curtinho, chamado Bob (no século XVIII, existia uma peruca Bob, bem curta, usada pelos homens que não tinham recursos para comprar perucas longas). Com isso, as perucas saem de moda, mas a fábrica do

Sr. Ströher não fecha as portas e, em 1924, passa a fazer produtos para cabelos.

No mesmo ano, sua marca, Wella, é patenteada na Alemanha.

O nome veio do alemão welle, onda. A logomarca da Wella traz o desenho de uma mulher de perfil, com cabelos longos e ondulados ao vento.

White Horse

O uísque foi vendido pela primeira vez em 1890 na White House Inn, uma taverna em Edimburgo, localizada no beco White Horse, de onde partiam as carruagens que iam para Londres.

Ver todos os capítulos
Medium 9788521630821

P

PIMENTA, Reinaldo Grupo Gen PDF Criptografado

P

Pá – Da pá virada

Pá veio do latim pala, pá.

Da pá virada é a pessoa indisciplinada, degenerada.

A pá emborcada, largada no solo com o lado de depósito da terra virado para baixo, é sinal de vagabundagem, indício de que o dono da pá virada não tem trabalho regular.

Paelha

Do espanhol paella.

No latim patina, tigela, ganhou o diminutivo patella, prato, que originou o francês antigo paele (hoje poêle, frigideira) e o catalão paella, frigideira. Paella ficou sendo especificamente o nome do utensílio de metal (pouco profundo, com duas asas) onde é cozido o arroz à valenciana, que ficou mundialmente conhecido pelo nome do recipiente de seu preparo.

Andou circulando na Internet uma versão falsa para a origem da paelha. Veja que mimo: aos domingos os espanhóis iam caçar e cozinhavam para as mulheres.

Faziam arroz misturado com os frutos da caça ou da pesca. O prato era feito para elas, isto é, paella.

Pagão

Do latim paganu, aldeão, formado de pagus, aldeia (em português, pago é uma pequena povoação).

Ver todos os capítulos
Medium 9788597019452

25 - Informação

MARTINS, Dileta Silveira; ZILBERKNOP, Lúbia Scliar Grupo Gen PDF Criptografado

25

Informação

1 CONCEITO

Informação1 é um esclarecimento prestado por determinado servidor, no exercício de sua função, a respeito de situações reais ou dispositivos legais, contidos em um processo.2

A informação é provocada, respondendo a uma solicitação. Deve conter:

A – Ementa introdução

B – Contexto esclarecimentos

conclusão

C – Fecho

denominação do órgão ou sua abreviatura data assinatura nome do servidor, cargo ou função

1

As informações são apresentadas em itens numerados (algarismos arábicos), desdobrados em alíneas (letras).

2

Após a conclusão e antes da data, pode ser empregada a expressão “À consideração de Vossa Senhoria” ou outra

Quando necessário, pode-se desdobrá-las em capítulos numerados (algarismos romanos). similar.

Portugues Instrumental.indb 150

14/12/2018 14:23:39

Informação

151

2 MODELOS

                            Fls. ............

                            Carimbo

Ver todos os capítulos
Medium 9788597019452

12 - Atestado

MARTINS, Dileta Silveira; ZILBERKNOP, Lúbia Scliar Grupo Gen PDF Criptografado

12

Atestado

1 CONCEITO

Atestado é o documento assinado por uma pessoa a favor de outra, afirmando ser verdadeiro determinado fato.

As repartições públicas, em razão de sua natureza, fornecem atestados e não declarações.

O atestado difere da certidão: enquanto esta prova fatos permanentes, aquele se refere a fatos transitórios.

2 MODELOS

ATESTADO

ATESTO, a pedido da parte interessada, que João dos Santos, no presente momento, goza de sanidade física e mental.

Porto Alegre, 14 de agosto de 2018.

Fulano de Tal

Médico

ATESTADO

Para os fins de direito, atestamos que Paulo Oliveira foi aluno deste estabelecimento de ensino, nos anos de 1997 e 1998, não tendo praticado nenhum ato desabonatório à sua conduta.

   Porto Alegre, 6 de agosto de 2018.

                      Fulano de Tal

                      Diretor

Portugues Instrumental.indb 106

14/12/2018 14:23:37

Atestado

107

Ver todos os capítulos
Medium 9788597019452

3 - Frase e sua Estrutura

MARTINS, Dileta Silveira; ZILBERKNOP, Lúbia Scliar Grupo Gen PDF Criptografado

3

Frase e sua estrutura

1 ESTRUTURA FRASAL

Num texto descritivo, narrativo, argumentativo, expositivo ou injuntivo, a estrutura frasal

é um ponto-chave. Redatores experientes ocupam-se de monitorar suas frases, particularmente, verificando a completude delas, a clareza, a concisão e a harmonia (ver Seções 2.3 e 2.4 do

Capítulo 2).

2 CONCEITO DE FRASE

Frase é “todo enunciado suficiente por si mesmo para estabelecer comunicação”, afirma

Garcia (1980, p. 6). Há frases que são constituídas apenas por uma palavra, como: Socorro! Depressa!, Entrada, Saída, Silêncio! Outras possuem mais de uma palavra: Quem o feio ama, bonito lhe parece. Ela foi ao cinema com a mãe.

3 ORAÇÃO

A oração encerra uma frase (ou segmento de frase), várias frases ou um período, completando um pensamento e concluindo o enunciado através de ponto final, interrogação, exclamação e, em alguns casos, através de reticências.

4 TIPOS DE FRASE

Tradicionalmente, as frases são classificadas da seguinte forma:

Ver todos os capítulos
Medium 9788597019452

12 - Atestado

MARTINS, Dileta Silveira; ZILBERKNOP, Lúbia Scliar Grupo Gen PDF Criptografado

12

Atestado

1 CONCEITO

Atestado é o documento assinado por uma pessoa a favor de outra, afirmando ser verdadeiro determinado fato.

As repartições públicas, em razão de sua natureza, fornecem atestados e não declarações.

O atestado difere da certidão: enquanto esta prova fatos permanentes, aquele se refere a fatos transitórios.

2 MODELOS

ATESTADO

ATESTO, a pedido da parte interessada, que João dos Santos, no presente momento, goza de sanidade física e mental.

Porto Alegre, 14 de agosto de 2018.

Fulano de Tal

Médico

ATESTADO

Para os fins de direito, atestamos que Paulo Oliveira foi aluno deste estabelecimento de ensino, nos anos de 1997 e 1998, não tendo praticado nenhum ato desabonatório à sua conduta.

   Porto Alegre, 6 de agosto de 2018.

                      Fulano de Tal

                      Diretor

Portugues Instrumental.indb 106

14/12/2018 14:23:37

Atestado

107

Ver todos os capítulos
Medium 9788521630821

B

PIMENTA, Reinaldo Grupo Gen PDF Criptografado

B

Babaca

No latim, balbu significava gago e originou o verbo balbutiare (gaguejar, falar obscuramente). Em português, balbutiare deu balbuciar e balbu virou bobo, porque uma das gracinhas que os bobos da corte faziam era imitar gago. Antigamente os bobos da corte se destacavam por sua indumentária. Atualmente muitos trajam de terno e gravata e não gaguejam, o que dificulta sua identificação imediata.

De bobo veio boboca, com a terminação pejorativa -oca (como em engenhoca, fanzoca).

“Babaca” é uma forma variante de “boboca”.

Babau!

Há três versões para a origem da interjeição indicativa de coisa perdida para sempre, o leitor escolhe:

1. É uma onomatopeia (palavra imitativa de som, como tique-taque, zunzum...);

2. Veio do quimbundo (língua africana) babau, que significa “foi-se”.

3. Veio de baba, com o argumento de que a exclamação é frequentemente acompanhada do gesto de passar as costas da mão do pescoço ao queixo e estendê-la aberta em frente ao rosto, indicando que a pessoa babou e não comeu.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597019452

57 - Pontuação Gráfica

MARTINS, Dileta Silveira; ZILBERKNOP, Lúbia Scliar Grupo Gen PDF Criptografado

57

Pontuação gráfica

1 INTRODUÇÃO

Pontuação é o conjunto de sinais que representam, na língua escrita, as pausas e a entonação da língua falada. Esse conjunto de sinais serve também para organizar as relações das partes do discurso.

A ausência de pontuação em um texto pode servir à criação de efeito de sentido especial.

Entre os exemplos, podemos citar o poema a “Rosa de Hiroxima”, de Vinicius de Moraes, em que o único sinal de pontuação é um ponto final no último verso (Disponível em: http://www.viniciusdemoraes.com.br/pt-br/poesia/poesias-avulsas/rosa-de-hiroxima. Acesso em: 13 dez. 2017).

Iniciemos nosso estudo sobre pontuação com a leitura de uma crônica.

A VIDA ENTRE PARÊNTESES

Leitor pergunta por que uso tantos parênteses nas minhas crônicas (leitores inteligentes conseguem descobrir no texto particularidades significativas). A pergunta me fez pensar

(não chega a ser um evento raro na minha existência, mas pensar entre parênteses não era algo que eu fizesse com frequência). E então me dei conta de que os sinais gráficos, mais que as letras (por muito importantes que estas sejam), veiculam emoções. Quanta emoção numa exclamação! E pode haver dúvida maior que a do ponto de interrogação? Sobre isto sempre somos reticentes... Mas temos que admitir que certos sinais, como, por exemplo, a vírgula, esta pequenina serpente que, de espaço em espaço, atravessa o caminho, sempre acidentado, de nossa frase, é uma evidência, não muito clara, decerto, mas evidência, sim, de nossa indecisão.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597019452

61 - Dificuldades Frequentes na Língua Portuguesa

MARTINS, Dileta Silveira; ZILBERKNOP, Lúbia Scliar Grupo Gen PDF Criptografado

61

Dificuldades frequentes na língua portuguesa

1 INTRODUÇÃO

Verificaremos, neste capítulo, dúvidas que ocorrem, no dia a dia, em relação ao português brasileiro na escrita.

2 A FIM OU AFIM?

Escrevemos afim, quando queremos dizer semelhante. Exemplo:

O gosto dela era afim ao da turma.

Escrevemos a fim (de), quando queremos indicar finalidade. Exemplo:

Veio a fim de conhecer os parentes.

Pensemos bastante, a fim de que respondamos certo.

Ela não está a fim do rapaz.

3 A PAR OU AO PAR?

A expressão ao par significa sem ágio no câmbio, pelo valor nominal. Portanto, se quisermos utilizar esse tipo de expressão, significando ciente, deveremos escrever a par. Exemplos:

As ações foram cotadas ao par.

Fiquei a par do ocorrido.

Maria não está a par do assunto.

4 A CERCA DE, ACERCA DE OU HÁ CERCA DE?

A cerca de significa a uma distância. Exemplo:

Portugues Instrumental.indb 408

14/12/2018 14:23:52

Ver todos os capítulos

Carregar mais