100 capítulos
Medium 9788565848701

Capítulo 2 - Aquisição da habilidade de leitura de palavras e sua influência na pronúncia e na aprendizagem do vocabulário

Maria Regina Maluf, Cláudia Cardoso-Martins Grupo A PDF Criptografado

Aquisição da habilidade de leitura de palavras e sua influência na pronúncia e na aprendizagem do vocabulário1

2

Linnea C. Ehri

Um dos grandes mistérios que desafia os pesquisadores é como as pessoas aprendem a ler e a compreender textos com facilidade e rapidez. Quando as pessoas leem um texto, suas mentes se enchem de ideias. A rota para estas ideias se dá através das palavras escritas individuais. Estudos sobre o movimento dos olhos durante a leitura mostram que, quando os leitores leem um texto, seus olhos recaem em praticamente todas as palavras (Rayner; Pollatsek, 1989). As palavras são unidades muito confiáveis para os olhos dos leitores processarem, porque são sempre escritas da mesma forma. Em contraste, as correspondências letra-som podem variar, especialmente em inglês. O mesmo som pode ser escrito de mais de uma maneira, e uma mesma letra pode simbolizar mais do que um som. E mais: palavras escritas ativam significados, enquanto letras isoladas, não. Isso indica que as palavras são a unidade básica que os olhos dos leitores captam e processam para construir significado a partir do texto. A chave para entender como a habilidade de leitura se desenvolve consiste em compreender como os leitores iniciantes aprendem a reconhecer palavras escritas automaticamente e com precisão (Ehri, 1980,

Ver todos os capítulos
Medium 9788565848954

Capítulo 11 - Por favor, desenha-me um futuro

José Morais Grupo A PDF Criptografado

11

Por favor, desenha-me um futuro

Vocês, estudantes, são vítimas da proletarização, no duplo sentido de que o acesso que poderiam ter aos meios de trabalho depende dos interesses do neocapitalismo e de que o controle sobre as condições em que poderiam trabalhar lhes escapa. São lançados numa competição que não é emulação, mas concorrência fratricida, e canalizados por uma exigência de sobre-especialização que tolhe a criatividade que demonstram ter.

Numa palavra, vocês são futuros trabalhadores intelectuais proletarizados

(MANDEL, 1979).

O conhecimento, que era bem comum, tornou-se bem privado, porque o trabalho intelectual passou a ter um preço na economia de mercado. No entanto, o seu produto tem caraterísticas especiais: partilha-se sem se dividir; quem tem uma ideia pode dá-la a milhões de pessoas sem perdê-la, ou ter de cortá-la em pedaços; e não se consome, pelo contrário, uma ideia conduz a outras. Imaginemos que os gregos tivessem patenteado o alfabeto. O resto do mundo teria pago a eles x euros por utilização, e hoje essa soma faria muito mais do que a dívida pública da Grécia! Mas o capitalismo não conhece a gratidão histórica.

Ver todos os capítulos
Medium 9788584290345

Capítulo 12. Orações subordinadas adjetivas: período composto por subordinação

Roberta Adalgisa de Azevedo Grupo A PDF Criptografado

12

Orações subordinadas adjetivas: período composto por subordinação

Azevedo_Cap_12.indd 153

29/04/2015 16:45:39

12

>> ORAÇÕES SUBORDINADAS ADJETIVAS: restritivas e explicativas.

Azevedo_Cap_12.indd 154

29/04/2015 16:45:39

ORAÇÕES SUBORDINADAS ADJETIVAS: PERÍODO COMPOSTO POR SUBORDINAÇÃO

155

As orações subordinadas adjetivas podem ser classificadas, de acordo com seu sentido, em adjetivas restritivas ou adjetivas explicativas.

ORAÇÕES SUBORDINADAS ADJETIVAS RESTRITIVAS

Referem-se a um termo restringindo o seu significado, particularizando-o.

Fonte: Conectado com a Língua Portuguesa (2014).

Na propaganda acima, a oração “que você joga na rua” restringe, particulariza, deixando claro que não é todo lixo que volta para dentro de sua casa, apenas aquele jogado na rua.

ORAÇÕES SUBORDINADAS ADJETIVAS EXPLICATIVAS

Têm a função de acrescentar alguma explicação ou informação suplementar a um termo já definido e delimitado.

Ver todos os capítulos
Medium 9788584290345

Capítulo 9. Orações coordenadas: período composto por coordenação

Roberta Adalgisa de Azevedo Grupo A PDF Criptografado

9

Orações coordenadas: período composto por coordenação

Azevedo_Cap_09.indd 131

29/04/2015 16:40:39

9

>> A independência das COORDENAÇÃO.

>> ORAÇÕES COORDENADAS SINDÉTICAS: adversativas, aditivas, alconclusivas explicativas.

>> ternativas,

O que é o novo

ACORDOe ORTOGRÁFICO.

ORAÇÕESdas

COORDENADAS

ASSINDÉTICAS.

>> Exemplos

NOVAS REGRAS: alfabeto, trema, acentuação e hífen.

Azevedo_Cap_09.indd 132

29/04/2015 16:40:40

ORAÇÕES COORDENADAS: PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO

133

A INDEPENDÊNCIA DAS RELAÇÕES DE COORDENAÇÃO

JOSÉ

E agora, José?

A festa acabou, a luz apagou, o povo sumiu, a noite esfriou, e agora, José? e agora, Você?

Você que é sem nome, que zomba dos outros,

Você que faz versos, que ama, protesta? e agora, José?

Fonte: Drummond (1978).

Ao lermos o fragmento do poema acima podemos notar que os versos em destaque apresentam autonomia, ou seja, independência sintática dos termos coordenados, que se relacionam a partir de uma ordenação sequencial. Assim, podemos dizer que os períodos desses versos se ligam por meio de uma relação de coordenação, já que nenhuma das orações funciona como termo de qualquer uma das outras orações.

Ver todos os capítulos
Medium 9788565848930

Capítulo 8 - Reflexões finais

Terezinha Nunes, Peter Bryant Grupo A PDF Criptografado

8

Reflexões finais

A pesquisa e o ensino da alfabetização no Brasil, como em outros países, passaram por grandes mudanças nas três ou quatro últimas décadas. Até então, o ensino da leitura e escrita era feito principalmente com base nos conhecimentos adquiridos na prática, não havendo muitas pesquisas que pudessem embasar o desenvolvimento e a avaliação das diferentes abordagens. O método silábico, o global e o fonêmico desenvolveram-se predominantemente, por um lado, a partir das experiências dos educadores e, por outro, a partir de análises teóricas ainda não validadas por meio de investigações empíricas.

Esse quadro mudou radicalmente desde então. Há, hoje, um volume enorme de pesquisas sobre os processos envolvidos na aprendizagem da leitura e da escrita. No Brasil, os trabalhos de Ferreiro e Teberosky (1983) tiveram grande influência na revisão das ideias e práticas relacionadas à alfabetização. Vários grupos de pesquisa trabalhando em universidades brasileiras e centros de pesquisa em diversas partes do país, como em Pernambuco, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e Rio Grande do Sul, também tiveram grande influência sobre a mudança de atitude que ocorreu nos últimos anos e que colocou a pesquisa no centro das considerações sobre como a escola deve promover os processos de alfabetização.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos