7 capítulos
Medium 9788580550771

1. Técnicas de Condicionamento

William E. Prentice Grupo A PDF Criptografado

1

Técnicas de Condicionamento

■ Objetivos

Ao terminar este capítulo, você deverá ser capaz de

• Examinar os papéis do fisioterapeuta esportivo e do preparador físico na garantia da boa forma física do atleta.

• Identificar os princípios do condicionamento.

• Defender a importância dos períodos de aquecimento e de resfriamento.

• Avaliar a importância da força, da flexibilidade e da resistência cardiorrespiratória tanto para o desempenho atlético quanto para a prevenção de lesões.

■ Sumário

A relação entre os fisioterapeutas esportivos e os preparadores físicos 23

• Analisar técnicas e princípios específicos para melhorar a resistência cardiorrespiratória, a força muscular e a flexibilidade.

• Discutir os testes de aptidão física e identificar testes específicos para avaliar os vários parâmetros desta.

• Aplicar o conceito de periodização e identificar os vários períodos do treinamento em cada fase.

■ Palavras-chave princípio AEDI

exercício isotônico

Princípios do condicionamento 23

resistência cardiorrespiratória

Ver todos os capítulos
Medium 9788520427033

10. Estresse, exercício físico e o uso de técnicas de meditação e relaxamento

VAISBERG, Mauro; MELLO, Marco Túlio de Editora Manole PDF Criptografado

capítulo

10

Estresse, exercício físico e o uso de técnicas de meditação e relaxamento

Elisa Har umi Kozasa

Marcia Mar tins

Mauro Vaisberg

estresse

Em 1936, o pesquisador Hans Selye publicou um artigo em que descrevia a síndrome geral de adaptação biológica (SGA), que consistia em uma resposta padrão do organismo quando o animal era confrontado com um estímulo nocivo. Inicialmente, observou-se que animais de laboratório nos quais eram injetadas diversas substâncias apresentavam sempre a mesma resposta: engrossamento do córtex das glândulas supra-renais, atrofia de órgãos do sistema imunológico e úlceras gástricas e duodenais.1

Elucidou-se depois que essas alterações ocorriam em resposta a muitos outros estímulos, como agentes físicos (frio ou calor excessivo), traumas mecânicos, hemorragia, dor, atividade física forçada ou restrição de movimento, além de estímulos psicossociais.1

A síndrome geral de adaptação é constituída de três fases:

Ver todos os capítulos
Medium 9788527730594

5 - Prevenção de Acidentes

CHIRMICI, Anderson; OLIVEIRA, Eduardo Augusto Rocha de Grupo Gen PDF Criptografado

5

Prevenção de

Acidentes

Chirmici 05.indd 127

29/08/16 09:41

128  Introdução à Segurança e Saúde no Trabalho

Conceitos

A respeito de acidentes de trabalho, iniciaremos o assunto por meio de um breve contexto histórico.

Durante o século 19, os acidentes de trabalho eram considerados acontecimentos inesperados e traumáticos, quase decorrentes de uma obra do destino dentro do ambiente de trabalho e o trabalhador, carregava a culpa pelo acidente que ele próprio sofrera.

No Brasil, o conceito de acidente do trabalho é definido pela Lei no

8.213/1991, que dispõe sobre os planos de benefícios da Previdência Social.

Em seu Art. 19, define acidente de trabalho da seguinte maneira:

Acidente de trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço de empresa ou de empregador doméstico ou pelo exercício do trabalho dos segurados referidos no inciso VII do art. 11 desta Lei, provocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause a morte ou a perda ou redução, permanente ou temporária, da capacidade para o trabalho.

Ver todos os capítulos
Medium 9788527730594

Apêndice | Código de Ética dos Técnicos de Segurança do Trabalho

CHIRMICI, Anderson; OLIVEIRA, Eduardo Augusto Rocha de Grupo Gen PDF Criptografado

Apêndice | Código de Ética dos Técnicos de Segurança do Trabalho

Chirmici 07.indd 165

29/08/16 09:57

166  Introdução à Segurança e Saúde no Trabalho

O código de ética foi elaborado pela Federação Nacional dos Técnicos de

Segurança do Trabalho (Fenatest). O texto a seguir foi retirado na íntegra do site da Fenatest.

CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO

Considerando a intensificação do relacionamento do profissional na área da segurança do trabalho, sendo imperativo para a disciplina profissional, resolve adotar o código de ética do técnico em segurança do trabalho, elaborada pelos integrantes da Comissão de Ética e instituições representativas da categoria dos técnicos de segurança do trabalho, como indicativo provisório até a regulamentação do Conselho Federal dos Técnicos de Segurança do Trabalho. cc

Resolve

Art. 01 – Fica aprovado o anexo código de ética profissional do técnico de segurança do trabalho.

Art. 02 – A presente Resolução entra em vigor na data de sua aprovação.

Ver todos os capítulos
Medium 9788527730594

4 - Legislação de Segurança e Saúde no Trabalho

CHIRMICI, Anderson; OLIVEIRA, Eduardo Augusto Rocha de Grupo Gen PDF Criptografado

4

Legislação de

Segurança e Saúde no Trabalho

Chirmici 04.indd 67

14/09/16 14:41

68  Introdução à Segurança e Saúde no Trabalho

Visão geral das normas regulamentadoras

As Normas Regulamentadoras (NR) são as normas mais conhecidas e utilizadas pela área de segurança e saúde no trabalho. São obrigatórias para empresas públicas e privadas, para órgãos públicos da administração direta e indireta, para órgãos dos Poderes Legislativo e Judiciário, e para todas as empresas que tenham empregados regidos pela Consolidação das Leis do

Trabalho (CLT). O não cumprimento dessas regulamentações pode acarretar a aplicação de penalidades previstas na legislação, como multas, embargo e interdição.

Essas normas surgiram inicialmente com a Lei no 6.514, de 1977, que definiu o texto dos artigos 154 a 201 da CLT relacionados com segurança e saúde no trabalho. O artigo no 200 da CLT diz que é de responsabilidade do

Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) estabelecer as disposições complementares às normas relativas a segurança e medicina do trabalho. Com isso, em junho de 1978, o MTE aprovou a portaria no 3.214, que regulamentou as NRs específicas na área.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos