247 capítulos
Medium 9788536529783

Praticando

Simone Pires de Matos Editora Saraiva PDF Criptografado

PRATICANDO

1. A análise sensorial é importante para o bom desenvolvimento de produtos alimentícios. Cite algumas técnicas usadas para a realização dessas análises.

2. Cite qual teste é realizado por avaliadores para identificar igualdade nas amostras.

?

DESAFIO

Uma empresa desenvolveu um novo tipo de alimento. Porém, ao lançá-lo no mercado, não tiveram a aceitação esperada. Assim, julgaram ser prudente continuar a fabricação desse alimento. Por esse motivo, a empresa decidiu investigar o que poderia ter acontecido de errado. Durante a investigação, o responsável descobriu que foram feitos todos os testes físico-químicos necessários para o controle de qualidade do alimento, mas, por economia, não foram feitos os testes sensoriais.

Com base nas informações do caso apresentado, discuta o que pode ter atrapalhado a aceitação do produto. Uma empresa desenvolveu um novo tipo de alimento, porém, quando lançaram esse alimento no mercado, viram que não foi muito aceitável pelo seu público, não teve o índice de aceitação necessária para continuar a fabricação desse alimento. Por esse motivo, a empresa decidiu investigar o que pode ter acontecido para que o alimento não saísse como o esperado. Foram feitos diversos tipos de testes nesse alimento, teste físico-químicos, mas não foram feitos os testes sensoriais para economia de custos.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536529783

7.4 Cirurgias plásticas estéticas

Simone Pires de Matos Editora Saraiva PDF Criptografado

k.

Coiloníquia: unhas côncavas, finas e com bordas evertidas, semelhantes a uma colher. l. Onicorrexe: presença de estrias longitudinais na lâmina ungueal. Bastante comum em idosos.

São diversas as afecções que acometem as unhas e suas causas são multifatoriais, fazendo-se necessário um exame clínico para chegar a um real diagnóstico. É preciso lembrar que diversas dessas afecções podem estar associadas à má alimentação.

7.4 Cirurgias plásticas estéticas

A cirurgia plástica é um procedimento que, na Medicina, foi desenvolvido a partir da contribuição múltipla de diversos setores cirúrgicos, utilizando recursos que vão desde a intervenção ortopédica e seus conhecimentos sobre traumas e decorrências, até circulação das práticas vasculares, da dermatologia e sua amplitude sobre a diversidade de tecidos e sua fisiologia. O cirurgião plástico costuma ser amplamente conhecedor de diversas técnicas de Medicina aprimoradas ao longo dos anos.

O propósito das cirurgias plásticas estéticas é aperfeiçoar a beleza do corpo humano, somando melhorias funcionais e reconhecimento da identidade corporal. O

Ver todos os capítulos
Medium 9788520456880

14. Vitamina B6

Celso Cukier, Vanessa Cukier Editora Manole PDF Criptografado

14

Vitamina B6

Ana Clara Barreto Marini

Bruna Melo Giglio

Renata Costa Fernandes

Gustavo Duarte Pimentel

INTRODUÇÃO

A vitamina B6 foi identificada na década de 1930, quando Gyorgy observou a sua capacidade de solucionar dermatite acrodinia em ratos, e no ano de

1937 foi proposto o termo vitamina B6. A princípio, a vitamina B6 era inteiramente piridoxina; mais tarde Snell observou a existência de três formas estruturais derivadas da piridina que diferem entre si pelo grupo funcional ligado ao anel. São elas: piridoxina, piridoxal e piridoxamina (Figura 1) (Gyorgy e

Eckardt, 1940).

Essas estruturas, quando fosforiladas na posição cinco, apresentam funções bioativas, como o piridoxal-5-fosfato (PLP) e a piridoxamina-5-fosfato (PMP)

(Figura 1). O PLP é a configuração primária de reações biológicas. A vitamina

B6 é considerada cofator para uma grande quantidade de enzimas que catalisam reações de transaminases, descarboxilases e sintetases, entre outras, que estão envolvidas no metabolismo de carboidratos, na biossíntese e degradação de lipídios, no metabolismo de aminoácidos, na biossíntese de hemoglobina, de neurotransmissores e em várias vias metabólicas importantes (Galluzzi et al., 2013).

Ver todos os capítulos
Medium 9788582713891

Capítulo 8 - Destreinamento

Steven J. Fleck, William J. Kraemer Grupo A PDF Criptografado

8

Destreinamento

Após o estudo deste capítulo, você deverá ser capaz de:

1. descrever as circunstâncias sob as quais ocorre o destreinamento;

2. descrever a linha de tempo característica da perda da capacidade física durante o destrei­na­mento;

3. discutir os mecanismos fisiológicos resultantes do destreinamento;

4. discutir os efeitos do destreinamento na temporada em diferentes esportes, e os fatores que afetam o destreinamento durante a temporada;

5. discutir por que o destreinamento, no final de uma carreira, é importante para um atleta musculoso; e

6. recomendar práticas de treinamento para um atleta musculoso após encerrar sua carreira.

A definição clássica de destreinamento é “a interrupção

dos exercícios de treinamento”. Entretanto, o destreinamento também pode ocorrer com o planejamento da interrupção, como num programa de treino periodizado, ou sem o planejamento da interrupção, em consequência de uma lesão, redução do volume ou da intensidade de treinamento. O destreinamento é um processo de descondicionamento físico que acontece quando o treino é diminuído ou cessado por completo, e pode influenciar o desempenho em função da diminuição da capacidade fisiológica. Sempre que acontecem diminuições na capacidade de força e potência, ou quando a massa muscular é perdida, pode ter acontecido algum tipo de destreinamento. Ele pode se dar após várias semanas ou ao longo de vários anos, em consequência de ausência de treinamento, do envelhecimento ou término da carreira de um atleta.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536529783

3.3 Instrumentos para o controle higiênico sanitário

Simone Pires de Matos Editora Saraiva PDF Criptografado

embalagem e reembalagem, fracionamento, comercialização e uso de alimentos, incluindo águas minerais, águas e fontes e bebidas, aditivos e embalagens para alimentos. A portaria estabelece normas para:

• edificações e instalações;

• equipamentos, móveis e utensílios;

• higienização das instalações, equipamentos, móveis e utensílios;

• recebimento, armazenamento, pré-preparo, preparo e transporte de alimentos;

• embalagem e rotulagem de alimentos;

• distribuição, exposição para venda e consumo;

• abastecimento de água;

• controle integrado de pragas;

• resíduos;

• higiene pessoal, controle de saúde e capacitação de colaboradores;

• responsabilidade técnica;

• documentação.

3.3 Instrumentos para o controle higiênico sanitário

Com o aumento do consumo de alimentos fora de casa, as empresas do segmento de alimentos e bebidas devem proporcionar aos consumidores, de forma ética e responsável, uma alimentação ou serviço de extrema qualidade sensorial e higiênica, ofertando alimentos seguros e com qualidade.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos