497 capítulos
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788520440018

10. Articulação do tornozelo e do pé

STAUGAARD-JONES, Jo Ann  Editora Manole PDF Criptografado

Articulação do tornozelo e do pé

10

A construção da articulação do tornozelo/pé é a mais intrigante.

Os 26 ossos (7 tarsais, 5 metatarsais e 14 falanges), os 19 grandes músculos, muitos pequenos músculos intrínsecos da planta do pé e mais de 100 ligamentos compõem a estrutura principal de cada articulação do tornozelo e do pé.

A transferência de peso da tíbia para o tálus e então para o calcâneo (osso do calcanhar) é um incrível ato de equilíbrio em que se recebe o peso de todo o corpo e, em seguida, impulsiona-o adiante para o restante do pé.

Cap. 10ok.indd 177

13/8/15 11:23 AM

178

Exercício e movimento: abordagem anatômica

ARTICULAÇÃO DO TORNOZELO E DO PÉ

Articulações e ações da articulação do tornozelo e do pé

A articulação superior do tornozelo é o ponto de articulação entre a tíbia, a fíbula e o tálus.

Eles se encaixam firmemente; é uma articulação do tipo gínglimo, em que ocorrem as ações de flexão plantar e flexão dorsal. A articulação inferior, ou distal, do tornozelo é uma combinação das articulações talocalcânea e transversa do tarso. Os sete ossos tarsais estão localizados nessa área, e há diversos movimentos entre as várias articulações. A autora prefere simplificar as ações articulares da área utilizando os termos“pronação”e“supinação”(ver página 179).

Ver todos os capítulos
Medium 9788520431665

10. AS CIRURGIAS NEONATAIS

DEUTSCH, Alice D'Agostini; DORNAUS, Maria Fernanda P. S.; WAKSMAN, Renata Dejtiar Editora Manole PDF Criptografado

AS CIRURGIAS

NEONATAIS

Em função da maior vulnerabilidade dos prematuros a acometimen‑ tos, complicações e processos que afetam sua saúde, eles podem ne‑ cessitar de cirurgias para o tratamento de sua intercorrência. Neste capítulo, são apresentadas algumas cirurgias mais comuns realizadas em prematuros. O esclarecimento de qualquer dúvida pertinente à saúde do bebê deve ser feito diretamente com o médico ou a equipe que o estiver acompanhando.

DRENAGEM DE TÓRAX

O pulmão

O pulmão é o principal órgão do sistema respiratório, sendo respon‑ sável pelas trocas gasosas entre o meio ambiente e o sangue. É com‑ posto de brônquios, os quais se dividem em bronquíolos e alvéolos pulmonares. Os alvéolos são estruturas saculares localizadas no fi‑ nal de cada bronquíolo, e estão em contato com os capilares (vasi‑

199

nhos) pulmonares, por onde flui o sangue não oxigenado. É aí que ocorrem as trocas gasosas, com a entrada de oxigênio e a saída de gás carbônico.

Ver todos os capítulos
Medium 9788580550771

10. Avaliação da Lesão Fora do Campo

William E. Prentice Grupo A PDF Criptografado

10

Avaliação da Lesão Fora do Campo

■ Objetivos

Ao terminar este capítulo, você deverá ser capaz de

• Discutir sobre a importância do fisioterapeuta esportivo na determinação de um diagnóstico clínico preciso.

• Revisar a terminologia usada na avaliação de lesões.

• Aplicar o esquema de avaliação fora do campo

HOPTE.

• Organizar o processo de registro dos resultados da avaliação fora do campo ou progressiva.

■ Sumário

• Reconhecer as técnicas de diagnóstico adicionais que podem ser colocadas à disposição do fisioterapeuta esportivo pelo médico da equipe.

• Discutir como se pode realizar uma avaliação de risco ergonômico para reduzir lesões relacionadas ao local de trabalho.

■ Palavras-chave

Diagnóstico e avaliação clínica 277

biomecânica

sequela

Conhecimentos básicos 277

patomecânica

síndrome

Avaliações do progresso 289

etiologia

Como registrar a avaliação da lesão 291

mecanismo

amplitude de movimento ativa

Notas SOAP 291

patologia

Exames e testes diagnósticos adicionais usados pelo médico 292

sintomas clínicos

Avaliação de risco ergonômico 297

Ver todos os capítulos
Medium 9788563308658

10 Fármacos Antiarrítmicos

Peter C. Panus, Erin E. Jobst, Suzanne L. Tinsley, Susan B. Masters, Anthony J. Trevor, Bertram Katzung Grupo A PDF Criptografado

10

Fármacos Antiarrítmicos

As arritmias cardíacas reduzem o débito cardíaco e ocorrem comumente na presença de doença cardíaca preexistente; são a causa mais comum de morte em pacientes que sofreram um infarto do miocárdio, e mais de 80% dos pacientes com infarto agudo do miocárdio apresentam arritmias. As arritmias cardíacas também ocorrem em até 25% dos pacientes tratados com digitálicos e 50% dos pacientes anestesiados. Os pacientes com desequilíbrio eletrolítico igualmente apresentam arritmias, sendo os diuréticos fontes importantes de tais desequilíbrios. As arritmias podem exigir tratamento por causa dos ritmos muito rápidos, muito lentos ou dessincronizados. Algumas arritmias podem precipitar distúrbios de ritmo mais graves ou até letais. Por exemplo, as contrações ventriculares prematuras (PVC) podem precipitar a fibrilação ventricular, fatal se não corrigida imediatamente. Em tais pacientes, os fármacos antiarrítmicos podem salvar vidas. Por outro lado, o tratamento farmacológico das arritmias assintomáticas ou pouco sintomáticas deve ser evitado até que seja clinicamente necessário por causa da capacidade de muitos dos referidos fármacos induzirem a arritmias letais.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520429044

10. Lifting 3D do busto

MEYER, Sophie Editora Manole PDF Criptografado

10

Lifting 3D

do busto

T�cnicas de massagem

Esse protocolo manual singular praticado ao nível do busto é oriundo do Japão. A massagem foi denominada lifting em três dimensões, ou lifting 3D, porque seu objetivo principal é o rejuvenescimento e a tonificação do busto e, sobretudo, porque ela também é executada nas costas e nos ombros. De fato, essa técnica tão interessante melhora de modo considerável a postura da cliente. Após uma sessão de lifting 3D, ela ficará muito mais ereta, seus ombros ficarão mais relaxados e baixos, seu pescoço parecerá mais projetado e seu busto mais firme e elevado, conferindo-lhe uma atitude visivelmente rejuvenescida e muito mais altiva.

O PRINCÍPIO DO LIFTING 3D

Fala-se em lifting em três dimensões porque as mãos do profissional trabalham em três dimensões e o resultado obtido também é em três dimensões.

A massagem do busto também é executada ao nível das costas, pois a coluna vertebral, assim como todos os músculos que a entornam, representa de fato um verdadeiro sistema de sustentação para o esqueleto humano. Dessa maneira, o lifting 3D irá melhorar de forma considerável a postura da cliente, seu tórax parecerá muito mais tônico e nitidamente mais alto.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520429037

10. Massagem ayurvédica desintoxicante a quatro mãos

MEYER, Sophie Editora Manole PDF Criptografado

10

Massagem

ayurvédica desintoxicante a quatro mãos

T�cnicas de massagem

Ao ser iniciado à massagem ayurvédica desintoxicante a quatro mãos, você viajará até a Índia. Neste país, a massagem é uma verdadeira arte de viver, mas também uma ciência fundamental e muito antiga. A Ayurveda (ciência da energia vital) ocupa-se do indivíduo, do seu bem-estar e de seu crescimento, e não da doença. A massagem ensinada pela Ayurveda visa purificar o corpo, facilitar a circulação das energias e eliminar os bloqueios, as tensões e as fadigas.

Essa massagem com farinha de grão-de-bico também é denominada Udvartana. Ela é ao mesmo tempo uma esfoliação e uma massagem, e é realizada de preferência a quatro mãos para obter um melhor reequilíbrio energético. Ela limpa a pele de modo profundo e é indicada particularmente para os indivíduos com problemas de peso. Esta terapia deve ser aconselhada sobretudo em janeiro, após os abusos das festas de fim de ano, ou no retorno de férias, se uma alteração do regime alimentar tiver provocado pequenas perturbações.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520430620

10. Planejamento dietético na adolescência

PHILIPPI, Sonia Tucunduva; AQUINO, Rita de Cássia de Editora Manole PDF Criptografado

10

PLANEJAMENTO DIETÉTICO

NA ADOLESCÊNCIA

Cláudia Riedel Juzwiak

Maria Fernanda Frutuoso

!S

UMÁRIO

Introdução, 281

Crescimento e maturação sexual, 281

Necessidades e recomendações nutricionais, 283

10 passos para a alimentação saudável para adolescentes, 287

Gravidez na adolescência, 291

Nutrição e exercício na adolescência, 292

Aquisição de massa óssea, 293

Obesidade na adolescência, 295

Considerações finais, 295

Referências, 296

Anexo, 301

PLANEJAMENTO DIETÉTICO NA ADOLESCÊNCIA

281

INTRODUÇÃO

A adolescência representa um período único e crítico do desenvolvimento humano. Compreendida entre os 10 e os 19 anos completos de idade, caracteriza-se por alterações biopsicossociais importantes para a saúde atual e futura dos adolescentes. Nessa faixa etária ocorre a puberdade, caracterizada pelo aparecimento dos sinais sexuais secundários.

Ocorre também o pico de velocidade do crescimento (estirão), o desenvolvimento cognitivo e emocional e as mudanças morfológicas e fisiológicas que se aproximam ao estado adulto (WHO, 1995, 2012; Unicef,

Ver todos os capítulos
Medium 9788520435342

10. Posturas em decúbito ventral

KAMINOFF, Leslie; MATTHEWS, Amy Editora Manole PDF Criptografado

CAPÍtULo

PoStURAS Em dECÚBito VEntRAL

10

D

ecúbito ventral significa deitar de bruços. Essa é uma posição que todos são capazes de manter ao nascerem, mas que, para os adultos, é muitas vezes desconfortável. Às vezes, o desconforto

é resultado do movimento limitado no pescoço e na parte superior das costas, o que torna difícil virar a cabeça para o lado. Essa posição pode também ser sufocante, uma vez que o movimento do abdome é inibido pelo peso do corpo e a parte de trás do corpo tem de ser mais mobilizada para se respirar confortavelmente.

Para algumas pessoas, essa posição tem uma conotação ainda maior de submissão do que o ajoelhar. Em muitas tradições religiosas, o ato de dispor toda a superfície frontal do corpo no chão

é considerado uma prostração completa.

Para outras, essa posição parece mais segura do que estar em decúbito dorsal, porque a vulnerável parte anterior do corpo e os órgãos estão mais protegidos.

Em decúbito ventral, o movimento mais fácil é a extensão da coluna vertebral e dos membros, que usa a musculatura posterior do corpo. Por esse motivo, muitos exercícios de fortalecimento das costas começam nessa posição. Embora o centro de gravidade nessa posição esteja perto do chão, posturas que se desenvolvem a partir dela são, na maioria, brhmana (ver p. 20) por causa do esforço necessário para erguer o corpo do chão.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520433089

10. Seu programa personalizado de pilates

ISACOWITZ, Rael; CLIPPINGER, Karen Editora Manole PDF Criptografado

A

P Í T UL

C

10

O

SEU PROGRAMA

PERSONALIZADO DE

PILATES

É

hora de praticar! A prática consistente é essencial para colher os frutos do pilates. Um programa bem estruturado é a chave para maximizar os ganhos a cada sessão. Você deve considerar vários fatores ao personalizar um programa às suas necessidades. Certos fatores podem mudar diariamente, enquanto outros permanecem constantes. Os fatores a se considerar são o tipo de corpo, lesões anteriores, restrições médicas, idade, sexo, nível de condicionamento físico e habi­ lidades motoras. Escolha com sabedoria os exercícios para maximizar os benefícios e minimizar o risco de lesões.

Existem diferentes abordagens para a estruturação de um programa de pilates. Joseph Pilates estabeleceu uma sequência muito específica de exercícios, que ainda hoje é usada por algumas pessoas. Outras abordagens têm apenas uma remota semelhança com o sequenciamento clás­ sico de Joseph Pilates. É particularmente difícil aplicar princípios científicos convencionais a um programa de pilates de solo para o corpo inteiro, porque grande parte dos exercícios centra­se na powerhouse, a essência do pilates. No entanto, a esquematização é importante para promover o equilíbrio muscular, a progressão lógica, o fluxo e a continuidade; além disso, oferece um meio para a criatividade.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520441053

10. Vitamina D e sistema imune

Ligia Araújo Martini; Bárbara Santarosa Emo Peters Editora Manole PDF Criptografado

10

VITAMINA D E SISTEMA IMUNE

Marcelo Macedo Rogero

Pedro Miguel Carrera Bastos

INTRODUÇÃO

Tal como exposto em outros capítulos, a vitamina D pode ser sintetizada na epiderme por ação da radiação ultravioleta B – sendo a molécula designada colecalciferol (vitamina D3) – ou obtida de forma exógena, via alimentos ou suplementos – na forma de colecalciferol ou de ergosterol

(vitamina D2)1. Após a sua entrada no sangue, a vitamina D circula associada à proteína de ligação da vitamina D – D-Binding Protein (DBP) – e, nos hepatócitos, por meio de uma reação catalisada pela enzima 25-hidroxilase (que pode ser uma de várias isoformas, como, por exemplo, a enzima mitocondrial CYP27A1 e as enzimas microssomais CYP2R1, CYP3A4 e

CYP2J3)2, sofrerá uma hidroxilação no carbono 25, convertendo-se em calcidiol (25-hidroxivitamina D – 25OHD3 ou 25OHD2, dependendo da molécula parental)3. Por sua vez, a 25OHD converte-se, por ação da enzima

25-hidroxivitamina D 1-alfa-hidroxilase (CYP27B1) na mitocôndria das células da parte convoluta do túbulo proximal do néfron, em calcitriol –

Ver todos os capítulos
Medium 9788580550771

11. Doenças Infecciosas, Patógenos de Transmissão Sanguínea e Precauções Universais

William E. Prentice Grupo A PDF Criptografado

11

Doenças Infecciosas, Patógenos de Transmissão Sanguínea e

Precauções Universais

■ Objetivos

Ao terminar este capítulo, você deverá ser capaz de

• Discutir como as doenças infecciosas são transmitidas de uma pessoa a outra.

• Descrever como o sistema imunológico neutraliza e elimina antígenos que invadem o corpo.

• Explicar o que são os patógenos de transmissão sanguínea e como eles podem infectar pacientes e fisioterapeutas esportivos.

• Descrever a transmissão, os sintomas, os sinais e o tratamento da hepatite B.

• Descrever a transmissão, os sintomas, os sinais e o tratamento da hepatite C.

• Descrever a transmissão, os sintomas e os sinais do vírus da imunodeficiência humana.

■ Sumário

• Explicar as formas de transmissão mais frequentes vírus da imunodeficiência humana.

• Relacionar os prós e os contras da participação esportiva de atletas com vírus da hepatite B, vírus da hepatite C ou vírus da imunodeficiência humana.

• Avaliar as precauções universais conforme determinado pela Occupation Safety and Health

Ver todos os capítulos
Medium 9788563308658

11 Fármacos que Afetam o Sangue

Peter C. Panus, Erin E. Jobst, Suzanne L. Tinsley, Susan B. Masters, Anthony J. Trevor, Bertram Katzung Grupo A PDF Criptografado

11

Fármacos que Afetam o Sangue

As classes de fármacos apresentadas neste capítulo incluem nutrientes e fatores de crescimento que afetam a formação das células do sangue e das plaquetas (hematopoiese) (Fig. 11.1), bem como os fármacos usados no controle da coagulação (hemostasia) (Fig. 11.2).

FORMAÇÃO DAS CÉLULAS SANGUÍNEAS

A hematopoiese é a produção dos eritrócitos circulantes

(células vermelhas, RBC), plaquetas e leucócitos a partir de células-tronco indiferenciadas. Este incrível processo produz mais de 200 bilhões de novas células sanguíneas por dia em uma pessoa normal e até números maiores de células em pessoas com doenças que provocam a perda ou destruição das células do sangue. O sistema hematopoiético localiza-se principalmente na medula

óssea nos adultos e requer um constante suprimento de nutrientes essenciais, como ferro, vitamina B12 e ácido fólico. Os fatores de crescimento hematopoiéticos, as proteínas que regulam a proliferação e diferenciação das células hematopoiéticas, também são fundamentais. As células circulantes do sangue possuem papéis essenciais na oxigenação dos tecidos, coagulação, proteção contra agentes infecciosos e reparo de tecidos. A deficiência destas células é uma ocorrência relativamente comum que pode provocar graves efeitos na saúde. O suprimento insuficiente de qualquer um dos fatores do crescimento ou, muito mais comum, dos nutrientes essenciais leva à deficiência no funcionamento destas células.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520441053

11. Intolerância à lactose e alergia à proteína do leite

Ligia Araújo Martini; Bárbara Santarosa Emo Peters Editora Manole PDF Criptografado

11

INTOLERÂNCIA À LACTOSE E

ALERGIA À PROTEÍNA DO LEITE

Mauro Fisberg

Mauro Batista de Morais

Renata Rodrigues Cocco

INTRODUÇÃO

A ingestão de determinados alimentos pode culminar em reações adversas das mais diferentes etiologias1. Alterações nas características secundárias do alimento, deterioração, contaminação por metais pesados, presença de substâncias como toxinas de peixes, cafeína, álcool ou histamina são passíveis de desencadear sintomas clínicos de natureza tóxica ou farmacológica, independentemente da presença de mecanismos imunológicos ou de alterações físico-metabólicas do indivíduo (Quadro 1).

Por outro lado, a ausência de mecanismos imunológicos também pode estar associada à ingestão de alimentos nos casos de deficiências de enzimas específicas para digestão e outras condições associadas ao trato digestório.

O exemplo mais comum é a intolerância à lactose.

No caso das alergias alimentares, a presença de imunoglobulinas E (IgE) e/ou linfócitos específicos permeia o aparecimento dos sintomas observados, individuais e variáveis. Nesse contexto, o leite de vaca aparece como o alérgeno mais comum na infância, uma vez que é o primeiro alimento introduzido na dieta do lactente, como complemento ou substituto do leite materno.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520429037

11. Massagem do despertar dos sentidos com chocolate

MEYER, Sophie Editora Manole PDF Criptografado

11

Massagem do despertar dos sentidos com

chocolate

T�cnicas de massagem

A massagem do despertar dos sentidos com chocolate não é destinada unicamente aos gastrônomos e também não se trata de besuntar seu cliente com chocolate. Graças a essa massagem, você permitirá que ele desenvolva os cinco sentidos: o tato, evidentemente, pelas manobras de massagem; a audição, graças a uma música relaxante; a visão, por trabalhar à luz de velas; o olfato, pela difusão de perfumes suaves e doces; e, finalmente, fato muito mais excepcional, o paladar, ao propor uma degustação de chocolate durante toda a massagem, do qual são conhecidos o teor de magnésio e os benefícios antidepressão.

Como sem trabalho global sobre o conjunto dos sentidos não ocorre um verdadeiro relaxamento profundo, seu cliente descobrirá, durante essa massa-

158

gem atípica, como se soltar de verdade, e será surpreendido por novas sensações. Ele enfim se conscientizará da felicidade que pode encontrar quando utiliza mais os seus receptores sensoriais. Após essa massagem, ele sairá mais feliz, mais tonificado. Em resumo, mais vivo.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520429044

11. Massagem nas extremidades

MEYER, Sophie Editora Manole PDF Criptografado

11

Massagem nas

extremidades

T�cnicas de massagem

Essa técnica consiste, como o nome sugere, em massagear as extremidades do corpo, isto é, os membros superiores e inferiores, o crânio e a face. Ela é inspirada na reflexologia e nas massagens do tipo shiatsu ou a coreana. De fato, essa técnica muito peculiar consiste em diferentes manobras de pressão, alongamento, rotação e vibração, visando relaxar os pontos de tensão física e o apaziguamento do espírito. Uma das inúmeras vantagens da massagem nas extremidades é ser realizada com o cliente vestido, a seco, pois não há necessidade do uso de óleo.

Essa massagem também pode ser praticada em crianças.

A massagem nas extremidades pertence ao domínio da revitalização e do prazer; não tem objetivo terapêutico.

Responde a dois tipos de demanda:

- por um lado, o relaxamento e o bem-estar;

- por outro, a modelação do corpo, provendo vitalidade e energia.

142

EFEITO DA MASSAGEM NAS

Ver todos os capítulos

Carregar mais