58 capítulos
Medium 9788563899545

A Primeira Fileira

Garry Kasparov Grupo A PDF Criptografado

A Primeira Fileira

No capítulo anterior, vimos como as casas f7 e f2 são particularmente vulneráveis no início das partidas. Esse é um dos motivos por que rocar costuma ser uma jogada tão atraente. Rocar tira o rei da perigosa zona central e também – no caso do roque na ala do rei – traz uma defesa extra (a torre) a essa casa vulnerável.

Vamos comparar duas situações:

a. O rei preso no centro do tabuleiro próximo da vulnerável casa f7

Como vimos anteriormente, todo o tipo de coisa desagradável pode acontecer aqui, com lances tais como

Db3, Cg5 ou mesmo Bxf7+ causando grande tormento para as Pretas. Então, as Pretas decidem rocar, e agora...

b. O rei parece muito seguro atrás da parede de peões protetores

49

É difícil imaginar que alguma das jogadas agressivas das

Brancas, tendo como alvo f7, surta muito efeito agora. De fato, o rei preto está, por ora, posicionado em um local muito seguro. Contudo, apesar de essa parede de peões dar excelente cobertura para o rei preto, também há uma deficiência – os peões reduzem a movimentação do rei, tornando-o vulnerável a uma peça maior que apareça na primeira fileira. Veja os seguintes exemplos.

Ver todos os capítulos
Medium 9788563899569

Capítulo 8 - Lances Desnecessários com os Peões

Simon Williams Grupo A PDF Criptografado

8

Lances

Desnecessários com os Peões

Os peões são a alma do xadrez. – Philidor

Os peões não podem se mover para trás!

Você tem de ter muito cuidado ao mover um peão, já que é a única peça do tabuleiro que não pode se mover para trás. Além do mais, depois de ter avançado um peão, ele costuma ter de ficar na casa onde você o colocou por algum tempo.

Um avanço particularmente hediondo seria enfrentar 1 e4 e5 2 d4 exd4 3 xd4 com o horrível lance 3...c5?, atacando a dama branca, mas deixando um rombo em d5. Pelo resto da partida, as Pretas não conseguirão cobrir a casa d5 com um peão, então as Brancas sempre vão ter um belo posto central à disposição. Esse é um exemplo obviamente extremo, mas você tem sempre de considerar a fraqueza resultante, especialmente quando estiver tentado a mover os peões na frente de seu rei.

Quando estiver decidindo avançar ou não seus peões, tente ter as seguintes considerações em mente:

1. Minhas peças estão desenvolvidas?

Ver todos os capítulos
Medium 9788563899682

Capítulo 8 - Peões Atrasados e Bispos Indianos

Neil McDonald Grupo A PDF Criptografado

8

Peões Atrasados e

Bispos Indianos

Nos anos de 1920, tanto Lasker quanto Capablanca temiam que os melhores enxadristas do mundo aperfeiçoassem o conhecimento sobre abertura e estratégia.

Todas as partidas entre os enxadristas com esse conhecimento iriam acabar inevitavelmente em empates e, como consequência, o xadrez competitivo de alto nível chegaria ao fim. Esse fenômeno foi chamado de “a morte por empate”.

Deve-se mencionar que Capablanca demonstrou sua preocupação enquanto ainda era Campeão Mundial, portanto, não eram resmungos de um homem derrotado. Além disso, o próprio cubano conseguiu manter-se sem derrotas entre

10 de fevereiro de 1916 e 21 de março de 1924. Portanto, em suas condições era sensato supor que outros enxadristas da elite desenvolveriam uma invencibilidade parecida com o passar do tempo.

Felizmente essa profecia nunca se concretizou, por duas razões: em primeiro lugar, há um dinamismo inerente em posições alcançadas até pelas aberturas mais simétricas ou clássicas, isto é, começando por 1 d4 d5 ou 1 e4 e5. Isso quer dizer que nem tudo pode ser resolvido somente por lógica ou senso comum. É preciso calcular variantes e tomar decisões baseando-se em intuição, o que dá espaço à criatividade humana, a julgamentos ruins e à boa e velha sorte e, portanto, a perdas e ganhos. Como Capa ficou oito anos sem perder? Bem, ele era um gênio. Sua intuição espantosa guiou-o em posições pouco claras que desafiavam as ciências exatas. Enxadristas “comuns” da elite não seguiram os seus passos.

Ver todos os capítulos
Medium 9788563899545

Mais Ideias Táticas

Garry Kasparov Grupo A PDF Criptografado

Mais Ideias Táticas

Neste capítulo, iremos examinar as formas como o jogo tático pode ficar mais complexo. Nós já olhamos como os elementos básicos (garfo, espeto e cravada) das táticas funcionam, e agora vamos considerar o plano geral. Para fazer isso, precisaremos considerar estas três ideias:

Ataque duplo

27

Ataque descoberto

Dica

Ao ler o material a seguir, considere por um momento cada posição antes de olhar para a sequência e ver o que acontece. Em todos os casos, será a vez de as Brancas jogarem, então tente desenvolver sua sensibilidade para onde a posição das Pretas pode estar vulnerável.

Sobrecarregar, defletir ou remover a defesa

Pergunte-se o seguinte:

• Há peças vulneráveis (preferencialmente não defendidas) que podem ser ameaçadas?

• Há peças que pareçam prontas para táticas básicas (garfos, cravadas e espetos)?

• Há outros pontos a se considerar?

28

Ataque duplo

Grande parte de tornar-se um jogador habilidoso envolve desenvolver uma sensibilidade para o tipo de coisa que você deve procurar.

Ver todos os capítulos
Medium 9788565848046

3. Robert Fischer (1943-2008)

Craig Pritchett Grupo A PDF Criptografado

3

Robert Fischer

(1943-2008)

Se os soviéticos eram a antítese da tese de 1930, então Fischer era a nova síntese... uma dialética que teria agradado Karl Marx.

Andrew Soltis, Bobby Fischer Rediscovered

Se a Escola Soviética levou o xadrez adiante para uma nova era com mais aventuras, pesquisas aprofundadas e riscos calculados, Bobby Fischer foi o encarregado de levar este espírito ao seu limite. De certa forma, Fischer antecipou o que Kasparov descreveu como uma mudança que somente começou de verdade com o auxílio de computadores cada vez mais modernos durante os anos de 1990. Como enxadrista, Fischer devotou sua vida à busca obstinada pelas verdades mais precisas no xadrez, baseadas em variantes.

“Na nossa era, as evidências das variantes estão se tornando cada vez mais convincentes (diferentemente da regra anterior, que afirmava que ‘em qualquer variante mais longa há erros’)”(Kasparov). Muito antes de haver qualquer auxílio de computadores (que hoje nos ajudam a analisar variantes de forma muito mais acurada) não havia nenhum mestre mais notável que Bobby Fischer na arte de enredar seus adversários em uma rede de variantes confusas, complexas e normalmente corretas.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos