76 capítulos
Medium 9788563899569

Capítulo 9 - O Superpeão em h

Simon Williams Grupo A PDF Criptografado

9

O Superpeão em h

Este capítulo é um pouco divertido, na verdade. Achei que deveria incluí-lo, já que tive muitos momentos interessantes em minha vida de enxadrista avançando o peão na coluna h ao longo do tabuleiro.

Em termos gerais, não costuma ser uma boa ideia avançar o peão na coluna h muito cedo. O centro é a área mais importante do tabuleiro, e é ele que o jogador deve tentar controlar. Infelizmente, em muitas de minhas partidas o sangue me sobe à cabeça. O peão na coluna h está ali, me olhando, e antes que eu perceba o que fiz, ele foi pego e movido até h4!

Ainda assim, pode haver razões muito boas para avançar o peão em h com antecedência, especialmente quando seu adversário jogar o fianchetto na ala do rei. Na partida seguinte, elas são amplamente demonstradas por ninguém menos que Vishy Anand.

Partida 47

V. Anand – S. Mamedyarov

Campeonato Mundial de Blitz

Moscou, 2007

Defesa Moderna

1 d4 g6 2 c4

Ouso dizer que valia considerar 2 h4?

Ver todos os capítulos
Medium 9788536306513

Capítulo 7. A criação de alvos

Yasser Seirawan Grupo A PDF Criptografado

XADREZ VITORIOSO: ESTRATÉGIAS

119

7

A criação de alvos

A

maioria das pessoas acha que o xadrez resume-se ao xeque-mate. Embora tecnicamente isso seja verdade, na grande maioria das partidas entre mestres, o xeque-mate ocorre apenas depois de uma acirrada disputa posicional. Em geral, em primeiro lugar, o vencedor acumula uma série de pequenas vantagens, que revelam fraquezas no campo inimigo. Finalmente, depois de dominar e ocupar as casas fracas ou de capturar peões fracos, a superioridade de seu exército transforma-se em vitória.

No jogo de xadrez, uma das habilidades mais importantes que podemos desenvolver é o estado mental que costumo chamar de “consciência de alvo”. Ter esse estado mental significa buscar sempre modos de explorar a fraqueza do oponente. O jogador deve se concentrar nesse objetivo a ponto de, durante o jogo, ficar obcecado com a criação de alvos (pontos fracos) na posição inimiga.

Assim que o alvo é encontrado, o importante é buscar sistematicamente modos de atingi-lo – o jogador não deve descansar enquanto não transformar todas as fraquezas do adversário em vantagens próprias! A estratégia é a seguinte:

Ver todos os capítulos
Medium 9788563899545

Ataques de Xeque-mate

Garry Kasparov Grupo A PDF Criptografado

Ataques de Xeque-mate

Existe um ditado muito conhecido no xadrez que diz que o xeque-mate é “o objetivo final do xadrez, mas não o inicial”. Partidas entre iniciantes são normalmente vencidas porque alguém consegue um xeque-mate rápido – frequentemente o Mate

Pastor, como visto anteriormente neste livro. No entanto, quando os jogadores ficam um pouco mais sofisticados, então simples ameaças de mate são facilmente defendidas. A questão é que o ditado tenta encorajar jogadores a construir suas posições antes de lançar ataques de xeque-mate.

No material anterior deste livro, tivemos alguns vislumbres ocasionais de como ideias de xeque-mate podem frequentemente ser costuradas em ideias táticas – tais como quando um garfo ocorre e um de seus elementos é uma ameaça de xeque (talvez uma ameaça contra a primeira fileira). Agora daremos uma olhada em diversas situações típicas de mate, para que possamos nos familiarizar com os tipos de configurações de peças que possam tipicamente resultar em xeque-mate.

Ver todos os capítulos
Medium 9788565848466

Capítulo 6. Miscelânea

Johan Hellsten Grupo A PDF Criptografado

6

Miscelânea

Este capítulo final contém um mix de elementos e conceitos relacionados à estratégia.

Casas fracas

O tópico “casas fracas” está presente em várias partes deste livro, especialmente na seção sobre melhorar o cavalo. Aqui, vamos continuar a investigação, começando por dois exemplos nos quais as casas fracas são exploradas por outras peças.

Exemplo 189

V.Kramnik – V.Zvjaginsev

Tilburgo, 1998

As Brancas estão um pouco na frente graças às suas peças mais ativas. Um olhar mais atento também revela que a ala da dama das Pretas está algo exposta nas casas pretas, o que Kramnik explora imediatamente.

25 ♘d1!

O cavalo é reposicionado para e3, e, ainda mais importante, a dama ganha acesso à casa protegida b4.

25…g6?!

Zvjaginsev evita uma futura transferência do cavalo para f5, porém mais eficaz seria 25…♕d6!, prevenindo 26 ♕b4.

As Brancas poderiam reagir com 26 ♖xe8

♖xe8 27 ♖xe8+ ♗xe8 28 ♘e3 ♗d7 29

Ver todos os capítulos
Medium 9788565848046

4. Viswanathan Anand (1969-)

Craig Pritchett Grupo A PDF Criptografado

4

Viswanathan Anand

(1969-)

Eu diria que hoje em dia é impossível trabalhar sem computador. E você não tem que fazer tudo mecanicamente. Ele lhe permite fazer coisas incrivelmente criativas... há posições que posso trabalhar hoje que antigamente eram impossíveis de trabalhar sozinho.

Vishy Anand, entrevistado por Outlook Business

O espírito de todo enxadrista clássico talvez seja essencialmente artístico. Rubinstein, Smyslov e Fischer eram todos enxadristas extremamente criativos. É claro que todos queriam vencer as partidas, mas também desejavam fazê-lo em grande estilo. Não necessariamente buscavam forçar a situação; em vez disso, buscavam desvendar e desenvolver-se usando as verdades estratégicas e táticas fundamentais, quaisquer fossem elas, em qualquer posição dada, e para qualquer lugar que elas os levassem. Quando obtinham êxito contra adversários honrosos, eles sempre produziam grandes obras de arte do xadrez.

Então não é de surpreender que Vishy Anand tenha enfatizado a criatividade em vez de mecanismos e hábitos em resposta a uma pergunta sobre o impacto do computador no xadrez, colocada a ele por uma revista de negócios indiana logo após ele ter ganho o Campeonato Mundial de 2008. Perguntado na mesma entrevista se achava que o computador pudesse ter universalizado a abordagem dos enxadristas renomados ao xadrez a tal ponto que o estilo estivesse agora morto, Anand repudiou enfaticamente essa ideia.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos