58 capítulos
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788536309064

3. Táticas para o meio-jogo

Matthew Sadler Grupo A PDF Criptografado

36

Matthew Sadler

Este último exemplo é extremamente complicado, ao passo que o primeiro está muito próximo das experiências rotineiras. Não é suficiente entender os princípios gerais. É necessário, também, verificar se eles podem ser implementados de forma direta, ou se há algum obstáculo que exige soluções específicas. Compare com o esforço de atravessar uma rua de trânsito intenso. Antes de tudo, é preciso saber aonde se deseja ir. Porém, no curtíssimo prazo, o mais importante é tomar cuidado com os carros e caminhões em alta velocidade!

É impossível fazer uma lista completa de todas as armadilhas e macetes no jogo de xadrez, considerando que existe uma quantidade incalculável! O que pretendo discutir neste capítulo são os sinais de alerta. Há situações que merecem atenção especial quando detectadas em determinada posição, independentemente de você ver ou não alguma maneira específica para explorá-las. É essencial desenvolver um bom senso de perigo. Não há nada mais frustrante do que se complicar em uma boa posição, ao não ver uma armadilha. Um bom senso de perigo agiliza o processo de idealização de jogadas, tornando-o mais eficiente: é muito cansativo despender tempo em um lance apenas para chegar à conclusão, antes de jogá-lo, de que ele resultará na perda de uma peça ou permitirá que o adversário capture sua dama. Essas situações têm de ser detectadas imediatamente!

Ver todos os capítulos
Medium 9788563899569

Capítulo 7 - Não Percebendo o Perigo

Simon Williams Grupo A PDF Criptografado

7

Não Percebendo o Perigo

Uma das coisas mais importantes no xadrez é ficar atento o tempo todo ao que o seu adversário está tentando fazer. Se você conseguir entender o que ele quer, então terá meio caminho andado para impedir todos os seus planos. Um senso de perigo vem com a experiência, mas existem certos fatores que devem ligar o alarme. Aqui vai uma lista de “perigos” nos quais consegui pensar:

1. Um grupo de peças próximo ao seu rei

Quanto mais peças inimigas posicionadas ao redor do seu rei, mais perigo você irá enfrentar.

2. Tenha a mente aberta!

Você não pode ficar preocupado com um único plano, já que isso pode cegá-lo a outras possibilidades que a posição contém. Certifique-se de ter cada área do tabuleiro em mente.

3. Tente não ser muito pessimista nem otimista

É mais fácil falar do que fazer, mas você deve tentar pensar quase de um ponto de vista externo à partida. Veja o seguinte exemplo:

Como vencer no xadrez rapidamente!

Ver todos os capítulos
Medium 9788563899675

10: Garry Kasparov, Após 2000

Yasser Seirawan Grupo A PDF Criptografado

10

Garry Kasparov,

Após 2000

Kasparov perde o título

Embora Kasparov tenha perdido por forfeit o título de Campeão Mundial da FIDE em

1993, suas vitórias sobre os Desafiantes Nigel Short em 1993 e Viswanathan Anand em

1995 foram aceitas pelo público do xadrez como prova de que ele era o melhor enxadrista do mundo e merecedor do título de

“Campeão Mundial”. Contudo, à medida que os anos foram passando, foi crescendo a inquietação de que Kasparov não estava defendendo seu título.

Não era por falta de esforço da parte dele. A PCA tinha silenciosamente se dissipado, e ele não tinha mais a infraestrutura necessária para organizar um match adequado. Isso tornou-se evidente quando, no ciclo final da PCA, Alexey Shirov tornou-se o Desafiante ao derrotar Vladimir Kramnik em uma vitória conturbada. Na opinião de

Garry, a vitória de Shirov foi um golpe, pois dificultou muito o levantamento de verbas de patrocínio para financiar um match contra um Desafiante que não estava entre os cinco com maior rating. De fato, somente uma oferta foi obtida: de Los Angeles por menos de um milhão de dólares. Shirov não

Ver todos os capítulos
Medium 9788563899545

A Primeira Fileira

Garry Kasparov Grupo A PDF Criptografado

A Primeira Fileira

No capítulo anterior, vimos como as casas f7 e f2 são particularmente vulneráveis no início das partidas. Esse é um dos motivos por que rocar costuma ser uma jogada tão atraente. Rocar tira o rei da perigosa zona central e também – no caso do roque na ala do rei – traz uma defesa extra (a torre) a essa casa vulnerável.

Vamos comparar duas situações:

a. O rei preso no centro do tabuleiro próximo da vulnerável casa f7

Como vimos anteriormente, todo o tipo de coisa desagradável pode acontecer aqui, com lances tais como

Db3, Cg5 ou mesmo Bxf7+ causando grande tormento para as Pretas. Então, as Pretas decidem rocar, e agora...

b. O rei parece muito seguro atrás da parede de peões protetores

49

É difícil imaginar que alguma das jogadas agressivas das

Brancas, tendo como alvo f7, surta muito efeito agora. De fato, o rei preto está, por ora, posicionado em um local muito seguro. Contudo, apesar de essa parede de peões dar excelente cobertura para o rei preto, também há uma deficiência – os peões reduzem a movimentação do rei, tornando-o vulnerável a uma peça maior que apareça na primeira fileira. Veja os seguintes exemplos.

Ver todos os capítulos
Medium 9788563899675

Introdução

Yasser Seirawan Grupo A PDF Criptografado

Introdução

Lembranças da Síria

Eu nasci em 24 de março de 1960, em Damasco, filho de pai sírio, Muyassar Seirawan, e mãe inglesa, Margaret Elvin. Meus pais se conheceram na época em que meu pai era estudante e estava obtendo seus títulos universitários avançados na Inglaterra. Ele estudava inteligência artificial e programação de computadores no Instituto Boots, em

Nottingham, onde conheceu minha mãe e se casou. O casamento não foi nenhum mar de rosas. Meu pai provinha de uma nação muçulmana e, ainda que não fosse um muçulmano praticante nem particularmente religioso, era observador. Minha mãe frequentava a Igreja Anglicana e foi criada na cultura judaico-cristã, embora, como meu pai, tampouco fosse particularmente religiosa.

Minha piada predileta é que minha mãe e meu pai eram apostadores, traço que passaram para seus filhos; que meus pais jogaram dados genéticos e saíram-se vitoriosos; graças a meu pai, da cintura para baixo eu era um árabe beduíno e, graças à minha mãe, da cintura para cima eu era um cavalheiro britânico ortodoxo. Você ri, mas este é um jogo perigoso. Você certamente não quer que a matriz genética se misture, tampouco quer

Ver todos os capítulos
Medium 9788536309064

8. Meio-jogo: jogo posicional

Matthew Sadler Grupo A PDF Criptografado

94

Matthew Sadler

8

8

7

7

6

6

5

5

4

4

3

3

2

2

1

1 a

b

c

d

e

f

g

h

a

b

c

d

e

f

g

h

Diagrama 1

Diagrama 2

As pretas têm debilidades de peões?

“Arrumando” os peões pretos

dama, em c6 e a7. As brancas também mantêm o par de bispos. Está claro o suficiente que a posição é melhor para as brancas? Não é tão simples assim!

As brancas também têm suas debilidades, que estão todas relacionadas às casas. Observe rapidamente as debilidades dos peões das pretas: o peão dobrado em g6 e o peão isolado em c6. Ainda que sejam debilidades estáticas, desempenham uma função dinâmica vital. O peão central das brancas em e4 abre postos avançados para as peças brancas em f5 e d5, em especial para o cavalo. Agora, se você imaginar uma estrutura “reparada” para as pretas, com o peão-g6 em h7 e o peão-c6 em b7 (ver o Diagrama 2), e o lance fosse das brancas, então elas jogariam o irritante 17 Cd5, dando um garfo no bispo e na dama das pretas. O cavalo não pode ser capturado porque o cavalo-f6 preto foi cravado pelo bispog5 branco na dama-e7. Entretanto, com a estrutura danificada das pretas, o cavalo branco tem poucas perspectivas preciosas: o peão-g6 controla a casa-f5 e, ainda mais crucial, o peão-c6 controla a casa-d5. O mesmo pensamento foi visto no Capítulo 6, com a idéia de Salov de dobrar os peões na coluna-e para reduzir as opções das peças adversárias.

Ver todos os capítulos
Medium 9788563899675

4: Mikhail Tal

Yasser Seirawan Grupo A PDF Criptografado

4

Mikhail Tal

De todos os Campeões Mundiais, Mikhail

Tal, ou “Mischa”, como todos o chamavam, foi o mais querido, admirado e, sim, amado pelos colegas e fãs do xadrez no mundo inteiro. Era uma pessoa notavelmente bondosa e simpática. Tinha uma voz suave e uma adorável capacidade de ironizar a si mesmo com graça. Jamais o ouvi pronunciar uma palavra áspera em sua vida, mesmo quando perdia uma partida difícil. Seus olhos cintilantes se iluminavam sempre que havia um tabuleiro de xadrez por perto. Seus escritos o revelam como uma pessoa mundana e compassiva. Não sei quantas línguas falava, mas seu inglês era excelente. Quando multidões se reuniam nas salas de imprensa para ouvi-lo, ele mudava de um idioma para o outro com facilidade. Andava e movia suas peças com uma facilidade quase desleixada, pronto para qualquer oportunidade que a vida lhe apresentasse dentro ou fora do tabuleiro. Mesmo quando as tensões no tabuleiro estavam em sobre-excitação, seus lances era fluidos.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536309064

11. Soluções dos exercícios

Matthew Sadler Grupo A PDF Criptografado

11

Soluções dos exercícios

CAPÍTULO 1

Exercício 1

Lances 1 e 2: 1 e4 e 2 d4. Os peões brancos ocupam o centro.

Lances 3 e 4: 3 Cf3 e 4 Bd3 (ou Be2, Bc4, Bb5). As brancas desenvolvem as peças na ala do rei para boas casas, permitindo o próximo lance.

Lance 5: 5 0-0, colocando o rei em segurança!

Exercício 2 a) 8 h4 não tem absolutamente nenhum sentido! Esse lance enfraquece a posição do rei, avançando um peão da segurança oferecida pela segunda fileira para a exposição da quarta fileira. Além disso, não executa nenhuma função central ou de ataque. b) Apesar de não exercer nenhuma pressão no centro, 8 a4 faz a ligação com a posição das pretas, atacando o peão exposto em b5. A ameaça das brancas é 9 axb5, sendo que 9...axb5 perde uma torre para 10 Txa8.

Exercício 3

Essa é uma posição das aberturas mais agudas do xadrez moderno: a variante

“Tb1” da Defesa Grünfeld. As pretas ganharam um peão, mas as brancas, por sua vez, estão na frente em termos de desenvolvimento. Escolhi esse exemplo para ilustrar como ainda predominam os princípios gerais, mesmo nas posições mais agudas. O melhor lance para as brancas é 13 Bg5!

Ver todos os capítulos
Medium 9788563899682

Capítulo 4 - A História de Vida de um Cavalo

Neil McDonald Grupo A PDF Criptografado

4

A História de Vida de um Cavalo

Neste capítulo, veremos as vicissitudes da fortuna pelas quais um cavalo pode passar em um tabuleiro de xadrez. Começaremos por seus momentos mais felizes, quando ele pode combinar o seu poder único com o da dama. A seguir, o veremos avaliando todo o campo de batalha, a partir de um posto avançado, encantado e não temeroso de estar na linha de frente do ataque. Depois disso, o clima fica obscuro, quando o cavalo é apanhado em um ataque que fracassou. E, finalmente, para sua vergonha completa, ele é paralisado pela ação de meros peões.

Combinações com o cavalo

Como será demonstrado neste livro, Morphy possuía um domínio de estratégia maior que qualquer outro de seus contemporâneos. Mesmo assim, ele entrou para a crença popular como um tático brilhante e aventureiro, não muito diferente de Anderssen. Certamente, quando o americano enfrentava adversários relativamente fracos, em partidas não oficiais, manifestava completamente seus poderes táticos surpreendentes. Eis o meu exemplo favorito de seu talento para uma combinação.

Ver todos os capítulos
Medium 9788563899675

11: O Futuro do Campeonato Mundial

Yasser Seirawan Grupo A PDF Criptografado

11

O Futuro do

Campeonato Mundial

A Fédération Internationale des

Échecs (FIDE)

Se a FIDE, a Fédération Internationale des

Échecs, ou Federação Internacional de Xadrez, não existisse, ela teria que ser criada.

Todos diriam: “Sim, é claro, o xadrez precisa de um órgão internacional de xadrez”, depois do que as discussões e discórdias começariam para valer. A velha piada de que, onde existem dois enxadristas, haverá três opiniões fortes tem um fundo de verdade.

Para entender a FIDE e por que ela se saiu mal quando comparada com o sucesso de outras instituições esportivas, devemos começar por sua história e o papel que ela desempenhou no mundo do xadrez.

A história e o papel da FIDE

Durante A 8a edição dos Jogos Olímpicos em Paris, em 1924, a Federação Francesa de Xadrez também sediou um torneio. Os participantes criaram a FIDE como um sindicato de enxadristas, não muito diferente da

GMA. Naquela época, o Campeão Mundial

Ver todos os capítulos
Medium 9788563899682

Introdução

Neil McDonald Grupo A PDF Criptografado

Introdução

Os enxadristas podem ser divididos entre os estrategistas e os agressivos. A batalha pela supremacia entre estes dois estilos de jogo levou a combates criativos como Capablanca-Alekhine, Botvinnik-Bronstein e Kramnik-Topalov.

O objetivo deste livro é examinar e celebrar as ideias de cinco enxadristas famosos que contribuíram para o desenvolvimento do estilo agressivo. Espero que o leitor ache as partidas emocionantes e agradáveis. Com um pouco de sorte, uma pequena parte do talento e da mágica destes cinco gigantes pode acabar reaparecendo no nosso próprio xadrez.

Mas antes vejamos um exemplo do estilo estratégico em ação:

Partida 1

V.Kramnik – M.Carlsen

Dortmund, 2007

Abertura Catalã

1 f3 f6 2 c4 e6 3 g3 d5 4 d4 e7 5 g2 0-0 6 0-0 dxc4 7 c2 a6 8 xc4 b5

9 c2 b7 10 d2 c6 11 e3 b4 12 xb4 xb4 13 a3 e7 14 bd2 c8 15 b4 a5 16 e5 d5 17 b3!

8

Neil McDonald

17...axb4 18 a5 a8 19 ac6 xc6 20 xc6 d7 21 xd5 exd5 22 axb4 fe8 23 a5 f8 24 e5 e6 25 xb5 b8 26 xb8 xb8 27 xc7 d6 28 a5 xb4 29 b1 d6 30 a4 1-0

Ver todos os capítulos
Medium 9788565848046

4. Viswanathan Anand (1969-)

Craig Pritchett Grupo A PDF Criptografado

4

Viswanathan Anand

(1969-)

Eu diria que hoje em dia é impossível trabalhar sem computador. E você não tem que fazer tudo mecanicamente. Ele lhe permite fazer coisas incrivelmente criativas... há posições que posso trabalhar hoje que antigamente eram impossíveis de trabalhar sozinho.

Vishy Anand, entrevistado por Outlook Business

O espírito de todo enxadrista clássico talvez seja essencialmente artístico. Rubinstein, Smyslov e Fischer eram todos enxadristas extremamente criativos. É claro que todos queriam vencer as partidas, mas também desejavam fazê-lo em grande estilo. Não necessariamente buscavam forçar a situação; em vez disso, buscavam desvendar e desenvolver-se usando as verdades estratégicas e táticas fundamentais, quaisquer fossem elas, em qualquer posição dada, e para qualquer lugar que elas os levassem. Quando obtinham êxito contra adversários honrosos, eles sempre produziam grandes obras de arte do xadrez.

Então não é de surpreender que Vishy Anand tenha enfatizado a criatividade em vez de mecanismos e hábitos em resposta a uma pergunta sobre o impacto do computador no xadrez, colocada a ele por uma revista de negócios indiana logo após ele ter ganho o Campeonato Mundial de 2008. Perguntado na mesma entrevista se achava que o computador pudesse ter universalizado a abordagem dos enxadristas renomados ao xadrez a tal ponto que o estilo estivesse agora morto, Anand repudiou enfaticamente essa ideia.

Ver todos os capítulos
Medium 9788563899569

Capítulo 4 - Gambitos

Simon Williams Grupo A PDF Criptografado

4

Gambitos

A maioria dos jogadores de xadrez adora um grande jogo ofensivo. Um ataque brilhante costuma ser o fascínio de muitos amadores, que exclamam: “como é que aquele jogador pôde usar um estilo tão audacioso e maluco?”.

Os jogos mais impressionantes costumam começar com um lado oferecendo um peão em troca de um ataque, mas um gambito requer que você esteja disposto a correr riscos. Uma abordagem assim, infelizmente, está se tornando cada vez mais rara, especialmente devido à introdução dos computadores, que em geral mostram o modo correto de se prosseguir em meio às complicações resultantes.

Em geral, eu fico deprimido quando vejo uma de minhas partidas com a

“ajuda” de um programa de xadrez. Antes de ligar o computador, eu me sinto no topo do mundo, admirado com meu jogo brilhante, mas bastam 10 minutos de análise do computador e de repente eu vejo como meu plano era fraco. Cada lance parece um erro quando o Fritz está ligado! Isso pode acabar entristecendo você, mas lembre-se de que os seres humanos não jogam como computadores.

Ver todos os capítulos
Medium 9788563899675

7: Anatoly Karpov, 1975-1985

Yasser Seirawan Grupo A PDF Criptografado

7

Anatoly Karpov,

1975-1985

Este capítulo é dedicado ao Campeão Mundial de 1975 a 1985 Anatoly Yevgenyevich Karpov, um enxadrista de poderes extraordinários.

Enquanto o nome de Spassky está ligado ao de Fischer, o nome de Karpov está inextricavelmente vinculado não a um, mas a dois grandes enxadristas: Robert James

Fischer e Garry Kasparov. Anatoly, ou “Tolya”, foi, afinal, o vilão que recebeu a coroa do título do Campeonato Mundial de Xadrez de

Bobby Fischer por manter desistência. Para fãs como eu, sabíamos que, se Bobby tivesse disputado o match de 1975, ele teria vencido. Depositar uma coroa de louros nos ombros de Anatoly foi um insulto para os fãs do xadrez e uma traição do título. Para milhões de fãs dedicados do xadrez, o título “Campeão Mundial” deveria significar também o de “melhor jogador do mundo”. Eu estava convencido de que, em 1975, Bobby era o melhor enxadrista do mundo. Pouco me importava o que algum delegado nacional presente em uma Assembleia Geral da FIDE pudesse dizer sobre o assunto. A única opinião que contava – ao menos para mim – era a minha.

Ver todos os capítulos
Medium 9788563899545

Desafios

Garry Kasparov Grupo A PDF Criptografado

Desafios

Os seguintes desafios irão testar o quanto você entendeu e absorveu do material anterior deste livro.

Todos os desafios dependem de estratagemas táticos que já consideramos, mas você não receberá pista alguma. Ninguém lhe dirá para procurar pelo espeto, pela cravada, pelo xeque-mate ou qualquer outra coisa. Assim eles se assemelham a uma partida de verdade, onde você precisa encontrar as táticas sem auxílio.

Uma boa ideia é considerar uma posição e, se nada lhe ocorre imediatamente, dizer para si mesmo: “Não seria bom se...”, e a partir daí tentar encontrar uma forma de fazer o “se...” acontecer.

79

Exemplo 1

Exemplo 2

Short – Biyasis

Hastings, 1980 jogue com as Brancas

Gerstner – Machelett

Alemanha, 1994 jogue com as Brancas

Claramente as Brancas têm um bom ataque e as Pretas têm casas fracas ao redor do rei. As Brancas gostariam de jogar Txf8+, forçando o mate, mas, infelizmente, sua torre está cravada. Existe algum modo de libertar a torre dessa cravada?

Ver todos os capítulos

Carregar mais