19 capítulos
Medium 9788582602812

Capítulo 20 - Análise técnica e investimento de acordo com as tendências

Jeremy J. Siegel Grupo A PDF Criptografado

20

Análise técnica e investimento de acordo com as tendências

É verdade que muitos céticos são propensos a rejeitar todo o procedimento

[de leitura de gráficos] como algo semelhante à astrologia ou necromancia; mas sua enorme importância em Wall Street exige que suas pretensões sejam examinadas com certo grau de cuidado.

— B ENJAMIN G RAHAM

E

D AVID D ODD , 1934 1

A NATUREZA DA ANÁLISE TÉCNICA

Formações de bandeiras, flâmulas, arredondadas e ombro-cabeça-ombro.

Indicadores estocásticos, indicadores de convergência/divergência de médias móveis e candlesticks. Essa é a linguagem arcana do analista técnico, um investidor que prevê retornos futuros com base em tendências de preço passadas. Poucas áreas de análise de investimento atraíram tantos críticos; contudo, nenhuma outra área tem um núcleo de defensores tão dedicados e entusiásticos. A análise técnica, com frequência repudiada por economistas acadêmicos que acreditam que ela seja tão útil quanto a astrologia, está recebendo um novo olhar, e algumas evidências recentes são surpreendentemente positivas.

Ver todos os capítulos
Medium 9788582602812

Capítulo 1 - Um argumento a favor das ações: Fatos históricos e jornalismo de ficção

Jeremy J. Siegel Grupo A PDF Criptografado

1

Um argumento a favor das ações

Fatos históricos e jornalismo de ficção

A doutrina da “nova era” – de que as ações de “primeira linha” (ou “blue chips”) eram investimentos confiáveis independentemente de quão alto fosse o preço pago por elas – estava na base apenas como meio de justificar, sob o título de “investimento”, a capitulação quase universal da febre especulativa.

— BENJAMIN GRAHAM E DAVID DODD,

SECURITY ANAYLYSIS1

O investimento em ações tornou-se um hobby nacional e uma obsessão nacional. Atualizando Marx, é a religião do povo.

— ROGER LOWENSTEIN, “A COMMON MARKET:

THE PUBLIC’S ZEAL TO INVEST”2

Investindo em Ações no Longo Prazo, de Siegel? Agora só serve para segurar a porta

— OPINIÃO DE UM INVESTIDOR CONVIDADO DO CNBC,

3

MARÇO DE 2009

“TODO MUNDO DEVERIA SER RICO”

No verão de 1929, um jornalista chamado Samuel Crowther entrevistou

John J. Raskob, um alto executivo financeiro da General Motors, sobre como um indivíduo comum poderia criar riqueza investindo em ações. Em agosto desse mesmo ano, Crowther publicou as ideias de Raskob em um artigo no Ladies’ Home Journal com o audacioso título “Everybody Ought to Be Rich” (“Todo mundo deveria ser rico”).

Ver todos os capítulos
Medium 9788582602812

Capítulo 24 - Estruturando uma carteira para um crescimento de longo prazo

Jeremy J. Siegel Grupo A PDF Criptografado

24

Estruturando uma carteira para um crescimento de longo prazo

[O] longo prazo é uma orientação enganosa para a atualidade. A longo prazo todos estaremos mortos. Os economistas terão estabelecido para si mesmos uma tarefa muito fácil e muito fútil se em épocas tempestuosas eles só conseguirem nos dizer que depois da tempestade vem a bonança.

— J OHN M AYNARD K EYNES , 1924 1

Meu horizonte de investimento predileto é eternamente.

— W ARREN B UFFETT , 1994 2

Ninguém pode contestar a afirmação de Keynes de que a longo prazo todos estaremos mortos. Mas a visão de longo prazo deve servir de orientação para iniciativas presentes. Aqueles que mantêm o foco e a perspectiva em tempos difíceis são bem mais propensos a se sobressair como investidores bem-sucedidos. Saber que depois da tempestade vem a bonança não é fútil, tal como Keynes afirmou, mas enormemente reconfortante.

ASPECTOS PRÁTICOS DO INVESTIMENTO

Ser um investidor de longo prazo bem-sucedido é fácil em princípio, mas difícil na prática. É fácil em princípio porque a estratégia de comprar e manter uma carteira de ações diversificada, com a abstenção de qualquer capacidade de previsão, está ao alcance de todos os investidores, independentemente de sua inteligência, julgamento ou posição financeira. Contu-

Ver todos os capítulos
Medium 9788582602812

Capítulo 5 - Retornos de ações e títulos desde 1802

Jeremy J. Siegel Grupo A PDF Criptografado

5

Retornos de ações e títulos desde 1802

Não conheço outra forma de avaliar o futuro senão pelo passado.

— P ATRICK H ENRY ,

DISCURSO DE

1775

NA

C ONVENÇÃO DE V IRGÍNIA ,

23 DE MARÇO DE 1775

DADOS DO MERCADO FINANCEIRO DE 1802 AO PRESENTE

Este capítulo analisa os retornos das ações, dos títulos e de outras classes de ativos ao longo dos últimos dois séculos. A história dos Estados Unidos é dividida aqui em três subperíodos. No primeiro, de 1802 a 1870, o país fez uma transição entre a economia agrária e industrializada, comparável às mudanças que vários “mercados emergentes” da América Latina e da Ásia estão realizando no presente. No segundo, de 1871 a 1925, o país se tornou o principal poder político-econômico do mundo. O terceiro, de 1926 ao presente, abrange a Grande Depressão, a expansão pós-guerra, a bolha de tecnologia e a crise financeira de 2008.

Esses períodos foram escolhidos não apenas porque são historicamente significativos, mas também porque assinalam rupturas na qualidade e abrangência dos dados históricos sobre os retornos das ações. Os retornos acionários mais difíceis de coletar foram os de 1802 a 1871, porque havia poucos dados sobre os dividendos desse período. Em edições anteriores do livro Investindo em Ações no Longo Prazo, utilizei um índice

Ver todos os capítulos
Medium 9788582602812

Capítulo 19 - Volatilidade do mercado

Jeremy J. Siegel Grupo A PDF Criptografado

19

Volatilidade do mercado

A palavra crise na língua chinesa é composta de dois caracteres: o primeiro, o símbolo de perigo, [...] o segundo, de oportunidade.

O passado pressagia o futuro? O índice industrial Dow Jones de 1922 a 1932 e de 1980 a 1990 é mostrado na Figura 19.1A e B. Existe uma similaridade excepcional entre esses dois mercados altistas. Em outubro de 1987, os editores do Wall Street Journal, ao observarem o gráfico de ações até aquele momento, perceberam que a similaridade era tão grande, que imprimiram um gráfico semelhante na edição do jornal que foi às ruas na manhã de segunda-feira, em 19 de outubro de 1987. Mal eles sabiam que aquele dia testemunharia a maior queda em um único dia na história do mercado acionário americano, superando em muito a grande quebra de 29 de outubro de 1929. Fatidicamente, no restante do ano o mercado continuou operando de uma maneira muito parecida com 1929. Vários previsores, citando as semelhanças entre dos dois períodos, estavam certos de que o infortúnio se assomava e aconselhavam seus clientes a vender.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos