10 capítulos
Medium 9788537801970

Capítulo 10. Aprendendo a pensar com a sociologia

BAUMAN, Zygmunt ; MAY, Tim Zahar PDF Criptografado

. 10 .

Aprendendo a pensar com a sociologia

Capítulo a capítulo, viajamos juntos por um mundo de experiências cotidianas em termos de questões cambiantes que cercam e conformam nossas vidas. A sociologia, como guia nessa viagem, orientou a tarefa de comentar o que vemos e fazemos. A exemplo de qualquer excursão guiada, esperamos que nosso guia nada tenha deixado passar de importante e nos tenha de fato apontado o que – se deixado por nossa conta – poderia passar despercebido. Podemos também esperar de nosso guia a explicação de detalhes só superficialmente conhecidos e até a sugestão de uma perspectiva que até então não havíamos considerado. Ao final de nossa viagem, podemos esperar, realisticamente, saber mais e, portanto, ter melhorado nossa compreensão.

O olhar sociológico

O entendimento está no núcleo da vida social. Segundo o filósofo Charles Taylor, podemos utilizar esse conceito em dois sentidos. Em primeiro lugar, há o entendimento das coisas no que diz respeito a seu lugar em uma ordem dotada de significados.

Ver todos os capítulos
Medium 9788537801970

Capítulo 7. Tempo, espaço e (des)ordem

BAUMAN, Zygmunt ; MAY, Tim Zahar PDF Criptografado

.7.

Tempo, espaço e (des)ordem

“Tempo e espaço estão encolhendo.” Esta parece uma declaração bastante curiosa à primeira vista. Ora, tempo e espaço seguramente não encolhem! Do ponto de vista social, pensamos os eventos em termos de sua ocorrência no e por meio do tempo, e, de modo similar, localizados no espaço. Podemos fazer comparações entre ideias, atitudes e ações, traçando um mapa de suas variações históricas nos espaços físicos (em paisagens urbanas ou regionais) e simbólicos (como eles são vistos e que significados se atrelam às relações e aos objetos que neles estejam, quando tomados como “lugares” de interação).

As tecnologias da informação, entretanto, aceleraram nossas comunicações, por exemplo, com o e-mail e a mensagem instantânea, enquanto os meios de comunicação de massa se irradiam por todas as partes do globo, com efeitos sobre como as pessoas percebem a espacialidade e os locais. Nessa medida, espaço e tempo estão de fato encolhendo! Como disse Paul Virilio, a questão agora não é em que período de tempo (cronológico) nem em que espaço (geográfico) estamos, mas sim em “qual espaço-tempo?” Isso está mudando em velocidade crescente.

Ver todos os capítulos
Medium 9788537801970

Capítulo 2. Observação e sustentação de nossas vidas

BAUMAN, Zygmunt ; MAY, Tim Zahar PDF Criptografado

.2.

Observação e sustentação de nossas vidas

Discutimos questões referentes ao pertencimento a grupos e ao modo como eles se relacionam com nossa autoconcepção em interação com os outros. A maneira como esses grupos influenciam nossas condutas e como interagimos, a que grupos pertencemos e os que excluímos como resultado desse vínculo, estes são todos temas importantes na vida cotidiana. Essas circunstâncias, intencionais ou não, contribuem para a forma e para o conteúdo das relações sociais que caracterizam nossas sociedades. Neste capítulo refletiremos sobre esses assuntos mais detalhadamente e examinaremos as consequências desses processos sobre nossa visão dos outros e de nós mesmos.

Fundamentando nossas vidas: interação, entendimento e distância social

Pensemos em todas aquelas pessoas cujas ações são indispensáveis a nosso dia a dia. Quem põe o café em nossa xícara? Quem fornece a eletricidade, o gás e a água de que todos dependemos?

E mais: quem decide como, onde e quando movimentar os

Ver todos os capítulos
Medium 9788537801970

Capítulo 1. Alguém com os outros

BAUMAN, Zygmunt ; MAY, Tim Zahar PDF Criptografado

.1.

Alguém com os outros

Não é rara em nossa vida a experiência de nos ressentirmos do fato de sermos objeto de coerção por circunstâncias sobre as quais percebemos não ter controle. Em alguns momentos, porém, afirmamos nossa liberdade em relação a esse controle com a recusa de nos conformar às expectativas alheias, resistindo ao que consideramos indevida usurpação de nossa liberdade, e – como se evidencia tanto ao longo da história quanto na atualidade – nos revoltamos contra a opressão. Ter a sensação de ser livre e concomitantemente não ser, entretanto, é parte comum de nossas experiências cotidianas – é também uma das questões que mais confusão provocam, desencadeando sensações de ambivalência e frustração, tanto quanto de criatividade e inovação.

Assinalamos na Introdução que vivemos em interação com outros indivíduos. O modo como isso se relaciona com a ideia de liberdade na sociedade tornou-se objeto de farta produção sociológica. Em um nível, somos livres para escolher e acompanhar nossas escolhas até o fim. Você pode levantar-se agora e preparar uma xícara de café antes de prosseguir a leitura deste capítulo. Pode também optar por abandonar o projeto de aprender a pensar com a sociologia e embarcar em outra área de estudo, ou mesmo abrir mão de estudar, não importa que assunto seja. Continuar a ler é uma das alternativas de cursos

33

Ver todos os capítulos
Medium 9788537801970

Capítulo 5. Fazer acontecer: dádivas, trocas e intimidade nas relações

BAUMAN, Zygmunt ; MAY, Tim Zahar PDF Criptografado

.5.

Fazer acontecer: dádivas, trocas e intimidade nas relações

Em nossas discussões sobre ação, poder e escolha, examinamos algumas daquelas questões conformadoras de nosso cotidiano e as decisões com as quais rotineiramente nos deparamos nas nossas interações com as outras pessoas. Muitas dessas interações se estabelecem graças às ideias de dádiva e troca, que conferem forma e conteúdo a nossas vidas. Neste capítulo, continuaremos nossa jornada por desafios, escolhas e coerções diante dos quais nos encontramos rotineiramente, com maior atenção para os temas que envolvem e conformam essas transações.

Pessoal e impessoal: a dádiva e a troca

Para alguns, o débito é visitante ocasional, para o qual é possível buscar remédio sem alterar excessivamente os aspectos material e simbólico produtores das rotinas e das exceções que dão forma a nossos estilos de vida. Para outros, é elemento rotineiro da vida e requer atenção diária a fim de se cumprirem obrigações com filhos, familiares e amigos. Não se trata de visitante, mas de morador permanente que demanda atenção contínua e trabalho na busca de compensar seus piores efeitos. Consideremos o cenário a seguir.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos