19 capítulos
Medium 9788520429488

8. Neuroimagem no AVCI agudo

ZUKERMAN, Eliova…[el at.]. Editora Manole PDF Criptografado

8

Neuroimagem no AVCI agudo

Edson Amaro Junior

Marcelo de Maria Félix

Introdução

Técnicas de neuroimagem no acidente vascular cerebral isquêmico (AVCI) agudo desempenham um papel importante no manejo do paciente desde o advento de imagem por tomografia computadorizada

(TC), e hoje são fundamentais. Passos críticos na tomada de decisão são baseados em resultados de exames de imagem, e continuam a trazer mais informação relevante de acordo com a evolução tecnológica. E não apenas em aplicações individuais, já que a maioria dos desenhos experimentais e ensaios clínicos a respeito de diagnóstico, prognóstico e verificação de resultados terapêuticos tem como variáveis de desfecho parâmetros de neuroimagem.

Por outro lado, não é de longe uma tarefa simples e padronizada a interpretação das imagens, mesmo que hajam escalas para facilitar a utilização das informações1-4. Existe grande variabilidade de apresentação por imagem dos vários mecanismos de lesão cerebral na isquemia aguda.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520429488

2. Estratégia de implementação do Protocolo de AVC do HIAE

ZUKERMAN, Eliova…[el at.]. Editora Manole PDF Criptografado

2

Estratégia de implementação do

Protocolo de AVC do HIAE

Eliova Zukerman

Miguel Cendoroglo Neto

Fernando Morgadinho Santos Coelho

Alexandre Pieri

Tania Ol iveira Lopes

A literatura médica tem demonstrado que o sucesso da implementação de programas para atendimento dos pacientes com acidente vascular cerebral (AVC) depende de uma série de medidas preliminares. É importante conhecer o universo de pacientes que se pretende atender.

Assim, um programa nacional, municipal ou mesmo de um hospital terciário exige diferentes estratégias.

A implementação de um protocolo gerenciado começa com a análise das condições do hospital: humanas, tecnológicas e avaliação do espaço físico para o atendimento do AVC. A análise dos custos deve ser cuidadosamente planejada e os recursos financeiros devem ser direcionados e controlados, evitando descontinuidade. O modelo adotado deve ser divulgado e seguido, usando-se ferramentas de habilitação, treinamento e contínuo monitoramento.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520429488

12. Protocolos clínicos de suporte para o paciente com AVC

ZUKERMAN, Eliova…[el at.]. Editora Manole PDF Criptografado

12

Protocolos clínicos de suporte para o paciente com AVC

Monique Bueno Alves

Marcelino de Souza Durão Júnior

Antonio Capone Neto

Ruy Guilherme Rodrigues Cal

Alexandre Rodrigues Marra

Ana Cláudia Ferraz de Almeida

Este capítulo aborda os principais protocolos clínicos de suporte para o tratamento do paciente neurológico.

Nomograma de Heparina para pacientes neurológicos

Doses fixas de heparina podem levar a estados de coagulação variáveis; dependendo do paciente, vários fatores estão envolvidos nesta terapia que intervêm na meia-vida da droga. Clinicamente, esses fatores dificultam o objetivo terapêutico atingindo níveis inferiores ou superiores de anticoagulação.

O risco de sangramentos é controverso, estudos não demonstraram que o risco de sangramento ocorre com maior frequência, porém pacientes com subdose apresentam eventos embólicos recorrentes. Portanto, um método para controle fidedigno da anticoagulação, evitando doses não terapêuticas oferece benefícios para a prática da terapia endovenosa de heparina.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520429488

5. Protocolo de tratamento com trombólise endovenosa no AVCI

ZUKERMAN, Eliova…[el at.]. Editora Manole PDF Criptografado

5

Protocolo de tratamento com trombólise endovenosa no AVCI

Cristina Gonçalves Massant

Ale xandre Pieri

Gustavo Wruck Kuster

Roberto Naum Franco Morgulis

INTRODUÇÃO

O acidente vascular cerebral (AVC) é a primeira causa de incapacidade e a segunda causa de morte nos países desenvolvidos. Até 1995, as opções de tratamento para o AVC isquêmico (AVCI) agudo eram muito limitadas, quando então foi demonstrada a eficácia da terapêutica com rt-PA (ativador de plasminogênio tecidual recombinante), que já era utilizado no tratamento do infarto agudo do miocárdio. Foi aprovado nos

EUA em 1996 para uso endovenoso em pacientes elegíveis até 3 horas do início dos sintomas de AVCI, mas apenas em 2001 na Europa devido a considerações sobre segurança.

O tratamento do AVCI com rt-PA não reduz a mortalidade, mas diminui significativamente a incapacidade quando avaliada após 3 meses do ictus, apesar do maior risco de hemorragia intracerebral (5,9% versus 1,1% para placebo). A proporção de pacientes com recuperação total diminui progressivamente com o aumento do tempo entre o início dos sintomas e o tratamento, sendo atualmente bem definido o benefício da trombólise endovenosa para os pacientes com até 4 horas e 30 minutos

Ver todos os capítulos
Medium 9788520429488

4. Trials do tratamento agudo do AVCI

ZUKERMAN, Eliova…[el at.]. Editora Manole PDF Criptografado

4

Trials do tratamento agudo do AVCI

Mario Sergio Duarte Andrioli

Eduardo Noda Kihara

Thaís Soares Cianciarullo Minett

O acidente vascular cerebral isquêmico (AVCI) é uma doença na qual o paciente desenvolve alterações neurológicas focais, de instalação súbita, causadas pela obstrução ou oclusão de uma ou mais artérias cerebrais. A redução do fluxo sanguíneo no território vascular acometido, com consequente diminuição da oferta de oxigênio e nutrientes ao tecido envolvido, desencadeia a perda das funções do mesmo por falta de energia. A tal fenômeno dá-se o nome de isquemia. Se a isquemia for prolongada e/ou intensa a ponto de causar também a morte celular, ocorrerá necrose tecidual com perda irreversível das funções.

A obstrução ou a oclusão podem ocorrer por lesão na própria parede arterial ou por formação de coágulo em qualquer outro local do sistema circulatório, que pode se fragmentar e/ou se soltar, sendo carregado pelo fluxo circulatório. A esse fragmento livre na circulação dá-se o nome de êmbolo. Um êmbolo pode alcançar uma artéria cujo calibre seja parecido com as suas dimensões causando a sua obstrução. A estagnação do fluxo a montante associada à lesão endotelial no ponto de impactação do êmbolo causa ativação plaquetária e das proteínas do sistema de coagulação formando um trombo secundário. Esses fenômenos são o tromboembolismo.

25

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos