9 capítulos
Medium 9788547229702

DIREITOS REAIS

GAGLIANO, Pablo Stolze ; PAMPLONA, Rodolfo Editora Saraiva PDF Criptografado

DIREITOS

REAIS

LIX

NOÇÕES GERAIS SOBRE

DIREITOS REAIS

1.  DIREITOS REAIS: DENOMINAÇÃO E CONCEITO

Antes de estudarmos detalhadamente esse importante campo do Direito Civil, faz-se mister tecer algumas considerações introdutórias sobre sua denominação e conceito.

No passado, por inspiração alemã, a expressão preferida na área jurídica tradicionalmente sempre foi “Direito das Coisas” (Sachenrecht).

Modernamente, porém, prefere-se “Direitos Reais”, para denominar o ramo do

Direito Civil que regula a relação jurídica real.

Em nosso sentir, a utilização de uma denominação por outra não traduz equívoco.

Nesse contexto, temos que esse ramo específico (“Direitos Reais” ou “Direito das

Coisas”) consiste em um conjunto de princípios e normas que disciplina a relação jurídica referente às coisas suscetíveis de apropriação pelo homem, segundo uma finalidade social.

Por outro lado, em sentido mais estrito, ao mencionarmos direitos reais (propositalmente com o “d” minúsculo) podemos estar fazendo referência àqueles direitos elencados no art. 1.225 do Código Civil (direito real de propriedade, direito real de usufruto, direito real de servidão etc.).

Ver todos os capítulos
Medium 9788547229702

DIREITO DE FAMÍLIA

GAGLIANO, Pablo Stolze ; PAMPLONA, Rodolfo Editora Saraiva PDF Criptografado

DIREITO DE FAMÍLIA

LXV

INTRODUÇÃO AO DIREITO

DE FAMÍLIA

1.  CONCEITO DE FAMÍLIA OU CONCEITOS DE FAMÍLIAS?

A família é, sem sombra de dúvida, o elemento propulsor de nossas maiores felicidades e, ao mesmo tempo, é na sua ambiência em que vivenciamos as nossas maiores angústias, frustrações, traumas e medos.

Muitos dos nossos atuais problemas têm raiz no passado, justamente em nossa formação familiar, o que condiciona, inclusive, as nossas futuras tessituras afetivas.

Somos e estamos umbilicalmente unidos à nossa família.

O conceito de família reveste-se de alta significação psicológica, jurídica e social, impondo-nos um cuidado redobrado em sua delimitação teórica, a fim de não corrermos o risco de cair no lugar-comum da retórica vazia ou no exacerbado tecnicismo desprovido de aplicabilidade prática.

Nesse ponto, perguntamo-nos se seria possível delimitar um conceito único de família.

E essa dificuldade está presente na obra de respeitáveis autores.

Ver todos os capítulos
Medium 9788547229702

SUCESSÕES

GAGLIANO, Pablo Stolze ; PAMPLONA, Rodolfo Editora Saraiva PDF Criptografado

SUCESSÕES

LXXXVI

NOÇÕES INTRODUTÓRIAS

DO DIREITO DAS SUCESSÕES

1.  A MORTE COMO FATO JURÍDICO

O brasileiro, em geral, não costuma falar da morte.

Muitos dizem que isso traz mau agouro ou pode, até mesmo, propiciar a sua chegada mais precoce, o que ninguém quer.

Mas o fato é que a morte faz parte da vida, sendo a única certeza de toda a nossa trajetória, independentemente de credo ou filosofia.

Encerrando o ciclo existencial da jornada humana, a morte desafia, há séculos, a curiosidade de diversos pensadores, em vários ramos do conhecimento, desde a antiga

Alquimia, chegando à moderna Física Quântica, singrando os mares da Biologia e atracando no próprio Direito.

Sob o prisma eminentemente jurídico, temos que a morte, em sentido amplo, é um fato jurídico, ou seja, um acontecimento apto a gerar efeitos na órbita do Direito. No entanto, a depender da circunstância, o enquadramento deste fato poderá, em nível subtipológico, variar: a morte natural de uma pessoa de avançada idade é, nessa linha, um

Ver todos os capítulos
Medium 9788547229702

CAPÍTULO I - LEI DE INTRODUÇÃO ÀS NORMAS NO DIREITO BRASILEIRO

GAGLIANO, Pablo Stolze ; PAMPLONA, Rodolfo Editora Saraiva PDF Criptografado

I

LEI DE INTRODUÇÃO ÀS NORMAS NO

DIREITO BRASILEIRO

1.  O OBJETIVO DE UMA LEI DE INTRODUÇÃO

A finalidade da outrora denominada Lei de Introdução ao Código Civil brasileiro era muito mais ampla do que a primeira intelecção literal poderia depreender.

De fato, em que pese se referir ao Código Civil, a norma conhecida originalmente como Lei de Introdução ao Código Civil (em verdade, o Decreto-lei n. 4.657/42) dele não era parte integrante, constituindo, na realidade, um diploma que disciplina a aplicação das leis em geral.

Por isso, sempre defendemos que mais técnico seria, inclusive, se fosse denominada

“Lei de Introdução às Leis”, sendo efetivamente uma regra de superdireito1, aplicável a todos os ramos do ordenamento jurídico brasileiro, seja público ou privado.

Sua função, portanto, não é, tecnicamente, reger relações sociais,

“mas sim as normas, uma vez que indica como interpretá-las ou aplicá-las, determinando-lhes a vigência e a eficácia, suas dimensões espácio-temporais, assinalando suas projeções nas situações conflitivas de ordenamentos jurídicos nacionais e alienígenas, evidenciando os respectivos elementos de conexão. Como se vê, engloba não só o direito civil, mas também os diversos ramos do direito privado e público, notadamente a seara do direito internacional privado. A Lei de Introdução é o Estatuto de

Ver todos os capítulos
Medium 9788547229702

FATOS JURÍDICOS

GAGLIANO, Pablo Stolze ; PAMPLONA, Rodolfo Editora Saraiva PDF Criptografado

FATO JURÍDICO

FATOS JURÍDICOS

VI

1.  CONCEITO E CLASSIFICAÇÃO DOS FATOS JURÍDICOS

Todo acontecimento, natural ou humano, que determine a ocorrência de efeitos constitutivos, modificativos ou extintivos de direitos e obrigações, na órbita do direito, denomina-se fato jurídico.

Indiscutivelmente, trata-se de conceito basilar, verdadeira causa genética das relações jurídicas, e, bem assim, dos direitos e obrigações aí compreendidos.

Fora da noção de fato jurídico, pouca coisa existe ou importa para o direito.

A noção de fato jurídico, entendido como o evento concretizador da hipótese contida na norma, comporta, em seu campo de abrangência, não apenas os acontecimentos naturais (fatos jurídicos em sentido estrito), mas também as ações humanas lícitas ou ilícitas (ato jurídico em sentido amplo, que se subdivide em negócio jurídico e em ato jurídico stricto sensu; e ato ilícito, respectivamente), bem como aqueles fatos em que, embora haja atuação humana, esta é desprovida de manifestação de vontade, mas mesmo assim produz efeitos jurídicos (ato-fato jurídico).

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos