35 capítulos
Medium 9788580556100

Capítulo 13 - Mercados eficientes e finanças comportamentais

Richard A. Brealey; Stewart C. Myers; Franklin Allen Grupo A PDF Criptografado

PARTE IV  Decisões de financiamento e eficiência do mercado

CAPÍTULO

13

Mercados eficientes e finanças comportamentais

A

té agora, temos nos concentrado quase exclusivamente sobre o lado esquerdo do balanço – a decisão de investimento da empresa. Agora, vamos nos deslocar para o lado direito e para os problemas relacionados com o financiamento dos investimentos. Sejamos objetivos: você aprendeu somente a gastar dinheiro, agora saiba como obtê-lo.

Claro que não ignoramos completamente a questão do financiamento nos capítulos anteriores. Introduzimos, por exemplo, o conceito do custo médio ponderado do capital

(CMPC). Mas, na maioria das vezes, examinamos questões históricas de financiamento e utilizamos estimativas do custo de oportunidade do capital para aplicar o desconto em fluxos de caixa futuros. Não chegamos a perguntar como o custo de capital pode ser afetado pelo financiamento.

Vamos agora contornar o problema. Consideraremos dados adquiridos a atual carteira de ativos reais da empresa e sua estratégia futura de investimento, e decidiremos qual a melhor estratégia de financiamento. Por exemplo:

Ver todos os capítulos
Medium 9788580556100

Capítulo 21 - Avaliação das opções

Richard A. Brealey; Stewart C. Myers; Franklin Allen Grupo A PDF Criptografado

CAPÍTULO

21

Avaliação das opções

N

o capítulo anterior, apresentamos as opções de compra

(call) e de venda (put). As opções de compra conferem ao seu titular o direito de comprar um ativo a um preço de exercício especificado; as opções de venda concedem-lhe o direito de vender. Também demos os primeiros passos no sentido de compreender como se avaliam as opções. O valor de uma opção de compra depende de cinco variáveis:

1. Quanto mais alto for o preço do ativo, maior será o valor da opção de comprá-lo.

2. Quanto menor for o preço que se tiver de pagar para exercer a opção de compra, mais ela valerá.

3. Só se pagará o preço de exercício quando a opção vencer. Esse intervalo é tanto mais valioso quanto mais alta for a taxa de juro.

4. Se, no vencimento, o preço da ação for inferior ao preço de exercício, a opção de compra não terá valor, independentemente de essa diferença ser inferior a $1 ou superior a $100. No entanto, para cada dólar que o preço da ação ultrapassar o preço de exercício, o detentor da opção ganhará mais um dólar. Assim, o valor de uma opção de compra aumenta com a volatilidade do preço da ação.

Ver todos os capítulos
Medium 9788580556100

Capítulo 17 - A política de endividamento tem importância?

Richard A. Brealey; Stewart C. Myers; Franklin Allen Grupo A PDF Criptografado

CAPÍTULO

17

A política de endividamento tem importância?

O

recurso básico de uma empresa é a corrente de fluxos de caixa gerada pelos seus ativos. Quando a empresa é financiada inteiramente por capitais próprios, todos esses fluxos de caixa pertencem aos acionistas. Quando se endivida ou quando emite obrigações, a empresa divide os fluxos de caixa em duas partes: uma, relativamente segura, que se destina aos detentores de títulos de dívida, e outra, com maior risco, que se destina aos detentores de ações.

A composição da carteira dos diferentes títulos emitidos pela empresa é conhecida por estrutura de capital. Uma empresa que fincancia um investimento em todo ou em parte via endividamento está empregando aquilo que se denomina alavancagem financeira. Obviamente, a estrutura de capital não é apenas

“dívida versus capital próprio”. Há vários tipos de dívida, pelo menos dois tipos de capital próprio (ações ordinárias e preferenciais) e produtos híbridos, como as obrigações conversíveis. A empresa pode emitir dezenas de títulos diferentes, sob inúmeras combinações, mas tenta encontrar uma combinação particular que maximize o seu valor total de mercado.

Ver todos os capítulos
Medium 9788580556100

Capítulo 18 - Quanto uma empresa deve se endividar?

Richard A. Brealey; Stewart C. Myers; Franklin Allen Grupo A PDF Criptografado

CAPÍTULO

18

Quanto uma empresa deve se endividar?

N

o Capítulo 17, concluímos que raramente a política de endividamento é relevante nos mercados de capitais que funcionam bem e sem tensões ou imperfeições. Poucos gestores financeiros aceitariam essa conclusão como um guia prático.

Se a política de endividamento não fosse importante, então não deveriam se preocupar com ela – as decisões de financiamento poderiam ser rotineiras ou erráticas – não importaria. Contudo, os gestores financeiros efetivamente se preocupam com a política de endividamento. Este capítulo explica por quê.

Se a política de endividamento fosse completamente irrelevante, os índices efetivos de endividamento deveriam variar aleatoriamente de empresa para empresa e de setor para setor.

Porém, em alguns setores, empresas se endividam muito mais do que em outros. Veja, por exemplo, o Quadro 18.1. Ele mostra que hotéis e companhias aéreas são endividados contumazes. Por outro lado, empreendimentos de alta tecnologia – tais como empresas de software e Internet – são financiadas quase exclusivamente com capital próprio. Empresas de crescimento acentuado raramente utilizam muita dívida, apesar de sua rápida expansão e das frequentes necessidades de altos aportes de capital.

Ver todos os capítulos
Medium 9788580556100

Capítulo 10 - Análise de projeto

Richard A. Brealey; Stewart C. Myers; Franklin Allen Grupo A PDF Criptografado

PARTE III  Melhores práticas em decisões de investimento

CAPÍTULO

10

Análise de projeto

T

endo lido os capítulos anteriores sobre decisões de investimento, talvez você possa concluir que a escolha dos projetos que devem ser aceitos ou rejeitados é simples. Sua

única função seria esboçar um conjunto de previsões de fluxos de caixa, selecionar a taxa de desconto correta e determinar o valor presente líquido. No entanto, encontrar projetos que criem valor para os acionistas jamais pode ser reduzido a um mero exercício mecânico. Dedicamos, portanto, os três próximos capítulos para que as empresas possam apostar suas fichas em seus benefícios quando tomam decisões de investimento.

As propostas de investimento podem surgir em diferentes partes da organização. Portanto, as empresas precisam de procedimentos para assegurar que todos os projetos tenham uma avaliação consistente. A nossa primeira tarefa neste capítulo é revisar como as organizações elaboram planos e orçamentos para investimentos de capital, como autorizam projetos específicos e como verificam se os projetos são cumpridos conforme prometido.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos