15 capítulos
Medium 9788597012101

10 - Demonstração do Valor Adicionado

BORINELLI, Márcio Luiz; PIMENTEL, Renê Coppe Grupo Gen PDF Criptografado

10

Demonstração do Valor Adicionado

É possível que a maior parte da riqueza gerada pela organização não fique com seus donos? A resposta é sim e, muitas vezes, é o que acontece na sua empresa! Nesse sentido, com quem será que fica o valor gerado pela organização? Na verdade, o valor de riqueza produzido por uma entidade, ou simplesmente valor adicionado, é distribuído entre diversos agentes, como o governo, os funcionários, os acionistas e os financiadores. Para evidenciar o valor da riqueza produzida por uma organização, bem como a forma de distribuição de tal riqueza, é que foi criada a demonstração do valor adicionado. Com ela, os usuários podem analisar como a entidade vem produzindo riqueza e como a distribui. Assim, podem ser identificadas as entidades que mais distribuem aos acionistas, aquelas que distribuem parte relevante aos funcionários, aquelas que entregam parte significativa ao governo e, também, aos financiadores.

Objetivos do capítulo

Após o estudo deste capítulo, o leitor deverá estar apto a:

Ver todos os capítulos
Medium 9788597012101

5 - Balanço Patrimonial

BORINELLI, Márcio Luiz; PIMENTEL, Renê Coppe Grupo Gen PDF Criptografado

5

Balanço Patrimonial

Certamente, uma informação relevante para todo e qualquer tipo de usuário

é sobre a composição do patrimônio de uma entidade. Toda entidade possui bens, direitos e deveres. Como está a composição desses bens, direitos e deveres? Será que os bens e direitos são suficientes para cumprir as obrigações assumidas pela entidade? A propósito, e as obrigações da entidade, serão exigidas no curto ou longo prazo? Qual a parte do patrimônio da empresa que é composta por recursos dos sócios e acionistas? Para responder a essas e a uma série de outras demandas, os usuários fazem uso do balanço patrimonial, uma das mais expressivas peças contábeis que evidencia, detalhadamente, a composição do patrimônio de uma entidade, bem como sua situação patrimonial e financeira num dado momento.

Objetivos do capítulo

Após o estudo deste capítulo, o leitor deverá estar apto a:

 Determinar o que é, para que serve (seu objetivo) e como se estrutura o  balanço patrimonial.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597012101

9 - Demonstração dos Fluxos de Caixa

BORINELLI, Márcio Luiz; PIMENTEL, Renê Coppe Grupo Gen PDF Criptografado

9

Demonstração dos

Fluxos de Caixa

Uma entidade pode apresentar lucro e ter seu caixa reduzido em certo período? Ou, ainda, é possível uma organização ter prejuízo e mesmo assim ter alta geração de caixa? A resposta é sim! Isso é possível, pois o lucro contábil está baseado no regime de competência (reconhecimento dos eventos econômicos na data do fato gerador) e não no regime de caixa (reconhecimento dos eventos na data dos pagamentos e recebimentos). Porém, todas as variações no lucro tendem a afetar o caixa, ainda que em momentos distintos. Assim, para se conhecer as variações no caixa em um período e poder inferir se uma entidade vai continuar gerando caixa em períodos futuros é necessário analisar a demonstração dos fluxos de caixa. Com ela, um gestor ou analista pode entender se a entidade pode vir a ter problema de caixa no futuro, se tem conseguido gerar caixa com as suas operações, se tem dependido ou pode vir a depender de empréstimos, se utiliza seus recursos de caixa para financiar seus investimentos, ou se tem recorrido a recursos de terceiros, entre várias outras coisas.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597012101

2 - Usuários, Aplicações e Aspectos Formais da Contabilidade

BORINELLI, Márcio Luiz; PIMENTEL, Renê Coppe Grupo Gen PDF Criptografado

2

Usuários, Aplicações e Aspectos

Formais da Contabilidade

Existem diversos tipos de decisões econômicas e financeiras que necessitam de informações contábeis. As expressões Contabilidade Financeira e Contabilidade

Gerencial, frequentemente, são utilizadas para diferenciar os tipos de informações contábeis mais amplamente usadas na comunidade dos negócios. Basicamente, o que difere nessas duas visões de Contabilidade são as informações requeridas pelos diferentes tipos de usuários, tendo em vista sua necessidade de decisão. Nesse sentido, toda informação contábil oriunda de uma organização está disponível aos gestores (usuários internos); entretanto, muitas companhias devem publicar informações a usuários externos. Mas será que toda empresa é obrigada a elaborar, manter, divulgar ou publicar demonstrações contábeis? Para responder a essa questão, deve-se levar em consideração a forma jurídica de constituição da entidade. Afinal, qual a diferença entre uma sociedade anônima e uma sociedade por quotas de responsabilidade limitada? Quais entidades devem divulgar e publicar?

Ver todos os capítulos
Medium 9788597012101

Apêndice e Gabarito das Questões

BORINELLI, Márcio Luiz; PIMENTEL, Renê Coppe Grupo Gen PDF Criptografado

Apêndice

Solução do Exercício da Kéops S/A

Apresentação do problema (descrição das operações)

A “Kéops Comércio e Restauração de Móveis e Antiguidades S/A” (Kéops

S/A) foi criada no final do ano X0, tendo em vista a percepção de seus dois sócios fundadores sobre um interessante nicho de mercado percebido na região de Pinheiros, no coração da capital paulista. As atividades da empresa estão focadas na compra, venda e restauração de móveis e outras antiguidades. Os sócios fundadores desenvolveram um plano de negócios para os cinco primeiros anos de atividade da empresa, tendo estabelecido, dentre outras coisas, que:

■■ seriam contratados três funcionários;

■■ o atendimento aos clientes seria realizado a domicílio e na própria empresa;

■■ os fornecedores seriam aqueles sediados dentro do Estado de São Paulo;

■■ há expectativa de que o negócio deva produzir um retorno anual de 25% do ca-

pital investido;

■■ o mês de dezembro/X0 seria destinado à estruturação física da empresa, para que as atividades se iniciassem, de fato, em 1-1-X1.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos