4 capítulos
Medium 9788527731157

1 - Processo de Enfermagem | Intervenções Farmacológicas

GUARESCHI, Ana Paula Dias França; CARVALHO, Luciane Vasconcelos Barreto de; SALATI, Maria Inês Grupo Gen PDF Criptografado

1

Processo de

Enfermagem |

Intervenções

Farmacológicas

Ana Paula Dias França Guareschi

Luciane Vasconcelos Barreto de Carvalho

Introdução

Historicamente, a enfermagem organiza suas ações no cuidado e na assistência ao in­di­ví­duo, à família e à comunidade, por meio da sistematização da assistência de enfermagem (SAE), que, pela lei do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), é constituí­da como privativo do enfermeiro. A SAE busca o conhecimento científico específico e organizado em um sistema de proposições que se relacionam entre si, ba­sea­do em teorias que procuram explicar os fatos à luz das suas concepções.

A teoria de enfermagem embasa o processo de enfermagem (PE), que tem como objetivo a assistência integral ao ser humano. Esse processo é composto por seis etapas:

Histórico de enfermagem

Diagnóstico de enfermagem

Plano assistencial

Plano de cuidados ou prescrição de enfermagem

Ver todos os capítulos
Medium 9788527731157

3 - Aspectos Básicos da Farmacoterapia

GUARESCHI, Ana Paula Dias França; CARVALHO, Luciane Vasconcelos Barreto de; SALATI, Maria Inês Grupo Gen PDF Criptografado

3

Aspectos Básicos da

Farmacoterapia

Maria Inês Salati

Introdução

A farmacoterapia ocorre por meio de processos não muito simples, capazes de prevenir ou tratar uma doen­ça. A terapia por meio de fármacos desenvolveu-se a partir de conhecimentos populares, leigos, empíricos, com vié­s de magia e também da observação de aspectos clínicos no processo de melhora. Historicamente, houve mudanças no conhecimento médico quanto ao diagnóstico e à compreensão das patologias, o que, em paralelo, incentivou o avanço da farmacologia básica e clínica a fim de melhorar a compreensão dos alvos farmacológicos, com o intuito de criar fármacos mais eficazes, específicos e com menos efeitos colaterais, tornando, assim, a farmacoterapia mais apropriada e segura, para que seu efeito farmacológico seja o mais próximo possível do desejado, diante de boa especificidade.

Segundo a Organização Mundial da Saú­de (OMS), o conceito de droga restringe-se

às substâncias usadas no ser humano para diagnóstico, prevenção e tratamento das doen­ças. Já o conceito de medicamento é mais limitado, pois diz respeito a drogas de ação preventiva, paliativa ou curativa no organismo doente. Contudo, habitualmente, os termos “droga”, “fármaco” e “medicamento” são usados como sinônimos.

Ver todos os capítulos
Medium 9788527731157

4 - Grupos Farmacológicos

GUARESCHI, Ana Paula Dias França; CARVALHO, Luciane Vasconcelos Barreto de; SALATI, Maria Inês Grupo Gen PDF Criptografado

4

Grupos

Farmacológicos

Ana Paula Dias França Guareschi

Maria Inês Salati

Luciane Vasconcelos Barreto de Carvalho

Anestésicos gerais

Os anestésicos são usados para que o paciente não tenha consciência e não sinta dor nos procedimentos cirúrgicos. Seus principais efeitos são no sistema nervoso central (SNC).

Dividem-se em dois grandes grupos: agentes inalados e agentes intravenosos, ambos devendo ser prontamente controláveis e ajustáveis de acordo com a necessidade cirúrgica.

Com a introdução dos agentes inalatórios, as cirurgias tornaram-se amplamente difundidas e possíveis. O óxido nitroso (gás hilariante), o clorofórmio e o éter foram substâncias inicialmente utilizadas para redução da dor e perda da consciência.

Os anestésicos intravenosos são usados para a indução (p. ex., tiopental e etomidato) e a manutenção da anestesia (p. ex., propofol, associado a relaxantes musculares e analgésicos); já os inalatórios (gases ou líquidos voláteis) para a manutenção da anestesia durante o processo cirúrgico.

Ver todos os capítulos
Medium 9788527731157

2 - Responsabilidade Ética e Legal do Profissional de Enfermagem

GUARESCHI, Ana Paula Dias França; CARVALHO, Luciane Vasconcelos Barreto de; SALATI, Maria Inês Grupo Gen PDF Criptografado

2

Responsabilidade

Ética e Legal do

Profissional de

Enfermagem

Elaine Corrêa da Silva

Ana Maria Auricchio

Introdução

A administração de medicamentos é uma das atividades do enfermeiro, do técnico e do auxiliar de enfermagem e constitui, seguramente, uma das maiores responsabilidades profissionais da equipe de enfermagem. Está prevista em lei e é uma das práticas mais frequentes no cotidiano de trabalho.

É um procedimento complexo, que exige o cumprimento de várias etapas: a prescrição médica, a provisão e a dispensação do medicamento pela farmácia, o aprazamento, o preparo e a administração aos pacientes pelos profissionais de enfermagem, o monitoramento individual do paciente e a anotação minuciosa em seu prontuário.1

O processo de administração de medicamentos demanda uma série de ações e decisões que envolvem a equipe multiprofissional – o médico, o farmacêutico e a equipe de enfermagem – e inclui, também, o próprio paciente. Os técnicos e os auxiliares de enfermagem possuem importância crucial para a correta execução desse processo, pois são estes profissionais que, efetivamente, administram os medicamentos e monitoram as reações adversas que possam ocorrer com os pacientes.1

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos