45 capítulos
Medium 9788597018882

Capítulo 8 – Investimentos

HOJI, Masakazu Grupo Gen PDF Criptografado

8

INVESTIMENTOS

8.1 RISCO E RETORNO

O excedente de recursos obtido pelos indivíduos e empresas é direcionado a algum tipo de investimento. Dependendo dos objetivos e do perfil de quem está investindo, os recursos podem ser aplicados no mercado financeiro, em várias modalidades existentes, ou em algum projeto relacionado com a atividade produtiva ou comercial.

8.1.1 Por que poupar?

Sobre os recursos direcionados para investimento recai o chamado custo de oportunidade, uma vez que eles poderiam ser aplicados em outras alternativas de investimento. Para os indivíduos, os recursos que sobram depois de cumpridos todos os compromissos financeiros podem ser direcionados ao consumo, mas são incentivados a poupar seja para consumo futuro ou para formar uma reserva de proteção para o futuro.

A formação de poupança é uma decisão importante, pois, mesmo que se pretenda um consumo futuro, com o dinheiro na mão, tem-se um melhor poder de negociação, especialmente pelos descontos que se conseguem negociar.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597018882

Capítulo 3 – Análise de Demonstrações Contábeis

HOJI, Masakazu Grupo Gen PDF Criptografado

3

ANÁLISE DE

DEMONSTRAÇÕES

CONTÁBEIS

3.1 INICIANDO A ANÁLISE DE BALANÇOS

Se uma empresa apresenta um lucro no valor de R$ 1.000, possui algum significado? Esse dado, isoladamente nada diz ou diz pouca coisa.

No entanto, se a empresa apresenta um lucro de R$ 1.000 e venda no valor de

R$ 5.000, é possível relacionar esses dois valores e gerar informação útil para os usuários. Por exemplo, pode ser calculado o percentual de lucro sobre a venda:

R$ 1.000

= 0,20 ou 20%

R$ 5.000

A análise de balanços propicia informações muito importantes sobre a situação financeira e econômica da empresa, bem como a forma de gestão, entre outras.

Vamos prosseguir com o exemplo apresentado. A empresa vendeu R$ 5.000 e gerou um lucro de R$ 1.000 no ano passado. Neste ano, a venda será de R$ 6.000 e o lucro de R$ 1.500. Com esses dados, o nível de informação sobre a empresa, sem dúvida, será bastante melhorado, como segue:

Ano passado

Ver todos os capítulos
Medium 9788597010527

6 - Administração do Capital de Giro

HOJI, Masakazu Grupo Gen PDF Criptografado

6

Administração do

Capital de Giro

6.1  Recursos de curto prazo

6.1.1  Capital de giro

O capital de giro é conhecido também como capital circulante e corresponde aos recursos aplicados em ativos circulantes, que se transformam constantemente dentro do ciclo operacional. Como o próprio nome dá a entender, o capital de giro fica girando dentro da empresa e, a cada vez que sofre transformação em seu estado patrimonial, produz reflexo na Contabilidade. Até se transformar finalmente (novamente) em dinheiro, o valor inicial do capital de giro vai sofrendo acréscimo a cada transformação, de modo que, quando o capital retornar ao “estado de dinheiro”, ao completar o ciclo operacional, deverá estar maior do que o valor inicial.

O estudo do capital de giro é fundamental para a administração financeira, porque a empresa precisa recuperar todos os custos e despesas (inclusive financeiras) incorridos durante o ciclo operacional e obter o lucro desejado, por meio da venda do produto ou prestação de serviço. A Figura 6.1 apresenta, de maneira simplificada, o fluxo do capital de giro dentro do ciclo operacional. Na fase 1, o capital de giro, no valor de $ 200, que estava representado pela conta Caixa, transforma-se em Estoque de matérias-primas, que vai para a fase 2; nessa fase, o capital de giro sofre um acréscimo de $ 60, em consequência do processo de fabricação. Da fase 2 para a fase 3, gira um capital no valor de $ 260, que, por sua vez, sofre um acréscimo de $ 40 causado pelas despesas de vendas e distribuição. Ainda na fase 3, o capital de giro é acrescido de $ 50, correspondente

Ver todos os capítulos
Medium 9788597010527

4 - Conceitos Financeiros Básicos

HOJI, Masakazu Grupo Gen PDF Criptografado

4

Conceitos Financeiros

Básicos

4.1  Juros simples

Em países com economia estável, é comum a utilização de juros simples em operações com prazos de seis meses ou um ano, pois a inflação, além de ser relativamente baixa, é relativamente previsível e as regras do mercado financeiro não são abruptamente alteradas. O mesmo não ocorre em países com alto nível de inflação, pois qualquer desvio na taxa de juro esperada pode produzir diferenças significativas sobre o resultado final da operação.

No Brasil, os juros simples são comumente utilizados em operações financeiras de curtíssimo e curto prazos (de um dia a um mês), descontos de duplicatas e títulos, e cobranças de juros de mora. As operações financeiras indexadas em dólar são também calculadas com taxa de juros simples.

4.1.1  Formas de cálculo

Quando o juro é calculado sobre o capital inicial, proporcionalmente ao número de capitalização, o regime de capitalização é de juros simples.1

As taxas de juros são expressas em unidade de tempo, mas os juros não são pagos, necessariamente, ao final de cada período em que é expressa a taxa de juro. Por exemplo, os juros de um empréstimo feito pelo prazo de seis meses, à

Ver todos os capítulos
Medium 9788597010527

9 - Decisões de Financiamentos

HOJI, Masakazu Grupo Gen PDF Criptografado

9

Decisões de

Financiamentos

9.1  Estrutura de capital

9.1.1  Conceitos de capital

Segundo os estudiosos e doutrinadores da Contabilidade, o capital é um fundo de valores ou conjunto de bens, créditos e débitos colocados à disposição da empresa, com a finalidade de gerar resultados econômicos (Sá; Sá, 1989, p. 50).

O capital de uma empresa está todo investido no Ativo, com o objetivo de gerar retornos adequados (Figura 9.1). Esse capital é fornecido por terceiros e pelos acionistas ou sócios. A parte dos acionistas ou sócios é representada pelo

Capital próprio (Patrimônio Líquido).

Para fins de análise e tomada de decisões sobre estruturas de capital, são considerados somente os fundos permanentes e de longo prazo, pois as estruturas de capital, por serem de natureza estratégica, não são frequentemente alteradas. Entretanto, o capital de curto prazo pode assumir importância significativa em algumas empresas, substituindo o capital de longo prazo.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos