7 capítulos
Medium 9788521626435

3 Due diligence contábil

VALENTE, Paulo Gurgel (org.) Grupo Gen PDF Criptografado

3

Due diligence contábil

Érico Luiz Canarim

003Valente.indd 69

14/04/14segunda-feira 18:56

70 

  Capítulo 3

3.1 INTRODUÇÃO

Os trabalhos de apoio a transações de aquisição ou venda de participações societárias de empresas, internacionalmente denominado due diligence, requerem profissionais especializados em diversas áreas, tais como: contadores, economistas, advogados, engenheiros, administradores, atuários etc. O auditor independente, que no Brasil é obrigatoriamente um bacharel em ciências contábeis, é um entre os diversos especialistas contratados pelas partes (players) para assessorar e dar suporte técnico à possível transação no ponto de vista contábil e financeiro. Geralmente, um dos profissionais contratados pelos players é designado para dirigir, coordenar e centralizar os serviços dos demais especialistas.

A título de exemplo, relacionamos a seguir os serviços comumente requeridos e executados em uma due diligence: a. Aplicação de procedimentos de auditoria preestabelecidos em uma revisão limitada de demonstrações contábeis, em data-base selecionada para a transação; b. Compilação de informações de caráter contábil, fiscal, financeiro, operacional e organizacional; c. Levantamento físico de ativos e avaliação dos bens a preços de custo, de mercado ou de liquidação; d. Investigação da titularidade de imóveis e da existência de ônus sobre os ativos contabilizados; e. Análise de contratos em vigor, relativamente a prazos, juros e encargos contratuais e, em particular, possibilidade de vencimento antecipado em caso de transferência de participações societárias; f. Pesquisa sistemática de possíveis litígios de natureza fiscal, trabalhista, previdenciária, comercial etc., e elaboração de estimativa das contingências;

Ver todos os capítulos
Medium 9788521626435

2 Avaliação e negociação

VALENTE, Paulo Gurgel (org.) Grupo Gen PDF Criptografado

2

Avaliação e negociação

Paulo Gurgel Valente

002Valente.indd 29

24/04/14quinta-feira 09:04

30 

  Capítulo 2

2.1 POR QUE COMPRAR OU VENDER UMA EMPRESA?

Existem diversas motivações para que se pense em comprar ou vender uma empresa, muitas até opostas. Em geral, pode-se definir um mercado como o lugar onde as pessoas efetuam trocas, quer por terem visões diferentes sobre um mesmo ativo, quer por questões objetivas ou subjetivas. É o caso das bolsas de valores: as transações ocorrem entre aqueles que acreditam que vale a pena adquirir uma ação e os que, ao contrário, têm convicção de que chegou o momento de vender.

Quando se trata de comprar e vender empresas, ocasião em que compradores e vendedores terão ou deixarão de ter envolvimento direto na Governança Corporativa e em seus resultados, de forma diferente da distância que a bolsa de valores impõe, podemos destacar as principais motivações a seguir.

2.1.1 Razões para comprar uma empresa

Ver todos os capítulos
Medium 9788521626435

1 Como comprar e vender uma empresa

VALENTE, Paulo Gurgel (org.) Grupo Gen PDF Criptografado

1

Como comprar e vender uma empresa

José Carlos Pereira

001Valente.indd 5

14/04/14segunda-feira 18:39

6 

  Capítulo 1

1.1 O PERFIL E O PAPEL DO CONSULTOR

O processo de comprar ou vender uma empresa exige dedicação e especialização de um profissional para conduzir a intermediação do negócio, normalmente acompanhado por uma equipe qualificada em assessorar cada etapa da negociação.

Trata-se de um trabalho minucioso que requer muita sensibilidade, maturidade empresarial, especialização e, sobretudo, paciência. Em síntese, trata-se de facilitar uma transferência de negócio.

Neste capítulo, pretendemos dar ênfase ao mercado de micro, pequenas e médias empresas, conhecidas nos Estados Unidos como street business e middle market.

Um consultor qualificado poupará muito tempo e dinheiro do comprador e do vendedor durante a negociação, por minimizar erros, trabalhar com eficácia, expor o negócio adequadamente, contribuindo para obter sucesso sem colocar em risco as partes envolvidas.

Ver todos os capítulos
Medium 9788521626435

Anexo – Gerenciamento de riscos na Governança Corporativa

VALENTE, Paulo Gurgel (org.) Grupo Gen PDF Criptografado

Anexo

Gerenciamento de riscos na Governança Corporativa

Paulo Gurgel Valente

ApendiceValente.indd 123

22/04/14terça-feira 15:53

124 

  Anexo

A.1 INTRODUÇÃO

Heráclito, filósofo grego de Éfeso que viveu de 540 a 475 a.C., foi possivelmente um dos primeiros a propor os conceitos de mudança e movimento permanentes, em lugar daquilo que seria perene, o que obviamente implica a noção abrangente de riscos.

Como um dos fundadores da metafísica, ele aceitava a ideia geral da unidade da natureza, mas negou a “teoria do ser”. Para Heráclito, o fato fundamental uniforme na natureza seria a mudança permanente: “tudo é” e “não é” ao mesmo tempo, constituindo-se o princípio da relatividade, no qual a harmonia e a unidade advêm da diversidade e da multiplicidade, rejeitando o conceito de “sendo” para a percepção de “em transformação”.

Mais de dois mil anos à frente, já no século XVII, embora remotamente em relação a nossa época, William Shakespeare (1564-1616), na peça O mercador de Veneza, apresentou uma trama central sobre o conceito de risco, entre outros aspectos, em que o negociante (merchant), Antonio, contratava um exótico empréstimo “sem juros”, com o banqueiro Shylock, para ajudar um amigo, mas com uma multa que seria de uma libra-peso extraída de seu próprio corpo em caso de inadimplência.

Ver todos os capítulos
Medium 9788521626435

5 Governança Corporativa nas empresas negociadas

VALENTE, Paulo Gurgel (org.) Grupo Gen PDF Criptografado

5

Governança Corporativa nas empresas negociadas

João Luiz Coelho da Rocha e Paulo Gurgel Valente

005Valente.indd 107

22/04/14terça-feira 16:49

108 

  Capítulo 5

5.1 INTRODUÇÃO

Tem sido muito frequente nas operações de compra e venda que as empresas negociadas resultem em admissão de novos acionistas, sejam majoritários ou minoritários, desde que essas transferências não tenham sido integrais, isto é, alguns acionistas permaneçam com uma posição societária ou gerencial.

A partir dessa situação, muito antes de a transação ser concluída, é indispensável regular como será a convivência entre os novos acionistas e os antigos, em todos os detalhes do funcionamento da empresa.

Diversos aspectos que eram decididos na situação anterior de Governança Corporativa, isto é, antes da conclusão da operação de compra e venda, na qual os controladores possuíam regras de decisões previamente estabelecidas, ou mesmo na falta delas — situação na qual os entendimentos entre os controladores e administradores eram facilitados pelo fato de essas pessoas serem as mesmas — na nova situação precisam ser revistos e devidamente previstos, estando sujeitas a rodadas de negociações e à adequada fundamentação perante a legislação atual.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos