16 capítulos
Medium 9788522466023

Parte V - 12 Os Processos de Comunicação de Massa e a Sociedade Contemporânea

FERREIRA, Delson Grupo Gen PDF Criptografado

12

Os Processos de Comunicação de Massa e a Sociedade

Contemporânea

1 2.1 QUE É COMUNICAÇÃO: ORIGEM E

DESENVOLVIMENTO DO CONCEITO

Já não existem controvérsias teóricas quanto ao fato de a comunicação e a informação constituírem uma das bases fundamentais de todos os contatos sociais.

Desde o tempo das inscrições rupestres pré-históricas até o das redes computacionais virtuais, os seres humanos comunicam seus sentidos, anseios e necessidades, construindo, assim, a teia relacional que sustenta os processos sociais. Não é novidade nenhuma, portanto, dizer que vivemos em uma sociedade da comunicação e da informação e que, devido a isso, a comunicação é crucial para o estabelecimento e continuidade da vida social. A questão que se coloca para os primeiros dias do século XXI, por meio desse título, vai além dessas constatações e é mais ampla: dada a profusão no século XX, sem precedentes na história humana, de meios para secomunicar, estes dois elementos, comunicação e informação, tornaram-se imprescindíveis para a compreensão dos problemas relativos à rede de complexidade, que boje envolve todos os âmbitos das relações sociais.

Ver todos os capítulos
Medium 9788522466023

Parte I - 2 Sociologia: História e Desenvolvimento

FERREIRA, Delson Grupo Gen PDF Criptografado

2 t::J

Sociologia; História e

Desenvolvimento

c::::I

2.1 A SOCIOLOGIA E O DIA-A-DIA: AS RELAÇÕES SOCIAIS

Os indivíduos, dos primeiros momentos da História aos dias de hoje, estabelecem relações entre si que fazem parte de suas rotinas cotidianas. Voltadas para a resolução de problemas práticos ou abstratos, que vão da satisfação das necessidades vitais básicas à solução de intrincadas questões científicas ou filosóficas, essas relações fundam-se em interações que ora começam por impulsos originados no indivíduo, ora iniciam por influências oriundas do grupo ou da sociedade.

Constituindo um dos parâmetros fundamentais que definem a vida social, há uma tensão permanente entre os impulsos que partem das necessidades do indivíduo e as demandas que provêm da sociedade. Não é difícil confirmar essa afirmação. Nas conversas do dia-a-dia entre as pessoas, é comum o seguinte diálogo:

- ''Você agiu por impulso pessoal ou por pressão do grupo?"

- "Eu agi por minha conta e risco, não dou importância ao que os outros pensam!" Ou,

Ver todos os capítulos
Medium 9788522466023

Parte IV - 9 Estratificação e Mobilidade Social

FERREIRA, Delson Grupo Gen PDF Criptografado

9· t::J

Estratificação e

Mobilidade Social

c:J

9 . 1 ESTRATIFICAÇÃO SOCIAL

A Sociologia deve a seus diversos tipos de concepções funcionalistas e estruturalistas a definição da maior parte de seus conceitos de estratificação social, destatus e papéis e de mobilidade social. Fazem parte do conteúdo clássico do pensamento sociológico os estudos sobre as diversas formas de estratificação pelas quais as sociedades vêm-se organizando e dividindo-se ao longo da História, bem como a elucidação da existência ou não de mobi.lidade social nessas mesmas sociedades.

Essas definições, em geral, descrevem e delimitam com precisão o conteúdo de seus conceitos, faltando-lhes, no entanto, o passo seguinte: explicar, à luz de uma compreensão crítica dos processos sociais, históricos e políticos, os motivos ou as determinações que levaram a tal ou qual tipo de estratificação social e a possibilidade ou não de real mobilidade no interior dessas estruturas.

No sentido sociológico do termo, o conceito de estratificação define-se com base na existência, nas sociedades, de diferenças, de desigualdades concretas entre pessoas e grupos, partindo-se do pressuposto da existência de segmentos organizados de indivíduos que ocupam posições sociais diferentes dentro da estrutura social, indicando também diferenças no tocante aos status que essas pessoas possuem. Estratificação, dessa maneira, refere-se a uma forma de organização que se dá por meio da divisão da sociedade em estratos ou camadas sociais distintas, de acordo com algum tipo de critério estabelecido.

Ver todos os capítulos
Medium 9788522466023

Parte II - 3 O Positivismo Sociológico

FERREIRA, Delson Grupo Gen PDF Criptografado

3

D

O

CJ

c::::l t::::J

O Positivismo Sociológico

CJ

3.1 A SOCIOLOGIA POSITIVISTA

O positivismo adotou parâmetros teóricos que pressupunham que os códigos reguladores dos âmbitos físico e social diferiam quanto a seu caráter: os primeiros seriam relativos a acontecimentos do mundo dos fenômenos exteriores aos homens; os segundos, aos fatos pertinentes à problemática das questões humanas ligadas à interação e à convivência social. A profissão de fé de que esses âmbitos possuíam urna origem comum, ou seja, natural, levou os pensadores positivistas a aproximá-los, apesar do reconhecimento de suas diferenças características. A evolução acelerada dos métodos de pesquisa das ciências naturais - Física, Química e Biologia- , que ocorria no século XIX, atraiu os cientistas sociais positivistas para a lógica dos procedimentos de investigação dessas ciências. Desse modo, a sociedade veio a ser concebida por eles como um organismo combinado de partes integradas e coesas que funcionavam harmoniosamente, conforme um modelo físico ou mecânico de organização. Devido à adoção desse paradigma, o positivismo foi denominado ainda de organicismo.

Ver todos os capítulos
Medium 9788522466023

Parte IV - 11 Movimentos Sociais

FERREIRA, Delson Grupo Gen PDF Criptografado

11

a

n

t::::::J

Movimentos Sociais

c::J

ll.l MOVIMENTOS SOCIAIS: CONCEITOS

Os conceitos definidores de movimento social referem-se à esfera das ações de grupos organizados para a conquista de determinados fins estabelecidos coletivamente, que partem de necessidades e visões específicas de mundo e de sociedade e objetivam mudar ou manter as relações sociais. Esses movimentos constituem parte integrante fundamental das sociedades, e são sufocados nas que são autoritárias e reconhecidos nas democráticas, devendo ser vistos e analisados como fenômenos internos aos constantes processos de mudança e conservação dos sistemas e estruturas sociais.

Lakatos (1990:294), ao sintetizar as definições de diversos autores, afirma que os movimentos sociais podem ser considerados com base em sua

"origem em uma parcela da sociedade global, com características de maior ou menor organização, certo grau de continuidade e derivando da insatisfação e/ou das contradições existentes na ordem estabelecida, de caráter predominantemente urbano, vinculados a determinado contexto histórico e sendo de transformação ou de manutenção do status quo".

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos