171 capítulos
Medium 9788527723473

30 - Noções de Anatomia e Fisiologia

PORTO, Celmo Celeno; PORTO, Arnaldo Lemos Grupo Gen PDF Criptografado

Seção 3

Faringe

30

Noções de Anatomia e Fisiologia

Helio Hungria, Paulo Humberto Siqueira e André Valadares Siqueira

A faringe é um conduto m

­ usculomembranoso que se segue

às fossas nasais e à cavidade bucal, terminando, embaixo, na entrada da laringe e na boca do esôfago. Constitui, por isso mesmo, uma encruzilhada aerodigestiva, dando passagem ao ar da respiração e ao bolo alimentar. Divide‑se em três por‑

ções:

■■ Superior ou nasal, também chamada nasofaringe, epifa‑ ringe ou cavum

■■ Média ou bucal, ou orofaringe, que corresponde à cavidade bucal

■■ Inferior ou laríngea, também denominada hipofaringe ou laringofaringe, que prossegue da orofaringe até a parte superior do esôfago.

A parede superior do cavum, ou abóbada da faringe, é ocu‑ pada, na criança, por uma aglomeração de tecido linfoide, a

Porto Semiologia 30.indd 298

amígdala faríngea de Luschka, conhecida como vegetações adenoides. Na parede lateral do cavum, apresenta‑se o orifício faríngeo da tuba auditiva (ou trompa de Eustáquio), que esta‑ belece comunicação com a orelha média.

Ver todos os capítulos
Medium 9788527723473

148 - Doenças das Mamas

PORTO, Celmo Celeno; PORTO, Arnaldo Lemos Grupo Gen PDF Criptografado

148

Doenças das

Mamas

Pascoal Martini Simões e José Augusto Machado

As principais afecções das mamas são as alterações do desenvolvimento, as mastopatias inflamatórias (mastites e paramastites), as alterações funcionais benignas da mama, as neo­pla­sias, a ginecomastia e a síndrome amenorreia‑galactor‑ reia.

CC

Alterações do desenvolvimento das mamas

Entre as alterações do desenvolvimento das mamas há a ausência congênita, que é rara, podendo‑se distinguir dois tipos: a amastia, ou ausência completa de todos os componen‑ tes da glândula mamária, e a atelia, ou seja, ausência da papila ou da aréo­la.

Hipomastia e hipermastia são, respectivamente, desenvol‑ vimento incompleto ou exagerado das mamas.

O tecido mamário ectópico é decorrente da persistên‑ cia anormal e da evolução ectópica da crista mamária.

Dependendo da intensidade, graus va­riá­veis de tecido mamá‑ rio ectópico são encontrados, desde rudimentos da papila e da aréo­la até a mama completa.

Ver todos os capítulos
Medium 9788527723473

140 - Noções de Anatomia e Fisiologia

PORTO, Celmo Celeno; PORTO, Arnaldo Lemos Grupo Gen PDF Criptografado

Seção 3

Órgãos Genitais

Femininos

140

Noções de Anatomia e Fisiologia

Pascoal Martini Simões, Alexandre Vieira Santos Moraes e

José Augusto Machado

CC

Essa região é rica em glândulas sebáceas e sudoríparas

(algumas apócrinas).

Os grandes lábios projetam‑se em direção ao períneo para formar a comissura posterior ou fúrcula.

Os pequenos lábios (ninfas) separam‑se anteriormente para abraçar o clitóris, formando seu “freio” e seu “prepúcio”.

Posteriormente, fundem‑se com os grandes lábios na porção média, ou, mais raramente, vão até a fúrcula.

O vestíbulo, espaço limitado entre os pequenos lábios, estende‑se do clitóris à borda posterior do hímen. Devido a isso, os orifícios da uretra, da vagina, das glândulas de Skene e das glândulas de Bartholin estão si­tua­dos no vestíbulo.

Introdução

A genitália externa, ou vulva, que deve ser estudada em conjunto com o períneo, constitui a região vulvoperineal.

Ver todos os capítulos
Medium 9788527723473

84 - Doenças do Intestino Delgado

PORTO, Celmo Celeno; PORTO, Arnaldo Lemos Grupo Gen PDF Criptografado

84

Doenças do

Intestino Delgado

Ulysses G. Meneghelli e Luiz Ernesto de Almeida Troncon

CC

Introdução

As doen­ças do intestino delgado podem ser subdivididas em sete grupos: anormalidades do desenvolvimento, dis‑ túrbios mecânicos, doen­ças inflamatórias, síndrome de má absorção, anormalidades de origem v­ascular, neo­ pla­ sias e outras afecções.

CC

Anormalidades do desenvolvimento

A maioria dos defeitos congênitos graves revela‑se no recém‑nascido ou nos primeiros meses de vida.

Frequentemente são acompanhados de anomalias em outros sistemas. Os principais são:

CC Atresia e estenose. A atresia é mais comum que a estenose, e ambas podem ocorrer em um ou mais pontos do duodeno, jejuno ou íleo. Clinicamente, apresentam‑se com o quadro de obstrução intestinal (ver Distúrbios Mecânicos) no perío­do neonatal. O diagnóstico diferencial deve ser feito com o íleo meconial.

CC Íleo meconial. O intestino do recém‑nascido contém detritos epiteliais, secreções digestivas e líquido amnió­tico deglutido, incluindo o vérnix caseoso. Essa mistura, conhecida como mecônio, normalmente é eliminada com as fezes. Mecônio espesso é encontrado no íleo em cerca de 15% dos casos de obstrução intestinal neonatal. Ele adere à parede intestinal, resistindo à ação motora propulsiva, causando a obstrução. A causa dessa afecção é a mucoviscidose, doen­ça de múltiplas glândulas de secreção exócrina, incluindo pân­creas e glându‑ las intestinais.

Ver todos os capítulos
Medium 9788527728133

Parte 38 § Intoxicações

PORTO, Celmo Celeno; PORTO, Arnaldo Lemos Grupo Gen PDF Criptografado

Parte

Intoxicações

Porto 38.indd 1369

38

26/08/15 16:54

Capítulo 612

Capítulo 613

Capítulo 614

Capítulo 615

Porto 38.indd 1370

Intoxicação Alimentar Bacteriana, 1371

Intoxicação Digitálica, 1372

Intoxicações Exógenas, 1373

Saturnismo, 1377

26/08/15 16:54

612

Intoxicação Alimentar Bacteriana

(CID 10: A05.9)

João Damasceno Porto

Introdução

Condição clínica decorrente da ingestão de água ou alimen­ tos contaminados por bactérias patogênicas ou toxinas delas originadas.

Causas dd dd dd dd dd dd dd dd dd dd dd

Staphylococcus aureus (produtor de toxina)

Bacillus cereus

Clostridium perfringens (produtor de enterotoxina)

Campylobacter jejuni

Yersinia enterocolitica

Escherichia coli

Vibrio parahaemolyticus

Shigella

Salmonella

Listeria monocytogenes

Clostridium botulinum.

Fatores de risco dd dd dd dd dd dd dd dd

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos