21 capítulos
Medium 9788577800148

CAPÍTULO 10 - ATRATIVOS

Cooper, Chris Grupo A PDF Criptografado

INTRODUÇÃO

Em muitos destinos turísticos ao redor do mundo, são seus atrativos que freqüentemente servem como catalisador para as visitas turísticas. Os atrativos são numerosos, diversos, fragmentados geograficamente e muitas vezes dispõem de recursos limitados para fins de gestão. Buscando esclarecer a complexidade gerencial e a diversidade de desenvolvimento de atrativos, este capítulo se divide em quatro seções. A primeira seção introduz a natureza e o propósito dos atrativos, suas características e as questões pertinentes a atrações tanto naturais quanto criadas pelas pessoas. A segunda seção se estrutura a partir desta base, ao explorar várias questões relacionadas ao seu desenvolvimento. A terceira seção se concentra na gestão dos atrativos, tratando das questões de propriedade, os problemas de estrutura de custos, preços e geração de receitas, emprego e qualificação de funcionários, e tenta atacar de frente o problema da sazonalidade. A seção final traça, em linhas gerais, a variedade de técnicas de gestão de visitantes conhecidas e as tentativas feitas pelos operadores dos atrativos para gerenciar de modo mais sustentável os impactos causados pelos visitantes. Isso leva à questão do desenvolvimento sustentável do turismo, na qual o objeto é a gestão do crescimento turístico de modo a garantir que os turistas não destruam, através da pressão quantitativa, as próprias atrações que eles vêm visitar. Neste texto, discute-se a escolha ou o equilíbrio entre regulamentação e soluções de mercado, encerrando com uma discussão sobre o impacto da moderna gestão dos atrativos e a autenticidade delas. Nessa discussão é feita a escolha entre regulamentação e intervenção no mercado e o capítulo termina com uma discussão sobre o impacto da gestão das atrações “modernas” na autenticidade dos atrativos.

Ver todos os capítulos
Medium 9788577800148

CAPÍTULO 12 - INTERMEDIÁRIOS

Cooper, Chris Grupo A PDF Criptografado

INTRODUÇÃO

Neste capítulo, mostramos que a principal função do intermediário é fazer a ligação entre comprador e vendedor. Para o setor de viagens e turismo, a intermediação acontece através das operadoras de turismo e atacadistas que montam os componentes da viagem turística em um pacote e o vendem no varejo através de agentes de viagem, os quais negociam diretamente com o público. No entanto, como mostra este capítulo, esse não é o único caminho para que o produto turístico atinja o consumidor, e discutimos vários outros canais de distribuição. Além disso, a estrutura da intermediação é complicada porque alguns agentes do varejo e alguns dos principais fornecedores, como as companhias aéreas, atuam também como atacadistas. Boa parte dessa tendência tem ocorrido devido aos novos procedimentos online. A rápida adoção das tecnologias eletrônicas facilita a oferta e a demanda turística. As tendências das viagens online serão apresentadas neste capítulo, e será também examinado o impacto causado por elas nos negócios tradicionais.

Ver todos os capítulos
Medium 9788577800148

CAPÍTULO 3 - MEDINDO A DEMANDA TURÍSTICA

Cooper, Chris Grupo A PDF Criptografado

INTRODUÇÃO

Dando prosseguimento ao capítulo anterior, que descreveu o comportamento do consumidor no turismo, voltamos a atenção às formas de medição dos padrões da demanda de consumidores. Neste capítulo, descrevemos e fazemos uma avaliação crítica da quantificação da demanda pelo turismo doméstico e internacional. Por conveniência, tratamos esses dois tópicos em separado, embora se reconheça que os movimentos domésticos e os internacionais possam ser considerados a mesma atividade. Não há dúvidas de que eles possuem muitos aspectos em comum.

Consideramos os motivos que determinam a mensuração da demanda turística, a escolha dos conceitos empregados e as estatísticas turística compiladas. Incluímos também uma descrição dos métodos geralmente utilizados, além de indicar seus pontos fortes e fracos.

Intimamente ligado à medição da demanda está o conceito que reúne a inteligência de mercado e a gestão de informações. No turismo, muitas vezes isso significa empregar dados secundários (por exemplo, dados produzidos por organizações ou órgãos governamentais nacionais ou regionais), combinados com dados primários originados em levantamentos de mercado. Na última parte deste capítulo, apresentamos um guia prático da pesquisa de mercado para a atividade turística e, particularmente, para os levantamentos de mercado. Também serão explicados os diversos estágios da pesquisa, desde o acordo quanto à finalidade e aos objetivos da pesquisa, passando pelo projeto de pesquisa e a coleta e a análise dos dados, até o relatório da pesquisa. Enfatizamos também a importância de um gestor que utilize as constatações e com elas alimente o processo de tomada de decisões. Ressaltamos o surgimento da ciência da gestão do conhecimento e o modo de aplicá-la ao turismo.

Ver todos os capítulos
Medium 9788577800148

CAPÍTULO 5 - O IMPACTO ECONÔMICO DO TURISMO

Cooper, Chris Grupo A PDF Criptografado

CAPÍTULO 5 • O IMPACTO ECONÔMICO DO TURISMO

169

INTRODUÇÃO

Este capítulo trata do significado econômico do turismo, bem como dos impactos econômicos associados a esse setor. Da mesma forma que a bibliografia tende a exagerar os impactos negativos do turismo sobre as sociedades e o meio ambiente que o recebem, o impacto positivo do turismo sobre as economias é, muitas vezes, superestimado. Portanto, os impactos econômicos positivos e negativos do turismo serão discutidos. Uma grande parte desse capítulo é uma avaliação crítica dos métodos para se medir o impacto econômico, especialmente na aplicação da análise dos multiplicadores, Contas Satélite de Turismo (CSTs) e modelos de equilíbrio generalizados e computáveis. Todos os modelos de multiplicadores que são apresentados em linhas gerais neste capítulo fornecem informações úteis aos planejadores e aos formuladores de políticas. Deve-se observar também que, dentro de limitações conhecidas, a análise de multiplicadores oferece valiosas ferramentas para a estimativa e a análise do impacto econômico do turismo, e para a comparação do desempenho do turismo com o dos setores alternativos.

Ver todos os capítulos
Medium 9788577800148

CAPÍTULO 2 - O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO TURISMO

Cooper, Chris Grupo A PDF Criptografado

INTRODUÇÃO

No capítulo anterior, delineamos as definições e os conceitos básicos da demanda turística e demonstramos as mudanças que vêm ocorrendo, desde 1945, no que diz respeito à gestão dessa demanda. Neste capítulo, faremos uma investigação mais aprofundada da demanda, apresentando uma visão geral do processo de tomada de decisões do consumidor no turismo. Para que tenhamos condições de entender e de prever a demanda turística, não há dúvidas de que é essencial compreender os processos de tomada de decisões dos consumidores. A demanda turística em nível individual pode ser tratada como um processo de consumo que é influenciado por uma série de fatores – que podem consistir em uma combinação de necessidades e desejos, disponibilidade de tempo e de dinheiro, ou ainda imagens, percepções e atitude. Neste capítulo, fazemos uma revisão das principais discussões apresentadas na bibliografia da área em torno desses conceitos, com o intuito de explicar como tais fatores influenciam o comportamento do indivíduo no turismo.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos