64 capítulos
Medium 9786586618006

III O BÁLTICO SOB DOMÍNIO DOS IMPÉRIOS

Erick Reis Godliauskas Zen Editora Almedina PDF Criptografado

III

O BÁLTICO SOB DOMÍNIO DOS IMPÉRIOS

Nos dias de hoje quando pensamos nos países escandinavos, em particular na Suécia, temos a imagem de um país pacífico e progressista. No entanto, é preciso lembrar que essa imagem foi construída na segunda metade do século XX. Durante séculos, a Suécia foi uma potência militar que disputou o domínio do norte da Europa e sobre o mar Báltico. Seu principal oponente nessa disputa foi o Império Russo, com o qual protagonizou guerras devastadoras e sangrentas que ficaram conhecidas como Grandes Guerras do Norte. Para entendermos esse processo histórico é preciso compreender a formação das duas outras potências que buscavam dominar o Báltico, o Império Russo e a União Polonesa-Lituana.

Depois que Ivan, o Terrível, tomou a Livônia, ele abriu um novo front de batalha contra a Lituânia em 1562. Embora a Lituânia tenha resistido às primeiras incursões, a presença russa fez acelerar o processo de integração com a Polônia. Esse acordo foi celebrado como a União de Lublin, em 1569, que criou a União das duas repúblicas

Ver todos os capítulos
Medium 9788520432273

1. Origens – Alex Atala, Fernando e Humberto Campana

Alex Atala, Fernando Campana, Humberto Campana, Jum Nakao Editora Manole PDF Criptografado

1

ORIGENS

ALEX ATALA,

FERNANDO E HUMBERTO CAMPANA

Criativos-comunicadores 4

/Aprender do

puro contato 6 /Sutilezas sem palavras 7

/Toda origem é permitida 8 /Linhas cruzadas 10 /Historia naturalis 12

/O trabalho (ou não) da angústia 13

/Os primeiros jovens do século 21 14

/A emergência das ideias 15 /O nascimento dos irmãos 16 /O partido do erro: andando fora da linha (de produção) 18

/Profissões sensoriais 18 /Punk! Sobre

quando o espelho desenquadrou o Alex 21

/Um vão, uma janela 22 /Brasileiros, com residência criativa 23 /Livre-docência sem cátedra nem beca 25 /O vazio entre atos 27 /Ponto de partida: ensinar e aprender criação 29 /O futuro: jogar xadrez com a vida 30 /O número 1 não

é eterno 33 /Tradução da Amazônia 35

/Concorrências 36 /Uma pausa 37

4

CRIATIVOS-COMUNICADORES

A conversa inaugural aconteceu no D.O.M.

Restaurante, à rua Barão de Capanema, nos

Jardins, em São Paulo, endereço do chef Alex

Ver todos os capítulos
Medium 9788577808120

Fase 4 - Criação de pontos decontato

Wheeler, Alina Grupo A PDF Criptografado

4 : criação de pontos de contato

Fase 4

Criação de pontos de contato: visão geral

A Fase 4 trata do desenvolvimento e do refinamento do design. O conceito de design da identidade da marca foi aprovado, e uma atmosfera de urgência gera um bombardeio de perguntas: “Quando teremos os cartões de visita?”, seguida de “em quanto tempo nossos padrões estarão funcionando?”.

O design é inteligência tornada visível.

Lou Danziger

Designer e educador

Depois que as decisões maiores são tomadas, grande parte das empresas quer começar a todo vapor. A tarefa da consultoria de identidade de marca é manter o ímpeto enquanto cuida da finalização dos detalhes cruciais.

Na Fase 3, foram desenvolvidas aplicações hipotéticas para testar as ideias e ajudar a vender os principais conceitos. Agora, a prioridade maior é refinar e finalizar os elementos da identidade e criar as assinaturas visuais. Esse trabalho exige uma atenção obsessiva ao detalhe, pois os arquivos criados são permanentes. É fundamental testar as assinaturas visuais nos mais diversos tamanhos e mídias. As decisões sobre famílias tipográficas, paletas de cores e elementos visuais secundários são tomadas nesta fase.

Ver todos os capítulos
Medium 9788582601570

Capítulo 12 - A construção civil na atualidade

Kubba, Sam A. A. Grupo A PDF Criptografado

Introdução

Atualmente, muitos profissionais qualificados e experientes têm se encontrado desamparados, procurando emprego pela primeira vez após um longo período, por terem sido forçados a abandonar a segurança de uma organização que todos os meses lhes garantia um salário. Como resultado, um número cada vez maior de profissionais está reconsiderando qual seria sua melhor estratégia para inserção no mercado de trabalho. Entre as questões mais importantes estão o capital a ser investido, um plano de saúde e a aposentadoria. Os veteranos também estão se preocupando mais com a satisfação profissional, a localização de seu local de trabalho e o estresse.

Digamos que você está considerando a possibilidade de abrir seu próprio negócio. Existem muitos atrativos em ser autônomo: você é seu próprio chefe, o horário de trabalho é flexível e você decide os horários que dedicará a sua família. No entanto, antes de tomar a decisão final de abrir seu negócio, há alguns pontos que devem ser considerados:

Ver todos os capítulos
Medium 9789724418933

ANEXO – PORQUÊ CONCRETO?

Wassily Editora Almedina PDF Criptografado

ANEXO

PORQUÊ CONCRETO?

Por: ALEXANDRE KOJÈVE

INTRODUÇÃO

Este texto foi publicado em dezembro de 1966 no n.º 27 da revista

XX. Siècle, destinado a celebrar o centenário do nascimento de

Kandinsky.

Tem o mérito de ter sido redigido em 1936, a pedido de Kandinsky, pelo filósofo Alexandre Kojève, seu sobrinho. É o resultado das discussões mútuas, nessa época, e o artista, depois de ter feito algumas anotações com a sua própria mão, declarou-se de acordo com o seu conteúdo.

Nele encontramos um certo número de definições simples que esclarecem o seu pensamento: é a pintura tradicional que é abstrata, uma vez que ela extrai (daí abstrata) o Belo encarnado de maneira visível na natureza. A pintura não-figurativa, essa, é concreta e não abstrata, uma vez que ela cria um objeto e que, consequentemente, o Belo não existe nela abstraído da natureza, sendo diretamente produzido pelos seus próprios meios, A pintura não-figurativa é tão concreta e tão objetiva como o Belo que encarna na natureza.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos