Adobe Creative Team (120)
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788577806348

1. CONHECENDO O FLUXO DE TRABALHO

Adobe Creative Team Grupo A PDF Criptografado

1

CONHECENDO O FLUXO

DE TRABALHO

Visão geral da lição

Nesta lição, você vai aprender a:

· Criar um projeto e importar arquivos

· Criar composições e organizar camadas

· Navegar pela interface do Adobe After Effects

· Utilizar os painéis Project, Composition e Timeline

· Aplicar keyframes e efeitos básicos

· Visualizar seu trabalho utilizando as visualizações padrão e de memória

RAM

· Personalizar o espaço de trabalho

· Ajustar as preferências relacionadas ao espaço de trabalho

· Localizar recursos adicionais para utilizar o After Effects

Um fluxo de trabalho básico do After Effects segue seis passos: importar e organizar arquivos, criar composições e organizar camadas, adicionar efeitos, animar elementos, visualizar seu trabalho, renderizar e gerar saída em uma composição final a fim de que ela possa ser visualizada por outras pessoas.

Nesta lição, você vai criar uma animação simples utilizando esse fluxo de trabalho e, ao longo do caminho, desenvolverá sua própria maneira de trabalhar com a interface do After Effects. Esta lição levará aproximadamente

Ver todos os capítulos
Medium 9788577808540

10 PUBLICANDO DOCUMENTOS FLASH

Adobe Creative Team Grupo A PDF Criptografado

362 ADOBE FLASH CS5

Classroom in a Book

Introdução

Nesta lição, você vai publicar uma animação que já está completa. O projeto é banner animado para a cidade fictícia de Meridien, para a qual você já criou um guia interativo de restaurantes na Lição 6 e um site para a corretora de imóveis na Lição 7. Você vai publicar o filme na Web, capturar frames específicos como imagens e salvar o filme para que mesmo os usuários que não têm o Flash Player possam vê-lo.

1 Dê um clique duplo no arquivo 10End.html na pasta Lesson10/10End para abrir o projeto pronto.

Um navegador Web carrega e reproduz o arquivo HTML, exibindo o arquivo

SWF. O arquivo HTML informa ao navegador como exibir o arquivo SWF.

Feche o navegador Web.

2 Dê um clique duplo no arquivo 10Start.fla, na pasta Lesson10/10Start, para abri-lo no Flash.

O projeto exibe um vídeo, imagens e interpolações de movimento, e todos os recursos são combinados no arquivo FLA.

3 Escolha File > Save As. Nomeie o arquivo 10_workingcopy.fla e salve-o na pasta 10Start. Salvar uma cópia de trabalho garante que o arquivo original inicial esteja disponível caso queira começar novamente.

Ver todos os capítulos
Medium 9788577805594

9. TRABALHANDO COM O FLASH

Adobe Creative Team Grupo A PDF Criptografado

228 ADOBE DREAMWEAVER CS4

Classroom in a Book

Visualize um arquivo concluído

Para ver o que será utilizado na primeira parte desta lição, visualize a página concluída no navegador. Essa página é a home page do site de turismo que você montou nas outras lições.

1 Abra o Adobe Dreamweaver CS4.

2 Se necessário, pressione F8 para abrir o painel Files e escolha DW CIB na lista de sites.

3 No painel Files, expanda a pasta lesson09.

● Nota: Algumas versões do Microsoft

Internet Explorer talvez solicitem que você permita a execução de conteúdo ActiveX para reproduzir o filme. Se o Flash player não for a versão mais recente, talvez você precise fazer download de uma nova versão.

4 Selecione o arquivo index-finished.html e pressione F12 (Windows) ou

Option+F12 (Mac) para visualizá-lo em seu navegador principal.

A página inclui dois elementos Flash.

5 Observe que o filme de Flash é reproduzido imediatamente quando a página

é carregada.

6 Mova seu cursor sobre o vídeo na coluna esquerda e clique em Play para observar o vídeo de Flash.

Ver todos os capítulos
Medium 9788577805594

4. TRABALHANDO COM IMAGENS

Adobe Creative Team Grupo A PDF Criptografado

102 ADOBE DREAMWEAVER CS4

Classroom in a Book

Visualize o arquivo final

Para ter uma ideia do arquivo que será utilizado nesta lição, vamos visualizar a página concluída no navegador.

1 Abra o Adobe Dreamweaver CS4.

2 Se necessário, pressione F8 para abrir o painel Files e escolha DW CIB na lista de sites.

3 No painel Files, expanda a pasta lesson04.

4 Selecione o arquivo naxos-finished.html e pressione F12 (Windows) ou

Option+F12 (Mac) para visualizar a página em seu navegador principal.

A página inclui várias imagens, tanto de primeiro plano como de fundo e também uma imagem Photoshop Smart Object.

5 Feche seu navegador e retorne ao Dreamweaver.

Insira uma imagem

Imagens são componentes cruciais de qualquer página Web. O painel Insert tem alguns botões que tornam a inserção de uma imagem rápida e fácil. Você também pode adicionar alocadores de espaço de imagem ou substituir alocadores de espaço de imagem por imagens, como no primeiro exercício.

1 No painel Files, expanda a pasta lesson04 e dê um clique duplo no arquivo naxos-start.html para abrir o arquivo.

Ver todos os capítulos
Medium 9788577806188

7. ADICIONANDO TRANSIÇÕES DE VÍDEO

Adobe Creative Team Grupo A PDF Criptografado

132 ADOBE PREMIERE PRO CS4

Classroom in a Book

Introdução

Ligar clipes com transições – dissolves, page wipes, spinning screens e muitos outros – é uma ótima maneira de levar os espectadores de uma cena para outra ou de atrair a atenção deles.

Adicionar transições ao seu projeto é uma arte. Aplicá-las começa de um modo bem simples; é um mero processo de arrastar e soltar. A arte entra no posicionamento, na duração e nos parâmetros, como bordas coloridas, movimento e cenários iniciais e finais.

A maior parte do trabalho com transições acontece no painel Effect Controls.

Além das várias opções únicas para cada transição, esse painel exibe algo chamado linha do tempo A/B, ou A/B timeline. Esse recurso permite mover transições em relação ao ponto de edição, alterar a duração da transição e aplicar transições a clipes que não têm um número suficiente de frames iniciais e finais.

Com o Adobe Premiere Pro, também é possível aplicar uma transição a um grupo de clipes.

Utilize transições com moderação

Ao descobrir as várias possibilidades de transições que o Adobe Premiere Pro oferece, você será tentado a empregá-las em todas as edições. Elas podem ser muito interessantes, embora seja recomendável utilizá-las com moderação.

Ver todos os capítulos

Ver Todos

Andr Peres C Sar Augusto Hass Loureiro Marcelo Augusto Rauh Schmitt (5)
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788582601471

Capítulo 2 - Protocolo UDP

André Peres; César Augusto Hass Loureiro; Marcelo Augusto Rauh Schmitt Grupo A PDF Criptografado

capítulo 2

Protocolo UDP

O protocolo UDP (User Datagram Protocol) é um protocolo de nível de transporte

(camada 4 do modelo OSI) que possui como objetivo o recebimento de dados de um software de aplicação remetente e a entrega desses dados no software de aplicação destino correto da maneira mais simples possível. Neste capítulo, você estudará conceitos relacionados ao UDP e realizará testes práticos envolvendo esse protocolo.

Objetivos deste capítulo

Entender os objetivos do protocolo UDP.

Estudar a estrutura e os conceitos do UDP.

Visualizar exemplos de uso do UDP.

_Livro_Schmitt2.indb 7

09/10/13 08:28

Introdução

NO SITE

O protocolo UDP é definido no documento RFC 768.

Visite o ambiente virtual de aprendizagem para ter acesso: www.bookman. com.br/tekne.

O protocolo UDP (User Datagram Protocol) é um protocolo de transporte que possui as seguintes funcionalidades:

• Multiplexação do uso da rede entre processos de aplicação.

Ver todos os capítulos
Medium 9788582601471

Capítulo 7 - Roteamento

André Peres; César Augusto Hass Loureiro; Marcelo Augusto Rauh Schmitt Grupo A PDF Criptografado

capítulo 7

Roteamento

Uma das principais funções da camada de rede é estabelecer conectividade entre equipamentos posicionais em redes físicas distintas. Neste capítulo, você aprenderá como isso é feito por meio dos roteadores.

Objetivos deste capítulo

Compreender o que é um roteador.

Compreender como os pacotes são roteados na Internet.

Planejar o roteamento de redes.

Identificar as alternativas de configuração de roteadores.

_Livro_Schmitt2.indb 93

09/10/13 08:32

Em redes de computadores, rotear é encontrar o caminho mais adequado para que um pacote chegue a um determinado destino que não esteja no mesmo enlace da origem. O equipamento responsável por gerenciar esta tarefa é chamado de roteador. Hubs e switches (equipamentos que serão abordados mais detalhadamente no terceiro livro desta série) permitem a conexão de equipamentos em uma mesma rede local (LAN). Esses equipamentos não permitem a criação de uma grande rede mundial. São os roteadores que interconectam redes distintas e possuem as informações e a lógica necessárias para a determinação do melhor caminho para que dois dispositivos distantes troquem pacotes. Como mostra a

Ver todos os capítulos
Medium 9788582601471

Capítulo 3 - Protocolo TCP

André Peres; César Augusto Hass Loureiro; Marcelo Augusto Rauh Schmitt Grupo A PDF Criptografado

capítulo 3

Protocolo TCP

O protocolo TCP (Transmission Control Protocol), da mesma forma que o UDP, é um protocolo de nível de transporte (camada 4 do modelo OSI). Ele possui como objetivo o recebimento de dados de um processo de aplicação e a entrega desses dados de forma confiável no software de aplicação de destino correto. A grande diferença entre o UDP e o TCP é que o TCP é um protocolo de transporte confiável, ou seja, garante que os dados serão entregues corretamente no destino.

Objetivos deste capítulo

Entender os objetivos do protocolo TCP.

Estudar a estrutura e os conceitos do TCP.

Visualizar exemplos de uso do TCP.

_Livro_Schmitt2.indb 13

09/10/13 08:29

Introdução

O protocolo TCP (Transmission Control Protocol) é um protocolo de transporte que possui as seguintes funcionalidades:

• Multiplexação do uso da rede entre processos de aplicação.

• Estabelecimento e controle de conexão entre cliente e servidor.

Ver todos os capítulos
Medium 9788582601471

Capítulo 1 - Introdução às camadas de transporte e de rede

André Peres; César Augusto Hass Loureiro; Marcelo Augusto Rauh Schmitt Grupo A PDF Criptografado

capítulo 1

Introdução às camadas de transporte e de rede

É por meio da camada de rede que os computadores identificam qual caminho será utilizado para transmissão de dados entre a origem e o destino de uma comunicação. Além disso, é a partir da camada de transporte que se definem os serviços que serão utilizados entre a origem e o destino. Neste capítulo, será explicado qual o objetivo dessas camadas e quais os protocolos que as compõem.

Objetivos deste capítulo

Conhecer o relacionamento da camada de transporte com as camadas inferiores e superiores.

Aprender os objetivos das camadas de transporte e de rede.

Observar como funciona a multiplexação/demultiplexação na camada de transporte.

Identificar os protocolos que compõem as camadas de rede e de transporte.

_Livro_Schmitt2.indb 1

09/10/13 08:27

A camada de transporte

Conforme apresentado no primeiro livro (SCHMITT; PERES; LOUREIRO, 2013), para que exista o estabelecimento de uma conexão entre uma aplicação cliente e uma aplicação servidora, é necessário que as informações sejam encaminhadas da camada de aplicação para a camada de transporte, que posteriormente encaminhará para a camada de rede, como ilustrado na Figura 1.1.

Ver todos os capítulos
Medium 9788582601471

Capítulo 4 - Controle de tráfego com TCNG

André Peres; César Augusto Hass Loureiro; Marcelo Augusto Rauh Schmitt Grupo A PDF Criptografado

capítulo 4

Controle de tráfego com TCNG

Vimos no capítulo anterior que o protocolo TCP implementa mecanismos de controle de congestionamento em situações de perda de pacotes. Neste capítulo, vamos estudar uma ferramenta chamada TCNG (Traffic Control – Next

Generation) que, entre suas funcionalidades, tira proveito desse mecanismo do TCP para controlar a vazão de dados de diferentes aplicações que passam por um roteador Linux. Para os testes, utilizaremos uma ferramenta muito interessante para a medida de vazão de dados em um link. É a ferramenta chamada IPerf. O objetivo deste capítulo é apresentar uma visão inicial de mecanismos para qualidade de serviços em links de Internet por meio de controle de tráfego.

Objetivos deste capítulo

Entender a ferramenta TCNG.

Realizar uma implementação simples de controle de tráfego.

Praticar a instalação e a configuração de roteadores linux.

_Livro_Schmitt2.indb 43

09/10/13 08:29

Introdução

Ver todos os capítulos

Ver Todos

Andrew Bettany Andrew Warren (15)
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788582604823

Capítulo 2 - Instalação do Windows 10

Andrew Bettany & Andrew Warren Grupo A PDF Criptografado

CAPÍTULO 2

Instalação do Windows 10

Existem vários métodos para a instalação ou migração do Windows 10 em um dispositivo.

Este capítulo examina cada um deles e se concentra nas habilidades exigidas para instalar e migrar o sistema operacional em vários cenários, incluindo inicialização nativa, instalação em uma unidade de disco rígido virtual (VHD, virtual hard disk) e configuração de suporte regional e de idioma adicional.

Objetivos deste capítulo:

JJ

Fazer instalações limpas

JJ

Atualizar com o Windows Update

JJ

Atualizar usando mídia de instalação

JJ

Configurar cenários de inicialização nativa

JJ

Migrar a partir de versões anteriores do Windows

JJ

Instalar o Windows 10 em um VHD

JJ

Inicializar o Windows 10 a partir de VHD

JJ

Instalar em USB de inicialização

JJ

Instalar recursos adicionais do Windows

JJ

Configurar o Windows para suporte regional e de idioma adicional

Ver todos os capítulos
Medium 9788582604823

Capítulo 9 - Implementação de aplicativos

Andrew Bettany & Andrew Warren Grupo A PDF Criptografado

CAPÍTULO 9

Implementação de aplicativos

Sem aplicativos, um computador é apenas um dispositivo eletrônico de pouco uso prático.

Contudo, depois de instalados aplicativos, o computador se torna quase que infinitamente útil. Assim, é importante saber instalar, configurar e manter aplicativos em dispositivos que executam Windows 10.

O Windows 10 suporta aplicativos de área de trabalho e aplicativos da Windows

Store. Esses dois tipos de aplicativos são instalados e gerenciados de formas diferentes. Os aplicativos de área de trabalho tendem a ser programas de software grandes, complexos e de finalidade múltipla, normalmente projetados para computadores de mesa e laptops.

Os aplicativos da Windows Store são projetados para serem usados em várias plataformas, incluindo desktops e laptops e, mais notadamente, em dispositivos de toque menores, como celulares e tablets. Muitos desses aplicativos são pequenos e específicos, projetados para executar apenas uma tarefa ou um pequeno subconjunto de tarefas.

Ver todos os capítulos
Medium 9788582604823

Capítulo 12 - Monitoramento do Windows

Andrew Bettany & Andrew Warren Grupo A PDF Criptografado

CAPÍTULO 12

Monitoramento do Windows

Com o surgimento das unidades de disco de estado sólido, existem menos peças móveis em um computador moderno, mas o funcionamento interno de um dispositivo e do sistema operacional ainda é extremamente complicado. Para a maioria dos usuários, seus dispositivos são ferramentas para facilitar o trabalho e, nesse aspecto, um sistema de computador que tem desempenho ruim ou os atrasa em casa ou no trabalho reduz sua produtividade e pode aumentar sua frustração.

O Windows 10 tem mecanismos de ajuste automático internos que mantêm o sistema. Se é preciso examinar e diagnosticar manualmente as causas em potencial de desempenho ruim, algumas das muitas ferramentas podem ser usadas para resolver os problemas. Em resposta a um grande aumento no ataque a sistemas, a Microsoft mantém o Windows seguro contra malware habilitando o Windows Update para que baixe automaticamente novas definições para o Windows Defender. Este capítulo examina numerosas ferramentas e se concentra nas habilidades exigidas para configurar e monitorar o

Ver todos os capítulos
Medium 9788582604823

Capítulo 14 - Configuração de autorização e autenticação

Andrew Bettany & Andrew Warren Grupo A PDF Criptografado

CAPÍTULO 14

Configuração de autorização e autenticação

Autenticação é o processo de verificar a identidade de um principal de segurança: um usuário, um grupo, um computador ou outro dispositivo, um serviço ou processo. A autorização ocorre depois que o principal de segurança foi autenticado e é o processo de garantir acesso a um recurso para um principal de segurança identificado.

No Windows 10 a autenticação pode ser implementada de diversas maneiras. É importante conhecer os vários métodos de autenticação e saber habilitá-los e configurá-los, para ajudar a garantir que sua rede e dispositivos conectados permaneçam seguros.

Como resultado, o Exame 70-698 – Instalação e Configuração do Windows traz questões relacionadas a métodos de autenticação, gerenciamento de contas e credenciais e segurança de dispositivos.

Objetivos deste capítulo:

JJ

Configurar contas de usuário

JJ

Configurar Microsoft Passport e Windows Hello

JJ

Gerenciar segurança de credencial

Ver todos os capítulos
Medium 9788582604823

Capítulo 13 - Configuração da recuperação do sistema e de dados

Andrew Bettany & Andrew Warren Grupo A PDF Criptografado

CAPÍTULO 13

Configuração da recuperação do sistema e de dados

Neste capítulo examinamos como configurar opções de recuperação do sistema e de dados do Windows 10. Caso tenha experiência com uma versão anterior de Windows, talvez você já conheça muitas das opções, pois algumas estão incluídas no Windows 10. Para a preparação para o exame recomenda-se trabalhar com todos os assistentes e ferramentas, para ter certeza de se sentir à vontade em cada processo, prestando especial atenção às opções mais recentes.

Objetivos deste capítulo:

JJ

Configurar uma unidade de recuperação

JJ

Configurar a restauração do sistema

JJ

Fazer uma atualização ou reciclagem

JJ

Executar operações de recuperação usando Windows Recovery

JJ

Configurar pontos de restauração

JJ

Usar Windows Backup and Restore

JJ

Fazer backup e restaurar com WBAdmin

JJ

Configurar File History

JJ

Restaurar versões anteriores de arquivos e pastas

Ver todos os capítulos

Ver Todos

Andrew Faulkner Conrad Chavez (15)
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788582603864

Capítulo 7. Design tipográfico

Andrew Faulkner; Conrad Chavez Grupo A PDF Criptografado

7

DESIGN TIPOGRÁFICO

Visão geral da lição

Nesta lição, você vai aprender a:

• Utilizar guias para posicionar texto em uma composição.

• Criar uma máscara de corte a partir de texto.

• Mesclar texto a outras camadas.

• Pré-visualizar fontes.

• Formatar texto.

• Distribuir texto ao longo de um demarcador.

• Controlar e posicionar texto utilizando recursos avançados.

Esta lição levará aproximadamente 1 hora para ser concluída. Faça download dos arquivos de projeto Lesson07 a partir da página do livro no site www. grupoa.com.br, caso ainda não tenha feito isso. Ao trabalhar nesta lição, você preservará os arquivos iniciais. Se precisar restaurá-los, você pode baixá-los novamente a partir do site.

Fotografia © Image Source, www.imagesource.com

PROJETO: LAYOUT DE CAPA DE REVISTA

O Photoshop inclui ferramentas de texto flexíveis e poderosas para que você possa adicionar texto às suas imagens com excelente controle e criatividade.

Ver todos os capítulos
Medium 9788582603864

Capítulo 12. Trabalhe com camera raw

Andrew Faulkner; Conrad Chavez Grupo A PDF Criptografado

12

TRABALHE COM

CAMERA RAW

Visão geral da lição

Nesta lição, você vai aprender a:

• Abrir uma imagem crua em formato patenteado no Adobe Camera Raw.

• Ajustar o tom e a cor de uma imagem crua.

• Aumentar a nitidez de uma imagem em Camera Raw.

• Sincronizar configurações para múltiplas imagens.

• Abrir uma imagem Camera Raw como um Smart Object no Photoshop.

• Aplicar o Camera Raw como um filtro no Photoshop.

Esta lição levará aproximadamente 1 hora para ser concluída. Faça download dos arquivos de projeto Lesson12 a partir da página do livro no site www. grupoa.com.br, caso ainda não tenha feito isso. Ao trabalhar nesta lição, você preservará os arquivos iniciais. Se precisar restaurá-los, você pode baixá-los novamente a partir do site.

PROJETO: RETOQUE DE FOTOGRAFIAS AVANÇADO

Imagens raw (cruas) são muito mais flexíveis, sobretudo na configuração de cor e tonalidade. O Camera Raw permite que você aproveite esse potencial ao máximo.

Ver todos os capítulos
Medium 9788582603864

Capítulo 14. Produza e imprima cores consistentes

Andrew Faulkner; Conrad Chavez Grupo A PDF Criptografado

14

PRODUZA E IMPRIMA

CORES CONSISTENTES

Visão geral da lição

Nesta lição, você vai aprender a:

• Definir espaços de cores RGB, em escala de cinza e CMYK para exibir, editar e imprimir imagens.

• Preparar uma imagem para a impressora PostScript CMYK.

• Testar a impressão de uma imagem.

• Salvar uma imagem como um arquivo CMYK EPS.

• Criar e imprimir uma separação em quatro cores.

• Entender como as imagens são preparadas para impressão em gráficas.

Esta lição levará aproximadamente 1 hora para ser concluída. Faça download dos arquivos de projeto Lesson14 a partir da página do livro no site www. grupoa.com.br, caso ainda não tenha feito isso. Ao trabalhar nesta lição, você preservará os arquivos iniciais. Se precisar restaurá-los, você pode baixá-los novamente a partir do site.

PROJETO: CARTÃO-POSTAL

Para produzir cores consistentes, defina o espaço de cores no qual você vai editar e exibir imagens RGB, e também o espaço de cores em que vai editar, exibir e imprimir imagens CMYK. Isso ajuda a garantir uma correspondência bem próxima entre a cor exibida em tela e a impressa.

Ver todos os capítulos
Medium 9788582603864

Capítulo 3. Trabalhe com seleções

Andrew Faulkner; Conrad Chavez Grupo A PDF Criptografado

3

TRABALHE

COM SELEÇÕES

Visão geral da lição

Nesta lição, você vai aprender a:

• Criar áreas específicas em uma imagem utilizando ferramentas de seleção.

• Reposicionar um contorno de seleção.

• Mover e duplicar o conteúdo de uma seleção.

• Usar combinações de teclado e mouse que economizam tempo e movimentos manuais.

• Desmarcar uma seleção.

• Restringir o movimento de uma área selecionada.

• Ajustar a posição de uma área selecionada utilizando as setas do teclado.

• Adicionar e subtrair de uma seleção.

• Girar uma seleção.

• Utilizar várias ferramentas de seleção para criar uma seleção complexa.

Esta lição levará aproximadamente 1 hora para ser concluída. Faça download dos arquivos de projeto Lesson03 a partir da página do livro no site www. grupoa.com.br, caso ainda não tenha feito isso. Ao trabalhar nesta lição, você preservará os arquivos iniciais. Se precisar restaurá-los, você pode baixá-los novamente a partir do site.

Ver todos os capítulos
Medium 9788582603864

Capítulo 2. Correções básicas de fotografias

Andrew Faulkner; Conrad Chavez Grupo A PDF Criptografado

2

CORREÇÕES BÁSICAS

DE FOTOGRAFIAS

Visão geral da lição

Nesta lição, você vai aprender a:

• Entender a resolução e o tamanho de uma imagem.

• Visualizar e acessar arquivos no Adobe Bridge.

• Alinhar e cortar uma imagem.

• Ajustar o intervalo tonal de uma imagem.

• Utilizar a ferramenta Spot Healing Brush para reparar parte de uma imagem.

• Utilizar a ferramenta Patch, sensível ao conteúdo, para remover ou substituir objetos.

• Utilizar a ferramenta Clone Stamp para retocar certas áreas.

• Remover artefatos digitais de uma imagem.

• Aplicar o filtro Smart Sharpen para concluir o retoque de fotos.

Esta lição levará aproximadamente 1 hora para ser concluída. Faça download dos arquivos de projeto Lesson02 a partir da página do livro no site www. grupoa.com.br, caso ainda não tenha feito isso. Ao trabalhar nesta lição, você preservará os arquivos iniciais. Se precisar restaurá-los, você pode baixá-los novamente a partir do site.

Ver todos os capítulos

Ver Todos

Andrew S Tanenbaum Albert S Woodhull (9)
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788577800575

Apêndice C: Índice para os arquivos

Andrew S. Tanenbaum ; Albert S. Woodhull Grupo A PDF Criptografado

APÊNDICE C

ÍNDICE PARA OS ARQUIVOS

C

ÍNDICE PARA OS ARQUIVOS

Diretório Include

00000 include/ansi.h

00200 include/errno.h

00900 include/fcntl.h

00100 include/limits.h

00700 include/signal.h

00600 include/string.h

01000 include/termios.h

01300 include/timers.h

00400 include/unistd.h

04400 include/ibm/interrupt.h

04300 include/ibm/portio.h

04500 include/ibm/ports.h

03500 include/minix/callnr.h

03600 include/minix/com.h

02300 include/minix/config.h

02600 include/minix/const.h

04100 include/minix/devio.h

04200 include/minix/dmap.h

02200 include/minix/ioctl.h

03000 include/minix/ipc.h

02500 include/minix/sys_config.h

03200 include/minix/syslib.h

03400 include/minix/sysutil.h

02800 include/minix/type.h

01800 include/sys/dir.h

02100 include/sys/ioc_disk.h

02000 include/sys/ioctl.h

01600 include/sys/sigcontext.h

Ver todos os capítulos
Medium 9788577800575

6: Leituras recomendadas e bibliografia

Andrew S. Tanenbaum ; Albert S. Woodhull Grupo A PDF Criptografado

6

LEITURAS RECOMENDADAS

E BIBLIOGRAFIA

Nos cinco capítulos anteriores, abordamos uma variedade de assuntos. Este capítulo se destina a ajudar os leitores que estejam interessados em levar adiante seu estudo sobre sistemas operacionais. A Seção 6.1 é uma lista de leituras sugeridas. A seção 6.2 é uma bibliografia em ordem alfabética de todos os livros e artigos citados neste livro.

Além das referências dadas a seguir, os Proceedings of the n-th ACM Symposium on

Operating Systems Principles (ACM) realizados bianualmente e os Proceedings of the n-th

International Conference on Distributed Computing Systems (IEEE) realizados anualmente são bons lugares para procurar artigos recentes sobre sistemas operacionais. Assim como o

Symposium on Operating Systems Design and Implementation da USENIX. Além disso, o

ACM Transactions on Computer Systems e o Operating Systems Review são dois periódicos que freqüentemente apresentam artigos relevantes.

Ver todos os capítulos
Medium 9788577800575

1: Introdução

Andrew S. Tanenbaum ; Albert S. Woodhull Grupo A PDF Criptografado

1

INTRODUÇÃO

Sem software, um computador é basicamente um monte inútil de metal. Com software, um computador pode armazenar, processar e recuperar informações, tocar música e reproduzir vídeos, enviar e-mail, pesquisar a Internet e se envolver em muitas outras atividades valiosas para merecer sua manutenção. Grosso modo, o software de computador pode ser dividido em dois tipos: programas de sistema, que gerenciam a operação do computador em si, e programas aplicativos, que realizam o trabalho real desejado pelo usuário. O programa de sistema mais básico é o sistema operacional, cuja tarefa é controlar todos os recursos do computador e fornecer uma base sobre a qual os programas aplicativos podem ser escritos. Os sistemas operacionais são o assunto deste livro. Em particular, um sistema operacional chamado MINIX 3 é usado como modelo para ilustrar os princípios de projeto e aspectos reais de sua implementação.

Um sistema de computação moderno consiste em um ou mais processadores, memória principal, discos, impressoras, teclado, tela, interfaces de rede e outros dispositivos de entrada/saída. No todo, um sistema complexo. Escrever programas que controlam todos esses componentes e os utilizam corretamente, sem dizer de forma otimizada, é uma tarefa extremamente difícil. Se todo programador tivesse que se preocupar com o funcionamento das unidades de disco e com todas as dezenas de coisas que poderiam dar errado ao ler um bloco de disco, é provável que muitos programas sequer pudessem ser escritos. Há muito tempo, tornou-se bastante evidente a necessidade de encontrar uma maneira de isolar os programadores da complexidade do hardware. A maneira que evoluiu gradualmente foi colocar uma camada de software sobre o do hardware básico, para gerenciar todas as partes do sistema e apresentar ao usuário uma interface, ou máquina virtual, mais fácil de entender e programar.

Ver todos os capítulos
Medium 9788577800575

3: Entrada/saída

Andrew S. Tanenbaum ; Albert S. Woodhull Grupo A PDF Criptografado

3

ENTRADA/SAÍDA

Uma das principais funções de um sistema operacional é controlar todos os dispositivos de

E/S (Entrada/Saída) do computador. Ele precisa enviar comandos para os dispositivos, capturar interrupções e tratar de erros. Também deve fornecer uma interface simples e fácil de usar entre os dispositivos e o restante do sistema. Na medida do possível, a interface deve ser a mesma para todos os dispositivos (independência de dispositivo). O código de E/S representa uma parte significativa do sistema operacional como um todo. Assim, para realmente entender o que um sistema operacional faz você precisa compreender como funciona a E/S. O modo como o sistema operacional gerencia a E/S é o principal assunto deste capítulo.

Este capítulo está organizado como segue. Primeiramente, veremos alguns dos princípios da organização do hardware de E/S. Em seguida, examinaremos o software de E/S em geral. O software de E/S pode ser estruturado em camadas, com cada camada tendo uma tarefa bem definida a executar. Estudaremos essas camadas para vermos o que elas fazem e como se encaixam.

Ver todos os capítulos
Medium 9788577800575

Apêndice B: O código-fonte do minix

Andrew S. Tanenbaum ; Albert S. Woodhull Grupo A PDF Criptografado

APÊNDICE B

O CÓDIGO-FONTE DO MINIX

APÊNDICE B • O CÓDIGO-FONTE DO MINIX

585

+++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++ include/ansi.h

++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

00000

00001

00002

00003

00004

00005

00006

00007

00008

00009

00010

00011

00012

00013

00014

00015

00016

00017

00018

00019

00020

00021

00022

00023

00024

00025

00026

00027

00028

00029

00030

00031

00032

00033

00034

00035

00036

00037

00038

00039

00040

00041

00042

00043

00044

00045

00046

00047

00048

00049

00050

00051

00052

00053

00054

/*

*

*

*

*

*

*

Ver todos os capítulos

Ver Todos

Carregar mais