9677 capítulos
Medium 9788520431146

Capítulo 8 - Sustentabilidade e epistemologia: visões sistêmica, crítica e complexa

PHILIPI JR., Arlindo; SAMPAIO, Carlos Alberto Cioce; FERNANDES, Valdir Editora Manole PDF Criptografado

Sustentabilidade e epistemologia: visões sistêmica, crítica e complexa

8

Sérgio Luís Boeira

Comunicador Social, UFSC

INTRODUÇÃO

O objetivo deste capítulo é abordar a problemática da sustentabilidade do mundo moderno a partir de três concepções epistemológicas: a sistêmi‑ ca, com a obra de Fritjof Capra; a crítica, com a obra de Boaventura Sousa

Santos; e a complexa, com a obra de Edgar Morin1. A noção de sustentabi‑ lidade tem certamente uma história e diversas versões em disputa, variando conforme as forças sociais e os interesses em jogo, em cada contexto insti‑ tucional, em cada âmbito geográfico2. Mas é plausível argumentar que fal‑

1

Este capítulo segue uma orientação de pesquisa que já resultou em outros artigos

(por exemplo, Boeira, 2002; Boeira e Vieira, 2006; Boeira e Koslowski, 2009). Quanto ao termo “epistemologia”, Japiassu (1992, p. 16) o define como “estudo metódico e reflexivo do saber, de sua organização, de sua formação, de seu desenvolvimento, de seu funcionamento e de seus produtos intelectuais”.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520435816

Parte IV – Aspectos teóricos e práticos do planejamento e organização de eventos

Marlene Matias Manole PDF Criptografado

PA R T E I V

Aspectos teóricos e práticos do planejamento e organização de eventos

CAPÍTULO

7

Planejamento e organização de eventos

As fases do processo de planejamento e organização de eventos são:

Concepção: incorporação da ideia;

ÊÊ Pré-evento: planejamento e organização;

ÊÊ Per ou Transevento: realização;

ÊÊ Pós-evento: avaliação e encerramento.

ÊÊ

Concepção

Antes de organizar um evento, é importante que a ideia seja incorporada por alguns empreendedores, que começarão a lhe dar forma mediante o levantamento do maior número possível de elementos, tais como:

ÊÊ

ÊÊ

ÊÊ

ÊÊ

ÊÊ

Reconhecimento das necessidades desse evento;

Elaboração de alternativas para suprir as suas necessidades;

Identificação dos objetivos específicos;

Coleta de informações sobre os participantes, patrocinadores, entidades e outras instituições em potencial;

Listagem dos resultados desejados;

Ver todos os capítulos
Medium 9788571440142

Capítulo 12 - A ESCOLA NEOCLÁSSICA DO BEM-ESTAR

OLIVEIRA, Roberson Campos de; GENNARI, Adilson M. Editora Saraiva PDF Criptografado

Capítulo 12

A ESCOL A

NEOCL ÁSSICA DO

B E M - E S TA R

12 .1  VILFREDO PARETO E A ECONOMIA DO BEM-ESTAR

Pareto nasceu em Paris, em 1848, filho de exilados italianos perseguidos pelo envolvimento nas conspirações nacionalistas que atingiram o Reino Piemonte-Sardenha. Depois que retornaram, Pareto estudou matemática e engenharia em Turim, no período de 1864 a 1870, titulando-se com uma dissertação sobre a elasticidade dos corpos sólidos e análises de equilíbrio.

Atuou como engenheiro em várias empresas, foi articulista combativo e defensor do ideário liberal. Depois de 20 anos como engenheiro, passou a se dedicar à economia e, em 1893, aos 45 anos, assumiu a cadeira de Economia

Política em Lausanne, Suíça, em substituição a Léon Walras, deixando-a em

1899. Seus primeiros trabalhos orientaram-se pela aplicação da matemática aos estudos econômicos, especialmente pelo uso da estatística nos estudos empíricos. Abandonou progressivamente essa linha de pesquisa e passou a se dedicar ao estudo da economia, com base em modelos matemáticos cada vez mais abstratos, transitando, mais tarde, para a sociologia. Durante a maior parte da sua vida, defendeu enfaticamente os ideais do livre mercado e con­ denou veementemente toda forma de intervencionismo. Entretanto, aderiu a

Ver todos os capítulos
Medium 9788571440142

Capítulo 20 - A ESCOLA DA ECONOMIA MATEMÁTICA E A TEORIA DOS JOGOS

OLIVEIRA, Roberson Campos de; GENNARI, Adilson M. Editora Saraiva PDF Criptografado

Capítulo 20

A ESCOL A DA

E C O N O M I A M AT E M ÁT I C A

E A TEORIA DOS JOGOS

2 0 .1   T

� EO R I A D O S J O GO S E CO MP O R TA MENTO

ECO N Ô MI CO EM J O HN VO N NEUM A NN

O processo de formalização dos problemas econômicos em níveis cada vez mais abstratos ganhou grande impulso com a teoria dos jogos, formulada por John von

Neumann (1903-1957). Considerado a maior mente matemática do século XX, suas contribuições foram decisivas para várias áreas do conhecimento humano, como matemática teórica, física nuclear, economia, entre outras.

Neumann nasceu em Budapeste, em uma família judaica de ricos ban­ queiros. Ainda criança, demonstrava familiaridade com o grego e evidenciava exuberante talento matemático. Aos 18 anos, cursava três universidades:

Química, em Berlim; Engenharia Química, em Zurique; e um doutorado em

Matemática, em Budapeste.

Aos 24 anos, já era protagonista de uma das discussões teóricas mais impor­ tantes da história da matemática. Na ocasião, tinha publicado um conjunto de artigos em que tentava explicitar os axiomas que seriam a base de todo o sistema matemático, base que constituía um universo lógico fechado e completo. Sua

Ver todos os capítulos
Medium 9788571440142

Capítulo 2 - A TEOLOGIA E A ANÁLISE ECONÔMICA

OLIVEIRA, Roberson Campos de; GENNARI, Adilson M. Editora Saraiva PDF Criptografado

Capítulo 2

A TEOLOGIA E A

ANÁLISE ECONÔMICA

2 .1   INTR O D U Ç ÃO

A desestruturação do Império e da cidade antiga resultou no colapso de um poder central capaz de ordenar minimamente a vida social e econômica e abriu uma fase marcada por guerras, violência, medo e desespero. Do ponto de vista político, houve uma fragmentação do poder e da autoridade em uma infinidade de domínios que deram origem aos senhorios feudais na Europa Ocidental. Na esfera social, surgiu uma ordem rigidamente hierarquizada e desigual, reconhe­ cida e aceita como natural e justificada por uma determinação divina. No que diz respeito à vida econômica, a ruralização induziu à retração da agricultura mercantil e estimulou a produção destinada ao consumo a ponto de ela tornar-se hegemônica.

A única esfera de poder universal que sobreviveu à tendência de fragmen­ tação da autoridade foi a Igreja. A sua unidade institucional e a coesão dou­ trinária lhe proporcionaram uma expressão política, espiritual e cultural sem paralelo no decorrer do período medieval. Com o crescimento de seu poder econômico, obtido com a aquisição de parcelas imensas de terras, e com a proeminência que ela exercia no plano cultural e espiritual, a Igreja reuniu con­ dições para exercer ampla hegemonia política na Europa Ocidental. Um dos aspectos decisivos dessa proeminência foi a grande empreitada dos seus prin­ cipais teólogos, que realizaram um imenso esforço para tornar a religiosidade cristã uma referência que fosse além da vida espiritual e mostrasse uma nova visão de mundo integrando a filosofia, a conduta humana (a ética) e os fenô­ menos da natureza, e, inclusive, que regulasse os processos da vida econômica.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos