7921 capítulos
Medium 9788577806164

ICICI: Serviços Financeiros para os Pobres

C.K. Prahalad Grupo A PDF Criptografado

PARTE IV

Estudos de Caso e Comentários de CEOs

ICICI: Serviços Financeiros para os Pobres

A população pobre do mundo enfrenta tradicionalmente um terrível dilema: não dispõe de dinheiro nem de meios para obter empréstimo, qualquer que seja.

Um microfinanciamento que atenda a suas necessidades não tem feito parte da agenda formal das instituições bancárias – até agora. Para os pobres da Índia, sobretudo nas áreas rurais, o Banco ICICI, segunda maior instituição bancária do país, está começando a converter em clientes as camadas mais pobres da sociedade, conferindo-lhes poder e autonomia.

A sra. Pundiselvi, da vila de Nahramalaiphur, recorreu a um empréstimo para financiar uma pequena área de terra destinada ao cultivo de pimenta e de flores para fins decorativos. O custo da terra foi de 10 mil rúpias (US$ 200) para a estação, e o investimento em sementes ficou em menos de mil rúpias. Até o momento, a sra. Pundiselvi já devolveu 7 mil rúpias (US$ 140), ou 70% do empréstimo tomado, com a produção gerada em sua terra. No mesmo vilarejo, a sra. Saraswathi era proprietária de um armazém com um pequeno estoque e alguns produtos selecionados. Com um empréstimo de 10 mil rúpias (US$ 200), ela expandiu a loja e viu sua renda mensal aumentar. A empresária jamais deixou de pagar uma prestação, tendo até agora devolvido 6 mil rúpias (US$ 120), o equivalente a 60% do empréstimo tomado. Outra mulher empreendedora juntou o dinheiro do empréstimo com os ativos de uma família e escavou um novo poço para sua vila. Ela passou a cobrar 25 rúpias (US$ 0,50) por hora a outros agricultores e moradores da vida pela água utilizada para fins de irrigação. O sistema de irrigação também aumentou a produção de seus próprios campos, localizados nas redondezas.

Ver todos os capítulos
Medium 9788521625377

CAPÍTULO 1 - O Comportamento do Consumidor

MERLO, Edgard Monforte; CERIBELI, Harrison B. Grupo Gen PDF Criptografado

CAPÍTULO

1

O Comportamento do Consumidor

O

escopo de estudo do comportamento do consumidor engloba a teorização dos processos envolvidos quando indivíduos ou grupos selecionam, compram, consomem e descartam produtos, serviços e experiências para satisfazerem necessidades ou desejos.

Neste sentido, quando nos propomos a estudar o comportamento do consumidor, estamos buscando refletir sobre o que motiva os consumidores a comprar, como tomam suas decisões de compra, quais fatores externos e internos exercem influência sobre essas decisões, como produtos ou serviços são adquiridos, consumidos e posteriormente avaliados, e como realizam o descarte dos produtos adquiridos.

Existem vários motivos que justificam o estudo do comportamento do consumidor, dentre os quais podemos destacar:

᭹ os indivíduos desenvolvem uma lente conceitual que lhes permite interpretar diferentes situações de consumo; os gestores de Marketing passam a tomar decisões com maior

Ver todos os capítulos
Medium 9788597010565

2 - Comportamento do Consumidor

COBRA, Marcos; URDAN, André Torres Grupo Gen PDF Criptografado

2

Comportamento do Consumidor

OBJETIVOS DO APRENDIZADO

• Necessidades e consumo.

• Hierarquia de necessidades.

• Dissonância cognitiva.

• Teorias da motivação.

• Personalidade.

• Habitus e consumo.

miolo_MKTBasico_CobraUrdan_20dez.indd 17

12/20/16 5:07 PM

18

Capítulo 2

2.1 Necessidades e consumo

As pessoas são diferentes umas das outras. Os consumidores expressam suas diferenças, das mais variadas formas, também na compra de produtos e de marcas. O ponto chave é compreender as pessoas nas suas diferenças individuais para, mais à frente no processo de marketing, agrupá-las em segmentos que respondam homogeneamente aos esforços de marketing.

A compreensão do comportamento humano parte de suas necessidades. Todo o processo de tomada de decisão busca ter as necessidades satisfeitas. As necessidades são percebidas ou não pelas pessoas. Há necessidades funcionais e emocionais.

A motivação é a força que move um indivíduo a optar por caminhos que o levem ao atendimento de suas necessidades. A palavra motivação é derivada do latim movere, que significa mover. A motivação advém dos impulsos ou forças propulsoras conscientes e inconscientes que levam a pessoa, sob algumas circunstâncias, à ação.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597010657

5 - Custos

BERNARDI, Luiz Antonio Grupo Gen PDF Criptografado

5

CUSTOS

Prova_Final_Bernardi_Formacao_Precos.indb 73

13/02/2017 15:34:22

Eixo Orientador do Livro

Capítulo 5

Proposta de valor

Avaliação e diagnóstico do desempenho da política de preços

Gestão da política e da estratégia de preços

Proposições de valor

Objetivos de preços e estratégias

Valor para o cliente e o que está disposto a pagar

Custos e despesas: formação e administração

Tributos

Custos e despesas

Finanças

Formação de preços

Avaliação das decisões

Resultados

Prova_Final_Bernardi_Formacao_Precos.indb 74

13/02/2017 15:34:22

Custos

Há vários métodos para a determinação do preço de venda, como se viu detalhadamente no Capítulo 3, porém o mais elementar e largamente usado é o do mark-up, baseado nos custos, estudado na Parte III. Mesmo nas condições atuais, em que a formação do preço, idealmente, deva ser abordada do mercado para dentro da empresa, são vitais o conhecimento e a administração dos custos para a mensuração econômica dos resultados.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597013108

15 - Ética e capital humano

ARRUDA, Maria Cecilia Coutinho de; WHITAKER, Maria do Carmo; RAMOS, José Maria Rodriguez Grupo Gen PDF Criptografado

Ética e capital humano

15

A economia considera tradicionalmente três fatores que, combinados entre si, contribuem para a produção de bens e serviços. Tais fatores são: terra, trabalho e capital.

O fator trabalho consiste na aplicação do esforço humano à atividade produtiva. O trabalho pode ser manual, intelectual ou a combinação de ambos. Por produção não se deve entender exclusivamente a fabricação de bens materiais. Atividades predominantemente intelectuais, como dar aula ou escrever um livro, também são atividades produtivas e têm uma contrapartida econômica. O mesmo se aplica ao trabalho dirigido ao setor serviços, como dirigir um táxi ou ser guia turístico.

O capital como fator de produção inclui tanto os recursos monetários quanto físicos, tais como máquinas, ferramentas e prédios, que contribuem direta ou indiretamente para o processo produtivo.

Dos três tradicionais fatores de produção, o mais importante é o trabalho. Sem trabalho não há produção agrícola; sem trabalho o capital se perde. O trabalho é também o mais importante dos fatores porque a produção está a serviço do homem e não o homem a serviço da produção. Eis uma preocupação da ética econômica.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos