Tomasi Carolina Medeiros Jo O Bosco (11)
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788597019179

Capítulo 9 Informações implícitas

TOMASI, Carolina; MEDEIROS, João Bosco Grupo Gen ePub Criptografado

■ Capacitar o leitor para a leitura de informações implícitas que compõem os textos escritos e orais.

■ Alertar o leitor para tirar proveito no texto oral e no texto escrito de implícitos verbais.

■ Conscientizar o leitor de que os subentendidos pertencem à subjetividade do autor e de que os pressupostos estão presentes no texto. Do primeiro o autor pode safar-se, afirmando que “não era bem isso que eu queria dizer”, mas do segundo não há como fugir da interpretação do leitor.

■ Ampliar a capacidade de observação do leitor para a focalização de implícitos verbais constantes do texto que lhe dão uma direção de interpretação.

■ Esclarecer que os implícitos verbais constituem também instrumentos argumentativos.

1. Você normalmente presta atenção nos implícitos verbais veiculados na comunicação oral e na escrita?

2. Ao observar um subentendido numa discussão, qual seu comportamento, sua reação?

3. O pressuposto verbal é um expediente comum tanto na comunicação oral, como na escrita. Eles são compostos por expressões como: continua, de novo, , ainda. Que providências toma para não interpretá-los erroneamente? Por exemplo: “Você está atrasada de novo!”

Ver todos os capítulos
Medium 9788597019179

Capítulo 2 Comunicações organizacionais

TOMASI, Carolina; MEDEIROS, João Bosco Grupo Gen ePub Criptografado

■ Explicitar o que são comunicações organizacionais.

■ Reconhecer os vários estágios da comunicação pelos quais passaram as empresas nas últimas décadas.

■ Entender que comunicação é processo e que, portanto, todos os seus elementos devem ser considerados no ato de comunicação.

■ Habilitar o leitor para compreender as metáforas veiculadas nas mais diversas mensagens que ocorrem no interior das organizações.

■ Habilitar o leitor para compreender que a comunicação empresarial é fator indispensável para o sucesso de qualquer empresa.

1. Que você acha de as empresas fecharem-se à imprensa?

2. Que pensa de uma empresa considerar relevante conquistar o apoio da opinião pública?

3. Tornar público, via imprensa, o trabalho de uma empresa é uma prestação de contas à sociedade? Por quê?

4. Comente a frase: “Todos nós somos influenciados pela reputação de uma empresa quando escolhemos o que comprar.”

Ver todos os capítulos
Medium 9788597019179

Capítulo 6 Coesão

TOMASI, Carolina; MEDEIROS, João Bosco Grupo Gen ePub Criptografado

■ Mostrar como a coesão é fundamental na estruturação do pensamento.

■ Mostrar que a estruturação do pensamento se faz com o uso de certas palavras que permitem uma ideia relacionar-se com outra.

■ Evidenciar como a coesão é fundamental para a comunicação.

■ Treinar o leitor para uma observação apurada no uso sobretudo de conjunções e outras palavras que estabelecem coesão sintática.

■ Praticar com o leitor orações coordenadas e subordinadas, tendo em vista alcançar uma expressão estruturada capaz de transmitir informação compreensível.

1. Você normalmente se preocupa com a estrutura de seu pensamento? Preocupa-se se as ideias se relacionam umas com as outras?

2. Que significa coesão? Quando sabemos que uma coisa não combina com outra? Quando sabemos que entre uma ideia e outra não há relação, nexo sintático?

3. Você percebe quando uma pessoa fala frases soltas, que não se relacionam adequadamente, ou seja, a passagem de uma ideia para outra não se faz de forma harmoniosa?

Ver todos os capítulos
Medium 9788597019179

Capítulo 7 Coerência

TOMASI, Carolina; MEDEIROS, João Bosco Grupo Gen ePub Criptografado

■ Aprimorar a preocupação do leitor com a necessidade de coerência textual.

■ Discutir a relevância da coerência textual para conscientizar o leitor sobre a necessidade de produzir textos que tenham sentido.

■ Aprimorar a prática de expressões em que as ideias se relacionam harmoniosamente.

■ Praticar com o leitor a coerência textual, alertando-o sobre os perigos da incoerência.

■ Conscientizar o leitor de que coesão e coerência andam de mãos dadas.

1. Na vida, de uma pessoa que fala uma coisa e faz outra dizemos que é incoerente. Você poderia dar alguns exemplos de comportamento incoerente (na política, nos clubes de futebol, nas empresas)?

2. Que é um argumento incoerente?

3. Você poderia apresentar exemplos de texto incoerente?

4. Há argumentos que são aparentemente incoerentes, como em: “Jogamos na defesa para podermos atacar mais.” Comente essa frase.

5. Comente a frase: “Éramos 200 corredores ao todo; 50% desistiram no meio do caminho. E chegamos ao fim da corrida com 80 pessoas.”

Ver todos os capítulos
Medium 9788597019179

Capítulo 11 Polifonia e intertextualidade

TOMASI, Carolina; MEDEIROS, João Bosco Grupo Gen ePub Criptografado

■ Conscientizar o leitor de que um discurso é sempre uma retomada de outro e que a originalidade na linguagem não existe.

■ Explicitar para o leitor que um texto remete a outro, num processo contínuo de diálogo, de intertextualidade.

■ Capacitar o leitor a confrontar um texto com outro que lhe serviu de base para verificar alterações de sentido.

■ Desenvolver habilidades de leitura do leitor, mostrando-lhe como o processo de intertextualidade é relevante para a compreensão de um texto.

■ Desenvolver no leitor habilidades de produção de texto com base em outros textos.

1. Você se recorda de alguma letra de música que se parece com alguma outra que você já ouviu? Qual?

2. Ouça Imagine de John Lennon e Wonderful World de Louis Armstrong e diga qual a diferença que existe entre elas.

3. Que diferença há entre o discurso de Chaplin em O grande ditador e o discurso do líder Martin Luther King?

Ver todos os capítulos

Ver Todos

Tachizawa Takeshy (20)
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788597021899

Anexo 1 Resenha de Filmes Ilustrativos

TACHIZAWA, Takeshy Grupo Gen ePub Criptografado

A firma; A história de uma fraude (o caso Enron); Ameaça virtual; Amazônia em chamas; Apolo 13 – do desastre ao triunfo; A queda do Império Romano; Com o dinheiro dos outros; Erin Brockovich; Henry Ford: a história da indústria automobilística; Hoffa: um homem, uma lenda; Mauá – o Imperador e o Rei; O amor é contagioso; O dia depois de amanhã; O informante; O nome da rosa; Os doze trabalhos de Asterix; O último samurai; Tucker – um homem e seu sonho; Wall Street: poder e cobiça.

Os filmes, como estratégia didática, devem ser trabalhados como um processo ao invés de utilizá-los como simples resposta a um determinado assunto-aula.

A firma (com Gene Hackmann e Tom Cruise).

É a história de um brilhante e ambicioso Advogado (Tom Cruise), recém-formado, na mais conceituada Faculdade de Direito do país. Enfatiza os processos de recrutamento e seleção de colaboradores das empresas, principalmente aqueles de alto nível. O Advogado, personagem central do filme, emprega-se, dessa forma, em uma pequena, mas próspera, firma de advocacia. A liderança exercida pelo diretor presidente, principal gestor deste escritório de advocacia, é do tipo paternalista, que objetiva transformar a firma em uma grande família para seus empregados. A empresa, dessa maneira, é controlada, informalmente, pelos seus principais gestores que objetivam transformá-la em uma irmandade, composta pelos seus empregados, satisfeitos e submissos. Os problemas domésticos relacionados à residência, carro, saúde da esposa, bem-estar de todos da família era objeto de aparente preocupação do diretor presidente e demais sócios-diretores do escritório de advocacia. De forma natural, mesmo sem estar consciente, o presidente da firma, na realidade, adotava na prática a abordagem das relações humanas, desenvolvida no início do século XX, na indústria Western Eletric, em Hawthorne, por Elton Mayo. É um enfoque conservador, ainda, presente na administração de recursos humanos das organizações empresariais. Da noite para o dia, o Advogado e sua esposa passam a ter um altíssimo estilo de vida com que jamais sonharam. É quando vêm à tona os negócios ilícitos que encobrem as atividades, legalmente, desenvolvidas pela empresa. De acordo com o plano estratégico da Firma, mais de 30% do volume total de seu faturamento eram atividades ilícitas desenvolvidas pelo escritório de advocacia. O Advogado enfrenta forças que não se detêm diante de nada, para proteger os interesses da Firma. Daí surge a crise de identidade e a decisão do agora experiente Advogado de atentar para as questões éticas e de responsabilidade social corporativa, que são convergentes com sua escala de valores. A questão dos impostos pagos pelas empresas-cliente e que o escritório de advocacia defende enfrenta a questão ética e a legislação vigente, que permeia o planejamento tributário corporativo no mundo dos negócios. Passagens do filme que mostra o controle paternalista exercido pela diretoria da Firma sobre a família do personagem evidenciavam o poder manipulador desta prática. Este controle acabou se transformando em uma verdadeira invasão de privacidade, chegando ao extremo de um sutil monitoramento através de câmeras e grampos telefônicos na própria residência do casal. Era uma preocupação em passar um conceito de trabalho em uma grande família tanto internamente junto aos seus colaboradores como em relação ao plano externo para promover institucionalmente uma imagem, aparente, de organização socialmente responsável. A preocupação dos dirigentes da Firma era demonstrar aos seus colaboradores e clientes algo que não existia. Ou seja, que imperava no escritório de advocacia um saudável ambiente organizacional de uma equipe que trabalhava com ética e responsabilidade social corporativa. É uma lição de que as empresas melhor reconhecidas pela comunidade são aquelas que refletem o bom relacionamento com seus diferentes públicos e, principalmente, com seus colaboradores. Isso inclui a qualidade na divulgação de informações, a política de remuneração de dividendos e o retorno satisfatório para os acionistas, além da transparência dos relatórios de atividades empresariais e dos balanços financeiros. Evidencia o relacionamento de uma empresa privada (Segundo Setor) com os órgãos governamentais (Primeiro Setor) e a limitação de controle por parte dos mesmos sobre as atividades empresariais. É exatamente esta limitação que pode estar destacando espaços de atuação (justiça e promoção de direitos) para organizações não governamentais, ou mesmo para parceria entre empresas privadas e o Governo para atenuar ou mesmo eliminar atividades empresariais ilícitas.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597021899

Capítulo 6 Empresas da Indústria Semiconcentrada

TACHIZAWA, Takeshy Grupo Gen ePub Criptografado

Corresponde a uma estrutura de mercado inerente às empresas tradicionais, ou da indústria semiconcentrada, produtora de bens como: alimentos; têxtil; confecções; metalurgia; plásticos e borracha; madeira e móveis.

Tal setor tem por características:

a) baixo grau de concentração sem participação majoritária de nenhuma empresa, apesar de eventual existência de poucas empresas de significativo porte;

b) pouca diferenciação de produtos por parte das empresas que são extremamente dependentes da taxa de crescimento de emprego, como produtoras de bens consumidos por assalariados;

c) barreira à entrada constituída pelo restrito acesso à rede de distribuição e comercialização, em que intermediários e atacadistas detêm alto poder de negociação.

É um setor da economia que, dada a atuação das variáveis ambientais, sofre influência negativa da abertura de mercado, coerente à tendência de globalização da economia. Esse setor é altamente influenciável às políticas e medidas sociais estabelecidas pelo governo.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597021899

Capítulo 12 Instituições do Setor Educacional

TACHIZAWA, Takeshy Grupo Gen ePub Criptografado

O setor educacional, composto pelas Instituições de Ensino Superior (IES), quando analisados apenas os estabelecimentos de ensino de nível superior de caráter privado, caracteriza-se por:

• diferenciação das instituições de ensino em função de sua localização geográfica, tanto em termos qualitativos (porte, tipo de cursos oferecidos, qualificação do corpo docente e demais peculiaridades intrínsecas), como em termos quantitativos em face do diferente grau de concentração geográfica de IES, por região do país (por exemplo, na região Sudeste há maior concentração de instituições de ensino);

• baixa concentração de IES em suas áreas geográficas de atuação, sem participação majoritária de nenhuma instituição, apesar de eventual existência de poucas organizações de significativo porte;

• interdependência entre as IES da mesma região, em que o comportamento e o desempenho de uma instituição têm reflexo direto sobre as demais, bem como pelo fato de que quanto menor for o número de instituições e quanto mais semelhantes em termos de porte, maior será a interdependência entre tais instituições;

Ver todos os capítulos
Medium 9788597021899

Glossário

TACHIZAWA, Takeshy Grupo Gen ePub Criptografado

Assembleia Geral: órgão deliberativo máximo de uma associação, que congrega todos os seus associados e que tem poder de decisão sobre todos os assuntos a ela pertinentes. Elege a diretoria, os conselhos e deve aprovar as prestações de contas.

Assistência Social: conjunto de atividades patrocinadas pelo Poder Público e pela sociedade em geral que visam atender as pessoas necessitadas, ou hipossuficientes, em suas necessidades básicas, por meio da concessão de determinados benefícios sociais, independentemente de contribuição por parte dos beneficiários. Tais benefícios podem ser financeiros, ações na área da saúde, fornecimento de alimentos, entre outros.

A Assistência Social é definida e organizada por um conjunto de normas e instituições, as quais dão operacionalidade ao conceito e colocam em prática uma política social de assistência.

O art. 203 da Constituição Federal fornece as diretrizes básicas pelo que se deve entender como Assistência Social:

Ver todos os capítulos
Medium 9788597021899

Capítulo 3 Responsabilidade Social e Agentes de Transformação

TACHIZAWA, Takeshy Grupo Gen ePub Criptografado

As organizações governamentais, que constituem o Primeiro Setor, são constituídas de: órgãos da administração direta (federal, estadual e municipal); órgãos da administração indireta; empresas públicas; sociedades de economia mista; autarquias; fundações; e estatais afins.

Na análise das estatais, assinaladas invariavelmente por se desviarem de seus propósitos iniciais, percebe-se que foram criadas para ocupar lacunas estratégicas no meio econômico, que o setor privado isoladamente não poderia ocupar, e também visando compensar as deficiências da administração direta, evidenciando seu fenomenal crescimento e diversificação.

Representam uma pluralidade de estruturas, sem necessariamente constituir um conjunto ordenado de agentes, tendo como característica comum o fato de terem-se originado de uma mesma fonte, o Estado. Na maior parte dos casos, as estatais posicionam-se em áreas específicas de atuação, em geral detendo o monopólio ou o controle do mercado, onde organizações privadas teriam dificuldades devido à necessidade de manutenção de preços, tarifas e dimensões economicamente vantajosas.

Ver todos os capítulos

Ver Todos

Paladini Edson Pacheco (6)
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788597021578

5. Ação da Gestão da Qualidade: Estratégias de Concepção e Implantação dos Programas da Qualidade

PALADINI, Edson Pacheco Grupo Gen ePub Criptografado

OBJETIVOS DO CAPÍTULO

Espera-se que, ao final do texto, o leitor esteja apto a:

■ Confrontar as diferentes visões da Gestão da Qualidade e as implicações práticas dessas concepções.

■ Compreender as estratégias que as diversas percepções da qualidade viabilizaram ao longo do tempo, de forma a selecionar quais estratégias são mais adequadas às diferentes situações de implantação.

■ A partir dos conceitos e das estratégias que viabilizam a qualidade, entender como são estruturados os programas que visam produzir e avaliar a qualidade nas organizações produtivas.

Atribui-se o sucesso da concepção da Gestão da Qualidade a dois fatores básicos: (1) a simplicidade e (2) a coerência dos conceitos que a suportam.

Já o sucesso de sua implantação, por meio de programas bem estruturados, deve-se, com idêntica intensidade, às estratégias e às ferramentas desenvolvidas ao longo do tempo, que, em termos práticos, viabilizaram a aplicação efetiva da Gestão da Qualidade na forma como é conhecida hoje.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597021578

1. Gestão da Qualidade: Conceitos Consagrados Pela Prática

PALADINI, Edson Pacheco Grupo Gen ePub Criptografado

OBJETIVOS DO CAPÍTULO

Espera-se que, ao final do texto, o leitor esteja apto a:

■ Como a Gestão da Qualidade desenvolve suas ações tendo em vista os diferentes conceitos da qualidade.

■ Quais os referenciais que são utilizados para estruturar e ampliar o conceito da qualidade.

■ Como a TQM e a Gestão da Qualidade no processo introduziram novas dimensões à Gestão da Qualidade tradicional.

Um conjunto de conceitos bem caracterizados suporta a estrutura e o funcionamento do processo de Gestão da Qualidade. Os mais relevantes, é evidente, referem-se à forma como se entende a qualidade, ou seja, a noção da qualidade adotada em cada organização. Esta noção é estruturada, claro, a partir de referenciais bem definidos.

Neste Capítulo, propõe-se uma abordagem específica para a qualidade, desdobrando-a em dois planos bem definidos – um “espacial” e outro “temporal”. Por extensão, o processo de gestão passa a ser exercido tendo em vista ambas as direções. A partir desta abordagem, amplia-se a concepção da qualidade.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597021578

2. Métodos e Estruturas da Gestão da Qualidade Consagrados Pela Prática

PALADINI, Edson Pacheco Grupo Gen ePub Criptografado

OBJETIVOS DO CAPÍTULO

Espera-se que, ao final do texto, o leitor esteja apto a:

■ Constatar como as múltiplas concepções de qualidade determinam posturas práticas bem definidas nas organizações produtivas.

■ Compreender elementos técnicos que inseriram o conceito da qualidade desde o projeto do produto.

■ Perceber a utilidade efetiva de conceitos que, a partir de generalizações de noções básicas, edificaram a dimensão social da qualidade.

■ Entender modelos gerais de planejamento e controle da qualidade, bem como assimilar o funcionamento das estruturas que suportam esses modelos.

■ Caracterizar os métodos de economia da qualidade que atuam tanto no projeto quanto na conformação dos produtos.

Os métodos e as estruturas da Gestão da Qualidade procedem dos conceitos que foram descritos no capítulo anterior e de algumas noções deles decorrentes. Esses métodos têm sido testados, na prática, e são considerados como os mais adequados para a nossa realidade. Este capítulo analisa as múltiplas abordagens da qualidade a partir de dois referenciais, quais sejam, aqueles introduzidos pelas propostas de Garvin e aqueles que decorrem do chamado impacto social da qualidade. Alguns novos conceitos são desenvolvidos e, a seguir, analisam-se elementos operacionais da Gestão da Qualidade, como o processo gerencial em si e a estrutura de organização que sustenta a produção da qualidade. O envolvimento de recursos é também considerado – sobretudo por tratar-se de elemento crucial de todo o esforço para gerar qualidade nas organizações.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597021578

3. Processo e Agentes da Gestão da Qualidade

PALADINI, Edson Pacheco Grupo Gen ePub Criptografado

OBJETIVOS DO CAPÍTULO

Espera-se que, ao final do texto, o leitor esteja apto a:

■ Compreender quais as características básicas e como operam os modelos gerenciais da Qualidade.

■ Perceber como o modelo de Gestão da Qualidade Total influenciou e alterou processos tradicionais da Gestão da Qualidade e como consolidou as novas práticas da área.

■ Entender qual o perfil do agente de decisão da Qualidade neste novo contexto.

■ Avaliar com precisão o papel de dois outros agentes críticos na Gestão da Qualidade das organizações produtivas: o de transformação (recurso humano) e o de consolidação do processo (cultura da organização).

Embora seja um processo com especificidades bem definidas, a Gestão da Qualidade é viabilizada por um grande número de agentes. Muitos desses agentes desenvolvem ações técnicas (os gerentes, por exemplo).

Mas, como se verá, dada a abrangência da Gestão da Qualidade, seu desenvolvimento não poderia ficar restrito a esse grupo de profissionais.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597021578

4. Ambientes de Atuação da Gestão da Qualidade

PALADINI, Edson Pacheco Grupo Gen ePub Criptografado

OBJETIVOS DO CAPÍTULO

Espera-se que, ao final do texto, o leitor esteja apto a:

■ Compreender as particularidades que caracterizam a Gestão da Qualidade nos ambientes industriais e de geração de serviços, com ênfase nas diferenças entre ambos.

■ Entender como a Gestão da Qualidade é estruturada em dois ambientes específicos e muito relevantes no cenário social e político de qualquer país: as pequenas empresas e as organizações prestadoras de serviços públicos.

■ Assimilar os conceitos e a aplicação prática dos modelos de qualidade in-line, on-line e off-line.

Este capítulo analisa diversos ambientes de atuação da Gestão da Qualidade. Consideram-se os tipos de atividades produtivas desenvolvidas (produtos industriais, serviços e métodos); o porte da empresa e os chamados modelos da qualidade in-line, on-line e off-line, foco de classificação da avaliação da qualidade baseada em indicadores (para detalhes, ver Paladini, 2014 – Capítulo 2). Observa-se, em todos esses casos, uma unicidade de filosofia, embora haja diversidade de métodos e várias formas de desenvolver e avaliar o processo gerencial da qualidade.

Ver todos os capítulos

Ver Todos

Oliveira Djalma De Pinho Rebou As De (12)
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788597019841

4 Partes da administração

OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças de Grupo Gen ePub Criptografado

OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM

Depois de estudar o conteúdo deste capítulo, você será capaz de:

1. Saber como a administração pode ser dividida em funções específicas para facilitar o seu entendimento e posterior aplicação.

2. Compreender que essas partes divididas devem ser trabalhadas de forma interativa, em relação de causa versus efeito, fechando no contexto da administração total ou integrada.

3. Interligar as partes da administração – pelas funções da administração e pelas funções da empresa – com as disciplinas do curso de administração e o seu plano de carreira como administrador.

Lembre-se de que as “chamadas” provocativas no texto, bem como as questões para debate, o exercício e o caso no final do capítulo proporcionam efetiva sustentação ao seu otimizado processo de aprendizagem.

Desenvolva-os com dedicação e criatividade e, preferencialmente, depois debata com os seus colegas de estudo e/ou trabalho.

Agora chegou o momento de você visualizar os principais assuntos da administração que você pode – e deve – aplicar em suas atividades nas empresas, ou mesmo para cuidar de suas questões pessoais.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597019841

2 Aplicação da administração

OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças de Grupo Gen ePub Criptografado

OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM

Depois de estudar o conteúdo deste capítulo, você será capaz de:

• Entender uma maneira básica de conhecer os diversos assuntos administrativos.

• Saber que o conhecimento do conceito de cada assunto administrativo explicita o que ele é, e para que ele serve.

• Direcionar o conhecimento das metodologias administrativas para o fundamental, pois essas explicam como desenvolver e implementar os trabalhos. Para que serve um administrador que não sabe como elaborar e operacionalizar os trabalhos administrativos?

• Saber que existem técnicas administrativas que podem auxiliar – em muito – o desenvolvimento e a implementação dos trabalhos.

• Saber que a administração é algo de elevada amplitude e composta de várias partes, as quais devem apresentar adequado nível de interligações.

• Conhecer algumas precauções que você deve considerar para a otimizada aplicação da administração em sua vida profissional e/ou pessoal.

• Proporcionar adequada sustentação conceitual e operacional ao seu plano de carreira – como administrador – que está em desenvolvimento durante a análise deste livro.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597019841

5 O profissional de administração

OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças de Grupo Gen ePub Criptografado

OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM

Depois de estudar o conteúdo deste capítulo, você será capaz de:

1. Estruturar o seu modelo ideal de atuação como profissional da administração.

2. Entender, e aplicar, o tripé de sustentação do administrador, representado pelos seus conhecimentos, pelas suas habilidades e pelas suas atitudes. Existem assuntos mais importantes do que essas questões?

3. Planejar os seus próximos estudos em um processo de educação continuada.

4. Consolidar o seu plano de carreira ideal como administrador, o qual é o grande lance de sua vida profissional.

5. Saber efetivar a sua vantagem competitiva como administrador.

6. Efetivar uma atuação empreendedora em suas atividades profissionais e pessoais.

7. Saber fazer, com qualidade, aprimoramentos futuros em seu plano de carreira como administrador.

Lembre-se de que as “chamadas” provocativas no texto, bem como as questões para debate, o exercício e o caso no final do capítulo proporcionam efetiva sustentação ao seu otimizado processo de aprendizagem teórica e prática da administração.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597019841

3 Evolução do pensamento administrativo

OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças de Grupo Gen ePub Criptografado

OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM

Depois de estudar o conteúdo deste capítulo, você será capaz de:

• Entender o processo evolutivo do pensamento administrativo, o qual sempre coloca a administração como importante instrumento facilitador das atividades das instituições e das pessoas.

• Assimilar o que poderá acontecer a curto, médio e longo prazos com os conhecimentos administrativos e suas influências, principalmente nas empresas e nas pessoas.

• Antecipar-se, da melhor maneira possível, às possíveis tendências da administração, visando se consolidar como um profissional de sucesso e de valor para as empresas.

• Fazer os ajustes necessários no seu plano de carreira para melhor usufruir dessas tendências da administração.

Lembre-se de que as “chamadas” provocativas no texto, bem como as questões para debate, o exercício e o caso no final do capítulo proporcionam efetiva sustentação ao seu otimizado processo de aprendizagem teórica e prática.

A melhor maneira – e, talvez, a única – de se analisar a evolução do pensamento administrativo é pelo estudo das diversas escolas e teorias da administração que foram surgindo – e continuam a surgir – ao longo do tempo.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597019841

Glossário

OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças de Grupo Gen ePub Criptografado

A seguir, são apresentadas as definições básicas dos principais termos da administração utilizados no livro.

Ao abordar algum conceito básico, partiu-se da própria bibliografia utilizada como sustentação a este livro, bem como se trabalhou com definições próprias que, no entender do autor, se apresentam como válidas para o melhor entendimento do assunto administrativo no contexto apresentado.

Esse trabalho de pesquisa evidenciou que, acima de diferenças semânticas e terminológicas, existem profundas divergências conceituais, as quais, inclusive, não se pretendeu sanar no presente livro, por escapar aos objetivos propostos.

Algumas das conceituações apresentadas têm pequenas diferenças das evidenciadas no texto, principalmente na forma de explicar o conceito do termo administrativo, o que pode ser considerado na aplicação dos ensinamentos da administração.

Dica importante: elabore, a curto ou médio prazo, o seu glossário com todos os termos da administração com os quais esteja mais envolvido, pessoal e profissionalmente, e faça isso com as suas próprias palavras!

Ver todos os capítulos

Ver Todos

Oliveira Aristeu De (29)
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788597021929

27 FGTS: Alteração de Multa Rescisória de 40% para 50% e Contribuição de 8% para 8,5%, Durante 60 Meses

OLIVEIRA, Aristeu de Grupo Gen ePub Criptografado

A partir da competência de janeiro de 2007, as empresas voltarão a pagar 8% de contribuição ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

As empresas pagavam 8,5%, sendo 0,5% contribuição social pelos empregadores destinado aos custeios dos planos: Verão e Collor. A Lei Complementar no 110/2001 determinou que a contribuição acrescida de 0,5% seria devida por cinco anos, portanto, o recolhimento pela alíquota de 8,5% teria que ser feito até 5 de janeiro de 2007 referente a competência dezembro de 2006.

Quanto à contribuição adicional de 10%, também instituída pela Lei Complementar, permanece inalterada.

A Lei Complementar no 110, de 29 de junho de 2001, instituiu contribuições adicionais vinculadas ao FGTS, na alíquota de 10% sobre o montante dos depósitos ocorridos na vigência do contrato de trabalho incidente nas dispensas sem justa causa e de 0,5% sobre a remuneração devida a cada empregado no mês anterior.

O art. 14 da lei determinava que a mesma entraria em vigor na data da publicação e que produziria efeitos 90 dias a partir da data inicial de sua vigência para a contribuição de 10% e a partir do primeiro dia do mês seguinte ao nonagésimo dia da data de início de sua vigência para a contribuição de 0,5%.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597021929

15 Obrigações Trabalhista e Previdenciária e Guarda de Documentos

OLIVEIRA, Aristeu de Grupo Gen ePub Criptografado

1. Cadastrar no PIS, imediatamente após sua admissão ou vinculação, os empregados ainda não cadastrados, encaminhando o Documento de Cadastramento do Trabalhador (DCT); a CEF faz o cadastramento, devolvendo o comprovante em 5 dias úteis. (Ver neste livro como cadastrar no PIS, no Capítulo 7, item 7.1.)

2. Encaminhar o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados a partir de 13 de agosto de 2014, a admissão do trabalhador em percepção do Seguro-Desemprego, somente deve ser enviada no mesmo dia da data de admissão após o trabalhador ter entrado efetivamente em atividade. Das demais admissões e desligamento pode ser até o dia sete do mês subsequente ou poderão optar pelo envio juntamente com o trabalhador em percepção do Seguro-Desemprego (Vide Capítulo 14 neste livro).

3. Recolher ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), até o dia sete de cada mês, da importância paga ou devida no mês anterior, conforme preceitua art. 15, caput e § 7o, da Lei no 8.036, de 11-5-1990.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597021929

20 Seguridade e Previdência Social

OLIVEIRA, Aristeu de Grupo Gen ePub Criptografado

Quanto à Seguridade Social e Previdência Social a Constituição Federal preceitua:

“Art. 194. A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos Poderes Públicos e da sociedade, destinadas a assegurar os direitos relativos à saúde, à previdência e à assistência social.

Parágrafo único. Compete ao Poder Público, nos termos da lei, organizar a seguridade social, com base nos seguintes objetivos:

I – universalidade da cobertura e do atendimento;

II – uniformidade e equivalência dos benefícios e serviços às populações urbanas e rurais;

III – seletividade e distributividade na prestação dos benefícios e serviços;

IV – irredutibilidade do valor dos benefícios;

V – equidade na forma de participação no custeio;

VI – diversidade da base de financiamento;

VII – caráter democrático e descentralizado da administração, mediante gestão quadripartite, com participação dos trabalhadores, dos empregadores, dos aposentados e do Governo nos órgãos colegiados. 1

Ver todos os capítulos
Medium 9788597021929

8 Trabalho da Mulher

OLIVEIRA, Aristeu de Grupo Gen ePub Criptografado

A Instrução Normativa no 01, de 12-10-88 (DOU de 21-10-88), trouxe uma série de esclarecimentos sobre o trabalho da mulher e a sua jornada de trabalho, como veremos a seguir.

O artigo 5o da Constituição Federal preceitua que todos são iguais perante a lei e que não deve haver distinção de qualquer natureza.

Por outro lado, o inciso I do referido artigo preconiza que “homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações’’, sendo que o inciso XXX, do artigo 7o proíbe diferença de exercício de funções, de critério de admissão e de salários, por motivo de sexo.

Ante a esses dispositivos constitucionais, não cabe ao Poder Executivo, em especial ao Ministério do Trabalho, criar restrições ao trabalho da mulher.

Assim, no que concerne à jornada, seja quanto à hora extra ou compensação de horas, seja quanto ao trabalho noturno, aplica-se à mulher os dispositivos que regulam o trabalho masculino. Deve-se observar as restrições ao trabalho da mulher apenas quando menor.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597021929

3 Convenções Coletivas e os Acordos Coletivos (Prevalência sobre a Lei) e Reajuste Salarial

OLIVEIRA, Aristeu de Grupo Gen ePub Criptografado

A postura dos representantes das empresas, por meio de seus representantes, é determinante para o sucesso de uma convenção coletiva e/ou acordo coletivo de trabalho.

A condução do acordo coletivo ou da convenção coletiva, quando tratada com o devido profissionalismo e conhecimento, pode trazer grandes benefícios a todos envolvidos, empregados e empregadores, ampliando o dinamismo capital/trabalho, sendo uma receita de bons resultados.

Vamos estar preparados para uma convenção coletiva e o acordo coletivo que têm prevalência sobre a lei.

Ter conhecimento de todos os §§ dos artigos 611-A e 611-B.

Antes de mencionar os artigos 611-A e 611-B, vamos evocar o artigo 620, que recebeu nova redação com a reforma trabalhista.

Art. 620. As condições estabelecidas em acordo coletivo de trabalho sempre prevalecerão sobre as estipuladas em convenção coletiva de trabalho.

Para tanto, tendo um assunto mencionado em acordo coletivo de trabalho e em convenção coletiva de trabalho, prevalece o do acordo coletivo de trabalho.

Ver todos os capítulos

Ver Todos

Carregar mais