Tomasi Carolina Medeiros Jo O Bosco (11)
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788597019179

Capítulo 1 Modelos de comunicação

TOMASI, Carolina; MEDEIROS, João Bosco Grupo Gen ePub Criptografado

■ Conhecer o que é comunicação nas organizações.

■ Explicitar a importância da comunicação nas empresas.

■ Conscientizar o leitor sobre a necessidade de domínio dos conceitos do esquema da comunicação para, posteriormente, poder atuar com competência na área oral ou escrita das comunicações empresariais.

■ Mostrar ao leitor como se pode tirar proveito dos elementos do processo de comunicação, variando o foco sobre cada um deles, ou seja, explicitar como o conhecimento das funções da linguagem pode propiciar melhoria na produção textual oral e escrita.

■ Discutir com o leitor conceitos relevantes de comunicação organizacional.

1. Qual a importância da comunicação em sua vida? Que valor você dá para a comunicação com sua família, seus colegas, seus amigos?

2. Que entende por comunicação?

3. Você está desempregado e procura um emprego. Que tipo de comunicação utiliza para alcançar uma colocação?

Ver todos os capítulos
Medium 9788597019179

Capítulo 10 Condições de produção do texto

TOMASI, Carolina; MEDEIROS, João Bosco Grupo Gen ePub Criptografado

■ Conscientizar o leitor de que o texto não é uma estrutura acabada, um produto.

■ Conscientizar o leitor de que o texto é produto parcial de nossa atividade comunicativa, que compreende processos, operações e estratégias que ocorrem na mente humana e são postos em ação em situações concretas de interação social.

■ Refletir com o leitor sobre a produção textual, que é uma atividade verbal, que está a serviço de objetivos sociais e, portanto, inserida em contextos mais complexos de atividades.

■ Refletir com o leitor sobre o fato de que o texto é uma atividade intencional do falante, em conformidade com as condições sob as quais o texto é produzido.

■ Conscientizar o leitor de que a produção textual é uma atividade interacional.

1. O que você entende por texto?

2. Em tecer, temos entrelaçamento de fios; podemos então dizer que no texto há entrelaçamento de ideias? Explicite esse fato, considerando que os fios precisam estar entrelaçados e não soltos.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597019179

Capítulo 5 O texto escrito e o texto oral

TOMASI, Carolina; MEDEIROS, João Bosco Grupo Gen ePub Criptografado

■ Proporcionar ao leitor informações sobre o uso da língua oral e da língua escrita.

■ Proporcionar ao leitor condições para eliminar o preconceito de superioridade de uma modalidade linguística sobre a outra.

■ Proporcionar ao leitor possibilidade de uma nova leitura do mundo em que o preconceito linguístico não tenha vez.

■ Proporcionar ao leitor instrumentos adequados para a utilização da modalidade escrita.

■ Proporcionar ao leitor um momento de reflexão sobre a modalidade oral na produção de conhecimento.

■ Proporcionar ao leitor um momento de reflexão sobre a modalidade escrita na produção de conhecimento.

1. No mundo atual, qual modalidade de língua (oral ou escrita) goza de maior prestígio? Por quê? Que considerações faz sobre esse fato?

2. O agricultor, ainda que analfabeto, no cultivo da terra produz conhecimento? O uso da modalidade oral faz seu conhecimento ser inferior ao conhecimento produzido por cientistas? Que diz da análise que o agricultor faz de clima e solo?

Ver todos os capítulos
Medium 9788597019179

Capítulo 7 Coerência

TOMASI, Carolina; MEDEIROS, João Bosco Grupo Gen ePub Criptografado

■ Aprimorar a preocupação do leitor com a necessidade de coerência textual.

■ Discutir a relevância da coerência textual para conscientizar o leitor sobre a necessidade de produzir textos que tenham sentido.

■ Aprimorar a prática de expressões em que as ideias se relacionam harmoniosamente.

■ Praticar com o leitor a coerência textual, alertando-o sobre os perigos da incoerência.

■ Conscientizar o leitor de que coesão e coerência andam de mãos dadas.

1. Na vida, de uma pessoa que fala uma coisa e faz outra dizemos que é incoerente. Você poderia dar alguns exemplos de comportamento incoerente (na política, nos clubes de futebol, nas empresas)?

2. Que é um argumento incoerente?

3. Você poderia apresentar exemplos de texto incoerente?

4. Há argumentos que são aparentemente incoerentes, como em: “Jogamos na defesa para podermos atacar mais.” Comente essa frase.

5. Comente a frase: “Éramos 200 corredores ao todo; 50% desistiram no meio do caminho. E chegamos ao fim da corrida com 80 pessoas.”

Ver todos os capítulos
Medium 9788597019179

Capítulo 8 Procedimentos argumentativos

TOMASI, Carolina; MEDEIROS, João Bosco Grupo Gen ePub Criptografado

■ Explicitar como se dá a argumentação e informar que a própria língua dispõe de elementos que permitem a elaboração do discurso argumentativo.

■ Treinar o leitor no uso de operadores argumentativos e, dessa forma, aprimorar sua qualidade de leitura dos textos, bem como de elaboração de textos argumentativos.

■ Discutir a ideia de pressuposição e subentendidos como elementos constitutivos da argumentação.

■ Conscientizar o leitor de que não há discurso sem persuasão.

■ Refletir sobre o discurso persuasivo na sociedade, nas organizações, no quotidiano.

1. Você tem o costume de refletir sobre os argumentos de seus interlocutores, ou presta atenção nos argumentos das pessoas enquanto elas estão expondo suas ideias? Tem o costume de dar razão a elas quando estão certas, ou as rebate sempre?

2. Como é um argumento irrespondível para você?

3. Você presta atenção nos argumentos usados numa propaganda?

Ver todos os capítulos

Ver Todos

Tachizawa Takeshy (20)
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788597021899

Capítulo 18 Indicadores de Gestão Aplicados às ONGs

TACHIZAWA, Takeshy Grupo Gen ePub Criptografado

Sugere-se que sejam definidos indicadores de gestão para monitoramento das atividades das ONGs, e que possam ser estruturados como uma relação entre duas variáveis, na forma de numerador e denominador, em que os atributos e valores sejam factíveis de medição.

Conceitualmente, pode-se dizer que um modelo de gestão de ONGs depende de medição, informação e análise de suas atividades organizacionais. As medições precisam ser decorrência das estratégias da organização, com informações necessárias para avaliação e melhoria de seu desempenho, e incluem, entre outras, as relacionadas com o benchmarking, ou referenciais de excelência.

O estado-da-arte da gestão de ONGs pode ser entendido como um modelo em que um de seus elementos estruturais é a chamada inferência científica. Esse elemento responde pelo modo como as decisões acontecem e impactam o meio ambiente, as quais são baseadas em fatos, dados e informações quantitativas. A premissa adotada é de que o que não pode ser medido não pode ser avaliado e, consequentemente, não há como decidir sobre ações a tomar.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597021899

Capítulo 10 Empresas de Serviços Financeiros

TACHIZAWA, Takeshy Grupo Gen ePub Criptografado

Este setor econômico abrange organizações como bancos, seguradoras, financeiras, crédito imobiliário, leasing, corretoras e distribuidoras de valores, que se caracterizam por:

a) existência de barreiras institucionais e governamentais à entrada de novas empresas;

b) elevada regulamentação estatal;

c) a competição básica é via lançamento de novos serviços financeiros, em busca da conquista de novos clientes;

d) significativo volume de investimento e de capital para entrada no setor.

É um setor cuja rentabilidade das empresas que o compõem está diretamente vinculada às macropolíticas econômicas, em que períodos de alta inflacionária estão associados a altas margens de rentabilidade, ou alternativamente, em períodos normais da economia, rentabilidade baseada na intermediação financeira e expansão de suas operações normais.

O incremento das fusões e aquisições de empresas, captação de recursos externos, bem como a tendência de privatização da economia, influenciam sobremaneira o desempenho de todo o setor.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597021899

Capítulo 1 Reflexões sobre as ONGs e o Terceiro Setor

TACHIZAWA, Takeshy Grupo Gen ePub Criptografado

As organizações não governamentais sem fins lucrativos de finalidade ambiental, social, cultural e afins, ou organizações que caracterizam o Terceiro Setor, segundo a revista Exame (2019), movimentavam mais de US$ 1 trilhão em investimentos no mundo, sendo cerca de US$ 10 bilhões deles no Brasil, o equivalente a 1,5% do PIB.

Os investimentos sociais do México (0,5% de seu PIB), da Argentina (0,3%), do Peru (2%) e da Colômbia (2,1%) equivalem aos do Brasil (1,5%), mas estão distantes dos da Bélgica, que aplica 9,5% de seu PIB.

Estima-se que o número de entidades que compõem o Terceiro Setor seja superior a 540 mil, incluindo ONGs, fundações, associações civis e unidades assistenciais.

Esse número é certamente maior, pois escapam às estatísticas as pequenas organizações, as instituições religiosas e os indivíduos voluntários, não formalmente registrados, que promovem ações sociais na comunidade e que também integram o setor. O Terceiro Setor gera 5% dos empregos no mundo e 2,5% dos postos de trabalho no Brasil.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597021899

Capítulo 15 Parcerias e Gestão com Pessoas

TACHIZAWA, Takeshy Grupo Gen ePub Criptografado

Vive-se, atualmente, segundo Barreira (2001), um período em que a sociedade tem sido chamada a colaborar de forma crescente, associações entre organizações da sociedade civil evoluem e, entre elas, organizações governamentais também crescem.

Quando esforços são somados e juntam-se conhecimentos e recursos, ampliam-se as possibilidades de atuação. A busca por parcerias e a construção de alianças têm sido pouco exploradas, embora sejam necessárias.

Quando se fala em parcerias, é comum pensar em como cada parceiro manterá sua identidade em um projeto comum, quais são as responsabilidades e limites de cada um e como trabalhar sem perder a autonomia. A questão da identidade e da autonomia de cada parceiro adquire grande relevância.

A parceria é uma arte; construí-la envolve habilidades e talento. É preciso respeitar cada um dos componentes envolvidos e verificar claramente o que não está sendo exposto nas conversas iniciais. É preciso saber ouvir e habilmente descobrir pontos de identidade e espaços nos quais a soma dos talentos e das possibilidades individuais resultará em benefício para todos os participantes.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597021899

Capítulo 6 Empresas da Indústria Semiconcentrada

TACHIZAWA, Takeshy Grupo Gen ePub Criptografado

Corresponde a uma estrutura de mercado inerente às empresas tradicionais, ou da indústria semiconcentrada, produtora de bens como: alimentos; têxtil; confecções; metalurgia; plásticos e borracha; madeira e móveis.

Tal setor tem por características:

a) baixo grau de concentração sem participação majoritária de nenhuma empresa, apesar de eventual existência de poucas empresas de significativo porte;

b) pouca diferenciação de produtos por parte das empresas que são extremamente dependentes da taxa de crescimento de emprego, como produtoras de bens consumidos por assalariados;

c) barreira à entrada constituída pelo restrito acesso à rede de distribuição e comercialização, em que intermediários e atacadistas detêm alto poder de negociação.

É um setor da economia que, dada a atuação das variáveis ambientais, sofre influência negativa da abertura de mercado, coerente à tendência de globalização da economia. Esse setor é altamente influenciável às políticas e medidas sociais estabelecidas pelo governo.

Ver todos os capítulos

Ver Todos

Salotti Bruno Meirelles Et Al (17)
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788597021936

16 Demonstração dos Fluxos de Caixa

SALOTTI, Bruno Meirelles et al. Grupo Gen ePub Criptografado

Braskem prevê que a geração de caixa deve crescer em 2018 quando comparada à de 2017. De acordo com o presidente da Petroquímica, Fernando Musa, a Braskem teve impactos negativos que afetaram a geração de caixa em 2017 que não devem se repetir esse ano, ajudando na melhora dos números.

‘Devemos ter taxa de juros menor, menores pagamentos de impostos por causa da reforma tributária nos Estados Unidos, o capex deve ser maior e, em geral, o fluxo de caixa livre deve ser maior’, disse Musa.

No entanto, a projeção para o Ebitda (resultado antes de juros, impostos, depreciação e amortização), é de retração na comparação anual.

Musa comentou que a projeção de demanda por resinas no Brasil foi revista de uma alta de 5% para um desempenho de 3 a 4% e que a demanda no país deve recuperar--se ao longo do segundo semestre.”

Fonte: Adaptado de MAIA, Camila. Valor Econômico, 9 ago. 2018.

OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM DO CAPÍTULO

Após estudar este capítulo, você será capaz de:

Ver todos os capítulos
Medium 9788597021936

10 Ativo Imobilizado

SALOTTI, Bruno Meirelles et al. Grupo Gen ePub Criptografado

A Telefônica Brasil, dona da marca Vivo, registrou lucro líquido de R$ 1,2 bilhão no balanço do quarto trimestre de 2016, crescimento de 9% em relação ao mesmo período de 2015. No ano, o lucro atingiu R$ 4,08 bilhões, alta de 22,6% na comparação anual.

(...)

A companhia atribuiu a evolução do lucro à menor depreciação, devido à reavaliação da vida útil de ativos imobilizados.”

Fonte: SANTANA, Ivone. Valor Econômico, 21 fev. 2017.

Beneficiada por uma série de fatores sem relação direta com suas operações, a empresa de engenharia e construção do grupo Techint no Brasil viu seu lucro líquido passar de R$ 572 mil, em 2015, para R$ 6,02 milhões, no ano passado. As ajudas vieram principalmente da venda de máquinas e equipamentos para outras empresas do grupo e de menos imposto pago.

(...) A linha de ‘outras receitas’ do balanço cresceu 275% – de R$ 2,72 milhões, passou para R$ 10,19 milhões. Desse total, R$ 9,1 milhões dizem respeito a venda de imobilizado, com R$ 8,1 milhões para outras companhias no mesmo grupo. É uma estratégia, segundo as notas explicativas do balanço, de ‘readequar e realocar máquinas e equipamentos estratégicos’ (...).”

Ver todos os capítulos
Medium 9788597021936

1 Introdução à Contabilidade Financeira

SALOTTI, Bruno Meirelles et al. Grupo Gen ePub Criptografado

Preços voláteis e baixa liquidez deixam o mercado financeiro especialmente mais conturbado e tornam ainda mais importante para as empresas apresentar balanços transparentes e confiáveis, bons sistemas de governança e controles internos (compliance) para vencer a resistência de bancos e investidores e conseguir captar recursos.

[...] O ponto de partida do processo é a contabilidade: os registros financeiros devem se transformar em informações contábeis e serem traduzidos de modo a serem compreendidos pelos diferentes participantes do mercado – acionistas, investidores, credores e demais stakeholders. As informações devem retratar não apenas a situação da empresa no momento, mas também suas perspectivas futuras, a conjuntura em que está inserida e como afeta o mercado e a sociedade.

[...] A preocupação com a transparência está disseminada também entre as médias e familiares que sabem que não vão chegar longe apenas com as tradicionais declarações de faturamento e buscam a melhoria dos processos contábeis e da forma de apresentação das informações para acionistas, agentes financiadores e fundos de investimento.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597021936

2 Posição Financeira: O Balanço Patrimonial

SALOTTI, Bruno Meirelles et al. Grupo Gen ePub Criptografado

Faça chuva ou faça sol na economia do país, quem trabalha com contabilidade parece estar sempre a salvo de turbulências. Mas toda essa lendária estabilidade da carreira não se traduz em ausência de novidades – ou de mudanças.

A chegada de novas tecnologias está alterando a antiga profissão, e quem não acompanhar esse ritmo acabará ficando para trás. Foi-se o tempo em que o contador era o mero encarregado de registrar manualmente em livros cada ocorrência contábil do negócio. As atividades burocráticas da área passaram a ser cada vez menos feitas por humanos com a chegada da informática e, mais tarde, dos softwares especializados.

O profissional deixou de produzir os dados e passou a analisá-los, com o objetivo de prever o impacto contábil de cada decisão de negócios. Nesse sentido, deixou de olhar para o passado da empresa – o dinheiro que entrou e que saiu no mês anterior, por exemplo –, e passou a fazer projeções para seu futuro.

A automatização de processos em contabilidade transformou um trabalho burocrático em analítico, o que também abriu espaço para que ele pudesse se tornar gerencial: há anos, grandes empresas já contam com a figura do CAO (Chief Accounting Officer), uma posição de diretoria alternativa à do tradicional CFO (Chief Financial Officer).”

Ver todos os capítulos
Medium 9788597021936

17 Demonstração do Valor Adicionado

SALOTTI, Bruno Meirelles et al. Grupo Gen ePub Criptografado

Da riqueza gerada pelas cem maiores companhias abertas do país por valor de mercado em 2009, que somou R$ 558 bilhões, as três esferas de governo abocanharam 45% na forma de impostos, contribuições e taxas. As empresas retiveram 13,5% do total para engordar seu patrimônio e distribuíram 9,5% aos acionistas na forma de juros sobre capital próprio e dividendos. Os funcionários ficaram com 20% e os credores, com 12%.

Os dados foram coletados pelo Valor a partir da Demonstração do Valor Adicionado, peça que se tornou obrigatória nos balanços das companhias abertas com a edição da Lei no 11.638/07, que mudou a contabilidade no país.

Grosso modo, trata-se da contribuição empresarial para o Produto Interno Bruto (PIB), já que o valor adicionado nada mais é do que o faturamento bruto de uma empresa menos os custos com insumos adquiridos de terceiros, como matérias-primas, mercadorias e energia (…).

A nova demonstração obrigatória vem preencher uma lacuna de informações ‘sociais’ nos balanços das empresas. Para o professor Ariovaldo dos Santos, da Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras (Fipecafi), a demonstração de resultados, que mostra as receitas, custos, despesas e o lucro é ‘egoísta e só serve para o dono da empresa’, porque o lucro é apenas uma parte da riqueza gerada pela companhia.”

Ver todos os capítulos

Ver Todos

S Ant Nio Lopes De (12)
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788597021905

2 Plano de trabalho em perícia contábil

SÁ, Antônio Lopes de Grupo Gen ePub Criptografado

Conhecido o trabalho que deve executar e a opinião que deve emitir em cada questão ou quesito formulado, o perito deve traçar, com antecedência a maneira de executar as tarefas e os pontos que deve tanger, inclusive os correlatos.

Essa “previsão de tarefas”, baseada nas questões propostas, constitui o plano de trabalho.

O plano é um guia a ser seguido, de forma organizada e harmônica, com as reflexões necessárias e as medidas que devem ser tomadas em cada quesito ou questão.

Para conseguir tal plano, é preciso seguir etapas. Dependendo da classe de perícia a realizar, traça-se a metodologia. Um plano depende de:

1. Pleno conhecimento da questão (se for judicial, pleno conhecimento do processo).

2. Pleno conhecimento de todos os fatos que motivam a tarefa.

3. Levantamento prévio dos recursos disponíveis para exame.

4. Prazo ou tempo para a execução das tarefas e entrega do laudo ou parecer.

5. Acessibilidade aos dados (se depende de muitos locais, com deslocamentos, burocracias etc.).

Ver todos os capítulos
Medium 9788597021905

7 Fraudes em contabilidade

SÁ, Antônio Lopes de Grupo Gen ePub Criptografado

Muito são os casos, em perícia contábil, em que se faz necessário examinar com o objetivo de detectar fraudes. O conhecimento de fraude, pois, pelo perito, é condição essencial de cultura.

Existem processos na justiça, assim como muitos são os inquéritos administrativos que requerem o exame já direcionado para encontrar a fraude (nesta obra já exemplificamos alguns casos).

Fraudes contra sócios, contra herdeiros, contra o fisco, contra credores etc. são praticadas e os peritos são chamados para identificá-las.

Uma falência pode ser preparada, a partir de simulações, desviando o Ativo e aumentando o Passivo, com o intuito de prejudicar credores, herdeiros etc. Essa é a razão de tratarmos do assunto neste capítulo, mesmo que de forma sucinta (mais detalhes podem ser encontrados em nossa obra especializada: Corrupção, fraude e contabilidade, Antônio Lopes de Sá e Wilson Alberto Zappa Hoog. 6. ed. Curitiba: Juruá, 2017.)

É preciso fazer distinção entre fraude e erro, em Contabilidade.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597021905

8 Instituto da prova contábil no Código Civil brasileiro

SÁ, Antônio Lopes de Grupo Gen ePub Criptografado

A perícia é considerada instrumento de prova para efeitos judiciais. O Código Civil brasileiro volta a confirmar a qualidade referida em seu art. 212:

“Salvo o negócio a que se impõe forma especial, o fato jurídico pode ser provado mediante:

I – confissão;

II – documento;

III – testemunha;

IV – presunção;

V – perícia.”

A perícia, todavia, deve observar, para suas conclusões, as restrições feitas pelo referido Código, quanto à força que devem ter os elementos que conduzem à opinião técnica, ou, ainda, aquela que alimenta a conclusão do profissional. Ou seja, é preciso considerar o que estabelecem os artigos seguintes ao 212.

A perícia, pois, é prova, mas deve alimentar-se de “evidências” essenciais, efetivas, inequívocas e formalmente sustentáveis.

Não é lógico nem aceitável, portanto, admitir que tal peça

“contábil” não esteja em perfeita consonância com todos os dispositivos legais, condições técnicas contábeis e resguardada por uma ética rigorosa. Quando cabível, o que representa 99% das hipóteses, todo o laudo deve ser fundamentado em documentos e na doutrina.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597021905

11 Perícia e o Código do Processo Civil

SÁ, Antônio Lopes de Grupo Gen ePub Criptografado

O CPC/2015 trata da aplicação das normas processuais fundamentais. A reprodução parcial do Código de Processo Civil de 2015, que se segue, permite a visualização dos principais artigos vinculados à perícia contábil:

“Art. 95. Cada parte adiantará a remuneração do assistente técnico que houver indicado, sendo a do perito adiantada pela parte que houver requerido a perícia ou rateada quando a perícia for determinada de ofício ou requerida por ambas as partes.

§ 1o O juiz poderá determinar que a parte responsável pelo pagamento dos honorários do perito deposite em juízo o valor correspondente.

§ 2o A quantia recolhida em depósito bancário à ordem do juízo será corrigida monetariamente e paga de acordo com o art. 465, § 4o.

§ 3o Quando o pagamento da perícia for de responsabilidade de beneficiário de gratuidade da justiça, ela poderá ser:

I – custeada com recursos alocados no orçamento do ente público e realizada por servidor do Poder Judiciário ou por órgão público conveniado;

Ver todos os capítulos
Medium 9788597021905

10 Arbitragem, mediação, conciliação e negociação

SÁ, Antônio Lopes de Grupo Gen ePub Criptografado

A Lei n. 9.307/1996 é a que regula a arbitragem no Brasil. E, pela sua importância, a Portaria n. 60/2011 do CFC criou, no âmbito do sistema CFC, CRCs, um grupo de estudo sobre mediação e arbitragem, para divulgar essa forma alternativa, moderna e adequada para a solução de conflitos.

Admite-se a arbitragem como uma forma adequada de solução de conflitos quando a demanda envolve direitos patrimoniais disponíveis.

A arbitragem é um importante segmento de mercado para os profissionais de Contabilidade, seja no âmbito das relações internacionais, seja na solução de conflitos internos. E, pela sua importância, torna--se necessário que sejam comentados os aspectos fundamentais para a sua difusão, a fim de viabilizar mais essa importante atividade para os contadores.

A arbitragem possibilita uma solução rápida às demandas, sendo de natureza sigilosa, entre outras notáveis vantagens em relação ao Poder Judiciário, que é formal, com muitos recursos e instâncias que o tornam lento, com processos que se arrastam por anos, algumas vezes até por décadas.

Ver todos os capítulos

Ver Todos

Ramal Andrea (5)
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788597023008

Capítulo 5 Tendíncias

RAMAL, Andrea Grupo Gen ePub Criptografado

Faltavam menos de três meses para as eleições presidenciais de 2014 e a imprensa noticiava que, dos 142,8 milhões de brasileiros que iriam votar, 1,6 milhão tinha 16 ou 17 anos, o que representava 1,1% do total, segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Era o mais baixo percentual apresentado no Brasil em 20 anos.

No acontecimento mais importante e decisivo do ano, as eleições, apenas 25% dos brasileiros entre 16 e 17 anos irão votar. A grande maioria não tirou o título de eleitor. Desde 2006, a participação dos jovens dessa faixa etária vem diminuindo cada vez mais.

De fato, o baixo envolvimento da juventude com a política é um fenômeno constatado em diversos países, como o Chile, a Argentina, a Espanha, para citar alguns. As razões são diversas e o assunto exige análises mais complexas do que é possível fazer aqui. Mas quero propor o debate: a participação política dos jovens é estimulada ou, por outro lado, reduzida pela educação que recebem em casa e na escola?

Ver todos os capítulos
Medium 9788597023008

Capítulo 2 Atualidades e Educação

RAMAL, Andrea Grupo Gen ePub Criptografado

No dia 13 de agosto de 2014, o candidato a presidente nas eleições de 2014 Eduardo Campos morria tragicamente num acidente de avião. Apesar da comoção geral da nação, era possível encontrar muitos comentários satíricos nas redes sociais, na forma de memes e outros.

Quase tão chocantes quanto a morte trágica de Eduardo Campos são os conteúdos desrespeitosos que rapidamente se espalharam pela web: piadas de mau gosto, teorias da conspiração, dedos apontando “culpados”, tudo em questão de minutos após o acontecido.

Isso vem ocorrendo com cada vez mais frequência nas redes sociais, seja qual for o acidente ou a tragédia da vez.

Como explicar tais reações, tanto de quem cria como de quem aplaude e dissemina esse tipo de conteúdo disfarçado de humor?

Incapacidade de se colocar no lugar de quem sofre, gosto pelo que é bizarro e infame, curtição da desgraça alheia, indiferença absoluta pela vida e o sofrimento humanos?

Gostaria de convidar os pais a refletir: de que educação precisamos para reforçar outros valores, sobretudo neste momento da cibercultura, em que poderosas e velozes tecnologias digitais estão a nosso alcance e podem ser usadas com qualquer finalidade?

Ver todos os capítulos
Medium 9788597023008

Capítulo 4 Ser Professor no Brasil

RAMAL, Andrea Grupo Gen ePub Criptografado

Dia 11 de agosto de 2014: o ator Robin Williams morria, vítima de suicídio. Em meio à comoção geral, como não pensar na sua enorme contribuição para refletir sobre a renovação na escola, com seu personagem John Keating, professor no filme Sociedade dos poetas mortos?

Quando Robin Williams interpretou um professor de literatura nada tradicional, em Sociedade dos poetas mortos (1989), ajudou a popularizar a discussão sobre as formas de ensinar.

O filme conta a história de um mestre, John Keating, que dá aula numa escola muito conservadora. Com métodos bastante inusitados, ele estimula os estudantes a contestar, posicionar-se, pensar livremente e, sobretudo, lutar pelas suas paixões. “Carpe diem” (aproveite o dia), diz aos estudantes. “Tornem as suas vidas extraordinárias.” As lições do professor mudam a vida desses jovens para sempre. Mas o método choca os dirigentes da escola e ele sofre duras represálias. Para culminar, um dos alunos, que desejava seguir a carreira de artista e é impedido pelo pai, acaba se suicidando para não renunciar aos seus sonhos.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597023008

Capítulo 1 Educação no País

RAMAL, Andrea Grupo Gen ePub Criptografado

A partir de 2008, a Filosofia se tornou disciplina obrigatória no currículo do ensino médio, conforme a Lei Federal no 11.684/2008, válida para escolas públicas e privadas. No entanto, seis anos depois, ela ainda não estava adequadamente implementada.

Sua presença no currículo é lei, mas nem todas as escolas conseguem incorporá-la como deveriam. E, ainda assim, isso acontece só no ensino médio, quando deveria ser desde a infância. Mais tarde, no mundo acadêmico, sentem-se claramente as lacunas que a sua ausência deixa no pensamento dos jovens. Estou falando dela: a Filosofia.

Questões importantes que a humanidade se coloca desde a Grécia Antiga deveriam ser trabalhadas na escola, com crianças – com as devidas adaptações. A série inglesa da BBC What makes me?, pós-produzida pela MultiRio e veiculada pelo Canal 26 da Net, é uma prova disso. Nela, animações baseadas em histórias clássicas como o barco de Teseu ou a fábula do sapo e o escorpião servem como introdução ao pensar e estimulam novas formas de olhar o mundo.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597023008

Capítulo 3 Conversas com os Pais

RAMAL, Andrea Grupo Gen ePub Criptografado

Em plena Copa do Mundo de 2014, disputada no Brasil, meu blog começava no G1. Brasil avançava bem: havia passado das oitavas de final vencendo o Chile nos pênaltis, e se preparava para as quartas de final, quando iria enfrentar – e vencer – a Colômbia.

Olá! Esta coluna é um espaço para conversar sobre educação com pais, mães e todos aqueles que, de algum modo, estão envolvidos na formação de crianças e jovens. Será muito bom encontrá-los por aqui toda semana.

Convido você a deixar comentários que possam ampliar o tema tratado e a oferecer suas experiências a outros pais. Mande suas perguntas, poderei respondê-las em outros artigos ;-)

E em ritmo de Copa do Mundo, você já pensou que esse evento pode ser uma ótima oportunidade para educar seu filho para a cidadania? Vou propor algumas maneiras de fazer isso.

Em primeiro lugar, estimule seu filho a observar como se comportam os jogadores. Cada ato de um ídolo é uma forma de dizer às crianças e jovens como deveria ser o mundo.

Ver todos os capítulos

Ver Todos

Carregar mais