Lvaro De Azevedo Gonzaga Karina Penna Neves Roberto Beijato J Nior (40)
Título Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta

15 - PIS/PASEP e COFINS: estrutura básica

PDF Criptografado

15

PIS/PASEP e COFINS: estrutura básica

OBJETIVO DO CAPÍTULO

Trazer ao leitor, de forma menos árida possível, a complexa legislação que disciplina a cobrança das contribuições para o PIS/PASEP e a COFINS.

Ao final deste longo capítulo, o leitor poderá: a. Conhecer o histórico do PIS e da COFINS, sua atual destinação e os motivos que impedem uma unificação entre as duas contribuições e entre elas e os demais tributos cobrados sobre o consumo de bens e serviços. b. Entender os motivos para os principais litígios judiciais envolvendo as contribuições. c. Diferenciar os métodos existentes: cumulativo e não cumulativo, entendendo a integração destes métodos com a forma escolhida para tributação sobre o lucro pela empresa. d. Identificar as muitas empresas que seguem o modelo misto de tributação, com parte das receitas tributadas pelo método cumulativo e parte pelo método não cumulativo. e. Conhecer os casos de tributação monofásica e os muitos incentivos fiscais existentes para diversos setores da atividade econômica.

Ver todos os capítulos

19 - O sistema previdenciário brasileiro e os encargos sociais

PDF Criptografado

19

O sistema previdenciário brasileiro e os encargos sociais

OBJETIVO DO CAPÍTULO

Apresentar ao leitor um breve histórico do sistema previdenciário brasileiro e informar os encargos sociais cobrados das empresas, representando a parcela que compõe o chamado Custo Brasil para a contratação de mão de obra. Ao final do capítulo, será possível: a. Compreender por que a Previdência Social tornou-se tão deficitária. b. Entender a composição dos diversos encargos sociais cobrados das pessoas físicas e jurídicas, compreendendo um pouco como funciona e como se calcula o tão falado Custo Brasil.

PEGAS.indb 299

3/16/17 5:31 PM

300

19.1

Capítulo 19

ASPECTOS INTRODUTÓRIOS

A Previdência Social é o seguro social para a pessoa que contribui. Trata-se de uma instituição pública que tem como objetivo reconhecer e conceder direitos aos seus segurados. A renda transferida pela Previdência

Social é utilizada para substituir a renda do trabalhador contribuinte, quando ele perde a capacidade de trabalho, seja por doença, invalidez, idade avançada, morte e desemprego involuntário, ou mesmo a maternidade e a reclusão.

Ver todos os capítulos

37 - Declaração de bens

PDF Criptografado

37

Declaração de bens

OBJETIVO DO CAPÍTULO

Apresentar um dos pontos mais importantes da declaração anual de ajuste: a declaração de bens. Ao final deste capítulo, será possível: a. Identificar os bens que devem ser declarados e aqueles que não precisam ser informados na declaração de ajuste anual (DAA). b. Calcular corretamente o IR sobre ganhos de capital, principalmente na venda de imóveis.

PEGAS.indb 525

3/16/17 5:31 PM

526

Capítulo 37

37.1 DECLARAÇÃO DE BENS

A declaração de bens é importantíssima para justificar a evolução patrimonial dos contribuintes. Representa uma informação tão relevante que, independentemente do modelo escolhido, se simplificado ou completo, deverá ser apresentada de forma detalhada. Mesmo sem rendimento tributável, é obrigado a fazer a declaração de imposto de renda o contribuinte com bens acima de R$ 300 mil.

37.2

BENS QUE DEVEM SER DECLARADOS

Os bens e direitos que devem ser declarados são os seguintes: a. imóveis, veículos automotores, embarcações e aeronaves, independentemente do valor de aquisição; b. outros bens móveis e direitos de valor de aquisição unitário a partir de R$ 5.000,00; c. saldos de conta-corrente bancária, caderneta de poupança e demais aplicações financeiras, de valor individual superior a R$ 140,00 no final do ano; e d. conjunto de ações, quotas ou quinhão de capital de uma mesma empresa, negociadas ou não em bolsa de valores, e de ouro, ativo financeiro, cujo valor de aquisição unitário seja igual ou superior a R$ 1.000,00.

Ver todos os capítulos

12 - Imposto sobre operações relativas a circulação de mercadorias e serviços de transporte intermunicipal e interestadual e de comunicações – ICMS

PDF Criptografado

12

IMPOSTO SOBRE OPERAÇÕES

RELATIVAS A CIRCULAÇÃO DE

MERCADORIAS E SERVIÇOS DE

TRANSPORTE INTERMUNICIPAL

E INTERESTADUAL E DE

COMUNICAÇÕES – ICMS

OBJETIVO DO CAPÍTULO

Apresentar a estrutura conceitual do ICMS, com enfoque na aplicação de alíquotas internas e interestaduais e no registro contábil. Ao final do capítulo, será possível: a. Conhecer o texto constitucional, entendendo a lógica do imposto estadual com amarrações no texto federal. b. Identificar os elementos fundamentais do ICMS, como contribuintes, fato gerador e base de cálculo. c. Definir adequadamente a utilização de alíquotas, tanto nas operações internas como nas interestaduais, incluindo a aplicação da

Emenda Constitucional no 87/96. d. Compreender a importância do registro contábil do imposto ao longo das cadeias produtivas, considerando o modelo tradicional e o modelo moderno, integrado com as normas internacionais de contabilidade.

PEGAS.indb 177

3/16/17 5:31 PM

Ver todos os capítulos

11 - IPI – Imposto sobre produtos industrializados

PDF Criptografado

11

IPI – Imposto sobre Produtos

Industrializados

OBJETIVO DO CAPÍTULO

Discorrer de forma geral sobre o IPI, trazendo as principais regras aplicáveis a este imposto federal. Ao final do capítulo, será possível ao leitor: a. Ter uma noção geral do IPI, seu fato gerador, base de cálculo e sistema de créditos. b. Contabilizar o IPI, tanto em empresas industriais como nas empresas comerciais.

PEGAS.indb 165

3/16/17 5:31 PM

166

Capítulo 11

11.1 CRÉDITOS PARA RODOLFO CASTRO E

ARNAUD SILVA

O IPI é o imposto que menos acompanho dentre os impostos sobre a renda e o consumo. Para escrever este capítulo, contei com a preciosa colaboração de dois grandes professores: o meu amigo, Mestre Rodolfo Castro Sousa Filho, companheiro de cursos de

Pós-Graduação, onde lecionamos as disciplinas de

Contabilidade Tributária; e o Professor Arnaud Silva, que também atua na área tributária, uma simpatia em pessoa. O sincero agradecimento a Rodolfo e Arnaud pelo material cedido, base para desenvolvimento deste capítulo, o que não me exime de responsabilidade por eventuais erros aqui cometidos.

Ver todos os capítulos

Ver Todos

Ademir Clemente Alceu Souza (15)
Título Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta

7 Absorção integral: métodos direto e recíproco

PDF Criptografado

7

Absorção integral: métodos direto e recíproco

O objetivo deste capítulo é mostrar a operacionalização dos

Métodos Direto e Recíproco para transferência dos CIFs dos Centros

Auxiliares para os Centros Produtivos.

Como visto no Capítulo 6, o Custeio por Absorção compreende três estágios até chegar ao custo unitário de produção. O primeiro estágio, referente

à construção e preenchimento do Mapa de Localização dos CIFs, é o mesmo independentemente do método de transferência dos CIFs. Viu-se também que o segundo estágio, envolvendo a transferência dos CIFs dos Centros Auxiliares

(CAs) aos Centros Produtivos (CPs), deve ser realizado segundo critérios de rateio decorrentes da observação e da análise do processo produtivo e que existem três métodos de transferência: gradativo, direto e recíproco. O terceiro estágio, em que se efetua a apropriação dos CIFs aos produtos, também independe do método de transferência.

7.1

Transferência de CIFs dos CAs para os CPs pelo método direto

Ver todos os capítulos

11 Análise custo-volume-lucro

PDF Criptografado

11

Análise custo-volume-lucro

O objetivo deste capítulo é apresentar uma das ferramentas gerenciais mais utilizadas, que é a análise da relação entre volume, custo e lucro. Essa análise permite avaliar os resultados em relação a metas estabelecidas. Mostra-se, também, que o Grau de Comprometimento da Receita (GCR), derivado dessa análise, é um indicador importante para a análise de viabilidade de projetos.

A sobrevivência de um empreendimento depende diretamente de sua capacidade de gerar lucro. O lucro de um produto, em última instância, é formado pela diferença entre o preço de venda e o seu custo unitário, que deve incorporar todos os custos e despesas realizados. Mais importante do que o custo unitário é a margem de contribuição unitária dada pela diferença entre o preço de venda e o custo variável unitário. É a partir dessa informação que se estima o volume mínimo necessário para que a empresa opere numa faixa lucrativa.

A análise da relação custo-volume-lucro (CVL) busca apresentar o comportamento dos custos e do lucro em função do nível de atividade. Mais especificamente, a análise da relação custo-volume-lucro considera os custos e as receitas como funções do nível de produção vendida em certo período. Essa relação proporciona informações valiosas sobre a estrutura de custos e o risco operacional da empresa. A Figura 11.1 apresenta o comportamento típico das variáveis envolvidas na relação custo-volume-lucro.

Ver todos os capítulos

3 Classificação dos custos

PDF Criptografado

3

Classificação dos custos

O objetivo deste capítulo é mostrar que a classificação dos custos, mais do que uma discussão contábil, visa atender a necessidades gerenciais distintas das fases de projeto e de operação dos empreendimentos. Mostra-se também que o uso que se quer fazer da informação de custo é determinante para a sua classificação.

Conforme a finalidade, os custos podem ser classificados de diferentes maneiras: quanto à forma de apropriação ao produto; quanto ao volume de produção; quanto ao valor de registro; quanto à forma de acumulação e quanto ao objeto de custeio.

3.1

Quanto à forma de apropriação aos produtos

Diretos

Indiretos

Quanto à forma de apropriação aos produtos, os custos podem ser classificados em diretos ou indiretos. Classificam-se como custos diretos todos os que forem fácil e confiavelmente contáveis por unidade de produto. Um exemplo de custo direto é a matéria-prima. Se os atributos de facilidade de contagem e de

Ver todos os capítulos

13 Custeio Baseado em Atividades (ABC)

PDF Criptografado

13

Custeio Baseado em

Atividades (ABC)

O objetivo deste capítulo é apresentar e discutir os fundamentos do Custeio ABC e indicar, de forma ilustrativa, algumas aplicações.

Para facilitar, são feitas algumas comparações com o Custeio por

Absorção.

13.1

Origem do ABC

No início do século passado, quando os sistemas tradicionais de custeio foram desenvolvidos, os custos indiretos de fabricação eram residuais em comparação com os custos de mão de obra direta e de material direto.

As novas tecnologias de produção e de gestão alteraram substancialmente a estrutura de custo dos produtos e se refletiram em aumento generalizado dos custos indiretos de fabricação – CIFs a ponto de, atualmente, esses custos serem os mais representativos para boa parte da indústria. Como consequência, os métodos tradicionais de alocação dos CIFs – horas-MOD e horas-máquina – se revelam inadequados para mensurar a quantidade de recursos efetivamente consumidos pelos produtos.

Ver todos os capítulos

6 Custeio por absorção: integral

PDF Criptografado

6

Custeio por absorção: integral

O objetivo deste capítulo é mostrar a operacionalização das fases do custeio por absorção com ênfase no método gradativo para transferir os custos indiretos de fabricação entre os centros auxiliares e produtivos e destes aos produtos. Destacam-se também análises gerenciais relevantes para o processo decisório.

O Custeio por Absorção é o método recomendado pela legislação brasileira.

Atende à Lei no 6.404/76, conhecida com Lei das Sociedades por Ações, ao

Decreto-lei no 1.598/77 e ao Decreto no 3.000/99.

O Decreto-lei no 1.598/77 assim estabelece:

“Art. 13 O custo de aquisição de mercadorias destinadas à revenda compreenderá os de transporte e seguro até o estabelecimento do contribuinte e os tributos devidos na aquisição ou importação.

§ 1o O custo de produção dos bens ou serviços vendidos compreenderá, obrigatoriamente: a) o custo de aquisição de matérias-primas e quaisquer outros bens ou serviços aplicados ou consumidos na produção, observado o disposto neste artigo; b) o custo do pessoal aplicado na produção, inclusive de supervisão direta, manutenção e guarda das instalações de produção; c) os custos de locação, manutenção e reparo e os encargos de depreciação dos bens aplicados na produção;

Ver todos os capítulos

Ver Todos

Adriana Moreira Amado (10)
Título Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta

2. Moeda, Crédito e Crescimento Econômico

PDF Criptografado

Capítulo 2

Moeda, Crédito e Crescimento Econômico

A análise do crédito e de seu papel no processo de desenvolvimento dos países nos remete a uma discussão mais ampla sobre o papel da moeda. Os bancos, ao estenderem o crédito, acabam exercendo um impacto significativo na oferta de moeda e na liquidez da economia.

Há enorme controvérsia em teoria econômica acerca do papel da moeda no sistema econômico e na dinâmica de acumulação. Algumas correntes afirmam que a moeda não desempenha nenhum papel na definição da trajetória de crescimento de determinada economia. Outras afirmam que não se pode compreender perfeitamente essas trajetórias sem a análise detalhada da moeda e de como os agentes econômicos se relacionam com ela a cada momento.

Um primeiro grupo de teorias trabalha com a idéia de que a moeda e o crédito não afetam o crescimento real

39

Noções de Macroeconomia

da economia, enquanto um segundo grupo observa que a moeda interfere na trajetória do crescimento econômico. Na classificação das escolas de pensamento econômico utilizada no capítulo anterior, os neoclássicos acham que a moeda não tem efeitos permanentes na atividade econômica efetiva, enquanto os keynesianos e os marxistas acreditam que tem, e afirmam que a moeda e o crédito podem ter efeitos permanentes na produção.

Ver todos os capítulos

Questões para Recapitulação Geral

PDF Criptografado

Questões para Recapitulação Geral

Estas questões estão divididas em três séries, para permitir a professores a aplicação de três testes diferentes com o mesmo grau de dificuldade, assim como para fazer os estudantes verificarem mais de uma vez se fixaram os conhecimentos obtidos com o texto.

Série 1

Primeira Parte

Nas próximas dez questões você deve ler com atenção as afirmativas e assinalar em cada uma verdadeiro (V) ou falso (F), conforme convier.

Pode haver qualquer número de alternativas verdadeiras ou falsas.

177

Noções de Macroeconomia

1. Julgue os itens a seguir, assinalando verdadeiro (V) ou falso (F):

(1) O PIB nominal inclui a inflação e impede a comparação de dados de dois anos diferentes, caso se esteja em um contexto inflacionário.

(2) O PIB real corresponde ao PIB nominal depois de deduzida a inflação.

(3) O PIB real inclui a inflação e os juros nominais.

(4) Os índices de preços permitem a elaboração de séries com valores reais.

Ver todos os capítulos

1. Crescimento, Flutuações, Instabilidade e Papel da Política Econômica

PDF Criptografado

Capítulo 1

Crescimento, Flutuações, Instabilidade e Papel da Política Econômica

Neste capítulo vamos analisar as diferenças entre três visões econômicas sobre a atividade econômica. Estudaremos a abordagem neoclássica, a keynesiana e a marxista e, em cada uma delas, vamos ver como é concebido o crescimento econômico, se estável, se instável, ou se sujeito a crises, e o porquê de cada uma dessas conclusões.

Após este capítulo, você estará apto a

• Conceituar Produto Interno Bruto – PIB

• Distinguir formas de cálculo do PIB

• Conceituar fluxo circular de renda

• Conceituar poupança e investimento

• Explicar como o equilíbrio entre poupança e investimento garante a estabilidade do fluxo circular de renda e da atividade econômica para os neoclássicos

1

Noções de Macroeconomia

• Explicar como a incerteza afeta o investimento e provoca instabilidade na economia para os keynesianos

• Explicar como a lógica do sistema capitalista leva a crises para os marxistas

Ver todos os capítulos

Respostas dos Exercícios Propostos

PDF Criptografado

Respostas dos Exercícios Propostos

Capítulo 1

1. (a) A demanda por regulamentação econômica é característica dos keynesianos, para quem o Estado deve regular o mercado.

(b) Os impostos são malvistos pelos que acreditam no mercado como os neoclássicos, por se tratar de algo que aumenta custos para a iniciativa privada, sendo esta vista como eficiente na alocação de recursos. Além disso, para eles o Estado não é importante. Daí a pequena importância dos impostos pelo lado do financiamento estatal.

(c) Tanto keynesianos como marxistas atribuem à liberalização maior instabilidade.

(d) A defesa da retirada do Estado é característica dos que acreditam no mercado como regulador econômico eficiente, como os neoclássicos.

231

Noções de Macroeconomia

2. 1O Artigo

Conforme vimos, o PIB mede o desempenho da economia do ponto de vista produtivo. O artigo fala sobre um desempenho negativo atribuído a juros altos, que aumentam o custo financeiro das empresas e inibem o investimento (I), e fala também de queda das exportações (X), reduzindo a contrapartida de recursos que entram no país por meio da venda de produtos brasileiros ao exterior. Conforme o que aprendemos no Capítulo 1, sobre a mensuração do PIB, vemos que, pelo método do dispêndio, é possível visualizar o impacto das duas variáveis mencionadas, uma vez que, por esse método, temos: PIB = C + I + G + (X - M).

Ver todos os capítulos

3. Globalização Econômica, Liberalização e Blocos Regionais

PDF Criptografado

Capítulo 3

Globalização Econômica, Liberalização e Blocos Regionais

Neste capítulo verificaremos as diferentes visões econômicas sobre globalização e blocos regionais. Vamos observar percepções mais otimistas ou mais céticas com relação à globalização e aos blocos regionais, dependendo das conclusões vistas nos capítulos anteriores sobre os papéis do mercado e do Estado segundo as três visões econômicas abordadas.

Após este capítulo, você estará apto a:

• Explicar o processo de globalização econômica.

• Conceituar liberalização de mercados.

• Relacionar globalização, liberalização de mercados e acirramento da concorrência.

• Identificar características importantes da globalização econômica.

89

Noções de Macroeconomia

• Explicar como ocorre a criação de blocos regionais.

• Descrever os argumentos neoclássicos em defesa da globalização.

• Descrever os argumentos keynesianos e marxistas de ataque à globalização.

Ver todos os capítulos

Ver Todos

Adriano Leal Bruni (8)
Título Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta

6 Demais Produtos de Investimento

PDF Criptografado

6

Demais Produtos de Investimento

Proporção: 15% a 25%

Parte VI do Programa Detalhado da Certificação

Profissional ANBIMA – Série 10 – versão 5.71

6 �Demais produtos de investimento (proporção: 15% a

25%).

6.1 Ações.

6.1.1 Conceito.

6.1.2 �Tipos de ação: ordinária e preferencial – definição e direito dos acionistas.

6.1.3 �Canais de distribuição – tipos e principais características – CTVM, DTVM, agências bancárias e Internet (home broker).

6.1.4 �Oferta pública inicial de ações (IPO). Definição e entendimento dos conceitos: período de reserva, possibilidade de ocorrência de rateio, ordem limitada e a mercado.

6.1.5 �Definições: ganhos de capital; dividendos; juros sobre capital próprio; bonificação; subscrição; desdobramento (split) e grupamento.

6.1.6  Riscos inerentes ao produto.

6.1.6.1  Risco da empresa: conceito.

6.1.6.2  Risco de mercado: conceito.

6.1.6.3  Risco de liquidez: conceito.

Ver todos os capítulos

7 Tributação

PDF Criptografado

7

Tributação

Tópico consolidado1

Parte sobre Tributação do Programa Detalhado da Certificação

Profissional ANBIMA – Série 10 – versão 5.7

Tributação em fundos de investimentos.

6.4.4 Tributação.

5.9 Tributação.

6.4.4.1 �Imposto de Renda: fato gerador, alíquotas dependendo do prazo, bases de cálculo e responsabilidade de recolhimento.

5.9.1 IOF.

5.9.2 �Imposto de Renda (IR): fato gerador, alíquotas

(conforme tipo de fundo – curto prazo e longo prazo – e tempo de permanência da aplicação), bases de cálculo e responsabilidade de recolhimento.

5.9.3 �Imposto de Renda (IR) – “come-cotas”: fato gerador, alíquotas (conforme tipo de fundo – curto prazo e longo prazo), datas de incidência e responsabilidade de recolhimento.

5.9.4  Compensação de perdas no pagamento de IR.

Tributação em ações.

6.1.8 Tributação.

6.1.8.1 �Imposto de Renda: fato gerador, alíquotas, bases de cálculo e responsabilidade de recolhimento.

Ver todos os capítulos

4 Princípios de Investimento: Conceitos

PDF Criptografado

4

Princípios de Investimento: Conceitos

Proporção: 10% a 20%

Parte V do Programa Detalhado da Certificação

Profissional ANBIMA – Série 10 – versão 5.7

4 �Princípios de investimento: conceitos (proporção: 10% a 20%).

legais, regulatórias e tributárias específicas de um país).

4.1  Principais fatores de análise de investimentos.

4.2.2  Risco de crédito.

4.1.1 Rentabilidade.

4.2.3  Risco de liquidez.

4.1.1.1 �Rentabilidade absoluta versus rentabilidade relativa (benchmark).

4.3 �Fatores determinantes para adequação dos produtos de investimento às necessidades dos investidores.

4.1.1.2 �Rentabilidade esperada versus rentabilidade observada.

4.3.1  Objetivo do investidor.

4.1.2 Liquidez.

4.1.3 Risco.

4.2  Principais riscos do investidor.

4.2.1  Risco de mercado.

4.2.1.1 �Riscos de mercado externo: conceito (oscilações na taxa de câmbio, mudanças no cenário macroeconômico mundial, riscos geopolíticos específicos de cada país investido, questões

Ver todos os capítulos

1 Sistema Financeiro Nacional

PDF Criptografado

1

Sistema Financeiro Nacional

Proporção: 5% a 10%

Parte I do Programa Detalhado da Certificação

Profissional ANBIMA – Série 10 – Versão 5.7

1 �Sistema Financeiro Nacional (Proporção: 5% a 10%).

1.1  Funções básicas.

1.1.1 �Função dos intermediários financeiros e definição de intermediação financeira.

1.2 Estrutura.

1.2.1 �Órgãos de regulação, autorregulação e fiscalização.

1.2.1.1  Conselho Monetário Nacional (CMN).

1.2.1.1.1 �Principais atribuições: regular a constituição e regulamentos das instituições financeiras; estabelecer medidas de prevenção ou correção de desequilíbrios econômicos; disciplinar todos os tipos de crédito.

1.2.1.2  Banco Central do Brasil (Bacen).

1.2.1.2.1 �Principais atribuições: autorizar o funcionamento e fiscalizar as instituições financeiras; emitir moeda; controlar crédito e capitais estrangeiros; executar as políticas monetária e cambial.

1.2.1.3  Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Ver todos os capítulos

2 Ética e Regulamentação

PDF Criptografado

2

Ética e Regulamentação

Proporção: 10% a 15%

Parte II do Programa Detalhado da Certificação

Profissional ANBIMA – Série 10 – versão 5.7

2  Ética e Regulamentação (Proporção: de 10% a 15%).

2.1  Princípios éticos.*

2.1.1  Princípio de integridade.

2.1.2  Princípio de objetividade.

2.1.3  Princípio de competência.

2.1.4  Princípio de confidencialidade.

2.1.5  Princípio de da conduta profissional.

2.1.6  Princípio da probidade.

2.1.7  Princípio da diligência.

2.2 �Códigos de regulação e melhores práticas da

ANBIMA.

2.2.1 �Código ANBIMA de regulação e melhores práticas para os fundos de investimentos.

2.2.1.1  Propósito e abrangência.

2.2.1.2  Princípios gerais.

2.2.1.3 �Prospecto. Informações relevantes e obrigatórias: informações do fundo, objetivo de investimento; política de investimento; fatores de risco, Selo ANBIMA.

2.2.1.4 �Publicidade e divulgação de material técnico dos fundos de investimento – Consultar o Código para fundos de investimento e as Diretrizes para publicidade e divulgação de material técnico de fundos de investimentos, disponível no site da

Ver todos os capítulos

Ver Todos

Adriano Leal Bruni Roberto Bazileiro Paix O (18)
Título Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta

1 - Conhecendo o Excel

PDF Criptografado

1

Conhecendo o Excel

“De invento em invento, por caminhos antes obscuros, atrevido se lança o pensamento.”

Javier de Burgos

1.1  Objetivos do Capítulo

No últimos anos, graças ao desenvolvimento da microinformática, muitas das técnicas quantitativas aplicáveis à gestão de custos e formação de preços tornaram-se mais simples e fáceis.

Técnicas relativamente complexas ou trabalhosas, como as análises de regressão e correlação, puderam ser facilmente executadas com um simples clique de mouse.

Este capítulo tem o propósito de expor a planilha eletrônica Microsoft Excel, especificamente na sua versão 2007, a qual apresenta uma série de alterações em comparação com as versões anteriores, e alguns dos seus principais recursos aplicáveis ao processo de gestão empresarial. No decorrer do texto, diversas funções aplicáveis à administração são discutidas.

1.2 �Conhecendo as novidades da versão 2007

Este livro utiliza a versão 2007 do Excel.

Ver todos os capítulos

6 - Usando as funções matemáticas

PDF Criptografado

6

Usando as funções matemáticas

“Todo grande progresso da ciência resultou de uma nova audácia da imaginação.”

Os argumentos também podem ser constantes, fórmulas ou outras funções.

John Dewey

A sintaxe de uma função começa com o nome da função, seguido de um parêntese de abertura, os argumentos da função separados por vírgulas e um parêntese de fechamento. Se a função iniciar uma fórmula, digite um sinal de igual (=) antes do nome da função. Quando você for criar uma fórmula que contenha uma função, a Caixa de criação de fórmulas irá auxiliá-lo.

6.1  Objetivos do capítulo

As aplicações desenvolvidas em planilhas eletrônicas tornam-se muito mais simples e rápidas por meio do uso de funções prontas, que permitem realizar os mais diferentes procedimentos e operações.

Este capítulo inicia a apresentação do uso de funções no Excel, apresentando a categoria das funções matemáticas.

6.2  Usando funções prontas

As funções são fórmulas predefinidas que efetuam cálculos usando valores específicos, denominados argumentos, em uma determinada ordem, denominada sintaxe. Por exemplo, a função SOMA adiciona valores ou intervalos de células, e a função PGTO calcula os pagamentos de empréstimos com base em uma taxa de juros, na extensão do empréstimo e no valor principal do empréstimo.

Ver todos os capítulos

4 - Trabalhando com fórmulas simples

PDF Criptografado

4

Trabalhando com fórmulas simples

“Todo conhecimento vem da experiência.”

Immanuel Kant

4.1  Objetivos do capítulo

As operações mais elementares do Excel costumam envolver a inserção de fórmulas matemáticas simples e comandos como copiar, cortar e colar. De forma simples, o usuário deve ser capaz de desenvolver formulações algébricas, bem como utilizar com desenvoltura a função de cópia com referências relativas e absolutas do Excel.

Este capítulo possui o objetivo geral de apresentar algumas das mais simples operações do

Excel, que envolvem fórmulas algébricas.

4.2  Entendendo as fórmulas

Uma fórmula é uma equação que analisa dados em uma planilha. As fórmulas efetuam operações, como adição, multiplicação e comparação em valores da planilha; além disso, podem combinar valores. As fórmulas podem referir-se a outras células na mesma planilha, a células em outras planilhas da mesma pasta de trabalho ou a células em planilhas em outras pastas de trabalho.

Ver todos os capítulos

15 - Construindo tabelas e gráficos dinâmicos

PDF Criptografado

15 Construindo tabelas e gráficos dinâmicos

“Coloque seus ideais nas estrelas, mesmo que você não consiga alcançar a metade do caminho.”

Tolstoi

15.1  Objetivos do capítulo

A análise das mais diversas bases de dados torna-se muito simples mediante o uso de dois dos mais importantes recursos do Excel: as tabelas e gráficos dinâmicos. De forma rápida e eficiente, diferentes tabelas e gráficos sintéticos podem ser construídos, facilitando a análise e poupando o tempo necessário para a sua construção.

Este capítulo possui o objetivo de apresentar e ilustrar os principais usos das tabelas dinâmicas e dos gráficos dinâmicos do Excel.

15.2  Dinamizando a elaboração de tabelas

O recurso Tabela Dinâmica, disponibilizado através do menu Inserir, permite a tabulação, consolidação e análise de dados apresentados no Excel. Suas características principais consistem na flexibilidade das análises, cálculos e cruzamentos de informações.

Para acessar o recurso, é necessário clicar primeiramente na área de dados e, depois, selecionar o menu Inserir > Tabela Dinâmica. Veja a Figura 15.1.

Ver todos os capítulos

14 - Usando as opções do menu dados

PDF Criptografado

14 Usando as opções do menu dados

“O presente é a sombra que se move separando o ontem do amanhã. Nele repousa a esperança.”

Frank Lloyd Wright

14.1  Objetivos do capítulo

Os recursos do menu Dados permitem a validação da entrada de dados e sua posterior análise, síntese e comparação. Diferentes conjuntos de dados podem ser estudados e processados de maneira rápida e eficiente.

Este capítulo possui o propósito de apresentar os principais recursos avançados do menu

Dados do Excel.

14.2 �Analisando o exemplo fictício de um supermercado

As explicações sobre os usos das Opções do Menu Dados se baseiam na análise de uma base de dados fictícia de um supermercado, apresentada na Figura 14.1. O exemplo consiste em um conjunto formado por 24 notas fiscais, apresentando as variáveis NF (número da nota fiscal), Produto (uma descrição da categoria do produto adquirido), Origem (Estado de origem do fornecedor), Preço (preço praticado do produto na nota fiscal), Custo (custo contábil do produto, excluindo-se impostos recuperáveis). Todos os dados podem ser vistos na planilha COMPREBEM.XLS, presente no material de apoio do livro.

Ver todos os capítulos

Ver Todos

Carregar mais