Abdala M Rcio Moutinho Conejero Marco Antonio Oliveira Murilo Alvarenga (12)
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788597020977

1 Pensamento estratégico

ABDALA, Márcio Moutinho; CONEJERO, Marco Antonio; OLIVEIRA, Murilo Alvarenga Grupo Gen ePub Criptografado

Neste capítulo de abertura, pretendemos conduzir o leitor para a compreensão das bases teóricas e suas perspectivas que organizam o campo da Administração Estratégica, assim como a evolução da estratégia nas organizações. Além disso, apresentamos a estrutura analítica dos saberes que compõem o livro, assim dividida: Fundamentos da Estratégia, Processo Estratégico, e Perspectivas e Fronteiras da Estratégia.

Neste capítulo, o leitor poderá aprofundar seu conhecimento sobre:

• As bases teóricas que fundamentam o pensamento estratégico.

• As perspectivas que organizam o campo da Administração Estratégica.

• A evolução da estratégia nas organizações.

• A estrutura analítica dos saberes que compõem o livro.

Não é exagero dizer que Administração Estratégica é uma das cadeiras mais complexas na formação de administradores(as). O argumento baseia-se em uma série de obstáculos inerentes ao próprio processo de ensino-aprendizagem que subjazem à disciplina, além de outras barreiras de cunho prático. Os diversos obstáculos enfrentados pela área, que serão mais bem descritos adiante, levam os principais teóricos do campo de conhecimento em Administração a questionarem recorrentemente seus pressupostos.1,4 A clássica obra Safári de estratégia estabelece uma analogia com a complexidade do campo e a fábula dos cegos e do elefante, informando que, em função da multiplicidade de “olhares” em relação ao fenômeno estratégia, torna-se um tanto quanto embaraçoso conhecê-lo em sua plenitude.5

Ver todos os capítulos
Medium 9788597020977

2 Posicionamento competitivo

ABDALA, Márcio Moutinho; CONEJERO, Marco Antonio; OLIVEIRA, Murilo Alvarenga Grupo Gen ePub Criptografado

Este capítulo visa discutir o conceito de estratégia competitiva com base na escola do posicionamento estratégico ou competitivo. Para tanto, iniciamos apresentando o conceito de posicionamento competitivo sob a ótica da estratégia, mas complementando-o pela ótica do marketing. Depois, evoluímos o debate mostrando que o conceito de orientação para o mercado é um facilitador do posicionamento competitivo. Feito isso, tratamos dos conceitos clássicos do modelo Diamante para obtenção de vantagens competitivas, o modelo das Cinco Forças competitivas para avaliação da atratividade da indústria, as estratégias genéricas de liderança em custo e diferenciação para o posicionamento competitivo, e a cadeia de valor para criação e captura de valor, todos eles propostos pelo autor de referência do capítulo, Michael Porter. Como uma visão alternativa e complementar à contribuição de Porter, em especial às estratégias genéricas para posicionamento competitivo, procuramos trazer as disciplinas de valor de Treacy e Wiersema e o modelo Delta de Hax e Wilde II que discutem um leque maior de estratégias para posicionamento competitivo, além da liderança em custo e diferenciação.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597020977

4 Definições preliminares do planejamento estratégico

ABDALA, Márcio Moutinho; CONEJERO, Marco Antonio; OLIVEIRA, Murilo Alvarenga Grupo Gen ePub Criptografado

O objetivo deste capítulo é desenvolver, junto com o leitor e por meio de exemplos práticos de empresas nacionais, os conceitos das principais diretrizes organizacionais para a elaboração do planejamento estratégico, considerando a cultura da organização. O planejamento estratégico, inserido em um modelo de gestão estratégica, deve ser considerado como um meio e não um fim para que a organização possa atingir seus resultados. Para o desenvolvimento deste planejamento é importante que exista uma sinergia entre as diretrizes estratégicas (propósito, missão, visão e valores), a fim de que seja possível construir um plano consistente. O propósito (motivo da existência da organização) alinhado com a missão (qual a diretriz para seu negócio) e a visão (onde a organização pretende chegar no futuro) devem estar intimamente conectados aos seus valores (princípios que irão nortear a organização ao longo de sua existência). Estes valores, agregados aos artefatos, ritos e heróis, são conhecidos como componentes que formam a cultura organizacional, e esta pode ser um fator facilitador ou restritivo de mudanças para a implementação das estratégias.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597020977

3 Visão baseada em recursos (VBR)

ABDALA, Márcio Moutinho; CONEJERO, Marco Antonio; OLIVEIRA, Murilo Alvarenga Grupo Gen ePub Criptografado

Este capítulo do livro é destinado a discutir aspectos relacionados com os recursos e capacidades organizacionais. Em mercados competitivos, as organizações travam uma luta constante pela obtenção e manutenção de uma posição de vantagem competitiva. Segundo a visão baseada em recursos, a posição de vantagem competitiva sustentável depende dos recursos e capacidades controlados pela organização. Recursos estratégicos são valiosos, raros, de difícil imitação e substituição, além de bem explorados pela organização. Capacidades são grupos complexos de habilidades e conhecimento acumulado que, exercidos nos processos organizacionais, permitem que a firma coordene suas atividades e faça uso de seus ativos. As competências essenciais são a combinação de recursos e capacidades que viabiliza a gama de linhas de produtos da firma, permitindo entregar um benefício fundamental para o consumidor. Em contextos altamente dinâmicos, a capacidade principal (e especial) de uma organização é a de mudar, inovar, adaptar, enfim, se adequar ao contexto. Essas capacidades especiais são conhecidas por capacidades dinâmicas. Baseado no conceito de recursos, o modelo de análise denominado VRIO considera quatro questões para analisar a situação interna da empresa: a questão do valor; a questão da raridade; a questão da imitação; e a questão da organização. A competição é um processo dinâmico que consiste na constante disputa entre as firmas por uma vantagem comparativa em recursos, que irá gerar uma posição de vantagem competitiva no mercado e, consequentemente, desempenho financeiro superior.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597020977

5 Análise estratégica

ABDALA, Márcio Moutinho; CONEJERO, Marco Antonio; OLIVEIRA, Murilo Alvarenga Grupo Gen ePub Criptografado

Este capítulo do livro é destinado a discutir aspectos relacionados com a análise estratégica das organizações. A escolha da estratégia a ser adotada por parte das organizações está associada às características da própria empresa e também do mercado em que está inserida. Aqui, serão discutidos conhecimentos relativos ao modelo de Negócios, segmentação de mercado B2B (business to business) e B2C (business to consumer), matriz BCG (Boston Consulting Group), ciclo de vida do produto, análise SWOT (strengths, weaknesses, opportunities and threats), análise do ambiente externo, análise Pestel (political, economic, social, technological, environmental and legal), benchmarking e análise interna. Esses conhecimentos evidenciam a importância de ambos os aspectos, internos e externos, na condução de análises e diagnósticos estratégicos.

Neste capítulo, o leitor poderá aprofundar seu conhecimento sobre:

Ver todos os capítulos

Ver Todos

Almeida Marcelo Cavalcanti (27)
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788597020021

6 Análises horizontal e vertical

ALMEIDA, Marcelo Cavalcanti Grupo Gen ePub Criptografado

A análise horizontal (AH) relaciona cada conta ou transação das demonstrações contábeis (DCs) ao longo de certo período de anos ou de meses, evidenciando aumentos ou reduções em comparação com o primeiro ano da série.

Na AH é normalmente utilizada a técnica de índice. Por exemplo, se em 20x1 a receita foi R$ 1.200 e em 20x2 R$ 1.700, então, o índice seria 100 (primeiro ano da série) em 20x1 e 142 em 20x2 (R$ 1.700 : R$ 1.200 × 100).

A Figura 6.1 ilustra a apuração das variações em uma análise horizontal.

Figura 6.1 Apuração das variações em uma análise horizontal.

A análise vertical (AV) demonstra a participação de cada conta ou de cada transação em relação a um total comparável nas DCs. Por exemplo, no caso de contas do ativo, é usado o total do ativo. Na DRE se utiliza a receita como 100%.

Geralmente a análise vertical (AV) utiliza a metodologia de percentual. Se o saldo das contas a receber é R$ 2.000 e o total do ativo R$ 38.000, o percentual das contas a receber é 5% (R$ 2.000 : R$ 38.000 × 100%).

Ver todos os capítulos
Medium 9788597020021

7 Índices de liquidez

ALMEIDA, Marcelo Cavalcanti Grupo Gen ePub Criptografado

O objetivo dos índices de liquidez é fundamentalmente verificar a capacidade da entidade de pagar as suas obrigações. Essa verificação é efetuada comparando contas do ativo e do passivo do balanço patrimonial. Existem quatro índices geralmente utilizados pelos analistas:

• Liquidez imediata.

• Liquidez seca.

• Liquidez corrente.

• Liquidez geral.

O índice usualmente é considerado bom quando é acima de 1,00.

Cabe destacar que esses índices são apenas indicadores de liquidez e não asseguram efetivamente que a entidade estaria em condições de pagar as suas dívidas nos vencimentos. Por exemplo, imagine a situação em que a entidade tem no seu ativo circulante em 31/12/20x1 apenas R$ 4.000 de contas a receber que vencem em 31/03/20x2, e no seu passivo circulante em 31/12/20x1 somente R$ 1.000 de dívidas com fornecedores que vencem em 31/01/20x2.

Poderíamos afirmar, somente analisando pelas contas do balanço patrimonial em 31/12/20x1, que a situação de liquidez é boa, já que a entidade tem, para cada R$ 1,00 de dívida, R$ 4,00 de direitos a receber. Entretanto, na realidade, a entidade tem uma situação financeira complicada, devido ao fato de que as suas dívidas vencem antes dos recebíveis dos clientes.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597020021

8 Índices de endividamento

ALMEIDA, Marcelo Cavalcanti Grupo Gen ePub Criptografado

O objetivo desses índices é essencialmente analisar o endividamento da entidade, relacionado com os capitais de terceiros (passivo circulante e passivo não circulante) investidos nos negócios da entidade.

Esses capitais de terceiros podem ter sido aplicados em ativos circulantes e em ativos não circulantes.

São realizadas análises em relação ao total de recursos captados, em relação aos capitais próprios (patrimônio líquido), em relação à qualidade desses capitais de terceiros (dívidas de curto e de longo prazos) e sobre os recursos dos sócios que foram imobilizados.

Essa verificação é efetuada comparando contas do ativo e do passivo do balanço patrimonial.

Existem quatro índices geralmente utilizados pelos analistas:

• Índice de endividamento geral.

• Índice de relação de capitais de terceiros e capitais próprios.

• Índice de composição do endividamento.

• Índice de imobilização de capitais próprios.

Os analistas usualmente entendem como condições melhores:

Ver todos os capítulos
Medium 9788597020021

10 Índices de rotatividade

ALMEIDA, Marcelo Cavalcanti Grupo Gen ePub Criptografado

Os objetivos principais desses índices, também denominados índices de atividades, são indicar:

• O prazo que as matérias-primas demoram da data da aquisição até a data da requisição para a produção.

• O prazo do processo de produção.

• O prazo que o produto despende depois de pronto para ser vendido.

• O prazo de giro do total dos estoques.

• O prazo de recebimento das vendas a prazo dos clientes.

• O prazo de pagamento das compras a prazo dos fornecedores.

A Figura 10.1 relata o processo contábil e fluxo dos índices de rotatividade.

Conquanto não abordado na Figura 10.1, também existem situações de compra à vista e de venda à vista.

Uma superestocagem (rotatividade lenta) ou uma subestocagem (rotatividade rápida) tem suas vantagens e desvantagens.

Figura 10.1 Processo contábil e fluxo dos índices de rotatividade.

Principais vantagens da superestocagem:

• Estoque de matéria-prima disponível a qualquer hora para ser utilizado na produção.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597020021

3 Balanço patrimonial – principais grupos de contas

ALMEIDA, Marcelo Cavalcanti Grupo Gen ePub Criptografado

O balanço patrimonial (BP) relata em certa data a situação econômica e financeira da entidade, em termos de ativos, dívidas com terceiros e os recursos investidos pelos sócios no negócio.

Os principais grupos de contas do balanço patrimonial estão previstos no CPC 26(R1) – Apresentação das Demonstrações Contábeis.

 

31/12/20x2

31/12/20x1

ATIVOS

 

 

ATIVOS CIRCULANTES

 

 

Caixa e equivalentes de caixa

 

 

Contas a receber de clientes

 

 

Ativos financeiros

 

 

Estoques

 

 

Impostos correntes

 

 

Total dos ativos circulantes

 

 

ATIVOS NÃO CIRCULANTES

 

 

Ativos financeiros

 

 

Investimentos em coligadas

 

 

Investimentos em empreendimentos conjuntos

 

 

Ver todos os capítulos

Ver Todos

Assaf Neto Alexandre (18)
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788597020953

6 Matemática Financeira, Reciprocidade Bancária, Taxas Over e Spread Bancário

Assaf Neto, Alexandre Grupo Gen ePub Criptografado

Principalmente em operações de desconto bancário, é comum defrontar-se com certas exigências de reciprocidade estabelecidas pelas instituições financeiras. Por exemplo, a liberação de um crédito bancário é comumente definida a partir dos valores que o cliente mantém em conta-corrente ou aplicados em títulos da instituição. O nível de exigências da reciprocidade bancária é estabelecido, evidentemente, a partir da disponibilidade de dinheiro na praça.

O saldo médio e outras formas de reciprocidade constituem-se efetivamente em um encargo, o qual deve ser qualificado e incorporado ao custo final da operação financeira.

Dependendo do nível da reciprocidade exigida pelos bancos, a sua inclusão no cálculo do custo racional do crédito pode promover alterações relevantes nas decisões de alocação de recursos.

Algumas operações financeiras, por outro lado, principalmente aquelas de curto prazo, definem os juros com base no número de dias úteis, e não em dias corridos, conforme é mais usual. Essa sistemática costuma se verificar nas operações financeiras de prazos curtos (curtíssimos) definidas por hot money, as quais têm como referencial a taxa do certificado de depósito interfinanceiro (CDI), acrescida de um spread (comissão).

Ver todos os capítulos
Medium 9788597020953

Apêndice C: Noções sobre progressões

Assaf Neto, Alexandre Grupo Gen ePub Criptografado

Progressão Aritmética (PA) é uma sucessão de números onde cada termo, considerado a partir do segundo, é exatamente igual ao termo anterior somado a um valor constante. Ou seja, a partir do segundo termo, a diferença existente entre cada termo imediatamente anterior é sempre igual (constante).

Sendo aK um termo qualquer de uma PA, pela definição, tem-se:

Valor constante = aKaK– 1

Esse valor constante é definido na PA por razão, sendo representado por r. O primeiro termo da progressão é definido por a1 e o último por an.

A sucessão apresentada a seguir, composta de 7 termos, é um exemplo de PA, ou seja:

3, 5, 7, 9, 11, 13, 15,

sendo:

a1 = 3

an = 15

r = 2

n = 7

Observe ainda que:

a1 = 3

a2 = a1 + r

Ver todos os capítulos
Medium 9788597020953

Apêndice B: Expoentes e logaritmos

Assaf Neto, Alexandre Grupo Gen ePub Criptografado

O produto a × a × a × a pode ser representado por a4, no qual a denomina-se base e o número 4 é o expoente. Um expoente, em outras palavras, indica o número de vezes em que a base é multiplicada por si mesma.

De uma maneira geral, a potência n-ésima de um fator a é representada por:

Exemplos:

Se m e n forem números inteiros e positivos e a base diferente de zero, tem-se:

Exercícios propostos

Calcular as expressões abaixo:

Respostas:

1) 72; 6) a20;

2) 1.000,000; 7) a6 × b6;

3) a5; 8)

4) 200; 9) – 2.474.

5) (1 + r)14;

  

Esses expoentes obedecem as seguintes definições:

Exemplos:

Exercícios propostos

Resolver as expressões abaixo:

Ver todos os capítulos
Medium 9788597020953

Apêndice A: Operações básicas de matemática

Assaf Neto, Alexandre Grupo Gen ePub Criptografado

a) Na soma de dois números com o mesmo sinal, efetua-se a operação e atribui-se ao resultado da soma o mesmo sinal.

Exemplos:

18 + (+35) = 18 + 35 = 53

–60 + (–30) = – 60 – 30 = –(60 + 30) = –90

b) Na soma de dois números com sinais desiguais, subtrai-se do maior o de menor valor absoluto e atribui-se à diferença encontrada o sinal presente no de maior valor absoluto.

Exemplos:

120 + (–70) = 120 – 70 = 50

40 + (–100) = 40 – 100 = –60

–80 + (+50) = –80 + 50 = –30

c) Na subtração de um número negativo, o sinal é alterado e os valores somados.

Exemplos:

120 – (–90) = 120 + 90 = 210

–150 – (–100) = –150 + 100 = –50

–200 – (–500) = –200 + 500 = 300

d) Na multiplicação ou divisão de dois números valem as seguintes regras:

■ se os dois números tiverem o mesmo sinal, atribui-se ao resultado da operação sinal positivo;

■ se os dois números tiverem sinais desiguais, atribui-se ao resultado da operação o sinal negativo.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597020953

1 Conceitos Gerais e Juros Simples

Assaf Neto, Alexandre Grupo Gen ePub Criptografado

A matemática financeira trata, em essência, do estudo do valor do dinheiro ao longo do tempo. O seu objetivo básico é o de efetuar análises e comparações dos vários fluxos de entrada e saída de dinheiro de caixa verificados em diferentes momentos.

Receber uma quantia hoje ou no futuro não são evidentemente a mesma coisa. Em princípio, uma unidade monetária hoje é preferível à mesma unidade monetária disponível amanhã. Postergar uma entrada de caixa (recebimento) por certo tempo envolve um sacrifício, o qual deve ser pago mediante uma recompensa, definida pelos juros. Desta forma, são os juros que efetivamente induzem o adiamento do consumo, permitindo a formação de poupanças e de novos investimentos na economia.

As taxas de juros devem ser eficientes de maneira a remunerar:

a) o risco envolvido na operação (empréstimo ou aplicação), representado genericamente pela incerteza com relação ao futuro;

b) a perda do poder de compra do capital motivada pela inflação. A inflação é um fenômeno que corrói o capital, determinando um volume cada vez menor de compra com o mesmo montante;

Ver todos os capítulos

Ver Todos

Batalha M Rio Ot Vio Org (15)
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788597020960

14. Marketing: uma abordagem para engenharia de produção

BATALHA, Mário Otávio (Org.) Grupo Gen ePub Criptografado

Rosane Chicarelli Alcantara e Andrea Lago da Silva

Neste capítulo, serão apresentados os conceitos fundamentais de marketing e ambiente concorrencial. Posteriormente, elementos de marketing como segmentação de mercados e comportamento dos consumidores finais e empresariais serão introduzidos. A seguir, aspectos referentes ao gerenciamento e planejamento de marketing como os elementos do composto mercadológico, estratégias de mercado, plano de marketing e pesquisa de mercado são apresentados. Ao final, discutem-se os principais desafios do marketing nos dias atuais que estão levando funções tradicionais das empresas, e marketing é uma delas, a serem mais interativas e colaborativas, resultando em estruturas empresariais mais dinâmicas. Encerra-se o capítulo com a proposição de questões para serem discutidas.

OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM

Ao final deste capítulo, o leitor deverá ser capaz de:

• Utilizar os principais conceitos de marketing na gestão de organizações de diferentes setores da economia.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597020960

7. Teoria das organizações

BATALHA, Mário Otávio (Org.) Grupo Gen ePub Criptografado

Silvio Eduardo Alvarez Candido, Mário Sacomano Neto e Julio Cesar Donadone

Este capítulo traça um panorama dos estudos organizacionais, uma das áreas mais abrangentes e diversas da Administração e da Engenharia de Produção. Para lidar com o desafio de elaborar uma apresentação que abarque tanto o conhecimento histórico quanto os modelos e ferramentas para a gestão das organizações, optou-se por uma análise das transformações das formas predominantes de organização ao longo do desenvolvimento capitalista recente.

OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM

Ao final do capítulo, o leitor deverá ser capaz de compreender:

• Os principais modelos de organização existentes (modelo tradicional de organização, modelos racionalizados de organização, modelo de organização em rede).

• Os processos históricos que levaram ao predomínio de cada um deles em certos períodos.

• As teorias organizacionais e técnicas administrativas associadas a esses modelos.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597020960

13. Métodos para análise e melhoria da qualidade

BATALHA, Mário Otávio (Org.) Grupo Gen ePub Criptografado

José Carlos de Toledo

Neste capítulo, serão discutidos os principais métodos de suporte à análise e melhoria da qualidade de produtos e processos. O capítulo apresenta uma introdução com visão geral sobre esses métodos, tanto estatísticos quanto organizacionais, e discute recomendações para aplicação efetiva e bem-sucedida. Apresenta mais detalhadamente os seguintes métodos de melhoria: Gerenciamento de Processos, Método de Análise e Solução de Problemas (MASP), Análise de Modos e Efeitos de Falhas (FMEA), Benchmarking e o Diagrama de Causa e Efeito com Adição de Cartões (CEDAC).

OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM

Ao final deste capítulo, o leitor deverá ser capaz de:

• Ter uma visão geral dos principais métodos de suporte a análise e melhoria da qualidade de produtos e processos.

• Compreender fatores considerados chave para aplicação efetiva e bem-sucedida desses métodos.

• Conhecer os fundamentos e as etapas, ou passos, para aplicação dos métodos: Gerenciamento de Processos, MASP, FMEA, Benchmarking e CEDAC.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597020960

8. Engenharia econômica

BATALHA, Mário Otávio (Org.) Grupo Gen ePub Criptografado

Edemilson Nogueira, Andrei Aparecido de Albuquerque e Herick Fernando Moralles

Neste capítulo são apresentados os principais conceitos e técnicas utilizados pela Engenharia Econômica para a realização de análises e comparações de alternativas de investimento.

Inicialmente, após uma breve introdução, descreve-se um conjunto de conceitos financeiros considerados básicos para os estudos de viabilidade econômica. Em seguida, utilizando a matemática financeira, desenvolvem-se algumas relações de equivalência de capitais para, na sequência, apresentar os principais métodos utilizados para análise de oportunidades de investimento. Também são apresentados o conceito de depreciação e o principal método utilizado no Brasil, no caso o método linear, para possibilitar, em seguida, realizar uma breve análise a respeito da influência do imposto de renda na comparação de oportunidades de investimento. Finalmente, encerra-se o capítulo com a descrição dos principais sistemas de amortização de empréstimos e financiamentos.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597020960

6. Organização do trabalho

BATALHA, Mário Otávio (Org.) Grupo Gen ePub Criptografado

Alessandra Rachid e Ana Valéria Carneiro Dias

Os modelos tradicionais de organização do trabalho foram, desde cedo, muito criticados, ao mesmo tempo em que surgiam novas abordagens, procurando dar respostas às limitações apontadas. Este capítulo apresenta essa evolução na forma de conceber a organização do trabalho. A Seção 6.2 apresenta a evolução dos modos de produção desde o artesanato até o surgimento das fábricas e da maquinaria, com a Revolução Industrial.

A seguir, apresentam-se características do modelo taylorista fordista, também chamado de Escola Clássica de organização do trabalho, que predominou na maior parte do Século XX, assim como sobre sua introdução no Brasil. A Seção 6.4 apresenta as experiências da Escola de Relações Humanas e o conceito de grupos informais, que contesta algumas premissas do modelo taylorista fordista, fazendo com que este incorpore novas preocupações relacionadas com os trabalhadores.

A Seção 6.5 se refere às discussões do final dos anos 1970 e início dos anos 1980, sobre o surgimento de modelos alternativos ao taylorismo e fordismo, apresentando brevemente os chamados modelos italiano e alemão. Em seguida, apresenta-se de forma mais detalhada o modelo de produção enxuta, derivado de práticas de gestão de empresas japonesas, especialmente da Toyota, que teve ampla difusão, assim como algumas considerações sobre as condições de trabalho no Japão.

Ver todos os capítulos

Ver Todos

Braga M Rcio Bobik (13)
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788597022018

2 As leis do mercado

BRAGA, Márcio Bobik Grupo Gen ePub Criptografado

OBJETIVOS DO CAPÍTULO:

■ Estudar os fundamentos que regem o funcionamento dos mercados.

■ Analisar os fatores que determinam o comportamento dos produtores e dos consumidores.

■ Apresentar a lei da oferta e da procura.

■ Mostrar como se estabelece o equilíbrio de mercado.

■ Estudar os fatores que exercem influência sobre os preços nos mercados.

■ Apresentar os conceitos de bens normais, superiores e inferiores.

■ Discutir as diferenças entre os conceitos de bens substitutos e complementares.

Conforme visto no capítulo anterior, Adam Smith utilizou a expressão “a mão invisível” para sugerir a existência de formas de organização do sistema produtivo conduzido por agentes econômicos que, muitas vezes, possuem interesses conflitantes ou antagônicos. Com suas ideias, expostas na obra clássica A riqueza das nações, Smith deu início às investigações que mais tarde iriam se consolidar no que se entende hoje como a microeconomia moderna. No centro dessa importante área, encontra-se o estudo dos fundamentos e leis que regem o funcionamento dos mercados. Este capítulo dá início ao estudo da microeconomia que se estenderá até o Capítulo 7.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597022018

9 A macroeconomia keynesiana

BRAGA, Márcio Bobik Grupo Gen ePub Criptografado

OBJETIVOS DO CAPÍTULO:

■ Discutir os princípios básicos da macroeconomia keynesiana.

■ Expor o modelo keynesiano simplificado.

■ Apresentar sobre os impactos da política fiscal e suas limitações.

■ Discutir o consumo e o investimento no modelo keynesiano.

■ Analisar a relação entre taxa de juros e investimento.

■ Discutir o papel das expectativas sobre o nível de atividade econômica.

■ Apresentar o debate entre liberais × intervencionistas.

Todos torcem pelo anúncio de bons resultados na Economia. O desemprego, por exemplo, é uma daquelas situações que nenhum Presidente quer experimentar em seu Governo. Aliás, esse não é apenas um problema para os políticos. Também afetam os trabalhadores, que precisam dos seus salários para viver. O desemprego também afeta os empresários, que precisam do lucro para se manter na atividade produtiva, ou mesmo o Governo, que depende das receitas tributárias para realizar seus Gastos; e essas receitas caem na recessão. Ou seja, quanto maior o desemprego, menor será a renda da Economia. Todos perdem com o desemprego.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597022018

10 O mercado monetário e o modelo IS/LM

BRAGA, Márcio Bobik Grupo Gen ePub Criptografado

OBJETIVOS DO CAPÍTULO:

■ Estudar as funções de oferta e demanda por moeda.

■ Analisar o funcionamento do mercado monetário.

■ Apresentar o conceito do multiplicador bancário.

■ Definir as operações ativas do Banco Central.

■ Detalhar as formas como o Banco Central exerce a política monetária.

■ Apresentar o modelo IS/LM.

■ Mostrar os impactos das políticas monetária e fiscal sobre a renda e a taxa de juros.

■ Discutir alguns critérios de escolha das políticas macroeconômicas.

Até o momento, a análise macroeconômica foi construída a partir do modelo keynesiano simplificado, o que permitiu avaliar determinados aspectos relacionados com o comportamento do nível de atividade econômica. Também foi considerado o papel da demanda agregada e os efeitos da política fiscal sobre o Produto Interno Bruto (PIB). Dado que o enfoque foi em torno da produção agregada, a análise teve como centro o denominado “mercado de bens”.

Na Seção 9.3 do capítulo anterior, foi sugerida a possibilidade de os investimentos produtivos serem determinados pela taxa de juros. Essa possibilidade tem importantes implicações teóricas. Os investimentos representam a demanda por bens de capital físico, o que justifica o enfoque no mercado de bens. Entretanto, a taxa de juros é uma variável financeira e é determinada no denominado “mercado monetário”. Ou seja, a função investimento constitui-se no elo entre os dois mercados. Essa relação será explorada neste capítulo a partir da análise das principais características do sistema monetário, no qual a moeda ocupa posição de destaque.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597022018

12 A inflação

BRAGA, Márcio Bobik Grupo Gen ePub Criptografado

OBJETIVOS DO CAPÍTULO:

■ Estudar as causas da inflação.

■ Apresentar os custos da inflação.

■ Discutir a Teoria Quantitativa da Moeda.

■ Definir a Teoria Quantitativa da Moeda.

■ Apresentar o conceito de inflação inercial.

■ Apresentar o conceito de senhoriagem e imposto inflacionário.

■ Discutir o combate da inflação no Brasil.

Nos modelos macroeconômicos estudados nos últimos capítulos, foi discutido, além dos fatores e políticas que exercem influência sobre o nível de atividade econômica, o fenômeno da inflação, definido como a elevação do índice geral de preços na Economia. Esse índice foi considerado no modelo de oferta e demanda agregada. Também foi considerada a inflação na Curva de Phillips, na qual foi apresentada a dicotomia entre inflação e desemprego. Este capítulo retoma a análise do fenômeno da inflação, considerando suas causas, seus custos e alguns dos problemas relacionados com as políticas de estabilização.

Parece haver, entre os economistas, algum consenso sobre a necessidade de se ter a inflação sob controle. O problema é que esse controle implica em custos para a sociedade. A questão torna-se mais complexa considerando que não existe consenso acerca das suas causas. O caso brasileiro é emblemático nesse aspecto. O Brasil foi, durante mais de uma década, palco de uma das maiores inflações do planeta. O fenômeno foi intensamente discutido no país, e, depois de inúmeros planos de estabilização, a inflação alta foi finalmente debelada pelo Plano Real. Hoje, o país utiliza o Sistema de Metas de Inflação, que representa uma das formas de manifestação da política monetária. Se por um lado esse sistema tem se mostrado eficiente, por outro tem despertado críticas pelos seus efeitos sobre o emprego.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597022018

3 O conceito de elasticidade

BRAGA, Márcio Bobik Grupo Gen ePub Criptografado

OBJETIVOS DO CAPÍTULO:

■ Apresentar o conceito de elasticidade.

■ Definir as elasticidades preço e renda da demanda.

■ Definir a elasticidade-preço da oferta.

■ Analisar os determinantes das elasticidades.

■ Considerar as diferenças entre as elasticidades no curto e no longo prazo.

■ Mostrar as várias formas que as elasticidades podem assumir.

■ Mostrar as aplicações práticas das elasticidades.

■ Apresentar os fundamentos da análise dos mercados.

Os conceitos estudados no capítulo anterior são fundamentais para o entendimento dos fatores que exercem influência sobre a oferta, a demanda e os preços dos bens e serviços. Porém, eles ainda não são suficientes para a adequada compreensão dos mercados no mundo real. Até agora, estudou-se principalmente o equilíbrio de mercado e os fatores que alteram esse equilíbrio. Mas é necessário ir além, buscando a resposta para a seguinte pergunta: qual a intensidade ou o grau de reação da oferta e da demanda em relação às alterações de preços ou da renda do consumidor? Dependendo da importância do bem, o aumento do preço pode provocar forte redução na demanda, com impactos negativos sobre a receita e o lucro da firma. Existem também questões relacionadas com a resposta da oferta frente às alterações de preços. A produção de determinados bens não pode ser elevada da noite para o dia, o que traz consequências para as mudanças no equilíbrio de mercado. Essas questões podem ser mais bem compreendidas a partir do conceito de elasticidade.

Ver todos os capítulos

Ver Todos

Carregar mais