2756 capítulos
Medium 9788530988135

28. Redação para concursos públicos

Pablo JAMILK Grupo Gen ePub Criptografado

Não. Esta é a primeira palavra deste capítulo do livro. Não, você não irá encontrar um capítulo gigantesco com uma série de dicas daquilo que você não pode fazer em uma redação. Na verdade, eu vou aplicar um pouco da minha metodologia de ensino (da qual você já deve ter ouvido falar – o MÉTODO JAMILK) a fim de poder elucidar o caminho mais curto e mais eficaz para você escrever uma reação. A técnica que vou ensinar neste capítulo se chama Redação Nota 10. Ainda que nem todos os textos tenham esse como o elemento de pontuação máxima, o nome já diz bem qual será o resultado desse trabalho. Faremos isso de maneira objetiva, rápida e eficaz.

É praticamente consenso entre os estudantes que a redação costuma ser considerada como o “calcanhar de Aquiles” dos candidatos. Notadamente, escrever um texto se transforma em um enorme desafio quando, para sair do rascunho, o indivíduo começa a pensar que há mais coisas do que a missão de organizar ideias. Isso quer dizer que o primeiro passo a ser dado, no sentido de uma boa escrita de textos, é evitar qualquer tipo de bloqueio. Precisamos quebrar os mitos da redação.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520435007

2. Aspectos constitucionais e tributários do incentivo fiscal

Fábio de Sá Cesnik Editora Manole PDF Criptografado

2

Aspectos constitucionais e tributários do incentivo fiscal

Incentivos fiscais são estímulos concedidos pelo governo, na área fiscal, para a viabilização de empreendimentos estratégicos, sejam eles culturais, econômicos ou sociais. Eles têm ainda a função de melhorar a distribuição de renda regional. A frase abaixo, extraída do prefácio do livro Incentivos fiscais para o desenvolvimento, organizado por Antônio Roberto Sampaio Dória1, inspira a compreensão do significado do incentivo fiscal:

Velho instrumento de vitalização econômica dirigida, o estímulo tributário desdobrou-se no Brasil, na década passada, num leque de alternativas que em originalidade, amplitude e ambição de propósitos, não encontra símile no mundo contemporâneo. Programas de desenvolvimento lastreados em análoga instrumentação, como o do Mezzogiorno na Itália meridional e o de Porto Rico nas

Antilhas, apequenam-se diante da experiência brasileira que, ainda quase só potencial, entremostra apenas seus primeiros frutos.

Ver todos os capítulos
Medium 9788553603312

6. Nulidades processuais

Napoleão Casado Filho, Bruno Klippel, Christiano Leonardo Gonzaga Gomes, Roberto Caparroz, Maira Cardoso Zapater, André Barbieri Souza, Alexandre Aranalde Salim, Clodomiro José Bannwart Junior, Renan Bueno Ferraciolli, Bruno Torquato Zampier Lacerda Editora Saraiva PDF Criptografado

Direito Processual do Trabalho

■■ 5.4. Custas processuais

A primeira informação relevante para o Exame da

OAB sobre custas processuais é a ausência de custas prévias na Justiça do Trabalho, ou seja, a parte não precisa adiantar custas para ver a sua pretensão analisada pelo Poder Judiciário, já que o art. 789, § 1º, da CLT dispõe que o vencido, ao final, arcará com o pagamento daquela parcela. Qualquer valor, portanto, somente será devido após o trânsito em julgado ou, excepcionalmente, deverá ser depositado pelo recorrente no prazo recursal, como pressuposto de admissibilidade do apelo (preparo).

A inexistência de custas prévias levou o TST a editar importante OJ de n. 98 da SDI-2, considerando ilegal a cobrança de honorários periciais prévios, já que aqueles honorários são devidos ao final, sendo pagos nos termos do art. 790-B da CLT por quem teve o pedido relacionado à perícia julgado improcedente, ou nos termos legais, pelo sucumbente na pretensão objeto da perícia.

Ver todos os capítulos
Medium 9788530965785

Capítulo 8 – Controle de qualidade da auditoria de demonstrações contábeis

Francisco Velter, Luiz Roberto Missagia Grupo Gen PDF Criptografado

Capítulo 8

Controle de qualidade da auditoria de demonstrações contábeis

8.1.  �Introdução

A qualidade da auditoria traz maior credibilidade aos trabalhos. O CFC, por meio da Resolução CFC nº 1.205/09, ao aprovar a NBC TA 220, trata desse assunto e das responsabilidades específicas do auditor em relação aos procedimentos de controle de qualidade da auditoria de demonstrações contábeis. Trata também, quando aplicável, das responsabilidades do revisor do controle de qualidade do trabalho.

A firma de auditoria deve estabelecer e manter seu sistema de controle de qualidade para trabalhos de auditoria. O sistema de controle de qualidade inclui políticas e procedimentos que tratam das responsabilidades da liderança pela qualidade na firma, das exigências éticas relevantes, da aceitação e continuidade de relacionamentos com clientes e trabalhos específicos, dos recursos humanos, da execução do trabalho e do monitoramento.

Os sistemas, as políticas e os procedimentos de controle de qualidade são de responsabilidade da firma de auditoria. A firma tem por obrigação estabelecer e manter sistema de controle de qualidade para obter segurança razoável de que ela e seu pessoal cumprem com as normas profissionais e técnicas e as exigências legais e regulatórias aplicáveis e de que os relatórios emitidos pela firma ou pelos sócios do trabalho são apropriados nas circunstâncias.

Ver todos os capítulos
Medium 9788553600458

NÚMEROS FIGURADOS OU NÚMEROS PENTAGONAIS

Samuel Liló Abdalla Editora Saraiva PDF Criptografado

Relações de recorrência  169

Figura 2  Plano dividido por três retas paralelas e não duas não paralelas.

Chamemos de K o conjunto de retas paralelas e de N o outro conjunto de retas. Seja r k, n o número de regiões em que o plano é dividido quando |K| = k e |N| = n.

Observe que o estudo do problema anterior permite a solução de casos como esse, repare que r 0, 0 = 1, r1, 0 = r 0, 1 = 2 e r 0, n = (n² + n + 2)/2.

�� NÚMEROS FIGURADOS OU NÚMEROS PENTAGONAIS

Os matemáticos antigos sustentavam a aritmética na associação que faziam entre objetos e números. Segundo a tradição dos primeiros pitagóricos, o ponto (geométrico) é a unidade (aritmética) dotada de posição. Associavam, assim, a unidade e o ponto.

Os pitagóricos desejavam compreender a natureza íntima dos números. Assim, introduziram, na Matemática, os números figurados, que podem ser representados por uma construção geométrica de pontos equidistantes. Representavam cada unidade por um ponto e com os pontos formavam figuras que representavam números. De acordo com as figuras obtidas chamavam­‑lhes números triangulares, números quadrados, números pentagonais, ... Por isso também lhes chamam números pentagonais.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos