Abreu Edgar Silva Lucas (14)
Título Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta

CAPÍTULO 2 - SUBSISTEMA NORMATIVO – ÓRGÃOS NORMATIVOS

PDF Criptografado

CAPÍTULO

2

SUBSISTEMA NORMATIVO –

ÓRGÃOS NORMATIVOS

São responsáveis por determinar regras e diretrizes gerais para o bom funcionamento do Sistema Financeiro Nacional. Os três órgãos normativos que compõem o Sistema Financeiro Nacional são:

1. Conselho Monetário Nacional (CMN)

2. Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP)

3. Conselho Nacional de Previdência Complementar (CNPC)

2.1 CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL (CMN)

Onde esse assunto pode ser cobrado?

• Principais concursos públicos: Caixa Econômica Federal, Banco do

Brasil, Banco Central do Brasil, Banrisul, Banestes, Banco do Nordeste, Banco da Amazônia e Banco de Brasília

• Principais certificações: CPA 10, CPA 20, CEA, CFP, Ancord (AAI),

CA-300, CGA, PQO e FBB-300

O Conselho Monetário Nacional (CMN), é o órgão máximo do Sistema

Financeiro Nacional, criado em 1964 pela Lei Federal nº 4.595 – mas a sua instituição se deu apenas em 31 de março de 1965, já que a lei que o cria só entrava em vigor 60 dias após a publicação –, substituindo a autoridade monetária da época, que era a Superintendência da Moeda e do Crédito

Ver todos os capítulos

CAPÍTULO 13 - SISTEMA DE PAGAMENTO BRASILEIRO (SPB)

PDF Criptografado

CAPÍTULO

13

SISTEMA DE PAGAMENTO BRASILEIRO (SPB)

Onde esse assunto pode ser cobrado?

• Principais concursos públicos: Caixa Econômica Federal, Banco do

Brasil, Banco Central do Brasil, Banrisul, Banestes, Banco do Nordeste, Banco da Amazônia e Banco de Brasília

• Principais certificações: CPA 10, CEA, CFP, Ancord (AAI) e CGA

13.1. SISTEMA DE PAGAMENTOS

É o conjunto de regras, sistemas e mecanismos utilizados para transferir recursos e liquidar operações financeiras entre empresas, governos e pessoas físicas.

O Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB) compreende as entidades, os sistemas e os procedimentos relacionados com o processamento e a liquidação de operações de transferência de fundos, de operações com moeda estrangeira ou com ativos financeiros e valores mobiliários.

A estabilidade financeira é entendida como um bem público e sua manutenção é uma das missões desempenhadas por diversos bancos centrais. Os sistemas de pagamentos representam um pilar central de sustentação da estabilidade financeira, sendo essencial que funcionem de forma segura e eficiente.

Ver todos os capítulos

CAPÍTULO 5 - AGENTES ESPECIAIS

PDF Criptografado

CAPÍTULO

5

AGENTES ESPECIAIS

Recebem o nome de agentes especiais as instituições que, mesmo fazendo parte do subsistema operacional (intermediação), também cumprem funções normativas. Normalmente estas atividades são relacionadas a implementação das políticas econômicas do governo federal.

O governo possui três grandes pilares (instituições financeiras), que auxiliam na execução das suas principais políticas. São elas:

Banco Nacional de

Desenvolvimento

Econômico e Social (BNDES)

Caixa Econômica

Federal (CEF)

Banco do Brasil (BB)

Execução das políticas de investimentos de médio e longo prazo

Principal executor de políticas para o sanemento e a habitação

Principal executor das políticas voltadas para o agronegócio

Auxiliam empresas no fomento e desenvolvimento

Responsável pela execução dos principais programas sociais

Executor do serviço de compensação bancária

Existem outras instituições financeiras federais que também auxiliam o governo na execução de políticas públicas, como o Banco do Amazonas e o

Ver todos os capítulos

CAPÍTULO 11 - SUBSISTEMA OPERATIVO – SISTEMA DE SEGUROS PRIVADOS

PDF Criptografado

CAPÍTULO

11

SUBSISTEMA OPERATIVO –

SISTEMA DE SEGUROS PRIVADOS

11.1. SOCIEDADES SEGURADORAS

Onde esse assunto pode ser cobrado?

• Concursos Públicos: Banco do Brasil, Banestes, Banco da Amazônia e Banco de Brasília

• Certificações: CFP

São entidades constituídas sob a forma de sociedade anônima, que assumem determinado risco descrito em um contrato de seguro e, em contrapartida, recebem uma remuneração em dinheiro (prêmio) de quem repassa esse risco.

São fiscalizadas pela Superintendência de Seguros Privados (Susep), da qual precisam de autorização para funcionamento.

Não podem requerer concordata e não estão sujeitas à falência, salvo, neste último caso, se decretada a liquidação extrajudicial, se o ativo não for suficiente para o pagamento de pelo menos a metade dos credores quirografários ou quando houver fundados indícios da ocorrência de crime falimentar.

São proibidas de explorar qualquer outro ramo do comércio ou indústria, podendo somente ofertar seguros, planos de previdência e títulos de capitalização. Porém, podem participar de outros ramos de atividade como investidoras.

Ver todos os capítulos

CAPÍTULO 8 - SUBSISTEMA OPERATIVO – SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS (SDTVM)

PDF Criptografado

CAPÍTULO

8

SUBSISTEMA OPERATIVO – SISTEMA DE

DISTRIBUIÇÃO DE TÍTULOS E VALORES

MOBILIÁRIOS (SDTVM)

8.1. CORRETORAS DE TÍTULOS E VALORES

MOBILIÁRIOS (CTVM) E DISTRIBUIDORAS DE

TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS (DTVM)

Onde esse assunto pode ser cobrado?

• Concursos Públicos: Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil,

Banestes, Banco da Amazônia, Banco de Brasília e Banrisul

• Certificações: CPA-10, CPA-20, CEA, CFP, Ancord (AAI), PQO,

FBB-300, CGRPPS, CA-300

As corretoras e distribuidoras tinham funções distintas até 2009, pois somente as corretoras podiam operar em bolsas de valores. As distribuidoras precisavam de uma corretora para operar nas bolsas, tendo, portanto, uma

área mais restrita de operação.

Com a Decisão Conjunta CVM e Bacen nº 17/2009, que autorizou as distribuidoras a operar diretamente nos ambientes e sistemas de negociação dos mercados organizados de bolsas de valores, eliminou-se a principal diferença entre as duas instituições financeiras.

Ver todos os capítulos

Ver Todos

Almeida Isabella (9)
Título Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta

Capítulo 3 – Os três pilares da aprovação

PDF Criptografado

Capítulo 

Os três pilares da aprovação

Concurso Público_IsabellaAlmeida_617000.indb 45

3

06/06/2017 15:22:31

Concurso Público_IsabellaAlmeida_617000.indb 46

06/06/2017 15:22:31

Sumário: 3.1. Planejamento: 3.1.1. escolha do concurso ou

área; 3.1.2. análise dos últimos editais; 3.1.3. trace sua estratégia de estudos – 3.2. Preparação: 3.2.1. estrutura emocional;

3.2.2. convívio familiar; 3.2.3. descanse; 3.2.4. faça concursos e provas anteriores; 3.2.5. relacione-se com pessoas com o mesmo objetivo; 3.2.6. trabalhar e estudar – 3.3. execução –

3.4. informações importantes do capítulo 3.

Acesse o QR Code e assista

à aula explicativa sobre este assunto. http://goo.gl/1CgWLL

Concurso Público_IsabellaAlmeida_617000.indb 47

06/06/2017 15:22:31

s púa concurso estudos par e d a ntos ri e m tó e o a traj ntes m toda a minh r três marca o p ia i ce se e as m p

Analisando do co e que conclusão d vação. Quan

Ver todos os capítulos

Capítulo 6 – Como a determinação me levou à aprovação

PDF Criptografado

Capítulo

6

Como a determinação me levou à aprovação

Concurso Público_IsabellaAlmeida_617000.indb 145

06/06/2017 15:22:39

Concurso Público_IsabellaAlmeida_617000.indb 146

06/06/2017 15:22:39

Sumário: 6.1. a importância do foco na preparação – 6.2.

Saiba dizer não! – 6.3. Parte da sua aprovação depende da sua força de vontade e persistência – 6.4. toda hora é hora de estudar – 6.5. o que podemos aprender com um atleta:

6.5.1. Planejamento; 6.5.2. disciplina; 6.5.3. motivação; 6.5.4.

Persistência; 6.5.5. foco; 6.5.6. capacidade de lidar com pressões; 6.5.7. treino; 6.5.8. metas – 6.6. informações importantes do capítulo 6.

Concurso Público_IsabellaAlmeida_617000.indb 147

06/06/2017 15:22:40

A determinação

é postura fundam ental de quem es concursos público tuda para s. Essa é uma tra jetória árdua, cans percalços. Quem ativa e cheia de não é persistente não consegue se

Ser determinado guir adiante. não significa que você será extrem

Ver todos os capítulos

Capítulo 7 – Como estudar após a publicação do edital

PDF Criptografado

Capítulo 

7

Como estudar após a publicação do edital

Concurso Público_IsabellaAlmeida_617000.indb 165

06/06/2017 15:22:41

Concurso Público_IsabellaAlmeida_617000.indb 166

06/06/2017 15:22:41

Sumário: 7.1. o edital foi publicado. e agora?: 7.1.1. analise o edital do seu concurso – 7.2. como estudar após o edital publicado – 7.3. como estudar na semana da prova – 7.4. o que fazer no dia da prova: 7.4.1. Checklist do dia da prova;

7.4.2. outras recomendações – 7.5. estratégia de realização de prova: 7.5.1. dicas para um “chute” consciente nas provas de múltipla escolha!! – 7.6. como responder questões discursivas

– 7.7. informações importantes do capítulo 7.

Acesse o QR Code e assista

à aula explicativa sobre este assunto. https://goo.gl/1CgWLL

Concurso Público_IsabellaAlmeida_617000.indb 167

06/06/2017 15:22:41

é publicado. ando o edital qu

ão ns te de de gran e espera e, de preparação

É um momento do río pe o ng lo eio a tantas passamos por perdidos em m os m ve

Ver todos os capítulos

Capítulo 5 – Organização e resultados

PDF Criptografado

Capítulo

Organização e resultados

Concurso Público_IsabellaAlmeida_617000.indb 95

5

06/06/2017 15:22:34

Concurso Público_IsabellaAlmeida_617000.indb 96

06/06/2017 15:22:34

Sumário: 5.1. estratégia – 5.2. como definir metas: 5.2.1. estabeleça metas reais; 5.2.2. não deixe a meta criada somente na sua memória. coloque-a no papel; 5.2.3. fracione a sua grande meta em metas menores; 5.2.4. estabeleça metas específicas; 5.2.5. avalie periodicamente o seu compromisso com a meta; 5.2.6. registre o resultado de suas metas; 5.2.7. Pense em estratégias para que as metas sejam alcançadas – 5.3. Quantidade não é qualidade – 5.4. conheça a banca examinadora e atenha-se ao edital – 5.5. Perfil das principais bancas examinadoras: 5.5.1. fundação carlos chagas (fcc); 5.5.2. fundação Getulio Vargas

(fGV); 5.5.3. escola de administração fazendária (eSaf); 5.5.4. centro brasileiro de Pesquisa em avaliação e Seleção e de Promoção de eventos (cebraSPe) ou (ceSPe); 5.5.5. fundação para o Vestibular da universidade estadual Paulista (VuneSP) – 5.6. materiais de estudo – 5.7. encontre o equilíbrio – 5.8. Quadro de horários x ciclo de estudo: 5.8.1. Quadro de horários; 5.8.2. ciclo de estudo; 5.8.3. Questões relevantes sobre o quadro de horários x ciclos – 5.9. revisões: 5.9.1. ciclo de revisões; 5.9.2. como fazer as revisões; 5.9.3. dicas para o seu fichamento – 5.10. como elaborar resumos úteis – 5.11. dez erros que você comete sem perceber: 5.11.1. estudar com anotações de outras pessoas;

Ver todos os capítulos

Capítulo 1 – Saindo da zona de conforto

PDF Criptografado

Capítulo 

1

Saindo da zona de conforto

Concurso Público_IsabellaAlmeida_617000.indb 1

06/06/2017 15:22:26

Concurso Público_IsabellaAlmeida_617000.indb 2

06/06/2017 15:22:26

Sumário: 1.1. abandone suas desculpas: 1.1.1. nossas desculpas muitas vezes são justas, porém devem ser superadas

– 1.2. atitudes diferentes – 1.3. não deixe a procrastinação dominar você – 1.4. a sua capacidade é muito maior do que você imagina – 1.5. não espere que façam por você – 1.6. assuma a responsabilidade da sua escolha – 1.7. Você está investindo em um projeto de vida – 1.8. informações importantes do capítulo 1.

Concurso Público_IsabellaAlmeida_617000.indb 3

06/06/2017 15:22:26

nada situação é conmodar a uma determi mesmo

Já reparou como se aco oso. Acho que por isso se confortável é delici sair da l, na afi

, os fortável? Aliás, sentirente adiad jetivos são constantem os nossos planos e ob anto trabalhoso. inércia é um tanto qu o início da minha rapidamente como foi

Ver todos os capítulos

Ver Todos

Almeida Jarbas Thaunahy Santos De (9)
Título Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta

Capítulo 5. Desconto Composto

PDF Criptografado

Desconto Composto

5

A diferença fundamental entre os descontos compostos e os descontos simples refere-se à forma de capitalização do desconto.

Nos DESCONTOS SIMPLES, não há capitalização do desconto para cálculo do período seguinte, ou seja, o desconto é calculado em todos os períodos sobre o valor de origem (atual ou nominal).

Nos DESCONTOS COMPOSTOS, o desconto é capitalizado para cálculo do período seguinte, conforme o regime de capitalização composta.

5.1 Introdução

Em operações de DESCONTO COMPOSTO, as convenções adotadas são as mesmas do desconto simples.

Os elementos do desconto composto são:

  Valor nominal (N): também chamado de valor de face. É o valor do título apontado na data do vencimento.

  Valor atual (A): é o valor que foi negociado antes do vencimento ou simplesmente o valor recebido após a operação de desconto.

  Desconto (D): é a denominação dada ao abatimento que se faz quando um título de crédito é resgatado antes de seu vencimento. É o valor que se deduz do título ou compromisso pela antecipação de seu vencimento. Em outras palavras,

Ver todos os capítulos

Capítulo 8. Amortização de Empréstimos e Financiamentos

PDF Criptografado

Amortização de

Empréstimos e

Financiamentos

8

8.1 Introdução

Este capítulo apresentará os principais sistemas de amortização de empréstimos e financiamentos existentes no mercado, com destaque para quatro deles, a saber:

  Sistema de Amortização Francês (SAF);

  Sistema de Amortização Constante (SAC);

  Sistema de Amortização Misto (SAM);

  Sistema de Amortização Americano (SAA).

Os sistemas de amortização representam as diferentes sistemáticas disponíveis para o cálculo de juros e amortizações em séries financeiras.

   Amortização é o processo de extinção de uma dívida por intermédio de pagamentos periódicos.

8.2 Definições básicas

  Empréstimo: recurso financeiro que, em tese, não necessita ser justificado quanto à sua finalidade, como, por exemplo: cheque especial e CDC (Crédito Direto ao

Consumidor), entre outros;

  Financiamento: recurso financeiro que tem a necessidade de ser justificado quanto à sua finalidade, por exemplo: compra de um imóvel ou veículo, entre outros;

Ver todos os capítulos

Capítulo 3. Desconto Simples

PDF Criptografado

Desconto Simples

3

A ideia de desconto está associada ao abatimento dado a um valor monetário em determinadas condições.

A operação de desconto pode ser descrita como o custo financeiro do dinheiro pago em função da antecipação de recurso, ou seja, em outras palavras, podemos dizer que desconto é o abatimento feito no valor nominal de uma dívida, quando ela

é negociada antes de seu vencimento.

3.1 Introdução

Desconto é o abatimento concedido sobre um título de crédito em virtude de seu resgate antecipado. Representa, portanto, os juros cobrados e descontados antecipadamente pelos bancos nas operações de desconto simples.

Também podemos relacionar o desconto ao valor que se deduz do título ou compromisso pela antecipação do seu vencimento. Em outras palavras, é a diferença entre o valor nominal N e o valor atual (descontado) A de um título que seja saldado antes de seu vencimento.

Desconto

Valor nominal

Valor atual

Ver todos os capítulos

Capítulo 6. Taxas de Juros

PDF Criptografado

Taxas de Juros

6

Segundo a teoria econômica, a taxa de juros representa a remuneração pelo emprego de um dos fatores de produção: o capital. Conforme Oliveira e Pacheco (2010), os juros são parte essencial do processo de intermediação financeira, pois funcionam como o estímulo que o agente superavitário possui para deixar de consumir no presente e consumir mais no futuro, bem como o custo com que um agente deficitário arcará para financiar seus desejos de consumo imediato.

Para Bruni e Famá (2009, p. 270), o mercado financeiro brasileiro apresenta algumas peculiaridades em relação a outros mercados financeiros, e também é notório que nas operações bancárias e comerciais a palavra taxa é empregada de diversas formas.

Dada a importância da taxa de juros para a economia brasileira, este capítulo tem por finalidade mostrar como as taxas de juros são informadas no mercado financeiro, além de abordar diversas operações matemáticas com diferentes taxas.

6.1  Taxa nominal

Ver todos os capítulos

Anexos

PDF Criptografado

Anexo

anexo.almeida.indd 159

A

07/03/16 11:56

160  Anexo A

Tabela de Contagem de Dias entre Duas Datas

Jan

Fev

Mar

Abr

Maio

Jun

Jul

Ago

Set

Out

Nov

Dez

1

32

60

91

121

152

182

213

244

274

305

335

2

33

61

92

122

153

183

214

245

275

306

336

3

34

62

93

123

154

184

215

246

276

307

337

4

35

63

94

124

155

185

216

247

277

308

338

5

36

64

95

125

156

186

217

248

278

309

339

6

37

65

96

126

157

187

218

249

279

310

340

7

38

66

97

127

Ver todos os capítulos

Ver Todos

Alves Juliana Vilela (4)
Título Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta

Capítulo 2 – Fonética e Fonologia

PDF Criptografado

2

Fonética e Fonologia

Portugues_Cesgranrio_2ed_JulianaVilelaAlves.indb 45

06/08/2015 09:26:21

46  Português – Cesgranrio – Juliana Vilela Alves

A parte de Fonética e Fonologia engloba as noções de fonema, sílaba, ortografia e acentuação. A seguir, apresentamos o mapa mental da disciplina

Fonética e Fonologia, o qual aborda conteúdos de extrema importância e que, frequentemente, aparecem nas provas da Banca Cesgranrio.

Fonética

Fonologia

Letra

Fonema

Semivogal

Portugues_Cesgranrio_2ed_JulianaVilelaAlves.indb 46

Estuda os sons da fala.

Estuda os fonemas de uma língua.

É o sinal gráfico que representa o fonema.

É o elemento sonoro da palavra.

São as letras /i/ e /u/ faladas ou escritas, sempre ligadas a uma vogal. Preste atenção: /i/ e /u/ também podem ser consideradas vogais. Veja: país e pais.

Em “país” o /i/ é vogal. Em “pais” é semivogal. Dica:

Se o /i/ ou /u/ forem a base da sílaba serão vogais.

Ver todos os capítulos

Capítulo 4 – Sintaxe

PDF Criptografado

4

Sintaxe

Atenção: Na imagem original na opção «Verbo Transitivo indireto» a sigla era V.T.I.

Portugues_Cesgranrio_2ed_JulianaVilelaAlves.indb 119

06/08/2015 09:26:37

120  Português – Cesgranrio – Juliana Vilela Alves

A sintaxe estuda a função da palavra e apresenta diversas funções como: sujeito, predicado, objeto, adjunto adverbial, agente da passiva, predicativo, adjunto adnominal, complemento nominal, complemento verbal, aposto e vocativo. Todas essas funções serão trabalhadas no capítulo IV e estão no mapa mental abaixo. Em seguida, comentaremos as questões que abordam o tema.

Ex.: Fofocavam

Quem fofocava? Eles

Ex.:

.

sujeito. Ex.: Precisa-se de funcionários.

Quando o verbo haver é usado no sentido de existir ele é impessoal, ou seja, permanece na 3a pessoa do singular. Ex.: Há muitas casas bonitas no meu bairro.

Mas, se o próprio verbo existir estiver sendo usado ele tem sujeito e o verbo deve concordar com ele. Ex.: Existem muitas casas bonitas no meu bairro.

Ver todos os capítulos

Capítulo 1 – Interpretação de Textos

PDF Criptografado

1

Interpretação de Textos

Começamos nosso trabalho com as questões de interpretação. Interpretar é, para muitos, um grande desafio. Portanto, para superar as possíveis dificuldades nas provas de interpretação da banca Cesgranrio, teceremos comentários acerca de questões das provas do BACEN, Petrobras, FUNASA, Petroquímica Suape e IBGE.

Para facilitar o entendimento dividimos as questões comentadas em 2 grupos: o 1º grupo é formado pelas provas da FUNASA, Petroquímica Suape e IBGE, contendo histórias em quadrinhos e charges. Este grupo de questões não é muito frequente nas provas de concursos, mas, como já apareceu em provas anteriores,

é importante conhecê-lo para entender como estas questões são abordadas nas provas; o 2º grupo é composto por 29 questões retiradas de 2 provas da Petrobras e 1 prova do BACEN.

Interpretação

Semântica

Portugues_Cesgranrio_2ed_JulianaVilelaAlves.indb 15

É o ato de explicar o sentido de um texto.

Campo da Linguística que estuda o sentido/ significado das palavras e da interpretação das sentenças e dos enunciados.

Ver todos os capítulos

Capítulo 3 – Morfologia

PDF Criptografado

3

Morfologia

Definir morfologia é sempre um desafio. Não podemos ser simplistas e passar uma lista de prefixos e sufixos gregos e latinos e supor que alguém, algum dia, consiga aprender esta disciplina desta maneira. Por isso, gosto de dizer que a morfologia estuda o processo de decomposição das palavras, suas estruturas e classificação. O conteúdo é bastante extenso e de extrema relevância para

Portugues_Cesgranrio_2ed_JulianaVilelaAlves.indb 65

06/08/2015 09:26:25

66  Português – Cesgranrio – Juliana Vilela Alves

realizarmos questões em outros capítulos. Neste momento de preparação, atrevo‑me a dizer algo: existe uma parte da morfologia que é muito mais cobrada do que a outra nas provas da Banca Cesgranrio. Veremos os esquemas e comentaremos as questões que aparecem com maior ou menor frequência.

Morfologia

Estuda o processo de decomposição das palavras, suas estruturas, classificação.

Radical

É a base de significação de uma palavra. É o elemento comum a palavras da mesma família. Ex.: [JUST-],

Ver todos os capítulos
Andrade Kaique Knothe De (6)
Título Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta

Capítulo 1 – Minha trajetória

PDF Criptografado

Capítulo 1

MINHA TRAJETÓRIA

Neste momento iniciamos nossa caminhada em conjunto rumo a uma compreensão deste mundo dos concursos fiscais. Embora o foco deste livro seja o leitor, explicando-se cada método e cada detalhe em função da sua realidade, acredito que é muito importante eu contar um pouco sobre mim – minha história, os motivos que me levaram a pensar em prestar um concurso e, acima de tudo, as impressões que acabei formando ao longo dessa trajetória.

A primeira pergunta que me fizeram logo após minha aprovação foi sobre meu histórico. Foi particularmente uma surpresa quando, naquele dia em que descobri que havia sido o primeiro colocado, pesquisei meu nome no Google e percebi que havia não somente pedidos para que eu me apresentasse e falasse sobre mim, mas também discussões e até mesmo “teorias” sobre minha aprovação. A maioria delas tentava explicar o resultado como consequência do método de estudos X ou Y, de uma capacidade de memorização acima da média ou de alguma outra razão que os participantes dos debates tiravam da cartola. E foi aparentemente uma surpresa quando postei meu depoimento no Fórum Concurseiros explicando quem eu era: uma pessoa normal que em dado momento optou pela carreira pública e que, com estudo sério e organizado, obteve a aprovação em curto tempo.

Ver todos os capítulos

Capítulo 2 – A decisão de prestar um concurso

PDF Criptografado

Capítulo 2

A DECISÃO DE PRESTAR UM CONCURSO

Agora que pude contar um pouco da minha história, vamos seguir em frente e começar a abordar o foco deste livro. Nossa análise nesta obra se baseia em uma sequência cronológica, na qual uma pessoa que não conhece o mundo dos concursos vai passar por várias etapas até se tornar um servidor. E o primeiro ponto a ser discutido não poderia ser outro: por que prestar um concurso público? O que faz com que uma pessoa busque ser servidora?

Como já comentei, tenho feito palestras sobre o concurso de Auditor-Fiscal, e nesse tempo tive a oportunidade de ouvir e responder a muitas perguntas, que não raramente abordam essas vantagens que a carreira pública oferece. Eu mesmo fiz minha opção buscando algumas delas em especial. Vamos, assim, iniciar a discussão de cada uma das que se apresentam como principais vantagens, a fim de esclarecer o que são e também afastar alguns mitos que ouvimos na rua.

Dividiremos esta seção em três partes. De início, tentaremos traçar um panorama dos principais cargos oferecidos em concursos públicos, para que você possa se situar em meio a essa imensidão de informações e de editais. Na sequência, abordaremos as vantagens de se tornar um servidor público em geral, discutindo as vantagens e desvantagens que são comuns a quase todos os casos. Por fim, discutiremos especificamente as vantagens da área fiscal, entrando em uma discussão que envolve a atividade desenvolvida pelos cargos de auditoria – pois, apesar de o livro poder ser utilizado como base por muitas pessoas que estão se preparando para outros concursos, há um foco inegável na área fiscal.

Ver todos os capítulos

Capítulo 6 – Após a aprovação

PDF Criptografado

Capítulo 6

APÓS A APROVAÇÃO

Com a sua aprovação e a subsequente homologação, atestando que tudo correu bem no concurso, você está muito próximo do seu sonho. Particularmente, é uma das melhores fases em toda essa trajetória – juntamente com o momento em que você assume o posto, claro! Você vai se sentir muito mais confiante para seguir os estudos, caso ainda não tenha passado no seu concurso dos sonhos, ou passará a ter mais tempo para fazer muitas coisas das quais teve de abrir mão no período de estudos.

É um período de muito reconhecimento por parte dos colegas de curso e de sua família e amigos, e muitas novas oportunidades também podem se abrir. Mas é necessário não perder a atenção dos trâmites do concurso, já que ainda há etapas administrativas por vir.

A partir desse momento, não tem jeito: você terá de estar informado sobre tudo o que está acontecendo nesse concurso! Assim, entre diariamente na página do concurso e também no Diário Oficial.

Hoje muitos entes têm versões eletrônicas, como é o caso do Diário

Ver todos os capítulos

Capítulo 3 – A preparação dos estudos

PDF Criptografado

Capítulo 3

A PREPARAÇÃO DOS ESTUDOS

Após discutirmos as vantagens e desvantagens da carreira pública, entramos em uma etapa fundamental para um concurseiro: a preparação. Essa discussão pode ser construtiva para um candidato que irá prestar qualquer tipo de prova ou exame que envolva uma preparação de médio ou longo prazo.

Em um primeiro momento não discutiremos o estudo em si, mas os diversos fatores que orbitam em torno de uma boa preparação e que devem ser levados em conta – tais como a obtenção de tempo para estudar, o ambiente de estudos e o controle de aspectos como o financeiro.

Vou realçar desde já algo que considero muito importante: nesse debate sobre técnicas e preparação do estudo não há um método ideal.

Há, sim, muitos fatores que podem melhorar seus estudos e muitos erros que devem ser evitados, porém não há uma fórmula mágica. Para mim, seria muito melhor se houvesse e eu a tivesse descoberto, pois não apenas o livro seria um sucesso como eu estaria preparado para outros concursos excelentes que existem, outros vestibulares, enfim...

Ver todos os capítulos

Capítulo 5 – A prova

PDF Criptografado

Capítulo 5

A PROVA

Passando a etapa dos estudos, chegará um momento igualmente crucial para a sua aprovação: a hora da prova!

Muitas vezes, quando imaginamos o que faz com que um candidato seja aprovado em um concurso público ou em qualquer outro exame desse tipo, logo pensamos em uma boa preparação – bons materiais, disponibilidade de tempo adequada, certo investimento financeiro. Mas poucas vezes nos atentamos a esse fator de extrema importância. Em uma prova, sua capacidade de colocar as respostas no papel da forma correta pode ser tão decisiva quanto o seu conhecimento na matéria.

É claro que sem uma boa base de conteúdo não há para onde o candidato correr. É por isso que tratamos tão detalhadamente da fase de preparação. Mas agora, com esse conhecimento em mãos, é hora de você conseguir passar tudo o que sabe para o gabarito, somando pontos e ficando, a cada resposta correta, mais próximo do resultado que tanto almejou.

Fazer prova é algo que exige bom controle do tempo, boa capacidade de concentração e tranquilidade emocional. Vamos, assim, passar a uma análise detalhada daquilo que você encontrará no seu dia de prova, e também discutir algumas dicas que podem ser de grande valia para o seu desempenho!

Ver todos os capítulos

Ver Todos

Carregar mais