Ackland Timothy R Elliott Bruce C Bloomfield John (18)
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788520431016

Capítulo 3. Dimensões corporais absolutas

ACKLAND, Timothy R.; ELLIOTT, Bruce C.; BLOOMFIELD; John Editora Manole PDF Criptografado

Capítulo 3 Dimensões corporais absolutas

Timothy S. Olds, Ph.D.; e Grant R. Tomkinson, Ph.D.

Este capítulo explora a importância das dimensões corporais absolutas para o sucesso nos esportes, inspirando-se em diferenças entre corpos esportivos e não esportivos, tendências históricas nas proporções dos corpos esportivos e diferenças de porte corporal ao longo dos níveis de desempenho. O capítulo é concluído com a descrição de medições antropométricas básicas que podem ser utilizadas na quantificação dos aspectos do tamanho do corpo.

Princípios da otimização morfológica

Atletas bem-sucedidos se caracterizam por uma mescla de qualidades fisiológicas, psicológicas e antropométricas que variam de um esporte para outro. Como o esporte é competitivo, essas características são otimizadas, de tal modo que, em nível de elite, apenas sobreviverão os “bem preparados”.

O que é otimização morfológica?

Nas situações em que o tamanho e a forma do corpo

(morfologia corporal) são importantes, esse processo é chamado otimização morfológica (Norton et al., 1996).

Ver todos os capítulos
Medium 9788520431016

Capítulo 11. Flexibilidade

ACKLAND, Timothy R.; ELLIOTT, Bruce C.; BLOOMFIELD; John Editora Manole PDF Criptografado

Capítulo 11 Flexibilidade

Patria Hume, Ph.D.; e Duncan Reid, MHSc (Hons)

Neste capítulo, que abrange muitas áreas, primeiramen­ te será apresentada uma definição de alongamento e, em seguida, serão estudados alguns dos componentes anatô­ micos e fisiológicos orientados para o alongamento. O ca­ pítulo também descreve vários tipos de procedimentos e técnicas de alongamento, revisa as evidências para os me­ canismos de alongamento, examina o efeito do alongamen­ to no desempenho e o risco de lesão, considera os fatores que podem influenciar a eficácia do alongamento e descre­ ve as técnicas e os equipamentos utilizados para medir os pro­gressos na flexibilidade.

Definições de alongamento e da flexibilidade-extensibilidade resultante

A flexibilidade pode ser definida como a amplitude de movimento (ADM) em uma articulação ou em várias arti­ culações. Maior flexibilidade equivale a aumento da ADM.

A flexibilidade é obtida pelo alongamento dos tecidos mo­ les, principalmente em torno de uma articulação, para aumentar o comprimento da unidade musculotendínea

Ver todos os capítulos
Medium 9788520431016

Capítulo 1. Modelo de avaliação e modificação

ACKLAND, Timothy R.; ELLIOTT, Bruce C.; BLOOMFIELD; John Editora Manole PDF Criptografado

Capítulo 1 Modelo de avaliação e modificação

Timothy R. Ackland, Ph.D.; John Bloomfield, Ph.D.; e Bruce C. Elliott, Ph.D.

Embora “talento atlético nato” seja o fator mais impor­ tante na obtenção de níveis elevados de desempenho espor­ tivo, o treinamento baseado em princípios sólidos da ciência esportiva também é um ingrediente essencial para que esse talento seja plenamente desenvolvido. Portanto, essa ciência se concentra primeiro na identificação do ta­ lento esportivo e, em seguida, em seu desenvolvimento, de modo que o desempenho ideal do atleta possa ser atingido.

Em geral, os treinadores e pesquisadores da área do espor­ te reconhecem que o desempenho de alto nível depende de um grupo identificável de fatores básicos, cada qual deten­ tor de uma importância relativa para a atividade em questão

(Pollock, Jackson e Pate 1980). Assim, os atletas concretizarão completamente seu potencial apenas se houver uma com­ binação dos fatores a seguir:

• devem estar presente as características físicas do atleta que são importantes em determinado esporte (capaci­ dade física);

Ver todos os capítulos
Medium 9788520431016

Capítulo 16. Aplicação da biomecânica na melhora do desempenho esportivo

ACKLAND, Timothy R.; ELLIOTT, Bruce C.; BLOOMFIELD; John Editora Manole PDF Criptografado

Capítulo 16 Aplicação da biomecânica na melhora do desempenho esportivo

Bruce C. Elliott, Ph.D.; e Damian Farrow, Ph.D.

Treinadores que compreendem a base mecânica de uma habilidade, que podem analisar o movimento e são capazes de comunicar‑se com seus atletas oferecem a melhor oportunidade para o desenvolvimento ideal com mínimo risco de lesão. Em geral, os treinadores aceitam que um desempenho de alto nível bem‑sucedido, a par‑ tir de uma perspectiva técnica, depende do domínio de certo número de fatores críticos. O Capítulo 14 delineou procedimentos de análise promovidos por pesquisadores do esporte e utilizados por treinadores e professores para observar os movimentos e aplicar a intervenção mais apropriada. O conceito de faixa de aceitabilidade para cada uma dessas variáveis mecânicas essenciais, identi‑ ficadas no procedimento de análise, oferece a professores e treinadores um ponto de partida nítido na modificação da técnica.

Por exemplo, na ação de sacar no tênis, pesquisas descri‑ tivas identificaram as seguintes características comuns a te­ nistas de alto desempenho:

Ver todos os capítulos
Medium 9788520431016

Capítulo 2. Identificação de talentos e estabelecimento do perfil

ACKLAND, Timothy R.; ELLIOTT, Bruce C.; BLOOMFIELD; John Editora Manole PDF Criptografado

Capítulo 2 Identificação de talentos e estabelecimento do perfil

Jason P. Gulbin, Ph.D.; e Timothy R. Ackland, Ph.D.

Durante os últimos 50 anos, os treinadores vêm identificando atletas talentosos e com perfil informalmente estabelecido; mas não foi senão nos primeiros anos da década de 1970 que países do Leste Europeu, sobretudo a Rússia, a

Alemanha Oriental, a Hungria e a Tchecoslováquia e, mais tarde, a China, deram início a programas sistemáticos que iriam ajudá-los a conquistar um grande número de medalhas internacionais nas décadas de 1970 e 1980. Tanto

Alabin, Nischt e Jefimov (1980) como Hahn (1990) sugeriram que procedimentos eficientes para identificação de talentos desempenham papel muito importante no esporte moderno, tendo sido fator importante no domínio da

Europa Oriental em muitos esportes olímpicos durante as décadas de 1970 e 1980.

Programas semelhantes surgiram na Europa Ocidental, na América do Norte e em alguns países da Comunidade

Ver todos os capítulos

Ver Todos

Alexandre Gomes De Almeida (3)
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788520432822

2. Elementos táticos

Alexandre Gomes de Almeida Manole PDF Criptografado

elemen t o s tát ico s

O objetivo maior das equipes que disputam uma partida de handebol é

terminar o jogo em vantagem no placar, convertendo mais gols que a adversária e, portanto, também devem evitar que os jogadores adversários convertam gols. As tentativas de converter o gol significam atacar, e as tentativas de evitá-lo, defender. De acordo com Stein e Federhoff (1995), ataque

é toda atitude assumida por uma equipe que está com a posse da bola, sendo seus jogadores denominados atacantes. Já defesa é toda atitude assumida por uma equipe sem a posse da bola, sendo seus jogadores denominados defensores. A alternância entre ataque e defesa, as relações estabelecidas entre as equipes que se confrontam e a ação individual dos jogadores são as variáveis que definem o comportamento tático do jogo de handebol.

Conceito de tática

Segundo Greco (2000), tática é uma capacidade senso-cognitiva que se baseia em processos psicofisiológicos, ou seja, captação e transmissão das informações providas pelo meio, interpretação destas, elaboração de respostas tendo como base conhecimentos pré-adquiridos e execução da resposta mais adequada encontrada. A tática também indica aos jogadores as formas de organização, preparação e finalização das ações de ataque e defesa (Antón, 1998).

Ver todos os capítulos
Medium 9788520432822

3. Elementos técnicos

Alexandre Gomes de Almeida Manole PDF Criptografado

elemen t o s t é cnico s

motora de uma necessidade encontrada durante uma determinada situação na partida. Existe uma técnica correta e uma técnica eficaz. Com os treinamentos, buscamos desenvolver nos jogadores, dentro do modo individual de execução, a técnica mais próxima do modo biomecanicamente correto mantendo, porém, a eficácia do objetivo do gesto motor executado.

A técnica é a execução

Conceito de técnica

De acordo com Greco e Benda (1998), a técnica é a interpretação, no tempo, espaço e situação, do meio instrumental operativo inerente à concretização da resposta para a solução de tarefas ou problemas motores.

Consiste, portanto, na melhor execução de um determinado gesto motor, com a máxima economia de energia possível.

Segundo Bayer (1986), a técnica representa todo um repertório de gestos, desenvolvidos individualmente, de acordo com a especificidade da ação no jogo, sendo este fruto da história e da evolução de cada jogo esportivo coletivo e baseado na experiência acumulada e continuamente enriquecida pelas gerações precedentes de desportistas.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520432822

1. Introdução ao handebol

Alexandre Gomes de Almeida Manole PDF Criptografado

I n t r od u ç ã o ao handebol

coletivo com bola, jogado com as mãos, cujo objetivo é marcar mais gols que o adversário numa baliza de 3 × 2 metros defendida por um goleiro. De acordo com Teixeira (2003), o handebol é muito parecido com o futebol, porém é jogado com as mãos e, por isso, recebe este nome em inglês (handball): hand = mão e ball = bola. É um esporte bastante dinâmico, divertido para quem joga e interessante para quem assiste devido, principalmente, à velocidade das jogadas, ao contato físico e às ações dos goleiros (Clanton e Dwight, 1997).

Atualmente o handebol pode ser praticado como handebol de quadra, handebol de areia, mini-handebol, handebol para terceira idade, handebol em cadeiras de rodas e handebol de campo. Porém, a Federação Internacional de Handebol (International Handball Federation – ihf) reconhece oficialmente apenas o handebol de quadra (indoor handball ou team handball) e o handebol de areia (beach handball), realizando atividades voltadas para a prática e o desenvolvimento dessas duas modalidades. Neste livro, abordaremos exclusivamente o handebol de quadra, utilizando o termo handebol para se referir à modalidade.

Ver todos os capítulos
Arnold Schwarzenegger (26)
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788573078688

Os Ombros

Arnold Schwarzenegger Grupo A PDF Criptografado

250

ARNOLD SCHWARZENEGGER

Os Ombros

OS MÚSCULOS DOS OMBROS

O deltóide é um grande músculo de três pontas, grosso e triangular, que se origina da clavícula e da escápula na parte posterior do ombro e se estende até a sua inserção no braço.

FUNÇÃO BÁSICA: Realizar a rotação e a elevação do braço. O deltóide anterior eleva o braço para a frente; o deltóide médio eleva o braço para o lado; o deltóide posterior eleva o braço para trás.

O trapézio é o músculo triangular, plano, que se estende para fora e para baixo do pescoço e entre as escápulas.

FUNÇÃO BÁSICA: Elevar toda a cintura escapular, levar a escápula para cima, para baixo e para os lados e ajudar a girar a cabeça.

Deltóides

ENCICLOPÉDIA DE FISICULTURISMO E MUSCULAÇÃO

ANALISANDO OS OMBROS

Nos anos 40, os homens usavam casacos com enormes ombreiras acolchoadas e cinturas apertadas dando-lhes uma forma em V exagerada (um estilo que parece ter retornado recentemente). Por coincidência, esta é a forma que os fisiculturistas trabalham exaustivamente para desenvolver, e uma parte significativa deste aspecto é de ombros largos, amplamente desenvolvidos.

Ver todos os capítulos
Medium 9788573078688

As Panturrilhas

Arnold Schwarzenegger Grupo A PDF Criptografado

512

ARNOLD SCHWARZENEGGER

As Panturrilhas

OS MÚSCULOS DA PANTURRILHA

O sóleo, que é o maior e mais profundo dos dois músculos da panturrilha e se origina da fíbula e da tíbia.

FUNÇÃO BÁSICA: Flexão plantar do pé.

O gastrocnêmio, que tem duas porções, uma que se origina lateralmente e a outra medialmente da parte inferior do fêmur. Ambas as porções se juntam para recobrir o sóleo e junto com este inserem-se no tendão de Aquiles, que se insere no calcanhar.

FUNÇÃO BÁSICA: Flexão plantar do pé.

O tibial anterior, que corre pela frente da perna, junto à tíbia.

FUNÇÃO BÁSICA: Flexão dorsal e inversão do pé.

Gastrocnêmios

Sóleo

Tibial anterior

ENCICLOPÉDIA DE FISICULTURISMO E MUSCULAÇÃO

Olhe para Kevin Levrone, Dorian Yates, Shawn Ray e Chris Cormier no concurso de

Mr. Olímpia de 1995. Com costas, ombros, trapézios e braços tão bem-desenvolvidos, se nada acontecesse quando eles contraíssem as panturrilhas, todo esse efeito seria arruinado.

Ver todos os capítulos
Medium 9788573078688

Capítulo 7. A Mente sobre o Corpo: A mente, a Ferramenta Mais Poderosa

Arnold Schwarzenegger Grupo A PDF Criptografado

C A P Í T U L O

7

A Mente sobre o Corpo: A

Mente, a Ferramenta Mais

Poderosa

O

corpo nunca responderá completamente aos seus treinamentos até que você entenda como treinar a mente também. A mente é um dínamo, uma fonte de energia vital. Essa energia pode ser negativa e trabalhar contra você, ou pode ser utilizada para dar-lhe treinamentos inacreditáveis e desenvolver um físico que se mantenha até suas mais entusiásticas expectativas. Sempre que ouvir falar sobre alguém que realize façanhas físicas inacreditáveis –

Tiger Woods no golfe, Michael Jordan no basquetebol, Michael Johnson no atletismo, Hermann Maier no esqui e tantos outros atletas – é por causa do poder das suas mentes, não apenas devido à habilidade técnica ou mecânica. E você pode ter certeza de que nunca terá um desempenho naquele nível se não puder combinar sua determinação interna com suas habilidades físicas.

As pessoas podem caminhar sobre a brasa quando estão suficientemente motivadas; podem resistir aos rigores do treinamento dos oficiais da Marinha.

Ver todos os capítulos
Medium 9788573078688

Capítulo 3. Estratégias de Dieta para Competição

Arnold Schwarzenegger Grupo A PDF Criptografado

C A P Í T U L O

3

Estratégias de Dieta para Competição

O

fisiculturismo é o meio mais eficaz já desenvolvido de treinar, moldar, desenvolver e definir os músculos do corpo. E embora ele seja extremamente benéfico para quem quer ficar mais forte e saudável, ter uma aparência melhor e melhorar seu desempenho atlético desde o beisebol, passando por golfe e esqui até futebol: ele também é um esporte e, de fato, um dos mais exigentes, difíceis e disciplinados de todos os esportes que existem.

Discutimos aspectos da competição de fisiculturismo, como posar, extensamente no Livro Quatro. Contudo, para manter uma musculosidade máxima e um mínimo de gordura corporal, com pouco líquido subcutâneo obscurecendo a sua definição, quando você a atinge, uma estratégia nutricional e dietética adequada é absolutamente essencial para o sucesso na competição. A dieta de competição diz respeito ao controle total do seu físico e os métodos envolvidos são o assunto deste capítulo. Falaremos de assuntos como:

Ver todos os capítulos
Medium 9788573078688

Os Braços

Arnold Schwarzenegger Grupo A PDF Criptografado

384

ARNOLD SCHWARZENEGGER

Os Braços

OS MÚSCULOS DOS BRAÇOS

Existem três grupos principais de músculos nos braços:

O bíceps braquial, um músculo de duas cabeças com um ponto de origem sob o deltóide e um ponto de inserção abaixo do cotovelo.

FUNÇÃO BÁSICA: Elevar e flexionar o braço, pronar (girar para baixo) o punho.

O tríceps braquial, um músculo de três cabeças que trabalha em oposição ao bíceps, também conectando-se sob o deltóide e abaixo do cotovelo.

FUNÇÃO BÁSICA: Estender o braço e supinar (girar para cima) o punho

O antebraço, envolvendo uma variedade de músculos na face externa e interna da porção inferior do braço que controlam as ações da mão e do punho.

Deltóides

FUNÇÃO BÁSICA: Os músculos flexores do antebraço fletem a palma para baixo e para frente; os músculos extensores do antebraço estendem a articulação para trás e para cima.

Tríceps

Bíceps

Tríceps

Lee Priest

Flexores

Ver todos os capítulos

Ver Todos

Bompa Tudor O Di Pasquale Mauro Cornacchia Lorenzo J (21)
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788520439753

11. Exercícios para membros superiores

BOMPA, Tudor O.; DI PASQUALE, Mauro; CORNACCHIA, Lorenzo J. Editora Manole PDF Criptografado

Capítulo

Exercícios para membros superiores

Este capítulo apresenta exercícios para trabalhar os músculos dos membros superiores. Quase todos eles foram escolhidos com base nos resultados dos estudos

EMG da parte em questão. Em cada seção de grupo muscular, os exercícios estão em ordem de maior ativação na EMG para a menor. Consultar as tabelas de ativação da unidade motora no Capítulo 9.

Peitoral

Não há nada mais impressionante no fisiculturismo do que músculos peitorais estriados e maciços. Quando vemos as fotos de competição de Arnold Schwarzenegger e Lee Haney, chegamos à conclusão de que é fundamental reforçar o peitoral se o desejo for ganhar um título de fisiculturismo importante. Quando esses fisiculturistas relaxam, seu peitoral parece duas vezes maior que suas cinturas em vista lateral.

Muitos fisiculturistas profissionais ficam ótimos de frente porque têm bons peitorais. Ainda assim, pela visão lateral, a caixa torácica é claramente pouco trabalhada — o peito e a cintura parecem ter mais ou menos a mesma espessura.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520439753

15. Força máxima (Fmx)

BOMPA, Tudor O.; DI PASQUALE, Mauro; CORNACCHIA, Lorenzo J. Editora Manole PDF Criptografado

Capítulo

Força máxima (Fmx)

A força máxima é desenvolvida aumentando a carga de treino e, no processo, aumentando a capacidade contrátil dos músculos. Cargas de treino maiores que

80% elevam a tensão no músculo e recrutam as unidades motoras potentes de contração rápida. O resultado é maior conteúdo de proteína no músculo por meio de maior espessura dos filamentos de miosina. Uma vez que unidades motoras são recrutadas por tamanho, começando com contração lenta seguida de rápida, cargas maiores que 80% devem recrutar as unidades motoras potentes de contração rápida.

As seguintes características descrevem o escopo do treino de força máxima (Fmx):

• Aumenta o conteúdo de proteínas do músculo, induzindo, assim, hipertrofia crônica e aumentando a densidade e o tônus muscular.

• Aumenta a espessura dos filamentos de miosina e pontes cruzadas (é a

única maneira de induzir a hipertrofia crônica).

• Condiciona os músculos para recrutar o maior número de fibras musculares de contração rápida possível por meio da aplicação de cargas pesadas.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520439753

10. Exercícios para membros inferiores

BOMPA, Tudor O.; DI PASQUALE, Mauro; CORNACCHIA, Lorenzo J. Editora Manole PDF Criptografado

Capítulo

Exercícios para membros inferiores

Este capítulo apresenta exercícios para trabalhar os músculos dos membros inferiores. Quase todos os exercícios foram escolhidos com base nos resultados dos estudos EMG da parte dos membros inferiores. Em cada seção de grupo muscular, os exercícios estão em ordem da maior ativação EMG para a menor.

Consultar as tabelas de ativação da unidade motora no Capítulo 9.

Coxas, quadris e glúteos

Na musculação, as palavras maciçamente esculpidas, talhadas, definidas e distintas descrevem o par perfeito de coxas. Como a base da musculatura humana, as coxas são claramente os mais poderosos músculos do físico.

Agachamentos podem ser excelentes exercícios para fortalecer diversos músculos, ossos, ligamentos e pontos de inserção tendinosa nos membros inferiores. Na verdade, há anos o agachamento tem sido considerado o exercício perfeito para os membros inferiores. Infelizmente, por esse exercício frequentemente causar lesões na coluna lombar e nos joelhos, muitos fisiculturistas profissionais e amadores eliminaram com relutância o agachamento convencional (com a barra olímpica) de suas rotinas de treinamento.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520439753

Apêndice D – Gráfico de peso máximo

BOMPA, Tudor O.; DI PASQUALE, Mauro; CORNACCHIA, Lorenzo J. Editora Manole PDF Criptografado

APÊNDICE

Gráfico de peso máximo

D

Se por algum motivo (p. ex., equipamento) não for possível levantar a carga necessária para o cálculo da 1RM, ainda pode-se determinar a 1RM levantando uma carga menor (de 2 a 10RM). Para calcular a 1RM, executar o número máximo de repetições com a carga disponível e fazer o seguinte:

1. Da parte superior da tabela, selecionar o cabeçalho da coluna que corresponde ao número de repetições efetuadas.

2. Localizar a linha para a carga máxima disponível.

3. Encontrar o número onde a coluna e a linha selecionadas se encontram.

4. O número desse cruzamento é a 1RM naquele dado momento.

Por exemplo, concluir quatro repetições com 250 libras. O número na interseção da coluna 4 com a linha 250 é 278. Esta é a 1RM.

Os pesos que compõem o gráfico são dados em libras. Dividir a carga em libras por 2,2 para convertê-la em quilogramas.

Libras

5

10

15

20

25

30

35

Ver todos os capítulos
Medium 9788520439753

7. Implementação do plano de dieta metabólica

BOMPA, Tudor O.; DI PASQUALE, Mauro; CORNACCHIA, Lorenzo J. Editora Manole PDF Criptografado

Capítulo

Implementação do plano de dieta metabólica

Este capítulo explica como fazer seu corpo deixar de ser predominantemente um sistema de queima de carboidratos para um em que predomina a queima de gorduras nas fases de início e avaliação. Assim, você conseguirá controlar a quantidade ideal ingerida de calorias provenientes de carboidratos (período de carga de carboidratos) durante a semana e nos fins de semana. Depois de conseguir isso, a dieta metabólica poderá ser usada para maximizar a massa corporal magra e a força, por meio da progressão de diferentes fases de treinamento.

Antes de começar

Antes de começar a dieta metabólica, é preciso solicitar ao médico um exame físico completo. Também é preciso solicitar uma análise do sangue, o que inclui um hemograma completo, níveis de colesterol (total, LDL e HDL), TSH (teste de função da tireoide), glicemia em jejum, ácido úrico sérico, potássio sérico, função hepática e nitrogênio ureico no sangue. Seu médico também pode pedir a realização de exames adicionais.

Ver todos os capítulos

Ver Todos

Brian Sharkey (11)
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788536327303

8. Nutrição e controle de peso - Coma para viver

Brian Sharkey Grupo A PDF Criptografado

Nutrição

Se você pretende tornar-se ativo, talvez precise fazer pequenos ajustes em sua dieta.

Considerando que cada 1,6 km de caminhada ou trote (jogging) requer pelo menos 100 calorias de energia, você deve ingerir combustível suficiente. Em especial, você precisa ingerir proteína suficiente, a qual, na forma de aminoácidos, é utilizada para formar tecidos, produzir energia e desenvolver força. Esta seção oferece orientações para ajudá-lo a se alimentar como um atleta.

Energia

Os vegetais utilizam a energia solar para crescer e geralmente servem de alimento para os animais. Nós, humanos, obtemos nossa energia – na forma de carboidrato, gordura e proteína – das fontes vegetais e animais. Ao comer e digerir um alimento, você absorve combustível, que, por meio da corrente sanguínea, chega às células de todo o corpo. Você, então, utiliza enzimas presentes nas rotas metabólicas para converter esse combustível em compostos de alta energia, que suprem os músculos e outras atividades celulares.

Enquanto estiver vivo, você estará constantemente gastando pelo menos um pouco pouc u o de energ energia. Mesmo se ficar deitado na cama por 24 horas, você utilizará cerca a de

Ver todos os capítulos
Medium 9788536327303

10. Fatos e mitos sobre a aptidão física - Qual é a verdade?

Brian Sharkey Grupo A PDF Criptografado

Fato ou mito?

Este capítulo considera os fatos e alguns dos mitos que inundam o campo da atividade física. Também descreve como os fatos são propriamente estabelecidos a fim de ajudá-lo a se tornar um melhor consumidor de informações sobre aptidão física e saúde.

Fatos

Como uma hipótese ou teoria torna-se um fato? Estudos cuidadosamente planejados e controlados ajudam-nos a diferenciar um fato de uma ficção. Fisiologistas do exercício desenvolvem muitos tipos de estudos a fim de compreender os efeitos imediatos e de longo prazo do exercício e do treinamento (ver a tabela na próxima página). Em estudos comparativos, ou de status, é possível determinar diferenças entre grupos, tais como atletas e não atletas. Esses estudos podem mostrar diferenças mas não provam por que os atletas são mais fortes ou mais rápidos (há probabilidades de que a hereditariedade e o ambiente os predisponham a terem sucesso em um esporte específico). Outro tipo de estudo – o de correlação – analisa a relação de um fator (p. ex., um método de treinamento em particular) com outro fator

Ver todos os capítulos
Medium 9788536327303

2. Entendendo a aptidão física - O2 e você

Brian Sharkey Grupo A PDF Criptografado

Quanto mais v ocê r o

é n o se me u ri se exercita, desenvolver c sco de ard iopa tia.

Com o aumento da capacidade aeróbia, você é capaz de correr para tomar um ônibus ou táxi, caminhar rapidamente pelo aeroporto sem perder o fôlego, acompanhar o ritmo dos filhos e netos e dançar a noite toda com seu (sua) companheiro (a).

A capacidade aeróbia é sinônimo de resistência e energia. Ela descreve a capacidade, parcialmente herdada e treinada, de realizar esforços prolongados. Aqueles que buscam a aptidão física ganham muito mais que a melhora da saúde e do desempenho. Para muitos, o processo torna-se mais importante do que o objetivo, proporcionando disciplina, desafio e tempo para reflexão.

Risco relativo de doença arterial coronariana

1,0

0,5

0

0

1.000

2.000

3.000

4.000

5.000

Quantidade de exercício em kcal por semana

Quanto mais você se exercita, menor o seu risco de desenvolver cardiopatia.

Acreditamos que o aumento ilustrado à direita do gráfico resulte do pequeno número de casos que reportam uma queima maior que 3.500 kcal por semana.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536327303

11. Vitalidade e longevidade - Acrescente vida a seus anos

Brian Sharkey Grupo A PDF Criptografado

Envelhecendo

A ideia predominante em relação ao envelhecimento é de um processo não muito feliz.

O envelhecimento é visto como uma fase de limites e doenças na qual a pessoa está condenada a um círculo vicioso de debilidade e perda de função. Você não precisa, no entanto, permitir que essa trágica narrativa torne-se a sua história. Se adotar um estilo de vida ativo e saudável, você pode escrevê-la e representá-la a partir de um roteiro diferente: um que retrate uma vida longa e feliz. Essa decisão é sua.

Nos Estados Unidos, as expectativas de vida elevaram-se ao longo do século passado, variando hoje de 78 a 79 anos para as mulheres e de 73 a 74 para os homens.

Ainda assim, algumas realidades são inescapáveis: à medida que seu período mais reprodutivo passa, a vantagem evolucionária direta de sua existência individual desvanece; e, em determinado momento, a maioria de seus tecidos e órgãos começa a envelhecer. Por certo você continua sendo importante como pai ou mãe, pelo menos até seus filhos alcançarem a idade adulta, e, mais adiante, como um avô ou avó que transmite sabedoria e auxilia quando necessário. Mas, aos 70 anos, geralmente há pouca justificativa biológica para que sua vida continue.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536327303

1. Atividade e aptidão física - Por que ficarem forma?

Brian Sharkey Grupo A PDF Criptografado

Quais são os be nefícios

Imagine

acordar em um corpo recém-transformado por vários meses de treinamento de aptidão física – uma sensação não diferente de um estado de graça, que se dá interiormente em vez de ser observada no âmbito exterior. Você levantaria a cada dia com a capacidade de realizar tarefas diárias com vigor e prontidão, manter-se livre de fadiga excessiva, desfrutar seus momentos de lazer e atender emergências. Teria a energia e a capacidade muscular para cumprir as demandas do trabalho e de outras ocupações; a flexibilidade e o equilíbrio para ter um bom desempenho e evitar lesões; e a energia para lidar com a vida doméstica e profissional, o lazer e as inevitáveis demandas.

Se você fosse como muitos indivíduos ativos, seu primeiro pensamento ao acordar seria a atividade física planejada para aquele dia, bem como quando e onde ela seria praticada. Realmente, quando você se torna ativo e até mesmo adicto ao exercício, a atividade física regular passa a ser uma parte indispensável de sua vida.

Ver todos os capítulos

Ver Todos

Carregar mais