Affonso Rosa Maria Lopes (25)
Título Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta

12. Instrumentos para o processo diagnóstico e/ou intervenção

PDF Criptografado

12

Instrumentos para o processo diagnóstico e/ou intervenção

Rosa Maria Lopes Affonso

A

s avaliações psicológicas dos sintomas envolvem um processo que pode ter um ou vários objetivos, portanto devemos definir em quem e por que serão realizadas. Além disso, devemos estabelecer quais instrumentos serão utilizados para a investigação.

Ocampo (1976), Arzeno (1995) e

Cunha e colaboradores (1986, 1993, 2000) demonstraram a importância do atendimento como um processo de investigação psicológica que deve conter um conjunto de várias avaliações psicológicas, que seguem os passos e etapas a seguir.

1. Primeiro é feita a abordagem inicial dos

sintomas, a análise de seu aparecimento e do contexto individual ou interacional em que eles ocorrem, através da utilização de entrevistas semiestruturadas, por meio das quais são colhidas informações sobre a história pessoal ou familiar do sujeito, associadas à pesquisa do ambiente atual.

2. No caso de crianças, as entrevistas iniciais são realizadas com os pais, podendo envolver uma análise dos sintomas da estrutura familiar da qual a criança faz parte.

Ver todos os capítulos

16. O lúdico no contexto hospitalar: quando o brincar no contexto hospitalar é recreação e quando é ludoterapia

PDF Criptografado

16

O lúdico no contexto hospitalar

Quando o brincar no contexto hospitalar

é recreação e quando é ludoterapia

Katia Wanderley

O

lúdico no contexto hospitalar pode ser considerado, de um lado, como uma recrea­

ção e, de outro ângulo, como instrumento técnico sustentado por um aporte teórico, tendo como objetivo o tratamento do psiquismo de crianças.

O lúdico enquanto recreação não é científico, e a brinquedoteca pode ser um exemplo dessa atividade. A brinquedoteca

é um espaço geralmente encontrado nas enfermarias e ambulatórios de pediatria, onde as crianças brincam na companhia dos familiares e/ou de outras crianças. Na maioria das vezes, a brinquedoteca situa­

‑se em um local que oferece conforto para que a criança brinque sem comprometer a rotina do serviço e sem ser importunada na sua brincadeira pelos procedimentos clínicos. Costuma ser um espaço aberto, sendo possível a qualquer um observar a brincadeira da criança e, se quiser, também com ela brincar.

Na brinquedoteca há necessidade de um funcionário para administrar a distribuição dos brinquedos, zelar pela sua manutenção e garantir que o espaço seja aproveitado da melhor forma possível. A recreação é muito bem desenvolvida pelos voluntários, que visitam enfermarias contando histórias e brincado com os pacientes.

Ver todos os capítulos

24. O lúdico na adolescência: Winnicott e o brincar adolescente

PDF Criptografado

24

O lúdico na adolescência

Winnicott e o brincar adolescente

Yvette Piha Lehman

N

a teoria de Winnicott, a habilidade do brincar é uma realização do desenvolvimento emocional. Ao brincar, o bebê/criança/ adulto faz pontes do mundo interior com o mundo de fora e de dentro, através do espaço transicional. Para Winnicott (1975), a qualidade do brincar na terceira área – fenômeno transicional – é sinônimo de um viver criativo e constitui a matriz da experiência do self através da vida. Transposto para a relação analítica, o brincar é uma derradeira realização de psicoterapia, porque só através do brincar o self pode se descobrir e se fortalecer.

O brincar vai se ressignificando no decorrer da vida. Primeiro há um brincar para assumir o corpo, depois o brincar torna­‑se interativo e incorpora o olhar do outro, surgindo daí a relação “olhar­‑existir”. A operação simbólica é um processo, nela há uma verdadeira significação subjetiva.

A princípio, constituir o corpo a partir da díade materna simboliza a angústia de separação.

Ver todos os capítulos

8. O brinquedo, sua evolução e seus possíveis significados

PDF Criptografado

8

O brinquedo, sua evolução e seus possíveis significados

Rosa Maria Lopes Affonso

O

significado do brinquedo pode ser um tema polêmico, na medida em que nenhum psicoterapeuta ou profissional da saúde considera os significados dos brinquedos como algo estático e imutável. Além disso, o estudo do significado do brinquedo envolveria necessariamente estudar a sua evolução no contexto das diversas culturas, daí a grande polêmica quando ele se direciona a dar significados específicos a determinados brinquedos.

Uma pesquisa sobre a significação dos jogos pode também ser feita segundo um referencial evolutivo específico, como propõe

Aberastury (1992), fundamentada na teoria psicanalítica, a partir de Freud e Klein e utilizado por inúmeros educadores e clínicos.

Sobre a significação das fezes e da urina

Aberastury (1992, p. 40) comenta:

Entram alimentos em sua boca, pas­sam através do corpo e saem transformados; os sólidos, suscetíveis de originar capacidade criadora. A criança ama e teme as substâncias que saem de seu corpo. Uma vez que elas estão condenadas a desaparecer, devido às proibições do adulto, a criança busca na água, terra e areia os substitutos permitidos das fezes e da urina. Desse modo, água, terra e areia passam do estado de puras substâncias para adquirir aspectos selvagens, mangueiras de apagar

Ver todos os capítulos

3. As bases neurofisiológicas do brincar

PDF Criptografado

3

As bases neurofisiológicas do brincar

Joao Augusto Figueiró

O

Dicionário Houaiss da Língua Portu­ guesa (2001) conceitua brincar como um verbo transitivo indireto e intransitivo e traz 13 definições para o termo, dentre os quais ressalto “distrair­‑se com jogos infantis, representando papéis fictícios, entreter­

‑se com um objeto ou uma atividade qualquer; agitar­‑se, menear, tamborilar, mexer em algo distraidamente, por compulsão ou para passar o tempo, não falar a sério; gracejar, fazer zombaria; debochar, não demonstrar interesse; não dar importância; não levar (algo) a sério, agir de modo exibido ou intrometido, agir com leviandade ou imprudência, tirar gozo, distração ou proveito; desfrutar”. Traz também algumas derivações de sentido figurado como “fazer algo sem notar, sem fazer esforço, lidar de maneira inconsequente com coisas sérias ou perigosas, fazer algo com facilidade, sem esforço, ser ágil e esperto na tomada de providências, na resolução de questões, em executar um trabalho (como em ‘fazer algo brincando’)” e apresenta como sinônimos “divertir­‑se, distrair­‑se, entreter­‑se, folgar, gracejar, zombar”. Pode­‑se observar nestas definições selecionadas o caráter de frivolidade, de não seriedade e mesmo pejorativo atribuído à atividade.

Ver todos os capítulos

Ver Todos

Amy Wenzel (10)
Título Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta

Capítulo 4 - Reestruturação cognitiva de pensamentos automáticos

PDF Criptografado

4

Reestruturação cognitiva de pensamentos automáticos

Reestruturação cognitiva é o processo pelo qual os terapeutas ajudam seus clientes a (a) identificar o pensamento associado ao sofrimento emocional, (b) avaliar a precisão e a utilidade desse pensamento e (c) responder de forma adaptativa a esse pensamento se o cliente concluir que ele é exagerado, impreciso ou não ajuda. Pode-se argumentar que a reestruturação cognitiva é uma das estratégias mais centrais, se não a mais central, associada à terapia cognitivo-comportamental (TCC), porque essa intervenção decorre de um princípio básico subjacente à TCC – a de que o pensamento que não ajuda desempenha um papel significativo na manutenção e na exacerbação de problemas de saúde mental. A reestruturação cognitiva pode ser aplicada à modificação de pensamentos automáticos que não ajudam específicos a uma situação e também pode ser aplicada à modelagem de crenças subjacentes que não ajudam ativadas em momentos de estresse.

Ver todos os capítulos

Capítulo 2 - Conceitualização de caso

PDF Criptografado

2

Conceitualização de caso

A conceitualização de caso (também chamada formulação de caso) é a aplicação de um sistema teórico, como a teoria cognitivo-comportamental, para compreender os fatores que precipitam, mantêm e exacerbam o problema de saúde mental ou a perturbação emocional de um cliente (ver Eells, 2007). Ela serve como um modelo para integrar informações colhidas em uma avaliação psicológica e ao longo do tratamento e formar um quadro coerente. Segundo Key e Bieling (2015), “O papel central da formulação de caso cognitiva é traduzir a teoria e a pesquisa cognitiva nomotética em tratamento idiográfico” (p. 223).

A conceitualização de caso tem muitas finalidades. Em primeiro lugar, a maioria dos clientes é caracterizada por apresentações clínicas heterogêneas, de modo que satisfazem critérios para mais de um transtorno mental ou compartilham características de vários deles. Além disso, muitos clientes descrevem estressores e desafios que não são facilmente incorporados aos diagnósticos, como problemas médicos, pobreza e racismo. A conceitualização de caso ajuda o terapeuta na organização dessas informações e na compreensão de como essas diferentes forças influenciam as reações cognitivas, emocionais e comportamentais descritas pelos clientes, bem como de que forma essas reações exacerbam seus problemas de saúde mental, médicos e ambientais. Em segundo lugar, quando uma conceitualização de caso está estabelecida, ela pode ajudar o terapeuta a entender e abordar novas informações ou ocorrências inesperadas, tais como uma ruptura na relação terapêutica. Por fim, ela aponta alvos importantes para as intervenções, pois os terapeutas cognitivo-comportamentais têm por objetivo aplicar ferramentas estratégicas a fim de modificar os fatores psicológicos (ou seja, cognições, emoções, comportamentos) que contribuem para manter e exacerbar problemas de saúde mental e transtornos emocionais.

Ver todos os capítulos

Capítulo 10 - Terapia cognitivo-comportamental: revisitada

PDF Criptografado

10

Terapia cognitivo-comportamental: revisitada

A TCC contribuiu com conhecimentos imensuráveis para a teoria e o tratamento de transtornos mentais e problemas de adaptação. Ela melhorou a vida de inúmeros indivíduos. Forneceu a pessoas vulneráveis ferramentas para prevenir o surgimento de transtornos mentais e problemas de adaptação. Foi por meio da perseverança e do empenho na validação empírica dos primeiros estudiosos do campo que a TCC se tornou uma abordagem terapêutica tão rica e matizada e um campo específico, à luz das tendências dominantes na psicoterapia que prevaleceram nas décadas de 1960 e 1970.

O que sabemos sobre a TCC? De forma muito simples, sabemos que funciona para uma ampla gama de transtornos mentais e problemas de adaptação. Ela constantemente supera controles de lista de espera, assistência usual ou rotineira, e condições de placebo em estudos randomizados controlados (ERCs; ver Butler et al., 2006).

Ela estabeleceu-se como um tratamento eficaz mesmo para os clientes mais difíceis de tratar, tais como os que sofrem de esquizofrenia (Grant, Huh, Perivoliotis, Stolar,

Ver todos os capítulos

Capítulo 8 - Manejo do afeto

PDF Criptografado

8

Manejo do afeto

A dificuldade em lidar com afeto negativo intenso está no cerne das lutas de muitos clientes com problemas de adaptação e de saúde mental, levando-os, em muitos casos, a finalmente buscar uma intervenção. Na verdade, os clientes frequentemente solicitam “ferramentas de enfrentamento” para lidar com ansiedade, tristeza, raiva, culpa e outras experiências emocionais desagradáveis. Ao longo das últimas duas décadas, os construtos da regulação emocional e da tolerância ao sofrimento – ambos relevantes para esses casos – receberam muita atenção, e o desenvolvimento dessas abordagens produziu uma série de ferramentas que os clientes podem usar para manejar o afeto negativo.

Existem muitas definições sobrepostas de regulação emocional. De acordo com

Bridges, Denham e Ganiban (2004), ela envolve “processos fisiológicos, comportamentais e cognitivos que permitem aos indivíduos modularem a experiência e a expressão de emoções positivas e negativas” (p. 340). Da mesma forma, Gross (2014) definiu regulação emocional como “moldar quais emoções sentimos, quando as sentimos e como as experimentamos ou expressamos” (p. 6). A capacidade de regular as emoções depende da interação entre tendências e restrições de base biológica no ambiente social. Ocorre desregulação emocional quando uma pessoa não responde de forma flexível e adaptativa

Ver todos os capítulos

Capítulo 3 - Entrevista motivacional

PDF Criptografado

3

Entrevista motivacional

A entrevista motivacional (EM) é uma abordagem terapêutica centrada no cliente que facilita a motivação para a mudança por parte dos próprios clientes, com base em seus valores e preferências (Miller & Rollnick, 1991, 2002, 2013). A EM é indicada quando os clientes são ambivalentes quanto ao tratamento, de modo que tenham boas razões para querer mudar, bem como boas razões para permanecer como estão. Também é usada quando os clientes têm trabalhado para mudar, mas chegaram a algum tipo de obstáculo ou impasse em seu processo terapêutico (Wenzel et al., 2011; Westra, 2012). Os terapeutas que usam EM se abstêm de persuadir ativamente seus clientes a mudar; antes, atentam para o discurso de mudança, ou para indicativos de que estão interessados em mudar, e dão a seus clientes espaço para que elaborem os motivos para a mudança, apropriem-se deles e engajem-se no processo de compromisso com a mudança.

A inclusão de um capítulo sobre EM em um livro sobre inovações em terapia cognitivo-comportamental (TCC) decorre de uma mudança notável no pensamento sobre a prontidão do cliente para um tratamento ativo como essa forma de terapia. Muitos especialistas postularam que um pressuposto básico da TCC é que os clientes estejam motivados para o tratamento. Por exemplo, Young, Klosko e Weishaar (2003), desenvolvedores da abordagem chamada terapia do esquema (descrita no Cap. 5), afirmaram:

Ver todos os capítulos

Ver Todos

Ana Karina C R De Farias Fl Via Nunes Fonseca Lorena Bezerra Nery (46)
Título Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta

Capítulo 11. Protocolo interdisciplinar para acolhimento a gestantes usuárias de drogas em hospital terciário

PDF Criptografado

11

Protocolo interdisciplinar para acolhimento a gestantes usuárias de drogas em hospital terciário

Marina Kohlsdorf | Maria Marta N. de Oliveira Freire

Valéria de Oliveira Costa | Marjorie Moreira de Carvalho

A dependência química do crack tem se tornado um grave problema na saúde pública brasileira.

De modo especial, a população de gestantes usuá­ rias dessa droga tem sido um grupo de extremo risco, tendo em vista que a ingestão da substância causa prejuízos não apenas à mãe, mas especial­ mente à criança em desenvolvimento intrauteri­ no. A literatura em Análise do Comportamento apresenta proposições interessantes sobre a de­ pendência química, porém os estudos são majo­ ritariamente propostas teóricas ou investigações com modelos animais. Este capítulo apresenta a análise de um programa de acolhimento a ges­ tantes usuárias de crack, implementado ao lon­ go de dois anos em um hospital terciário da rede pública de saúde do Distrito Federal. Inicialmen­ te, dados epidemiológicos e subsídios da literatu­ ra em Psicologia do Desenvolvimento Humano são descritos para caracterizar o cenário do uso de crack durante a gestação. Em seguida, as au­ toras descrevem (a) o perfil sociodemográfico e epidemiológico de 80 gestantes usuárias de dro­ gas que foram acolhidas ao longo de dois anos de trabalho em hospital terciário; e (b) o protoco­ lo interdisciplinar de acolhimento a esse público, formulado ao longo desse período. Por fim, apre­ sentam­se algumas formulações comportamen­ tais acerca da dependência química na gestação, tendo por base os dados apresentados e as refle­ xões da equipe sobre as macrocontingências de ordem biopsicossocial envolvidas na compreen­ são do fenômeno. Pretende­se enfatizar que a de­ pendência química se estabelece essencialmente a partir de um processo de aprendizagem ope­ rante, e não apenas como uma resposta filogené­ tica do organismo, aspecto que proporciona am­

Ver todos os capítulos

Capítulo 12. Deficiência: uma leitura analítico-comportamental, da topografia à intimidade

PDF Criptografado

12

Deficiência: uma leitura analítico-comportamental, da topografia à intimidade

Clarissa Grasiella da Silva Câmara | Lorena Bezerra Nery

O presente capítulo tem o objetivo de apresentar os desafios e progressos no atendimento psicoterapêutico individual analítico-comportamental, em clínica-escola, de um adolescente com deficiência, adquirida na gestação, e com dificuldades escolares. Para tanto, serão apresentados os diagnósticos tradicionais dados ao jovem, as particularidades do caso e a participação da rede de apoio mais próxima no formato de uma formulação comportamental construída durante quase dois anos de processo psicoterapêutico.

A deficiência, denominada mielomeningocele ou espinha bífida, está relacionada ao defeito do fechamento do tubo neural durante a gestação. É ocasionada por fatores genéticos e ambientais. Ela poderá ser a fonte de diversas sequelas neurológicas e motoras determinadas pela localidade da coluna na qual ocorre a má-formação e pela magnitude das lesões no conteúdo do sistema nervoso (Andrade, Nomura, Barini,

Ver todos os capítulos

Capítulo 9. Anorexia nervosa na adolescência: avaliação e tratamento sob a perspectiva analítico-comportamental

PDF Criptografado

9

Anorexia nervosa na adolescência: avaliação e tratamento sob a perspectiva analítico-comportamental

Felipe Alckmin-Carvalho | Márcia H. S. Melo

No presente capítulo, inicialmente são descritos os critérios diagnósticos da anorexia nervosa

(AN), os prejuízos fisiológicos e sociais associados ao transtorno psiquiátrico e as mudanças na epidemiologia do transtorno alimentar (TA). Em um segundo momento, é descrita a compreensão analítico-comportamental da AN, com ênfase em seus determinantes filogenéticos, ontogenéticos e culturais. Por fim, trazemos o caso clínico de um menino, adolescente, diagnosticado com AN; apresentamos análises funcionais molares e moleculares do caso e as implicações dessas análises para o delineamento do tratamento.

Consideramos que este capítulo contribui para preencher uma lacuna na literatura científica nacional sobre a avaliação e o tratamento analítico-comportamental de adolescentes com AN.

Esperamos que a leitura seja útil para a formação de psicólogos clínicos e outros profissionais da

Ver todos os capítulos

Capítulo 2. Formulação comportamental ou diagnóstico comportamental: um passo a passo

PDF Criptografado

2

Formulação comportamental ou diagnóstico comportamental: um passo a passo

Flávia Nunes Fonseca | Lorena Bezerra Nery

A busca pela compreensão do comportamento humano e de suas causas remonta ao período da Antiguidade (ver capítulo de Silva & Bravin, neste livro). Nesse contexto, verifica-se que o investimento no desenvolvimento de classificações para os transtornos mentais também é antigo, tendo como um antecedente histórico significativo a doutrina de Hipócrates (460-377 a.C.), que sugere desequilíbrios corporais como origem para a doença mental. Outro importante marco histórico foi o Tratado Médico-Filosófico sobre a Alienação Mental, de Pinel, o qual defende que são desarranjos na mente que produzem a loucura (Cavalcante & Tourinho, 1998).

Segundo Dalgalarrondo (2000), na Medicina e na Psicopatologia, há diferentes critérios de normalidade e anormalidade. Como exemplos, podem-se citar:

1. Normalidade como ausência de doença: ausência de sintomas, de sinais ou de doenças.

Ver todos os capítulos

Capítulo 20. Análise funcional de um caso de transtorno bipolar

PDF Criptografado

20

Análise funcional de um caso de transtorno bipolar

Alceu Martins Filho

O diagnóstico psiquiátrico é importante para que informações sobre o indivíduo que procura tratamento na área da saúde mental sejam compartilhadas entre os profissionais. Essas informações versam sobre padrões topográficos (i.e., formas de comportamento) de respostas estatisticamente prevalentes em sujeitos acometidos por transtornos mentais de mesma alcunha (Lappalainen

& Tuomisto, 2005). Os padrões topográficos de respostas são os sintomas. Dessa forma, a descrição presente no Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais (American Psychiatric Association [APA], 2013/2014) não inclui a história de seleção ontogenética que produziu esse responder nem as consequências que mantêm essas respostas, tampouco atenta para os contextos antecedentes envolvidos na sua emissão.

Para a terapia de base analítico-comportamental, discursar sobre estatística e rótulos psicopatológicos não é fundamental. A Análise do

Ver todos os capítulos

Ver Todos

Antonio De P Dua Serafim Fabiana Saffi (30)
Título Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta

Capítulo 15 | Transtorno de déficit de atenção/hiperatividade em adultos

PDF Criptografado

15

Transtorno de déficit de atenção/ hiperatividade em adultos

LUCIANA DE CARVALHO MONTEIRO

ANTONIO DE PÁDUA SERAFIM

A capacidade atencional é a função psicológica básica contra a qual as demais funções serão contrastadas, uma vez que é o fundamento de todo exame da atividade mental. Toda tarefa realizada diariamente implica atividade cerebral, a qual requer direcionamento e seleção durante certo período. Para Sternberg (2000), a atenção como processo consciente permite ao indivíduo monitorar sua interação com o ambiente, adaptar-se ao meio e arquivar informações (memória), além de fornecer-lhe a capacidade de planejar e controlar futuras ações por meio do referido monitoramento. Quando a pessoa não consegue executar essas etapas do processo da atenção, dependendo do grau de dificuldade, poderá vir a se configurar um transtorno.

O transtorno de déficit de atenção/ hiperatividade (TDAH) é uma doença do neurodesenvolvimento que afeta 5% das crianças e adolescentes (Dias et al., 2013).

Ver todos os capítulos

Capítulo 3 | Noções básicas do direito: orientaçõespara a perícia em saúde mental

PDF Criptografado

3

Noções básicas do direito: orientações para a perícia em saúde mental

ANNA CECÍLIA SANTOS CHAVES

ROBERTO AUGUSTO DE CARVALHO CAMPOS

O sistema jurídico brasileiro adotou o princípio da persuasão racional como diretriz norteadora do exercício jurisdicional, o que significa dizer que o magistrado deve formar sua convicção com fundamento nos elementos probatórios disponíveis nos autos do processo. No entanto, essa apreciação não se dará segundo um valor prefixado pela lei a cada espécie probatória, mas deverá seguir um método de ponderação crítica e racional. Qualquer arbítrio no exercício decisório será evitado em função do dever do magistrado de expressar e dar publicidade à motivação de todas as suas decisões, conforme estabelece a Constituição da República, no artigo 93, inciso IX.

É no auxílio à formação da convicção do julgador que atua o perito, que coloca a serviço do juiz seus conhecimentos especializados, de forma a orientar sua decisão.

Seu exercício profissional deve se dar de maneira neutra, equidistante, e o laudo deverá ser a fiel expressão de sua certeza técnica. O perito não pode adentrar a matéria jurídica (Motta, 2012); tampouco deverá considerar, em sua atuação, possíveis repercussões de suas conclusões periciais à seara do Direito, sob risco de enviesar a neutralidade de sua observação. O agir profissional do perito deve restringir-se ao campo de sua expertise, uma vez que a tarefa de-

Ver todos os capítulos

Capítulo 5 | Estruturas cerebrais

PDF Criptografado

5

Estruturas cerebrais

MARINA VON ZUBEN DE ARRUDA CAMARGO

IVAN APRAHAMIAN

PECULIARIDADES DO

SISTEMA NERVOSO CENTRAL

Figura 5.1, gerada a partir de um corte coronal de ressonância magnética. Cada uma dessas regiões pode ser dividida em várias

áreas distintas funcional e anatomicamente. A medula espinal, por sua vez, funciona como um condutor de sinais entre o encéfalo e as demais partes do corpo, além de controlar os reflexos musculoesqueléticos a partir de centros medulares. O encéfalo é responsável por integrar a informação sensorial e coordenar o funcionamento corporal voluntário e involuntário. Funções complexas, como o pensamento, o

O sistema nervoso central (SNC) é responsável pela integração de informações sensoriais e pela resposta adequada aos estímulos externos. Todo comportamento é mediado por esse sistema, que consiste essencialmente na medula espinal e no encéfalo. O cérebro é dividido em seis regiões: bulbo, ponte, cerebelo, mesencéfalo, diencéfalo e hemisférios, conforme ilustra a

Ver todos os capítulos

Capítulo 16 | Quadros depressivos

PDF Criptografado

16

Quadros depressivos

FABIANA SAFFI

ANTONIO DE PÁDUA SERAFIM

TRANSTORNOS DO HUMOR

O espectro dos transtornos relacionados ao humor é, hoje, uma das grandes causas de consultas médicas e afastamento das ati­vidades sociais, profissionais e pessoais, visto que a maioria deles tende a ser recorrente. Além disso, a ocorrência dos episódios individuais com frequência está relacionada com situações ou fatos estressantes (Schoepf, Uppal, Potluri, Chandran,

& Heun et al., 2014).

As alterações do humor na depressão acarretam um processo de intensa incapacidade para administrar um conjunto de sintomas, abrangendo desde a tristeza patológica e a irritabilidade até prejuízos cognitivos, que, em casos extremos, tornam a pessoa incapaz (Davison & Neale, 2001).

De maneira geral, os transtornos do humor representam uma importante alteração do humor e do afeto, manifestando-se desde como uma depressão até uma elação. De acordo com a Classificação internacional de doenças (Organização Mundial de Saúde, 1993), em seu capítulo referente aos transtornos mentais e de comportamento, a alteração do humor costuma ser acompanhada de uma modificação do nível global de atividade que envolve os transtornos depressivos e os transtornos bipolares. A Tabela 16.1 apresenta os principais sintomas das alterações do humor.

Ver todos os capítulos

Capítulo 28 | Simulação de déficits cognitivos

PDF Criptografado

28

Simulação de déficits cognitivos

ANTONIO DE PÁDUA SERAFIM

DANIELA PACHECO

ASPECTOS CONCEITUAIS

Esta obra tem discutido a relevância da avaliação neuropsicológica, cujo objetivo é rea­ lizar uma análise sistemática das alterações de comportamento fulcro de possíveis disfunções relativas à atividade cerebral normal, causadas por doença, lesão, estados emocionais, uso de substâncias químicas, modificações experimentais e/ou demais condições. Assim, autores como García-Domingo, Negredo-López e Fernández-Guinea (2004) já enfatizam que a neuro­ psicologia começa a ter cada vez mais peso no contexto forense.

O desempenho do neuropsicólogo especialista no domínio jurídico abrange todos os ordenamentos, e seu objetivo é avaliar os déficits neuropsicológicos de pessoas com danos cerebrais envolvidas em processos judiciais. A princípio, pode parecer paradoxal o uso da avaliação neuropsicológica para verificar a inexistência de déficits; contudo, no contexto jurídico, isso não é contraditório, pois, com os diversos objetivos e interesses, as pessoas tendem a relatar prejuízos de ordem cognitiva como forma de se beneficiar juridicamente (ganho secundário).

Ver todos os capítulos

Ver Todos

Aristides Volpato Cordioli Org Eugenio Horacio Grevet Org (46)
Título Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta

Capítulo 15. Psicoterapia baseada na mentalização

PDF Criptografado

15

Psicoterapia baseada na mentalização

Christian Kieling

Simone Hauck

A teoria da mentalização foi desenvolvida a partir da integração da teoria psicanalítica com as pesquisas do desenvolvimento e achados da neurociência. A capacidade de mentalizar envolve a compreensão de si mesmo e dos outros de forma implícita e explícita. Baseia-se na ideia de perceber e interpretar o comportamento humano em relação aos estados mentais intencionais (p. ex., necessidades, desejos, sentimentos, crenças, objetivos, propósitos, razões). A habilidade de mentalizar se desenvolve no contexto de uma relação de apego e está diretamente ligada à capacidade do cuidador de dar significado aos estados mentais do bebê/da criança e de comunicar essa compreensão de volta para o bebê/a criança por meio do espelhamento contingente marcado. Falhas na mentalização estão relacionadas a diversos transtornos psiquiátricos que envolvem patologias do self, como os transtornos da personalidade borderline (TPB) e antissocial, os transtornos alimentares, a depressão e o trauma. A melhora da mentalização pressupõe maior capacidade de regulação do afeto, controle de impulsos e assertividade. A terapia baseada na mentalização (TBM) propõe uma estrutura que organiza as intervenções conforme o entendimento do desenvolvimento e adverte claramente sobre técnicas psicoterápicas que podem ser prejudiciais na vigência de patologia central associada à mentalização. Neste capítulo, são revisadas as bases teóricas que deram origem à TBM e seus desenvolvimentos, as características desse tipo de tratamento e sua aplicação, bem como evidências disponíveis e perspectivas futuras.

Ver todos os capítulos

Capítulo 36. Terapia comportamental no tratamento das fobias específicas

PDF Criptografado

Terapia comportamental no tratamento das fobias específicas

36

Aristides Volpato Cordioli

Cristiano Tschiedel Belem da Silva

Ilana Andretta

As fobias específicas figuram entre os transtornos psiquiátricos mais comuns. Caracterizam-se por início relativamente precoce e curso crônico, caso não sejam tratadas de modo adequado. Neste capítulo, são apresentados os aspectos epidemiológicos e as características gerais das diferentes fobias. Também são discutidos os diferentes modelos teóricos propostos para explicar a gênese e a manutenção das fobias e que embasam sua abordagem por meio da psicoterapia comportamental de exposição. Casos clínicos ilustram os distintos aspectos abordados. É descrita a terapia de exposição e são analisados os moderadores de resposta à psicoterapia comportamental, entre eles o uso de farmacoterapia adjuvante e dos potencializadores cognitivos. Ao final do capítulo, são discutidas as perspectivas futuras e questões em aberto.

As fobias são os problemas psiquiátricos mais comuns, sendo que a maioria das pessoas apresenta temporariamente algum subtipo que, por ser de grau leve, acaba não afetando seu dia a dia. Também é muito frequente que crianças, em determinado momento do desenvolvimento, apresentem alguma fobia, que, na maioria das vezes, desaparece de forma espontânea. Entretanto, cerca de 10% das pessoas têm sua vida comprometida, em maior ou menor grau, por esses medos irracionais.

Ver todos os capítulos

Capítulo 28. Psicoterapias no tratamento dos transtornos por uso de substâncias: álcool e outras substâncias

PDF Criptografado

Psicoterapias no tratamento dos transtornos por uso de substâncias:

28

álcool e outras substâncias

Lisia von Diemen

Silvia Bassani Schuch Goi

Felix Kessler

Flavio Pechansky

As psicoterapias seguem como o tratamento padrão-ouro para os transtornos por uso de substâncias (TUSs). Apesar de todos os modelos apresentarem evidências de eficácia, as terapias cognitivo-comportamentais (TCCs) são as que se mostram mais aplicáveis no contexto clínico e com maior adesão. É importante saber em qual estágio de mudança o paciente se encontra para, assim, indicar a melhor técnica que contemple o momento do indivíduo.

Em geral, as intervenções são simultâneas e complementares, podendo ser utilizadas em conjunto para auxiliar na remissão dos sintomas. A entrevista motivacional (EM) e a prevenção de recaída (PR) são as técnicas mais difundidas e, em geral, são os pilares do tratamento. Além disso, outras estratégias terapêuticas já utilizadas para outros transtornos mentais têm sido incorporadas ao tratamento dos TUSs, com bons resultados. Algumas delas são apresentadas aqui.

Ver todos os capítulos

Capítulo 22. Focos de atenção na fase adulta

PDF Criptografado

Focos de atenção na fase adulta

22

Simone Hauck

Ives Cavalcante Passos

Pricilla Braga Laskoski

Luís Francisco Ramos-Lima

A idade adulta compreende a fase mais longa do ciclo vital e pode ser dividida em fase do adulto jovem (20 a 40 anos) e fase do adulto intermediário (40 a 65 anos). Na fase do adulto jovem, o indivíduo enfrenta alguns dos maiores desafios do ciclo vital, desde a definição de sua identidade e independização às escolhas relativas a trabalho e constituição de família.

O momento atual apresenta grandes modificações em termos tecnológicos e culturais, implicando aumento significativo da expectativa de vida e ampla reavaliação dos valores da sociedade em direção à busca da igualdade de oportunidades e de respeito às diferenças.

Tais mudanças permitem uma gama muito maior de possibilidades e exercício da individualidade. Nesse contexto, a fase de adulto intermediário, antes bastante marcada pela dita

“crise da meia-idade”, passa a ser uma janela de oportunidade para revisão das escolhas da fase anterior ou consolidação delas, em busca de uma vida mais satisfatória e autêntica.

Ver todos os capítulos

Capítulo 4. Fatores comuns e específicos das psicoterapias

PDF Criptografado

4

Fatores comuns e específicos das psicoterapias

Luciano Isolan

Lívia Hartmann de Souza

Aristides Volpato Cordioli

As psicoterapias são um importante recurso para o tratamento dos transtornos mentais e de problemas de natureza emocional. Em algumas situações, são o método de escolha; em outras, um importante coadjuvante a outras abordagens de tratamento, como a farmacoterapia. Questionadas no passado, hoje as psicoterapias são amplamente aceitas como tratamentos eficazes para uma grande variedade de condições psiquiátricas e psicológicas. Além da eficácia, diversas pesquisas vêm tentando elucidar a forma como ocorrem as mudanças promovidas pela psicoterapia, bem como quais são os fatores envolvidos nesse processo.

Até a segunda metade do século passado, havia um debate acerca de quais seriam os verdadeiros fatores responsáveis pelas mudanças obtidas com a psicoterapia: os fatores específicos, ou seja, as técnicas, em oposição aos não específicos, também chamados de fatores comuns, ou seja, a pessoa do terapeuta, o contexto, o tipo de relação estabelecido e as condições do paciente. Na atualidade, existe relativo consenso de que ambos os grupos de fatores têm importante peso nos resultados.

Ver todos os capítulos

Ver Todos

Carregar mais