24379 capítulos
Medium 9788527730945

24 - Deficiência Mental

Maria Lucia Zarvos Varellis Grupo Gen PDF Criptografado

24

Deficiência Mental

Maria Lucia Zarvos Varellis

iva tat ap ad

es

es

ad

ad

cid

ilid ab

pa

•H

lho

Ca

s

ba

no

/tra

tor

ola

En

sc

de

• In

tel

ida

un

igê

nc

om

ias

•C

Varellis_24.indd 201

•E

A DM não é um estado bem definido e representa uma condição mental relativa a valores preestabelecidos por indivíduos de uma mesma cultura. Essa avaliação é feita de acordo com o funcionamento da sociedade em que o indivíduo está inserido. Um indivíduo pode ser considerado deficiente em determinada cultura, mas em outra

ar

• Comunicação

• Autocuidado

• Vida doméstica

• Habilidades sociais

• Relacionamento interpessoal

• Uso de recursos comunitários

• Autossuficiência

• Habilidades acadêmicas

• Trabalho

• Lazer

• Saúde e segurança

Ver todos os capítulos
Medium 9788541203708

15 Considerações Adicionais sobre a Montagem de Dentes

Vicente De Paula Prisco da Cunha, Leonardo Machini Grupo Gen PDF Criptografado

15

Considerações

Adicionais sobre a

Montagem de Dentes

Márcia Sampaio Campos

Vicente de Paula Prisco da Cunha

■■

Dentes anteriores, 110

■■

Dentes posteriores, 110

■■

Aspecto oclusal, 110

■■

Outros métodos, 111

■■

Fatores que interferem no ajuste, 111

■■

Bibliografia, 112

Prisco 15.indd 109

9/12/2013 20:05:55

Prótese Total Contemporânea na Reabilitação Bucal

Levando em consideração os fatores já abordados nos capítulos anteriores, é fundamental a discussão adicional dos aspectos estéticos, funcionais e par­ticular­mente oclusais relacionados com a montagem dos dentes artificiais. Para efeito didático, os fatores julgados relevantes foram divididos, de modo que facilitem o entendimento geral do assunto.

CC

15

Dentes anteriores

Os dentes anteriores são os principais alvos estéticos de uma prótese total mucossuportada (PTMS), mas não devemos excluir sua funcionalidade nos processos mastigatório e fonético. Quanto ao aspecto estético, a rea­li­zação de provas da montagem dos dentes anteriores é um dos fatores que mais contribui para a participação do paciente e, consequentemente, para a aceitação da reabilitação. Quando é rea­li­zada sem a montagem dos dentes posteriores, há benefícios no tratamento como um todo, já que as linhas de referência e a seleção dos dentes artificiais podem ser checadas antes da montagem de todo o arco. Correções nessa fase são extremamente importantes e passíveis de ser rea­li­zadas com certa facilidade, a fim de adequar a prótese confeccionada pelo profissional às expectativas do paciente.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536313320

24 - Do sintoma à síndrome

Paulo Dalgalarrondo Grupo A PDF Criptografado

24

Do sintoma à síndrome

TRANSFUNDO DAS VIVÊNCIAS

PSICOPATOLÓGICAS E

SINTOMAS EMERGENTES

Desenvolvendo o modelo sugerido por autores como Jaspers, Schneider e Weitbrecht, propõe-se aqui situar as vivências psicopatológicas em duas perspectivas

Têm-se, de um lado, fundamentais: têmos transfundos das vivências psicopase, de um lado, os tológicas, espécie de transfundos das palco, de contexto vivências psicopamais geral, em que tológicas, espécie emergem os sintode palco, de contexmas. De outro, recoto mais geral, em nhecem-se os sintoque emergem os sinmas específicos vivenciados, denominatomas. De outro, redos sintomas emerconhecem-se os singentes. tomas específicos vivenciados, denominados sintomas emergentes. Eles são, portanto, vivências pontuais, que ocorrem sempre sobre determinado transfundo.

Esse transfundo, por sua vez, influencia basicamente o sentido, a direção, a qualidade específica do sintoma emergente. Há uma relação dialética entre o sintoma emergente e o transfundo, entre a figura e o fundo, a parte e o todo, o pontual e o contextual.

Ver todos os capítulos
Medium 9788541201278

8 | Profilaxia Antibiótica

Grupo Gen PDF Criptografado

8

Profilaxia Antibiótica

Ezilmara Leonor Rolim de Sousa, Gabriela Garcia Torino,

Gabriela Bülow Martins e Rogério de Castilho Jacinto

A era da profilaxia antibiótica teve início após a Segunda Guerra Mundial, a partir da disponibilização da penicilina para a população em geral. Essa prática recebeu grande impulso em 1955, quando a American Heart Association (AHA) divulgou as primeiras recomendações para a prevenção da endocardite bacteriana.

A profilaxia antibiótica consiste no uso de antibióticos para prevenir infecções em pacientes sem evidências clínicas de infecção, a fim de prevenir a colonização bacteriana e reduzir o risco de desenvolvimento de complicações pós-operatórias. É, portanto, a administração de um antibiótico previamente a um procedimento em que se espera haver bacteriemia.

Pacientes que necessitam de profilaxia antibiótica

Os pacientes que necessitam receber profilaxia antibiótica classificam-se em dois grupos. O primeiro inclui pacientes em que o risco de infecção é pequeno, porém suas consequências seriam muito graves: pacientes de risco para endocardite infecciosa ou para osteorradionecrose e pacientes com prótese articular.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536527284

13.11 Hemorragias

Paulo Roberto Barsano, Rildo Pereira Barbosa Editora Saraiva PDF Criptografado

Primeiros socorros • Capítulo 13

247

• Simples: quando a ruptura óssea se localiza internamente, não se rompendo os tecidos da pele.

• Exposta: quando o rompimento extravasa para a superfície, dilacerando a pele e deixando o osso exposto.

Dependendo de como ocorreu o sinistro, pode haver vários tipos de fraturas, detectadas apenas por meio de raios X, como, por exemplo:

• Oblíqua: quando há o trincamento do osso.

• Comutativa: quando há fratura em mais de dois lugares no mesmo osso.

• Impactada: quando há “redução” do osso após impacto traumático.

• Espiral: quando a fratura se encontra ao redor do osso.

• Galho verde: quando a fratura constituída de fissuras no osso.

Em qualquer situação em que haja suspeita ou confirmação de fratura, o procedimento utilizado para o pré-atendimento é a imobilização do membro atingido, para redução de sua movimentação e de dor da vítima, por meio de talas flexíveis e enfaixamento. Em todos os casos, jamais se deve improvisar atendimento ou medicar a vítima, e o envio para o hospital só deve ser feito dependendo do tipo de trauma, podendo ser necessário o atendimento de profissionais especializados no local (como, por exemplo, traumatismos envolvendo a coluna cervical).

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos