1549 capítulos
Medium 9788541202534

EXAME DO LÍQUIDO CEFALORRAQUIDIANO

Paulo Augusto Neves Grupo Gen PDF Criptografado

6 LÍQUIDO CEFALORRAQUIDIANO

978-85-7241-911-6

lhidas hemoculturas e iniciado imediatamente o tratamento com antibióticos.

A complicação mais frequente da punção liquórica é o sangramento discreto decorrente de lesão de vasos aracnoides, porém podem ocorrer mais raramente lesões arteriais dando origem a hemorragias ou hematomas. Se a agulha for posicionada de forma inadequada, pode atingir as raízes raquidianas desencadeando parestesias. Nestes casos, a agulha deve ser retirada até a pele, a posição do paciente deve ser verificada novamente e a agulha deve ser reinserida na linha média. Cerca de

60% dos pacientes apresentam cefaleia pós-punção e

40% podem apresentar dor nas costas. A incidência de cefaleia pós-punção pode ser reduzida com a utilização de agulhas atraumáticas e de menor calibre, idealmente ao redor de 22G (gauge). Ainda, a reinserção do mandril antes da retirada da agulha pode reduzir a incidência de cefaleia pós-punção. Embora a maioria dos médicos recomende o repouso e hidratação adequada após a punção, não há evidências de que estas medidas reduzam a incidência de cefaleia.

Ver todos os capítulos
Medium 9788541202558

CAPÍTULO 2 - LÍQUIDOS CAVITÁRIOS

Paulo Augusto Neves Grupo Gen PDF Criptografado

Capítulo 2

LÍQUIDOS CAVITÁRIOS

Os líquidos cavitários incluem os líquidos pleural, pericárdico e peritoneal. Sua formação depende de ultrafiltração através da membrana parietal, em função da pressão hidrostática, determinada principalmente pela pressão sanguínea e pela pressão coloidosmótica (relacionada às proteínas plasmáticas). A permeabilidade capilar também é um importante fator envolvido na formação dos líquidos cavitários. As principais funções dos líquidos cavitários são a proteção mecânica dos órgãos, o fornecimento de nutrientes e a eliminação de catabólitos. Os volumes normais para um indivíduos adulto são de aproximadamente 10mL de líquido pleural, 20 a 50mL de líquido pericárdico e 100mL de líquido peritoneal.

O acúmulo de líquidos cavitários, ou derrame, pode decorrer de vários processos fisiopatológicos, como aumento de permeabilidade capilar (encontrado em processos inflamatórios, infecciosos e tumorais), aumento de pressão hidrostática (como em insuficiência cardíaca congestiva e hipertensão arterial sistêmica), diminuição da pressão coloidosmótica

Ver todos os capítulos
Medium 9788541202534

EXAME FÍSICO DO LÍQUIDO CEFALORRAQUIDIANO

Paulo Augusto Neves Grupo Gen PDF Criptografado

978-85-7241-911-6

LÍQUIDO CEFALORRAQUIDIANO 11

mente. A pressão hidrostática é extremamente sensível à retirada de pequenas quantidades de liquor.

Ocorre nos casos de tumores cerebrais, em que as massas limitam os espaços ventriculares e subaracnóideos, comprimindo o liquor na cisterna bulbocerebral e na raque. Em geral, o Qr é inferior a 3 e o Qrd superior a 3.

Durante a verificação das pressões pode ser realizada manobra para avaliação da permeabilidade do canal raquimedular. Após a compressão das veias jugulares por

10s, ocorre aumento da pressão liquórica em um valor denominado índice de Queckenstdt (Q), que em geral é o dobro da PI, e 20s após interrupção da compressão, o valor da pressão tende a voltar aos valores iniciais. O canal medular pode estar bloqueado em casos de tumores ou mal de Pott.

As fórmulas para cálculos do Qr, Qrd, IP e Q e interpretações dos valores encontrados estão no Quadro 1.

As causas de elevação da PI do LCR são os processos expansivos intracranianos, trombose de seio venoso cerebral, hipertensão intracraniana idiopática, aumento do fluxo sanguíneo cerebral, manobra de Valsalva, aumento da pressão intratorácica, obstrução da veia cava superior, agitação psicomotora e choro. As causas de hipotensão liquórica incluem fístula liquórica, ocupação da cisterna magna, obstrução do canal raquimedular e hipercapnia.

Ver todos os capítulos
Medium 9788553131242

16.4 TÉCNICAS DE CONSOLIDAÇÃO

Silvério das Neves, Paulo Viceconti Editora Saraiva PDF Criptografado

Capítulo 16

Demonstrações financeiras consolidadas

497

16.3 ` CONCEITOS IMPORTANTES

16.3.1 Holding

Sociedade que controla outra mediante participação substancial no seu capital social, tendo como objetivo social a administração, participação e empreendimentos, ou seja, representa a concentração do poder decisório de várias empresas nas mãos de uma que detém o controle acionário das demais.

16.3.2 Controle decisório

É o exercício, de direito e de fato, do poder de eleger administradores da sociedade e de dirigir o funcionamento dos órgãos da empresa.

16.4 ` TÉCNICAS DE CONSOLIDAÇÃO

Em princípio, a consolidação das demonstrações financeiras consiste em somar os valores correspondentes aos elementos contábeis semelhantes, existentes nas empresas que serão consolidadas, excluindo-se: a) as participações de uma sociedade em outra; b) os saldos de quaisquer contas entre as sociedades; c) as parcelas correspondentes aos resultados, ainda não realizados, de negócios entre as sociedades, que constem no resultado do exercício, dos lucros ou prejuízos acumulados, do custo dos estoques ou do Ativo Não Circulante das respectivas demonstrações contábeis.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536307558

10. Atividades de laboratório

Márcio Borges Moreira, Carlos Augusto De Medeiros Grupo A PDF Criptografado

Moreira & Medeiros

CAPÍTULO

165

10

Atividades de laboratório

Os livros de psicologia, das mais diversas áreas e abordagens, apresentam uma infinidade de teorias sobre uma miríade de assuntos que dizem

B. F. Skinner em seu respeito ao ser humano e, em alguns casos, aos organismos vivos em laboratório geral. Nos livros e nos manuais de psicologia, é possivel encontrar dezenas de teorias sobre a aprendizagem, muitas delas fornecendo explicações diferentes para um mesmo fenômeno. Por que tantas teorias sobre o mesmo assunto? Todas elas estão certas e se completam? Existem várias porque nenhuma de fato é correta ou completa? Só há uma maneira de comprovar a “veracidade” de uma teoria: subentendo-a ao teste empírico, ou seja, verificando na prática e, de preferência, no laboratório, onde podemos controlar melhor as situações que criamos para avaliar as teorias. Neste capítulo, abordaremos a descrição de várias atividades que podem ser desenvolvidas no laboratório com ratos albinos para o estudo do comportamento.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos