207 capítulos
Medium 9788521618041

1 - Corrosão

Vicente Gentil Grupo Gen PDF Criptografado

1

Corrosão

1.1 CONCEITOS

Num aspecto muito difundido e aceito universalmente podese definir corrosão como a deterioração de um material, geralmente metálico, por ação química ou eletroquímica do meio ambiente associada ou não a esforços mecânicos. A deterioração causada pela interação físico-química entre o material e o seu meio operacional representa alterações prejudiciais indesejáveis, sofridas pelo material, tais como desgaste, variações químicas ou modificações estruturais, tornando-o inadequado para o uso.

A deterioração de materiais não metálicos, como, por exemplo, concreto, borracha, polímeros e madeira, devida à ação química do meio ambiente, é considerada também, por alguns autores, como corrosão. Assim, a deterioração do cimento portland, empregado em concreto, por ação de sulfato, é considerada um caso de corrosão do concreto; a perda de elasticidade da borracha, devida à oxidação por ozônio, pode também ser considerada como corrosão; a madeira exposta à solução de ácidos e sais

Ver todos os capítulos
Medium 9788521618041

6 - Corrosão: Mecanismos Básicos

Vicente Gentil Grupo Gen PDF Criptografado

6

Corrosão: Mecanismos

Básicos

No estudo dos processos corrosivos devem ser sempre consideradas as variáveis dependentes do material metálico, do meio corrosivo e das condições operacionais, pois o estudo conjunto dessas variáveis permitirá indicar o material mais adequado para ser utilizado em determinados equipamentos ou instalações. Entre essas variáveis devem ser consideradas:

costado do tanque, e, como é insolúvel no ácido concentrado, protege contra posterior ataque; já o ácido sulfúrico diluído está mais ionizado pela água, sendo mais corrosivo e formando

• material metálico — composição química, presença de impurezas, processo de obtenção, tratamentos térmicos e mecânicos, estado da superfície, forma, união de materiais (solda, rebites etc.), contato com outros metais;

• meio corrosivo — composição química, concentração, impurezas, pH, temperatura, teor de oxigênio, pressão, sólidos suspensos;

• condições operacionais — solicitações mecânicas, movimento relativo entre material metálico e meio, condições de imersão no meio (total ou parcial), meios de proteção contra a corrosão, operação contínua ou intermitente.

Ver todos os capítulos
Medium 9788521618041

10 - Corrosão Eletrolítica

Vicente Gentil Grupo Gen PDF Criptografado

10

Corrosão Eletrolítica

Os casos de corrosão estudados anteriormente envolveram sempre processos eletroquímicos espontâneos, isto é, a diferença de potencial se origina dos potenciais próprios dos materiais metálicos no processo corrosivo. Existem, entretanto, correntes ocasionadas por potenciais externos que produzem casos severos de corrosão. Dutos enterrados, como oleodutos, gasodutos, adutoras, minerodutos e cabos telefônicos, estão frequentemente sujeitos a esses casos em virtude das correntes elétricas de interferência, que são correntes elétricas de sentido convencional, as quais abandonam o seu circuito normal para fluir pelo solo ou pela água. Essas correntes elétricas são chamadas de correntes de fuga, estranhas, parasitas, vagabundas ou espúrias.

Quando elas atingem instalações metálicas enterradas podem ocasionar corrosão nas superfícies onde abandonam a estrutura metálica, penetram no solo para, através dele, retornarem ao ponto adequado do circuito metálico original. Igual fenômeno pode ocorrer quando o duto estiver imerso em água.

Ver todos os capítulos
Medium 9788521618041

17 - Corrosão em Concreto

Vicente Gentil Grupo Gen PDF Criptografado

17

Corrosão em Concreto

17.1 INTRODUÇÃO

O concreto é um material de construção de grande e diversificado uso, daí sua durabilidade ser fator importante na avaliação de um projeto.

As estruturas de concreto são projetadas e executadas para manter condições mínimas de segurança, estabilidade e funcionalidade durante um tempo de vida útil, sem custos não previstos de manutenção e de reparos.

O concreto é constituído principalmente de cimento, areia,

água e agregados de diferentes tamanhos. Em alguns casos são usados aditivos como plastificantes e microssílica.

As matérias-primas usadas na fabricação do cimento portland são, principalmente, calcário, sílica, alumina e óxido de ferro.

Essas substâncias reagem entre si, quando aquecidas, formando os principais componentes do cimento silicato tricálcico .......................... 3CaOиSiO2 (C3S) silicato dicálcico .......................... 2CaOиSiO2 (C2S) aluminato tricálcico ..................... 3CaOиAl2O3 (C3A) ferro aluminato tetracálcico ......... 4CaOиAl2O3иFe2O3 (C4AF)

Ver todos os capítulos
Medium 9788521618041

19 - Inibidores de Corrosão

Vicente Gentil Grupo Gen PDF Criptografado

19

Inibidores de Corrosão

19.1 CONSIDERAÇÕES GERAIS

Inibidor é uma substância ou mistura de substâncias que, quando presente em concentrações adequadas, no meio corrosivo, reduz ou elimina a corrosão.

Substâncias com essas características têm sido muito usadas como um dos melhores métodos para proteção contra a corrosão, e muitas pesquisas, visando à utilização de novos compostos com esse objetivo, têm sido estimuladas por diversas indústrias.

Para que a utilização dos inibidores seja satisfatória, é preciso considerar, fundamentalmente, quatro aspectos, descritos a seguir.

O primeiro corresponde às causas da corrosão no sistema, a fim de identificar os problemas que podem ser solucionados com o emprego de inibidores.

Em segundo lugar, vem o custo da sua utilização, para verificar se excede ou não o das perdas originadas pelo processo corrosivo. Nessa avaliação deve-se levar em conta, evidentemente, fatores como:

• aumento da vida útil do equipamento;

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos