678 capítulos
Medium 9788584290604

Capítulo 2. Leitura, produção e análise de textos

Ada Magaly Matias Brasileiro Grupo A PDF Criptografado

2

Leitura, produção e análise de textos

>> �Concepções e estratégias de LEITURA, os tipos de leitor e suas características e as relações textuais.

>> �Conceitos sobre leitura e produção de textos TÉCNICOS E ACADÊMICOS.

>> �Texto LITERÁRIO e suas diferentes classificações e especificidades.

32

leitura e produção textual

Deve-se escrever da mesma maneira como as lavadeiras lá de Alagoas fazem seu ofício.

Elas começam com uma primeira lavada, molham a roupa suja na beira da lagoa ou do riacho, torcem o pano, molham-no novamente, voltam a torcer. Colocam o anil, ensaboam e torcem uma, duas vezes. Depois enxáguam, dão mais uma molhada, agora jogando a água com a mão. Batem o pano na laje ou na pedra limpa e dão mais uma torcida e mais outra, torcem até não pingar do pano uma só gota. Somente depois de feito tudo isso é que elas dependuram a roupa lavada na corda ou no varal, para secar. Pois quem se mete a escrever devia fazer a mesma coisa. A palavra não foi feita para enfeitar, brilhar como outro falso; a palavra foi feita para dizer. (RAMOS, 2005).

Ver todos os capítulos
Medium 9788573077612

Capítulo 3 | Ler e aprender matemática

Kátia Cristina Stocco Smole, Maria Ignez de Souza Vieira Diniz Grupo A PDF Criptografado

Ler, Escrever e Resolver Problemas

69

c a p í t u l o

Ler e Aprender Matemática

Kátia C.S. Smole e Maria Ignez Diniz

Em qualquer área do conhecimento, a leitura deve possibilitar a compreensão de diferentes linguagens, de modo que os alunos adquiram uma certa autonomia no processo de aprender. Em uma situação de aprendizagem significativa, a leitura é reflexiva e exige que o leitor se posicione diante de novas informações, buscando, a partir da leitura, novas compreensões.

Neste capítulo, pretendemos analisar a importância de ensinar os alunos a lerem com compreensão nas aulas de matemática e indicar algumas sugestões de atividades para propiciar a aprendizagem, a partir da leitura, também nessa disciplina.

3

É comum os professores acreditarem que as dificuldades apresentadas por seus alunos em ler e interpretar um problema ou exercício de matemática estão associadas à pouca habilidade que eles têm para leitura. Também é comum a concepção de que, se o aluno tivesse mais fluência na leitura nas aulas de língua materna, conseqüentemente ele seria um melhor leitor nas aulas de matemática.

Ver todos os capítulos
Medium 9788584290376

E. Ler um livro em poucos minutos ?

Claudio de Moura Castro Grupo A PDF Criptografado

72

Leitura comparativa

Essa é a fase mais nobre e mais difícil: Que lições o autor nos ensina? Como elas convivem com outras que flutuam no espaço intelectual desses assuntos?

A leitura comparativa consiste em confrontar o que está no livro com o mundo intelectual que lida com assuntos iguais ou parecidos. É a fase mais criativa e, certamente, a mais difícil.

Voltando ao exemplo já citado, queremos nos colocar na posição de alguém que faz uma resenha ou avaliação crítica de um livro. Mostre os pontos fortes, critique fraquezas, compare com outras obras e pondere sobre a contribuição que o autor teria feito.

pratique!

Tome um livro bem curto, mas tido como importante e bem escrito. De preferência, um livro que você tenha que ler para seu curso. Aplique todas as regras citadas acima.

Comente em uma ou duas linhas o que você tirou de cada etapa, dentro de cada um dos três níveis de leitura. Conclua.

E. Ler um livro em poucos minutos?

Há cursos de leitura dinâmica que prometem a leitura de um livro em poucos minutos.

Ver todos os capítulos
Medium 9788577806577

2. Sensores e Transdutores

Bolton, William Grupo A PDF Criptografado

2.2 Terminologia para Definição de Desempenho

Este capítulo aborda os transdutores, e em particular os que são usados como sensores. A terminologia que é usada para especificar as curvas características de desempenho de transdutores é definida e são discutidos exemplos de transdutores normalmente usados em engenharia.

2.1.1 Sensores inteligentes

Alguns sensores também possuem no mesmo encapsulamento o circuito de condicionamento de sinal. Entretanto, este sensor integrado demanda ainda um processamento de dados adicional. É possível ainda encontrar um sensor que combina o circuito de condicionamento do sinal com um microprocessador no mesmo encapsulamento.

Este arranjo é denominado sensor inteligente. Este sensor pode ter funções como a capacidade de compensar erros aleatórios para se adaptar a mudanças no ambiente, fornecer um cálculo automático da precisão da medida, compensar não linearidade para que a saída seja linear, auto calibração e auto diagnóstico de defeitos.

Estes sensores têm um padrão próprio, IEEE 1451, de forma que, ao representar os sinais neste padrão, eles podem ser usados na forma plug-and-play, mantendo a comunicação de dados em uma forma padrão. A informação é armazenada na forma de uma TEDS (Transducer Electronic Datasheet – Folha de Dados Eletrônica do Transdutor), geralmente em uma EEPROM, identifica cada dispositivo e fornece os dados de calibração.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597013528

7 - Como Elaborar Referências Bibliográficas e Citar Textos

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria Grupo Gen PDF Criptografado

7

Como Elaborar Referências

Bibliográficas e Citar Textos

As normas para elaboração de referências bibliográficas de largo uso no Brasil são fixadas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Há outras, como a de Vancouver, utilizada particularmente por pesquisadores da área de saúde que publicam em periódicos internacionais, e a de Harvard, utilizada em

Ciências Sociais e Psicologia (que pode ser encontrada no Manual de Estilo de

Chicago e no Manual de Publicação da APA [American Psychological Association]). A seguir, veremos duas normas da ABNT: a 6023:2002, que trata de referências bibliográficas, e a 10520:2002, que trata de citações diretas e indiretas.

1

COMO REFERENCIAR TEXTOS

Os elementos que constituem uma citação bibliográfica devem ser obtidos preferencialmente da folha de rosto do livro utilizado. Quando o elemento não constar da obra referenciada, essa informação figurará entre colchetes (NBR

6023:2002, parágrafo 8.6.2):

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos