21897 capítulos
Medium 9788536325187

O difícil nascimento da democracia liberal

Iain Mackenzie Grupo A PDF Criptografado

Política

119

será realista e, mais importante ainda, acaso será desejável? É a participação política necessária para preservar nossa liberdade? A visão de Mill da liberdade que resulta de engajamento ativo na vida política, de fato, está em tensão com sua defesa da liberdade como espaço de não interferência.

Ainda que essas ideias possam, em princípio, ser reconciliadas, é preciso levantar questão sobre onde se devem traçar as linhas divisórias entre o comprometimento de Mill com a privacidade e sua defesa do serviço público. Em termos mais fundamentais ainda, porém, conseguimos nós distinguir entre prazeres superiores e inferiores? Não será simplesmente elitismo da classe média vitoriana supor que ler poesia seja fonte de prazer superior a jogar jogos de salão? Pode ser que Mills esteja confundindo sua preferência pessoal por poesia com uma preferência que todos deveriam compartilhar? Na verdade, se o prazer é assunto de escolha subjetiva, então não haveria razão para presumir que haja prazeres superiores e inferiores. Prosseguindo nessa linha, é difícil enxergar como Mill consegue justificar a participação política da forma que o faz. Muitos outros filósofos políticos, porém, adotaram caminhos diferentes para justificar o governo democrático, e nós podemos degustá­‑los por meio de uma breve história do difícil nascimento das democracias liberais.

Ver todos os capítulos
Medium 9788562937354

3. O Nascimento da Macroeconomia

Edson Peterli Editora Almedina PDF Criptografado

3.

O Nascimento da Macroeconomia

Fundamentos da Macroeconomia.indd 49

04/02/20 13:57

Fundamentos da Macroeconomia.indd 50

04/02/20 13:57

havia alcançado

14 milhões de desempregados: uma perda de 40% de postos de trabalho em relação aos níveis anteriores à grande depressão de 1929. Os paradigmas econômicos vigentes na época compunham o que hoje chamamos de economia (neo)clássica. Os economistas dessa época advogavam que o desemprego não prosperaria por conta de mecanismos corretivos proporcionados pelo livre jogo das forças de mercado. Aqueles que optam por não trabalhar o fazem, justificavam eles, por motivos voluntariosos. Apesar da realidade manifestar-se visivelmente contrária a essa ideia, o pensamento econômico (neo)clássico propalava que a oferta de mão de obra excedente retornaria às fábricas mediante a aceitação de menores salários pelos trabalhadores, que o livre jogo das forças de mercado propunham, e se não o faziam era por vontade própria.

Ver todos os capítulos
Medium 9788577801091

Capítulo 1 - O Nascimento da Produção Lean

Pascal Dennis Grupo A PDF Criptografado

CAPÍTULO

1

O Nascimento da Produção Lean

Existem algumas possibilidades para melhorar o sistema de produção...

Eiji Toyoda na planta Ford Rouge, cerca de 1950

Novas idéias vêm em resposta a problemas concretos. Para compreendermos a produção lean, precisamos compreender o sistema de produção em massa em que lean está suplan1

2, 3, 4, 5

. tando . Vamos fazer um breve tour histórico

Produção artesanal

Se você quisesse comprar um carro em 1900, por exemplo, visitaria um dos produtores artesanais de sua região. O dono da oficina, em geral um empresário cujo trabalho incluiria desde a manufatura até consertos, tomaria nota de suas especificações. Alguns meses depois, você receberia seu carro. Você o testaria na estrada, acompanhado de um mecânico que o modificaria de acordo com seu gosto. O carro seria único e o custo seria alto.

Contudo, você teria a satisfação de lidar diretamente com o fabricante e sua equipe.

A produção artesanal apresentava as seguintes características:

Ver todos os capítulos
Medium 9788565852821

Capítulo 16 - Princípios da comunicação interpessoal para a prática clínica

Cassyano J. Correr, Michel F. Otuki Grupo A PDF Criptografado

16

Princípios da comunicação interpessoal para a prática clínica

PAULA ROSSIGNOLI

RANGEL RAY GODOY

CASSYANO J. CORRER

Com origem no termo latino communicare, que significa “partilhar algo, tornar comum, repartir”, a comunicação diz respeito a uma qualidade inerente aos seres vivos e particular­ mente desenvolvida em seres humanos.1 A comunicação interpessoal na prática clínica não diz respeito apenas a como as informações são compartilhadas entre profissionais e pacientes, mas também como os profissionais comunicam informações entre si e como utilizam meios (escritos, falados, não verbais) a fim de transmiti-las. Para o farmacêutico clínico, conhecer os princípios e as técnicas da comunicação corresponde a uma habilidade essencial em praticamente todas as etapas do método clínico.

A comunicação na área de saúde envolve o estudo e a utilização de estratégias e técnicas de comunicação para informar, orientar e influenciar indivíduos e comunidades visando a promoção, proteção e recuperação da saúde individual e coletiva.

Ver todos os capítulos
Medium 9788530934699

PARTE DOIS - 7 - RICHARD WAGNER E O NASCIMENTO DA OBRA A ORIGEM DA TRAGÉDIA

Julian Young Grupo Gen PDF Criptografado

RICHARD WAGNER E O NASCIMENTO DA OBRA

A ORIGEM DA TRAGÉDIA

7

Durante três anos, como vimos no capítulo anterior, Nietzsche foi considerado um membro da família Wagner em Tribschen. Além da cordialidade emocional e da música sublime, Tribschen também lhe proporcionou um ambiente filosófico extremamente estimulante, presidido pelo espírito de Arthur Schopenhauer. À sua

“filosofia maravilhosamente profunda”,1 Wagner e Nietzsche eram, como vimos, igualmente devotados. Nietzsche enviava seus ensaios e palestras para Wagner, a fim de discuti-los e examiná-los em minúcias, e agradecia a Wagner pelos “muitos problemas puramente científicos” que eles solucionavam em suas discussões.2 E

Wagner enviou para Nietzsche seu ensaio sobre Beethoven, que respondeu, “quero deixar claro como foi importante para mim aprender sua filosofia da música, isto

é, a filosofia da música, para a elaboração de um ensaio que escrevi neste verão intitulado ‘A Visão Dionisíaca do Mundo’”3– uma concepção preliminar dos temas centrais do primeiro livro de Nietzsche. Cosima não era uma mera espectadora e contribuía ativamente para a vida intelectual em Tribschen. Uma mulher de uma educação esmerada e perspicácia, ela fazia com regularidade perguntas a Nietzsche sobre seu trabalho filosófico. Ao lhe dedicar seu ensaio “Cinco Prefácios de Cinco

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos