98 capítulos
Medium 9788530982515

Parte III - Seção III – Delitos contra as Finanças Públicas. Código Penal (arts. 359-A a 359-H)

PRADO, Luiz Regis Grupo Gen PDF Criptografado

Seção III

DELITOS CONTRA AS FINANÇAS PÚBLICAS.

CÓDIGO PENAL (ARTS. 359-A A 359-H)

3.1. ART. 359-A DO CÓDIGO PENAL – CONTRATAÇÃO DE

OPERAÇÃO DE CRÉDITO

Art. 359-A. Ordenar, autorizar ou realizar operação de crédito, interno ou externo, sem prévia autorização legislativa:

Pena – reclusão, de 1 (um) a 2 (dois) anos.

Parágrafo único. Incide na mesma pena quem ordena, autoriza ou realiza operação de crédito, interno ou externo:

I – com inobservância de limite, condição ou montante estabelecido em lei ou em resolução do Senado Federal;

II – quando o montante da dívida consolidada ultrapassa o limite máximo autorizado por lei.

A Lei 10.028, de 19.10.2000, operou significativa alteração no Código Penal, introduzindo, no título reservado aos crimes contra a Administração Pública, um capítulo dedicado aos delitos lesivos ao bem jurídico “finanças públicas”.1

Cumpre esclarecer que o mencionado diploma legal veio criminalizar condutas contrárias às normas de finanças públicas voltadas para a Responsabilidade na Gestão Fiscal estabelecidas pela Lei Complementar 101, de 04.05.2000

Ver todos os capítulos
Medium 9788547222826

11.3. Espécies de ação penal no direito brasileiro

CAPEZ, Fernando Editora Saraiva PDF Criptografado

11 n

AÇÃO PENAL

11.1.  Conceito

É o direito de pedir ao Estado-Juiz a aplicação do direito penal objetivo a um caso concreto. É também o direito público subjetivo do

Estado-Administração, único titular do poder-dever de punir, de pleitear ao Estado-Juiz a aplicação do direito penal objetivo, com a consequente satisfação da pretensão punitiva.

11.2.  Características

A ação penal é:

(i) um direito autônomo, que não se confunde com o direito material que se pretende tutelar;

(ii) um direito abstrato, que independe do resultado final do processo;

(iii) um direito subjetivo, pois o titular pode exigir do Estado-Juiz a prestação jurisdicional;

(iv) um direito público, pois a atividade jurisdicional que se pretende provocar é de natureza pública.

11.3.  Espécies de ação penal no direito brasileiro

A par da tradicional classificação das ações em geral, levando-se em conta a natureza do provimento jurisdicional invocado (de c­ onhecimento,

Ver todos os capítulos
Medium 9788547223809

3. Apuração de responsabilidade administrativa, civil e penal

CAPEZ, Fernando Editora Saraiva PDF Criptografado

administrativas, estas podem ser promovidas de ofício, independentemente de provocação.

2.4.  Representação formulada perante o Ministério Público: con­ dição objetiva de procedibilidade?

A representação de que trata o art. 2º, pela forma como está redigida, poderia ser interpretada como a autorização dada pelo ofendido ou seu representante legal para a propositura da ação penal pública, isto é, como condição objetiva de procedibilidade, sem a qual o Ministério

Público está impedido de oferecer a denúncia. Por essa razão, indaga-se se a ação penal por crime de abuso de autoridade depende, então, de representação do ofendido. De acordo com a letra expressa da Lei n.

5.249, de 9 de dezembro de 1967, “a falta de representação do ofendido, nos casos de abuso previstos na Lei n. 4.898, de 9 de dezembro de 1965, não obsta a iniciativa ou o curso de ação pública”. A ação é, portanto, pública incondicionada, por expressa determinação legal. Com isso, o art. 2º tornou-se letra morta, pois, em face do princípio da oficialidade, o Ministério Público tem o dever de apurar qualquer crime, não se exigindo nenhum requisito para que o ofendido ou qualquer do povo lhe encaminhe a notitia criminis. Em outras palavras, com ou sem representação, ou ainda que esta não preencha os requisitos enumerados pela lei, o órgão do Ministério Público terá o dever de apurar os fatos, promovendo a competente ação penal, independentemente da vontade da vítima. Assim, a representação de que trata a alínea b não se constitui em condição de procedibilidade, e a não observância dos seus requisitos não impedirá o ajuizamento da ação penal. Como foi dito acima, o art.

Ver todos os capítulos
Medium 9788530972967

DIREITO PENAL - PARTE II - PARTE ESPECIAL

SANCHEZ, Alessandro (et al.) Grupo Gen PDF Criptografado

Rodrigo Julio Capobianco • DIREITO PENAL

|

537

PARTE II

PARTE ESPECIAL

Tempo médio de estudo: 21 min.

1

VIDA

1.

(VII Exame de Ordem Unificado – FGV) Assinale a alternativa correta.

A. Aquele que, desejando subtrair ossadas de urna funerária, viola sepultura, mas nada consegue obter porque tal sepultura estava vazia, não pratica o crime descrito no art. 210 do Código Penal: crime de violação de sepultura.

B. O crime de infanticídio, por tratar-se de crime próprio, não admite coautoria.

C. O homicídio culposo, dada a menor reprovabilidade da conduta, permite a compensação de culpas.

D. Há homicídio privilegiado quando o agente atua sob a influência de violenta emoção.

COMENTÁRIO:

2.

(VIII Exame de Ordem Unificado – FGV) Analise detidamente as seguintes situações: Casuística 1:

Amarildo, ao chegar a sua casa, constata que sua filha foi estuprada por Terêncio. Imbuído de relevante valor moral, contrata Ronaldo, pistoleiro profissional, para tirar a vida do estuprador. O serviço é regularmente executado. Casuística 2: Lucas concorre para um infanticídio auxiliando Julieta, parturiente, a matar o nascituro – o que efetivamente acontece. Lucas sabia, desde o início, que Julieta estava sob a influência do estado puerperal. Levando em consideração a legislação vigente e a doutrina sobre o concurso de pessoas (concursus delinquentium), é correto afirmar que

Ver todos os capítulos
Medium 9788553602704

1.2. O processo penal e o direito de punir

CAPEZ, Fernando Editora Saraiva PDF Criptografado

1 n

INTRODUÇÃO

1.1.  Conceito de processo penal

Conforme ensinamento de Cintra, Grinover e Dinamarco, “chama-se direito processual o conjunto de normas e princípios que regem (...) o exercício conjugado da Jurisdição pelo Estado-Juiz, da ação pelo demandante e da defesa pelo demandado”1.

Trazendo a definição ao campo que particularmente nos interessa, podemos afirmar que: Direito Processual Penal é o conjunto de princípios e normas que disciplinam a composição das lides penais, por meio da aplicação do Direito Penal objetivo.

Na definição de José Frederico Marques, “é o conjunto de princípios e normas que regulam a aplicação jurisdicional do Direito Penal, bem como as atividades persecutórias da Polícia Judiciária, e a estruturação dos órgãos da função jurisdicional e respectivos auxiliares”2.

1.2.  O processo penal e o direito de punir

O Estado, única entidade dotada de poder soberano, é o titular exclusivo do direito de punir (para alguns, poder-dever de punir). Mesmo no caso da ação penal exclusivamente privada, o Estado somente delega ao ofendido a legitimidade para dar início ao processo, isto é,

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos