29021 capítulos
Medium 9788527731317

6 - Processos para Uso Racional de Medicamentos

FUCHS, Flávio Danni; WANNMACHER, Lenita Grupo Gen PDF Criptografado

CAPÍTULO

6

Processos para Uso Racional de Medicamentos

Carla Beatrice Crivellaro Gonçalves

``

Introdução

A Assistência Farmacêutica (AF) trata de um conjunto de ações voltadas à promoção, proteção e recupe­ração da saú­de, tanto in­ di­v i­dual como coletiva, tendo o medicamento como insumo essen­ cial, para o qual visa acesso e uso racional. Este conjunto envolve pesquisa, desenvolvimento e produção de medicamentos e insumos, bem como sua seleção, programação, aquisição, distribuição, dis­ pensação, garantia da qualidade dos produtos e serviços, acompa­ nhamento e avaliação de sua utilização, na perspectiva da obtenção de resultados concretos e da melhoria da qualidade de vida da po­ pulação.1

No Brasil aquele conceito engloba o Ciclo da Assistência Farmacêutica, que desenvolve diversas atividades a serem desempenhadas de forma coordenada: pesquisa e desenvolvimento, produção, regis­ tro, seleção, programação, aquisição, armazenamento, distribuição, utilização (prescrição, dispensação, uso/administração e monitora­ mento), devendo ainda incluir avaliação farmacotera­pêutica. Para que esse ciclo seja efetivo, há necessidade de que ocorram gestão, planejamento e organização, financiamento, informações, recursos humanos, monitoramento e avaliação de todos os pro­cessos.2

Ver todos os capítulos
Medium 9788565852975

Capítulo 6 - Uso racional de medicamentos e evidências clínicas

Luciana dos Santos; Mayde Seadi Torriani; Elvino Barros Grupo A PDF Criptografado

USO RACIONAL DE

MEDICAMENTOS E

EVIDÊNCIAS CLÍNICAS

6

Isabela Heineck

Tatiane da Silva Dal Pizzol

USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS

Definição, causas e consequências do uso racional de medicamentos

O uso racional de medicamentos é definido pela Organização Mundial da Saúde (OMS)1,2 como a administração de fármacos apropriados ao paciente conforme suas necessidades clínicas, em doses que satisfaçam suas características individuais, por um período de tempo adequado, com o menor custo para ele e para a comunidade.

Infelizmente, essa situação ocorre em menos de 50% dos tratamentos. Esse dado é mais preocupante ainda quando associado à informação de que, na maioria dos países de baixa renda, os medicamentos representam os maiores gastos públicos com saúde, perdendo apenas para os gastos com pessoal. Para as famílias, os medicamentos também representam a principal fonte de despesas com a saúde.

As causas que levam ao uso irracional de medicamentos incluem: n n n n

Ver todos os capítulos
Medium 9788582714409

Capítulo 10. Uso racional de medicamentos fitoterápicos e prescrição

Clara Lia Costa Brandelli; Siomara da Cruz Monteiro Artmed PDF Criptografado

10

USO RACIONAL

DE MEDICAMENTOS

FITOTERÁPICOS E PRESCRIÇÃO

Clara Lia Costa Brandelli

Luciana Signor Esser

Objetivos de aprendizagem

Definir uso racional de medicamentos (URM).

Discutir os problemas relacionados ao URM fitoterápicos e plantas

medicinais.

Listar os avanços que indicam a tendência à racionalização do uso de fitoterápicos e plantas medicinais no Brasil.

Relacionar os principais fitoterápicos utilizados no Brasil com suas respectivas interações medicamentosas.

INTRODUÇÃO

Considerando as diversidades regionais e a extensa flora que é encontrada no

Brasil, estabelecer relações racionais quanto ao uso de fitoterápicos e plantas medicinais pode evitar o uso indiscriminado e, às vezes, prejudicial dessa alternativa terapêutica. Desde que os fitoterápicos começaram a fazer parte das relações de medicamentos essenciais, surgiram os primeiros passos para um uso racional. Isso auxilia os profissionais da saúde a desenvolver ações com medicamentos que apresentem eficácia comprovada e com o menor custo possível, tanto para os usuários quanto para o sistema.

Ver todos os capítulos
Medium 9788565852968

Capítulo 2 - Fundamentos teóricos em farmacovigilância e promoção do uso racional de medicamentos

Patricia de Carvalho Mastroianni; Fabiana Rossi Varallo Grupo A PDF Criptografado

2

Fundamentos teóricos em farmacovigilância e promoção do uso racional de medicamentos

FABIANA ROSSI VARALLO

PATRICIA MASTROIANNI

Para a prevenção, a reabilitação e a promoção da saúde, o paciente dispõe de várias tecnologias, as quais “são todas as formas de conhecimento que podem ser aplicadas para a solução ou a redução dos problemas de saúde de indivíduos ou populações”.1 Portanto, são necessários outros elementos além de fármacos, equipamentos e procedimentos usados na assistência a saúde.2 Entretanto, se essas tecnologias não forem aplicadas corretamente, podem estar relacionadas com o agravo do quadro clínico do paciente. Esse agravo, em farmacovigilância, é conhecido como evento adverso, e é definido como qualquer intervenção em saúde, incluindo tratamento com um medicamento, mas que não possui, necessariamente, relação causal com esse tratamento.3 Em outras palavras, o evento adverso é qualquer dano causado ao paciente em função do cuidado (ou assistência) prestado a ele. São exemplos de eventos adversos: fratura por queda do leito, flebite por falta de qualidade do equipo, trauma pós-cirúrgico, deiscência de ferida cirúrgica, entre outros.

Ver todos os capítulos
Medium 9788527732246

8 - Medicamentos de Uso Oftálmico e Conceitos Básicos da Farmacologia Ocular

ANDRADE, Silvia Franco Grupo Gen PDF Criptografado

8

Medicamentos de

Uso Oftálmico e

Conceitos Básicos da Farmacologia Ocular

Anti-inflamatórios não esteroides

Classificação

Nome comercial

Princípio ativo

Apresentação

Anti-inflamatórios não esteroides

Acular®(H)

Cetorolaco de trometamina 0,4% colírio

Frasco com 5 ml

Acular®(H)

Cetorolaco de trometamina 0,4% colírio

Frasco com 10 ml

Acular®(H)

Cetorolaco de trometamina 0,5% colírio

Frasco com 5 ml

Cetorolaco de trometamina(H)(G)

Cetorolaco de trometamina 0,5% colírio

Frasco com 5 ml

Cetrolac®(H)

Cetorolaco de trometamina 0,5% colírio

Frasco com 5 ml

Elipa®(H)

Cetorolaco de trometamina 0,5% colírio

Frasco com 10 ml

Optilar®(H)

Cetorolaco de trometamina 0,5% colírio

Frasco com 5 ml

Diclogenom®(H)

Diclofenaco sódico 0,1% colírio

Frasco com 5 ml

Diclofenaco Sódico Colírio(H)(G) Diclofenaco sódico 0,1% colírio

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos