94 capítulos
Medium 9788597012101

1 - Contabilidade: Conceito, Definição, Objetivos e Responsabilidades

BORINELLI, Márcio Luiz; PIMENTEL, Renê Coppe Grupo Gen PDF Criptografado

1

Contabilidade:

Conceito, Definição, Objetivos e

Responsabilidades

Muito se diz que a Contabilidade é a linguagem dos negócios. Há também os que afirmam que a Contabilidade é uma ciência... ou seria uma técnica? Para muitas organizações empresariais, no entanto, a Contabilidade é entendida, meramente, como mais um departamento dentro de sua estrutura empresarial. Quando perguntado a um profissional que não é da área contábil o que é Contabilidade, que resposta se deveria obter? Acredita-se que são diferentes os enfoques pelos quais se pode conceituar e definir a expressão Contabilidade. Em razão disso, cada enfoque sugere objetivos e responsabilidades diferentes, porém complementares, para a Contabilidade. Muitas vezes, algumas pessoas têm a impressão de que a

Contabilidade é apenas uma técnica para se preparar regularmente os relatórios

(demonstrações) contábeis. Apesar de isso ser parcialmente verdadeiro, a elaboração de relatório não é um fim por si só. Pelo contrário, a Contabilidade é um meio para se produzir informações financeiras relevantes para a tomada de decisão. Essa visão da Contabilidade como ferramenta útil de decisão, por sinal, se adequa perfeitamente aos objetivos desde livro. Mas, afinal, o que é Contabilidade?

Ver todos os capítulos
Medium 9788597012101

2 - Usuários, Aplicações e Aspectos Formais da Contabilidade

BORINELLI, Márcio Luiz; PIMENTEL, Renê Coppe Grupo Gen PDF Criptografado

2

Usuários, Aplicações e Aspectos

Formais da Contabilidade

Existem diversos tipos de decisões econômicas e financeiras que necessitam de informações contábeis. As expressões Contabilidade Financeira e Contabilidade

Gerencial, frequentemente, são utilizadas para diferenciar os tipos de informações contábeis mais amplamente usadas na comunidade dos negócios. Basicamente, o que difere nessas duas visões de Contabilidade são as informações requeridas pelos diferentes tipos de usuários, tendo em vista sua necessidade de decisão. Nesse sentido, toda informação contábil oriunda de uma organização está disponível aos gestores (usuários internos); entretanto, muitas companhias devem publicar informações a usuários externos. Mas será que toda empresa é obrigada a elaborar, manter, divulgar ou publicar demonstrações contábeis? Para responder a essa questão, deve-se levar em consideração a forma jurídica de constituição da entidade. Afinal, qual a diferença entre uma sociedade anônima e uma sociedade por quotas de responsabilidade limitada? Quais entidades devem divulgar e publicar?

Ver todos os capítulos
Medium 9788597012101

3 - Base Conceitual da Contabilidade

BORINELLI, Márcio Luiz; PIMENTEL, Renê Coppe Grupo Gen PDF Criptografado

3

Base Conceitual da Contabilidade

Tendo em vista que as demonstrações contábeis são destinadas, principalmente, aos usuários externos, são necessários alguns princípios ou conceitos contábeis que proporcionem comparabilidade entre as entidades e garantam segurança às tomadas de decisões. Adicionalmente, é fundamental que as informações contábeis sejam dotadas de um conjunto mínimo de características que confiram relevância, materialidade, fidedignidade, comparabilidade, verificabilidade, tempestividade e compreensibilidade a tais informações. Esse conjunto de princípios, conceitos e características forma a base conceitual da Contabilidade. Mas, como operacionalizar esse conjunto de elementos? Como, de fato, aumentar a qualidade das informações produzidas pela Contabilidade?

Objetivos do capítulo

Após o estudo deste capítulo, o leitor deverá estar apto a:

 Delinear a importância da base conceitual da Contabilidade.

 Descrever  o  processo  de  convergência  das  práticas  internacionais  de 

Ver todos os capítulos
Medium 9788502637283

Prefácio da 2ª edição

RAMOS, Patricia Pimentel de Oliveira Chambers Editora Saraiva PDF Criptografado

Prefácio da 2ª edição

Este livro brinda os operadores do Direito com a sistematização de todo o pensamento moderno atinente à aplicação dos princípios constitucionais às dinâmicas familiares. Trata-se de uma visão prática da constitucionalização do direito civil como marco teórico bem definido para embasar soluções práticas aos inúmeros casos que batem às portas do Judiciário envolvendo litígios familiares em geral e questões de guarda/visitação/alimentos/alienação parental em especial.

Tendo em vista as mudanças socioculturais que dão base à superestrutura jurídica, passou-se a centrar as atenções na realização do homem enquanto pessoa, sujeito de direitos, seja em sede de direito público, seja em sede de direito privado.

Paulatinamente, houve uma mudança de paradigmas, deslocando-se o enfoque jurídico das relações patrimoniais para as pessoais, é dizer, foram-se incorporando no arsenal político e juridicamente organizado valores metaindividuais, de valorização do ser humano, de busca da realização da pessoa através da proteção de direitos inerentes à personalidade.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597012101

Apêndice e Gabarito das Questões

BORINELLI, Márcio Luiz; PIMENTEL, Renê Coppe Grupo Gen PDF Criptografado

Apêndice

Solução do Exercício da Kéops S/A

Apresentação do problema (descrição das operações)

A “Kéops Comércio e Restauração de Móveis e Antiguidades S/A” (Kéops

S/A) foi criada no final do ano X0, tendo em vista a percepção de seus dois sócios fundadores sobre um interessante nicho de mercado percebido na região de Pinheiros, no coração da capital paulista. As atividades da empresa estão focadas na compra, venda e restauração de móveis e outras antiguidades. Os sócios fundadores desenvolveram um plano de negócios para os cinco primeiros anos de atividade da empresa, tendo estabelecido, dentre outras coisas, que:

■■ seriam contratados três funcionários;

■■ o atendimento aos clientes seria realizado a domicílio e na própria empresa;

■■ os fornecedores seriam aqueles sediados dentro do Estado de São Paulo;

■■ há expectativa de que o negócio deva produzir um retorno anual de 25% do ca-

pital investido;

■■ o mês de dezembro/X0 seria destinado à estruturação física da empresa, para que as atividades se iniciassem, de fato, em 1-1-X1.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos