9374 capítulos
Medium 9788536532202

6.3 EVOLUÇÃO DO ROTOR E DA PÁ AERODINÂMICA

Milton De Oliveira Pinto Editora Saraiva PDF Criptografado

O uso de quatro a cinco pás tem a desvantagem do alto custo, visto que o rotor corresponde a cerca de 20%, e cada pá, a cerca de 6% do custo total do equipamento, que, no entanto, não chega a ser compensado com maior eficiência. Por experiências práticas, por outro lado, comprovou-se que rotores com uma ou duas pás têm desvantagem no que diz respeito a dinâmica, vibrações e emissões acústicas, além de uma desvantagem ótica e estética, que culmina em uma menor aceitação por parte da população vizinha a turbinas e parques eólicos. Este último ponto só não tem relevância para instalações offshore. As vantagens correspondem à redução de massa e peso do rotor e de todo o conjunto rotor e nacele, visto que os componentes na nacele se beneficiam de um rotor mais leve. Cálculos levaram a uma redução de 20 a 25% na massa do conjunto rotor-nacele, vantagem que, no entanto, é compensada pela redução da eficiência aerodinâmica do rotor (HAU, 2013).

A solução com três pás mostra-se, assim, como o compromisso ótimo ao considerar todos esses requisitos. As TEC das classes Megawatt e Multi-MW com três pás apresentam um valor λ = 6 .. 9 no ponto ótimo de operação de projeto

Ver todos os capítulos
Medium 9788527733335

71 - Gônadas

AIRES, Margarida de Mello Grupo Gen PDF Criptografado

Capítulo

Gônadas  1171

71

Gônadas

■■ Sistema Genital Masculino, 1172

■■ Sistema Genital Feminino, 1177

Poli Mara Spritzer | Fernando Marcos dos Reis

Celso Rodrigues Franci | Janete Aparecida Anselmo-Franci

■■ Organização estrutural e funcional do testículo, 1172

■■ Espermatogênese, 1172

■■ Androgênios, 1173

■■ Eixo hipotálamo-hipófise-testículo, 1174

■■ Maturação e função sexual, 1175

■■ Métodos de avaliação e restauração da função endócrina e reprodutiva masculina, 1176

■■ Estrutura ovariana, 1177

■■ Hormônios ovarianos, 1182

■■ Puberdade e menarca, 1195

■■ Climatério (perimenopausa) e menopausa, 1196

■■ Bibliografia, 1197

Aires-cap-71-FINAL.indd 1171

25-05-2018 08:51:21

1172  Aires | Fisiologia

.

Sistema Genital Masculino

Poli Mara Spritzer | Fernando Marcos dos Reis

Os testículos são responsáveis pela espermatogênese e síntese de hormônios sexuais. Estes processos asseguram a fertilidade e o desenvolvimento e manutenção das características sexuais masculinas. A função testicular é regulada pelo sistema nervoso central (SNC) por meio principalmente das alças de retrocontrole com o GnRH (gonadotropin releasing hormone) hipotalâmico e gonadotrofinas hipofisárias. Fatores parácrinos, neurais e endócrinos contribuem para esta complexa regulação do sistema genital masculi­no. Este sistema está organizado a partir dos testículos, do pênis e das glândulas acessórias que compreendem a próstata e as ve­sículas seminais.

Ver todos os capítulos
Medium 9788527733335

77 - Fisiologia da Reprodução

AIRES, Margarida de Mello Grupo Gen PDF Criptografado

Capítulo

77

Fisiologia da Reprodução  1293

Fisiologia da Reprodução

Janete Aparecida Anselmo-Franci | Poli Mara Spritzer | Celso Rodrigues Franci

■■ Introdução, 1294

■■ Movimentação do óvulo e espermatozoides, fertilização e implantação, 1294

■■ Gestação, 1295

■■ Parto, 1297

■■ Puerpério, 1298

■■ Lactação, 1298

■■ Bibliografia, 1303

Aires-cap-77-FINAL.indd 1293

24-05-2018 14:11:59

1294  Aires | Fisiologia

INTRODUÇÃO

A fisiologia da reprodução envolve um dos sistemas reguladores mais complexos. A partir de uma sucessão de eventos coordenados, ocorrem a maturação e a movimentação dos gametas pelo sistema genital feminino, culminando no processo de fertilização. A implantação do concepto no útero envolve interações profundas entre células embrionárias e células endometriais. O desenvolvimento do feto e da placenta provoca modificações na secreção dos hormônios da reprodução e outros não diretamente relacionados. Esta se­quência de fenômenos fisiológicos completa-se com o parto, o perío­do puerperal e o processo de lactação. (Para o estudo do assunto exposto no presente capítulo, é recomendável a leitura prévia do Capítulo 71, Gônadas, que aborda os sistemas genitais masculi­no e feminino.)

Ver todos os capítulos
Medium 9788530988517

Capítulo 37– Aposentadorias programáveis

Carlos Alberto Pereira de CASTRO, João Batista LAZZARI Grupo Gen ePub Criptografado

Os benefícios previstos pelo Regime Geral de Previdência Social – RGPS possuem características distintas e regras próprias de concessão, que merecem atenção especial e estudo detalhado.

Neste capítulo são analisadas as aposentadorias voluntárias ou também conhecidas como aposentadorias programáveis, quais sejam a aposentadoria por idade, a aposentadoria por tempo de contribuição (extinta pela EC n. 103/2019), a aposentadoria especial e a aposentadoria destinada aos segurados com deficiência.

A aposentadoria é a prestação por excelência da Previdência Social, juntamente com a pensão por morte. Ambas substituem, em caráter permanente (ou pelo menos duradouro), os rendimentos do segurado, e asseguram sua subsistência, assim como daqueles que dele dependem.

Em que pesem as posições de vanguarda, que sustentam a ampliação do conceito de aposentadoria a todo e qualquer indivíduo, como benefício de seguridade social, e não apenas de previdência social (atingindo somente a parcela economicamente ativa da população),1 o modelo majoritário de aposentadoria está intimamente ligado ao conceito de seguro social – benefício concedido mediante contribuição.

Ver todos os capítulos
Medium 9786556270937

1.Da tutela constitucional do processo

Artur César de Souza Editora Almedina PDF Criptografado

1.

Da tutela constitucional do processo

A primeira constatação de convergência entre as codificações processuais civis da Espanha, Portugal ou do Brasil é justamente a percepção de que, muito embora o processo seja um instrumental de tutela do direito material, o certo é que esse instrumental também precisa de uma lei que o possa tutelar, a fim de que não se afaste de sua primordial função que é a realização da justiça.

Portanto, ‘é necessário uma lei que tutela as leis de tutela, uma segurança de que o processo não se sobreponha ao direito, tal como se verifica pela aplicação do princípio da supremacia da Constituição sobre as leis processuais’.5

Na realidade, percebe-se que as Constituições do Século XX, com raras exceções, promovem um conjunto de regras e princípios que visam a tutelar o direito processual jurisdicional, traçando as diretrizes necessárias para configurar uma lei processual constitucional ou inconstitucional.

Por meio da tutela constitucional do processo, evita-se que o legislador ordinário institua leis processuais irrazoáveis que virtualmente possam impedir as partes de realizar a defesa de seus direitos ou de os juízes reconhecer suas razões. Seria exemplo de leis irrazoáveis, a hipótese de a norma processual privar do benefício da justiça gratuita os pobres, ou impor a jurisdição militar aos civis em tempo de paz, ou violar o princípio

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos