33 capítulos
Medium 9788547206413

Conselho Nacional de Justiça –Fundamentos, processo e gestão - Eliana Calmon Alves

Gilmar Ferreira Mendes, Fabiano Augusto Martins Silveira e Marco Aurélio Marrafon Editora Saraiva PDF Criptografado

Conselho Nacional de Justiça –

Fundamentos, processo e gestão

Eliana Calmon Alves

1. Introdução

Os países civilizados do mundo ocidental, logo após o término da

Segunda Guerra Mundial, com a derrocada do Terceiro Reich, verificaram a necessidade de uma revisão do seu sistema jurídico. Mantiveram a clássica divisão dos Poderes do Estado, oriunda da Revolução Francesa, mas chegaram à conclusão da necessidade de dar maior competência e independência ao Poder Judiciário, por entenderem que, sendo ele o mais equidistante do poder econômico, poderia atuar com maior imparcialidade na interpretação do direito, funcionando como o fiel da balança, diante da supremacia do Executivo e da hegemonia do Legislativo, tradicional parceiro do poder econômico. Iniciaram, então, o processo de revisão.

O Brasil, por uma série de circunstâncias, demorou a fazer a revisão do seu direito, permanecendo até a década de 1980 com um Judiciário formal e estático, inteiramente dependente do Poder Executivo, estruturado para atender aos direitos individuais, em demandas desenvolvidas pela via de um complexo sistema judicial. Além da dualidade de justiça comum (estadual e federal), possuía o Brasil as justiças especializadas

Ver todos os capítulos
Medium 9788547206413

Conselho Nacional de Justiça –Criação e vocação - Rui Stoco

Gilmar Ferreira Mendes, Fabiano Augusto Martins Silveira e Marco Aurélio Marrafon Editora Saraiva PDF Criptografado

Conselho Nacional de Justiça –

Criação e vocação

Rui Stoco

1. O nascimento do Conselho Nacional de

Justiça

1.1  Na década de 1990 ganhou força um movimento voltado à criação de um órgão destinado a exercer o controle administrativo do Poder Judiciário, ou seja, vocacionado a fiscalizar o exercício da atividade administrativa dos Tribunais, exceto a Suprema Corte, evidentemente.

Quinze anos depois, em 14 de junho de 2005, o Conselho Nacional de Justiça foi instalado como órgão do Poder Judiciário e com atuação em todo o território nacional, por força do art. 92, I-A, da Constituição Federal, incluído pela EC n. 45/2004.

A criação e instalação do CNJ foi objeto de dúvidas, desconfianças e de acerbas críticas de alguns, certamente por desconhecimento de sua importância e indispensabilidade.

Aliás, a ideia de criação de Conselhos de Justiça é antiga, consolidando-se, primeiramente, na Europa.

Observou JOSÉ ADÉRCIO LEITE SAMPAIO1 que “a história dos conselhos judiciais está umbilicalmente ligada ao processo de independência custosa e, até certo ponto, ainda por concluir-se, tanto quanto a própria história dos conselhos”.

Ver todos os capítulos
Medium 9788547206413

Conselho Nacional de Justiça e parcerias institucionais – Temas prioritários - Gilmar Ferreira Mendes

Gilmar Ferreira Mendes, Fabiano Augusto Martins Silveira e Marco Aurélio Marrafon Editora Saraiva PDF Criptografado

Conselho Nacional de Justiça e parcerias institucionais – Temas prioritários

Gilmar Ferreira Mendes

1. Introdução

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ), criado pela Emenda Constitucional n. 45/2004, é composto por representantes da magistratura, do

Ministério Público, da advocacia e da sociedade civil e tem como principal atribuição o controle da atuação administrativa e financeira do Poder

Judiciário e do cumprimento dos deveres funcionais dos juízes. Instalado em junho de 2005, tem, desde então, trabalhado incansavelmente pela racionalização e transparência da administração judiciária.

Ao celebrarmos dez anos de atividades do Conselho, a presente publicação mostra-se relevante para ressaltar suas contribuições não apenas para o Judiciário, mas para toda a sociedade brasileira. Os textos que compõem esta obra contam a história, os avanços e os desafios enfrentados pelo CNJ ao longo de seus dez anos de existência e hão de servir de inspiração para o constante aperfeiçoamento do nosso sistema de justiça.

Ver todos os capítulos
Medium 9788547206413

O Conselho Nacional de Justiça e a Constituição - Clèmerson Merlin Clève - Bruno Meneses Lorenzetto

Gilmar Ferreira Mendes, Fabiano Augusto Martins Silveira e Marco Aurélio Marrafon Editora Saraiva PDF Criptografado

O Conselho Nacional de Justiça e a Constituição

Clèmerson Merlin Clève

Bruno Meneses Lorenzetto

1. Introdução

Perante os questionamentos que a criação do Conselho Nacional de

Justiça suscitou e continua a ensejar após 10 anos de sua criação, o artigo procura debater três tópicos: inicialmente versa sobre a relação do CNJ com os fundamentos da Constituição, expõe a dicotomia entre os conceitos mecânico e normativo de Constituição e sua utilidade para uma adequada compreensão do papel do CNJ no arranjo institucional brasileiro; em um segundo momento, trata da gênese do Conselho Nacional de Justiça e das polêmicas que permearam a aprovação da “reforma do Judiciário”, com especial ênfase para a questão do federalismo e a pouca atenção que foi prestada para o tema na decisão de leading case no STF; por fim, cuida do poder normativo do CNJ e da possibilidade da realização do controle de constitucionalidade por este órgão.

Uma Constituição pode ser compreendida a partir de, pelo menos, duas perspectivas. A primeira aventa os limites que a Constituição impõe aos órgãos constitucionais definidos como Poderes. Nesse sentido, preocupa-se com o desenho de constrições ao exercício da autoridade pública, nos diversos ramos do governo, pelo conjunto normativo ordenado. Tais “freios” possuem o papel de impedir o domínio de uma esfera de poder sobre as demais, isso, claro, sem deixar de estimular a arena política para o desenvolvimento de novos experimentos ou a realização de novos debates, fator que demanda a dispensa de se fundar constante137

Ver todos os capítulos
Medium 9788547206413

A Corregedoria do Conselho Nacional de Justiça e suas Missões - Gilson Langaro Dipp

Gilmar Ferreira Mendes, Fabiano Augusto Martins Silveira e Marco Aurélio Marrafon Editora Saraiva PDF Criptografado

A Corregedoria do Conselho

Nacional de Justiça e suas

Missões

Gilson Langaro Dipp

Introdução

Em setembro de 2008, a gestão na Corregedoria Nacional de Justiça que me coube exercer recebeu, à época, um órgão ainda em estruturação e que ainda não havia ingressado no sistema tradicional do Poder Judiciário brasileiro.

Na ocasião, a equipe de que se dispunha, inicialmente composta por dois juízes federais, um juiz estadual e alguns assessores e servidores, tinha apenas o senso comum de que o art. 103-B, § 4º, da Constituição

Federal, ao estabelecer as missões do CNJ, lhe atribuía deveres não só no campo disciplinar mas também no aprimoramento da gestão judiciária cuja largueza e dimensões ainda era igualmente pouco visível.

O art. 8º do Regimento Interno do Conselho Nacional de Justiça, norma primária diretamente fundada no art. 5º, § 2º, da Emenda Constitucional n. 45, além de poderes correcionais propriamente ditos, atribuía ao Corregedor Nacional da Justiça a adoção das medidas necessárias a suprir as deficiências constatadas em inspeção (inciso IV do art. 8º) e a expedição de Provimentos destinados ao aperfeiçoamento dos órgãos do

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos