2356 capítulos
Medium 9788527727525

3 - Como Decifrar o Gato | Histórico Clínico e Exame Físico

Susan E. Little Grupo Gen PDF Criptografado

C A P Í T U L O

3

Como Decifrar o Gato |

Histórico Clínico e Exame Físico

Vicki Thayer

Resumo do capítulo

Como estabelecer cuidados centrados

  no relacionamento, 24

Dr. Jim Richards, antigo diretor do Cornell Feline Health

Center, afirmou: “Os gatos são mestres em esconder doen­

ças.”22 Assim como veterinários e admiradores de gatos, os clínicos precisam se tornar mestres na compreensão e na descoberta de doen­ças tão eficazmente escondidas pe­ los gatos. O propósito deste capítulo consiste em ajudar os veterinários a desenvolver técnicas para decifrar as men­ sagens obscuras, e às vezes confusas, enviadas por seus pacientes felinos. Preparar um completo histórico clínico e rea­li­zar o exame físico centrado no felino são dois instru­ mentos essenciais para resolver problemas do paciente e informar os proprietários quanto às melhores maneiras de manter seus companheiros felinos saudáveis.

Acima de tudo, trabalhando junto, em unidade, a equi­ pe de cuidados de saú­de veterinários pode passar uma mensagem consistente: a de que os gatos se beneficiam de exames de rotina e cuidados de saú­de e de bem-estar.

Ver todos os capítulos
Medium 9788527727525

16 - Nutrição do Gato Normal

Susan E. Little Grupo Gen PDF Criptografado

C A P Í T U L O

16

Nutrição do Gato Normal

Angela L. Witzel, Joe Bartges, Claudia Kirk, Beth Hamper,

Maryanne Murphy e Donna Raditic

Resumo do capítulo

Comportamento alimentar normal, 235

Adaptações de carnívoros, 235

Comportamento alimentar normal

O gato doméstico, Felis catus, evoluiu do gato selvagem do norte da África Felis silvestris lybica e começou a conviver com os egípcios já em 2300 a.C.29 Embora os gatos convivam com os humanos já há muitos anos, a domesticação dos felinos ocorreu efetivamente com a criação e o cruzamento para constituir um grupo reprodutivamente isolado.

Nesse grupo, apenas os gatos de raça se qualificam.4 Os gatos domésticos comuns, em geral, escolhem seus próprios parceiros e ainda podem se reproduzir com o F. sylvestris quando compartilham território comum.4,9 Com relativamente pequena interferência de seres humanos no cruzamento, a maioria dos gatos de estimação tem habilidades de caça e padrões de alimentação semelhantes aos de seus ancestrais selvagens. Os gatos são caçadores solitários e ingerem de 7 a 20 refeições, consistindo em pequenas presas, ao longo de 24 h.17,23 São exemplos de presas os roedores, os lagomorfos, as aves e os répteis.14 Os gatos domésticos, mesmo mantendo diversos comportamentos inatos de caça, adaptam-se bem a situações de alimentação controlada.

Ver todos os capítulos
Medium 9788527727525

37 - Manejo do Gato Idoso

Susan E. Little Grupo Gen PDF Criptografado

C A P Í T U L O

37

Manejo do Gato Idoso

Susan E. Little

Resumo do capítulo

Impacto do envelhecimento, 1121

Cuidados para o bem-estar de gatos idosos, 1122

O envelhecimento, ou senescência, é um processo biológico complexo nem sempre fácil de definir. Essencialmente, está relacionado com o aumento do dano e a perda de funções que ocorre ao longo do tempo, tanto no nível celular quanto no organismo inteiro. Muitas alterações ligadas à idade são administráveis a fim de manter a qualidade de vida. Assim, as doenças relacionadas com a idade podem ser administráveis ou curáveis. Na medicina humana, as disciplinas geriatria (estudo das doenças do idoso) e gerontologia (estudo dos aspectos sociais, psicológicos e biológicos do envelhecimento) estão bem estabelecidas.

Esse foco sobre as necessidades exclusivas de indivíduos idosos está se tornando mais importante na medicina veterinária também.

De acordo com dados publicados mais recentemente, cerca de um terço das moradias norte-americanas e canadenses têm, no mínimo, um gato.40,44 Conforme a maioria dos veterinários observa, muitos são gatos idosos. Por exemplo, uma pesquisa canadense realizada em 2008 descobriu que 35% dos gatos com proprietário tinham mais de 8 anos de vida.40 Nos EUA e no Reino Unido, os gatos idosos também somam provavelmente, no mínimo,

Ver todos os capítulos
Medium 9788527727525

38 - Avaliação do Gato Idoso com Perda de Peso

Susan E. Little Grupo Gen PDF Criptografado

C A P Í T U L O

38

Avaliação do Gato Idoso com Perda de Peso

Susan E. Little

Resumo do capítulo

Prevalência de perda de peso, 1130

Causas da perda de peso, 1130

Prevalência de perda de peso

Os problemas com detecção mais fácil em gatos idosos são perda de peso e declínio da condição corporal. No entanto, esses também são problemas que podem desafiar as habilidades diagnósticas e terapêuticas do clínico. As diretrizes sobre estágios de vida de felino da American

Association of Feline Practitioners (AAFP)/American Animal Hospital Association (AAHA) definem um gato idoso como aquele com idade entre 11 e 14 anos e um gato geriátrico como aquele de 15 anos ou mais.20 O termo “idoso” com frequência é usado para se referir a todos os gatos com idade superior a cerca de 10 anos e será utilizado como tal neste capítulo.

A prevalência de obesidade diminui com a idade em gatos. De fato, gatos idosos apresentam a tendência de apresentar peso abaixo do normal (Figura 38.1).6,10,13,18 Em um relato de 191  gatos no Waltham Centre for Pet Nutrition (Melton Mowbray, Reino Unido), variando em idade entre 1 e 13 anos, os mais pesados eram machos castrados entre 5 e 8 anos, enquanto os felinos acima de

Ver todos os capítulos
Medium 9788527727525

15 - As Necessidades Nutricionais Únicas do Gato | Um Carnívoro Estrito

Susan E. Little Grupo Gen PDF Criptografado

C A P Í T U L O

15

As Necessidades Nutricionais Únicas do Gato |

Um Carnívoro Estrito

Beth Hamper, Joe Bartges, Claudia Kirk, Angela L. Witzel,

Maryanne Murphy e Donna Raditic

Resumo do capítulo

Anatomia e fisiologia, 228

Comportamento alimentar, 229

Acredita-se que o gato doméstico tenha evoluí­do do gato selvagem africano Felis sylvestris libyca entre 4.000 e

10.000 anos atrás.4,20 Os gatos pertencem à ordem Carnivora, o que significa “comedor de carne”, e à família Felidae. Os felídeos divergem dos outros grupos de carnívoros no início da árvore evolucionária.16 Outros membros da ordem Carnivora são os canídeos/caninos, os ursos, os pandas, as doninhas, os guaxinins e as hienas. Existe uma série de padrões de alimentação dentro da ordem

Carnivora. Os canídeos e os ursos são considerados onívoros, enquanto pandas são herbívoros estritos. Todos os felídeos são comedores de carne, ou carnívoros estritos. Essa dieta especializada de carne levou a adaptações metabólicas e nutricionais exclusivas, não observadas em canídeos/caninos ou em outros membros da ordem Carnivora. Obteve-se bastante conhecimento com relação às necessidades metabólicas e nutricionais únicas do gato nos

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos