99575 capítulos
Medium 9788582602393

Capítulo 8 - Ergonomia

Widomar Pereira Carpes Júnior Grupo A PDF Criptografado

capítulo 8

Ergonomia

A ergonomia é um conceito utilizado tanto para o trabalho quanto para os produtos em geral.

Originalmente, tratava da adaptação do trabalho ao homem. Hoje, abrange critérios como satisfação, conforto e prevenção em saúde para trabalhadores e usuários de produtos. Neste capítulo, vamos focar o estudo da ergonomia de concepção. Para utilizar os conceitos desse campo é preciso compreender minimamente o corpo humano, bem como as características da interface homem-máquina.

Objetivos de aprendizagem

Identificar o impacto dos fatores ambientais na ergonomia.

Resumir as etapas do estudo antropométrico e sua importância na elaboração de projetos.

Reconhecer os componentes da interação homem-máquina.

capítulo 8 

Identificar basicamente o funcionamento do corpo humano no que diz respeito à ergonomia.

 Ergonomia

Conceituar ergonomia e ergonomia de concepção.

CURIOSIDADE

Você já ouviu falar da

Associação Brasileira de

Ver todos os capítulos
Medium 9788553610365

20 Testa menteiro

PDF Criptografado

20

Testamenteiro

1 Conceito

Testamenteiro é a pessoa, ou as pessoas, de confiança do testador incumbidas(os) de cumprir as disposições de sua última vontade (art. 1.976 do CC).

Ele deve cuidar de que o testamento deva ser cumprido integralmente e não se torne ineficaz para beneficiar herdeiros em detrimento de outros. Deve lutar pela validade do testamento (art. 1.981 do CC).

Deve cumprir todas as obrigações que lhe foram atribuídas pelo testador, nos limites da lei (art. 1.982 do CC).

Se forem vários os testamenteiros, podem ser para atuarem conjuntamente (conjuntos) ou para agirem sucessivamente, um na falta do outro (separados).

O encargo de testamenteiro deve ser cumprido pessoalmente, não sendo, portanto, delegável, podendo, entretanto, o testamenteiro, fazer­‑se representar por mandatário, inclusive judicial, com poderes especiais (art. 1.985 do CC).

A função principal do testamentário é a de fiscalizar o cumprimento do testamento.

Ver todos os capítulos
Medium 9788582710258

Capítulo 30 - Neuromodulação não invasiva na reabilitação cognitiva do idoso: perspectivas atuais e futuras

Leonardo Caixeta, Antonio Lucio Teixeira Grupo A PDF Criptografado

30

Neuromodulação não invasiva na reabilitação cognitiva do idoso: perspectivas atuais e futuras

LEANDRO VALIENGO

ANDRE RUSSOWSKY BRUNONI

A neuromodulação consiste em uma série de técnicas capazes de alterar o funcionamento cerebral. Algumas dessas técnicas são invasivas, como a estimulação cerebral profunda

(DBS) e a estimulação do nervo vago (VNS), enquanto outras são não invasivas, como a estimulação transcraniana por corrente contínua (ETCC) e a estimulação magnética transcraniana (EMT). Em comum, essas técnicas não farmacológicas se baseiam no uso de correntes e pulsos elétricos para induzir efeitos neuromodulatórios.

Na verdade, o uso da eletricidade na neuropsiquiatria só passa a ocorrer de forma sistemática após a elucidação dos princípios básicos da eletricidade por Alessandro Volta (em 1800) e Luigi Galvani (em

1771). O primeiro a investigar as propriedades biológicas da eletricidade foi

Giovanni­Aldini, no começo do século XIX, e fez experimentos com estimulação cerebral em cadáveres humanos (Zago, Ferrucci, ­Fregni, & Priori, 2008). Ele usava a pilha voltaica para fazer a estimulação e observava contrações musculares contralaterais ao lado do córtex estimulado. No fim do século XIX, Bartholow, um médico norte-americano, usou também a pilha voltaica para estimular a meninge de um paciente com

Ver todos os capítulos
Medium 9788553603022

2. TEORIAS EXPLICATIVAS DO NEXO DE CAUSALIDADE

Rodolfo Pamplona Filho, Pablo Stolze Gagliano Editora Saraiva PDF Criptografado

Por óbvio, somente se poderá responsabilizar alguém cujo comportamento houvesse dado causa ao prejuízo.

Lamentavelmente, entretanto, esta matéria é muito mal compreendida

— talvez por ser mal explicada — gerando dúvidas e, fre­quentemente, levando os tribunais a adotarem posicionamentos confusos em torno do mesmo objeto de investigação, o que só acarreta prejuízo à segurança jurídica e descrédito ao

Poder Judiciário.

Vamos, então, tentar enfrentar cientificamente o problema, a fim de que o nosso leitor, ao final de sua análise, possa sair com um adequado panorama do assunto.

2. TEORIAS EXPLICATIVAS DO NEXO DE CAUSALIDADE

Fundamentalmente, são três as principais teorias que tentam explicar o nexo de causalidade: a) teoria da equivalência de condições; b) a teoria da causalidade adequada; c) a teoria da causalidade direta ou imediata (interrupção do nexo causal).

Para o correto entendimento da matéria, cuidaremos de analisá-las, separadamente, concluindo, ao final do estudo, por qual das teorias o Direito

Ver todos os capítulos
Medium 9788582710654

Capítulo 16 - Metabolismo do Glicogênio e Gliconeogênese

Donald Voet, Judith G. Voet, Charlotte W. Pratt, Luiz Fernando de Souza, Michele Bastiani Grupo A PDF Criptografado

Capítulo 16

Metabolismo do

Glicogênio e

Gliconeogênese

Sumário

1 Degradação do glicogênio

Os músculos dos animais têm glicogênio, uma forma de armazenamento do combustível metabólico glicose. Nos animais vivos, o equilíbrio entre a síntese e a utilização do glicogênio é cuidadosamente regulado. Medidas dos níveis de glicogênio em lagostas têm sido usadas para determinar as condições ambientais, já que os estoques de glicogênio são exauridos nos animais submetidos à subnutrição ou ao estresse. (Andrew J. Martinez/ Photo Researchers.)

O glicogênio (em animais, fungos e bactérias) e o amido (em plantas) têm a função de armazenar glicose para usos metabólicos posteriores. Nos animais, um suprimento constante de glicose é essencial para tecidos como o cérebro e as células vermelhas do sangue, que dependem quase totalmente da glicose como fonte de energia (outros tecidos podem oxidar, também, ácidos graxos ou aminoácidos para obtenção de energia; Seções 20-2 e 21-4). A mobilização da glicose a partir dos estoques de glicogênio, principalmente no fígado, permite um suprimento constante de glicose (,5 mM no sangue) para todos os tecidos. Quando a glicose é abundante, como imediatamente após uma refeição, a síntese de glicogênio é acelerada.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos