2958 capítulos
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788541202534

EXAME DO LÍQUIDO CEFALORRAQUIDIANO

Paulo Augusto Neves Grupo Gen PDF Criptografado

6 LÍQUIDO CEFALORRAQUIDIANO

978-85-7241-911-6

lhidas hemoculturas e iniciado imediatamente o tratamento com antibióticos.

A complicação mais frequente da punção liquórica é o sangramento discreto decorrente de lesão de vasos aracnoides, porém podem ocorrer mais raramente lesões arteriais dando origem a hemorragias ou hematomas. Se a agulha for posicionada de forma inadequada, pode atingir as raízes raquidianas desencadeando parestesias. Nestes casos, a agulha deve ser retirada até a pele, a posição do paciente deve ser verificada novamente e a agulha deve ser reinserida na linha média. Cerca de

60% dos pacientes apresentam cefaleia pós-punção e

40% podem apresentar dor nas costas. A incidência de cefaleia pós-punção pode ser reduzida com a utilização de agulhas atraumáticas e de menor calibre, idealmente ao redor de 22G (gauge). Ainda, a reinserção do mandril antes da retirada da agulha pode reduzir a incidência de cefaleia pós-punção. Embora a maioria dos médicos recomende o repouso e hidratação adequada após a punção, não há evidências de que estas medidas reduzam a incidência de cefaleia.

Ver todos os capítulos
Medium 9788541202534

EXAME FÍSICO DO LÍQUIDO CEFALORRAQUIDIANO

Paulo Augusto Neves Grupo Gen PDF Criptografado

978-85-7241-911-6

LÍQUIDO CEFALORRAQUIDIANO 11

mente. A pressão hidrostática é extremamente sensível à retirada de pequenas quantidades de liquor.

Ocorre nos casos de tumores cerebrais, em que as massas limitam os espaços ventriculares e subaracnóideos, comprimindo o liquor na cisterna bulbocerebral e na raque. Em geral, o Qr é inferior a 3 e o Qrd superior a 3.

Durante a verificação das pressões pode ser realizada manobra para avaliação da permeabilidade do canal raquimedular. Após a compressão das veias jugulares por

10s, ocorre aumento da pressão liquórica em um valor denominado índice de Queckenstdt (Q), que em geral é o dobro da PI, e 20s após interrupção da compressão, o valor da pressão tende a voltar aos valores iniciais. O canal medular pode estar bloqueado em casos de tumores ou mal de Pott.

As fórmulas para cálculos do Qr, Qrd, IP e Q e interpretações dos valores encontrados estão no Quadro 1.

As causas de elevação da PI do LCR são os processos expansivos intracranianos, trombose de seio venoso cerebral, hipertensão intracraniana idiopática, aumento do fluxo sanguíneo cerebral, manobra de Valsalva, aumento da pressão intratorácica, obstrução da veia cava superior, agitação psicomotora e choro. As causas de hipotensão liquórica incluem fístula liquórica, ocupação da cisterna magna, obstrução do canal raquimedular e hipercapnia.

Ver todos os capítulos
Medium 9788572419406

Técnicas Laboratoriais Diversas

Paulo Augusto Neves Grupo Gen ePub Criptografado

 

 

TÉCNICAS LABORATORIAIS DIVERSAS

O antígeno e o anticorpo são colocados em dois pontos diferentes de uma camada de gel e um difunde contra o outro formando o precipitado. Alguns classificam a técnica como dupla difusão bidimensional. Esta técnica foi descrita por Ouchterlony, em 1946, sendo ainda bastante usada, pois permite comparar, por exemplo, dois antígenos contra o mesmo sistema de anticorpos e talvez por isso certos autores prefiram considerá-la bidimensional.

Ensaio do imunossorvente ligado à enzima (ELISA), serve para a detecção ou quantificação de um anticorpo ou antígeno empregando um ligante (por exemplo, uma anti-imunoglobulina) conjugado com uma enzima, o qual modifica a coloração de um substrato.

Utilizam-se substâncias fluorescentes (fluorocromos) conjugadas com anticorpos. Quando esses fluorocromos recebem luz de determinado comprimento de onda, respondem emitindo luz de menor comprimento. Essa luz emitida pode ser captada (fluorescência) pelo observador ao microscópio. Os sistemas ópticos convencionais podem ser usados para microscopia de fluorescência, necessitando de luz excitadora correspondente à região do espectro luminoso em que o fluorocromo fluoresce convenientemente, e filtros para evitar a passagem de comprimentos de onda prejudiciais aos olhos do observador.

Ver todos os capítulos
Medium 9788541202558

CAPÍTULO 3 - LÍQUIDO SINOVIAL (ARTICULAR)

Paulo Augusto Neves Grupo Gen PDF Criptografado

Capítulo 3

LÍQUIDO SINOVIAL (ARTICULAR)

A cavidade articular é delineada por duas superfícies articulares de cartilagem hialina e pela sinóvia localizada perifericamente. A membrana sinovial não tem camada basal ou de células epiteliais, porém possui uma rica rede capilar. Os capilares mais superficiais próximos às células de revestimento são fenestrados, facilitando trocas rápidas de água e solutos e o papel fisiológico ativo da membrana. As articulações diartrodiais contêm quantidades muito pequenas de líquido sinovial. Este líquido origina-se do plasma, que é filtrado pela rede capilar e se difunde para o interior da cavidade articular, onde é adicionado ao ácido hialurônico sintetizado localmente, que confere a viscosidade característica do líquido sinovial. A membrana sinovial também reveste a porção interna das bainhas dos tendões e das bursas sinoviais. As funções do líquido e membranas sinoviais são o transporte de nutrientes para a cartilagem articular avascular, e auxílio à lubrificação da articulação, mantendo a integridade e a defesa da cartilagem, fornecendo proteção mecânica contra choques e também eliminando catabólitos.

Ver todos os capítulos
Medium 9788547210229

11.8 PRINCIPAIS CONTAS RETIFICADORAS DE PATRIMÔNIO LÍQUIDO

VICECONTI, Paulo; NEVES, Silvério das Editora Saraiva PDF Criptografado

342

Contabilidade Básica

NOTAS

1. Os itens 138 e 139 do Comunicado Técnico no 03 (Resolução CFC no 1.157, de 2009) tratam sobre a vida útil econômica dos bens do imobilizado.

2. O leitor interessado deverá consultar no Capítulo 14 deste livro o Subitem 14.3.3 – Avaliação Permanente de Recuperação de Ativos, bem como a Deliberação da CVM e as

Resoluções do CFC mencionadas neste subitem.

11.8 ` PRINCIPAIS CONTAS RETIFICADORAS DE PATRIMÔNIO LÍQUIDO

As principais contas retificadoras (acessórias ou secundárias) do Patrimônio Líquido são:

Capital Social a Realizar (a Integralizar).

Ações em Tesouraria.

Quotas Liberadas.

Dividendos Antecipados.

11.8.1 Capital a Realizar

Por ocasião da constituição da sociedade por ações ou por quotas de responsabilidade limitada, os sócios ou acionistas prometem entregar recursos, na forma de dinheiro ou de bens, em troca da aquisição das ações ou quotas. O volume de recursos prometido é chamado de Capital

Ver todos os capítulos
Medium 9788553131242

16.4 TÉCNICAS DE CONSOLIDAÇÃO

Silvério das Neves, Paulo Viceconti Editora Saraiva PDF Criptografado

Capítulo 16

Demonstrações financeiras consolidadas

497

16.3 ` CONCEITOS IMPORTANTES

16.3.1 Holding

Sociedade que controla outra mediante participação substancial no seu capital social, tendo como objetivo social a administração, participação e empreendimentos, ou seja, representa a concentração do poder decisório de várias empresas nas mãos de uma que detém o controle acionário das demais.

16.3.2 Controle decisório

É o exercício, de direito e de fato, do poder de eleger administradores da sociedade e de dirigir o funcionamento dos órgãos da empresa.

16.4 ` TÉCNICAS DE CONSOLIDAÇÃO

Em princípio, a consolidação das demonstrações financeiras consiste em somar os valores correspondentes aos elementos contábeis semelhantes, existentes nas empresas que serão consolidadas, excluindo-se: a) as participações de uma sociedade em outra; b) os saldos de quaisquer contas entre as sociedades; c) as parcelas correspondentes aos resultados, ainda não realizados, de negócios entre as sociedades, que constem no resultado do exercício, dos lucros ou prejuízos acumulados, do custo dos estoques ou do Ativo Não Circulante das respectivas demonstrações contábeis.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536307558

10. Atividades de laboratório

Márcio Borges Moreira, Carlos Augusto De Medeiros Grupo A PDF Criptografado

Moreira & Medeiros

CAPÍTULO

165

10

Atividades de laboratório

Os livros de psicologia, das mais diversas áreas e abordagens, apresentam uma infinidade de teorias sobre uma miríade de assuntos que dizem

B. F. Skinner em seu respeito ao ser humano e, em alguns casos, aos organismos vivos em laboratório geral. Nos livros e nos manuais de psicologia, é possivel encontrar dezenas de teorias sobre a aprendizagem, muitas delas fornecendo explicações diferentes para um mesmo fenômeno. Por que tantas teorias sobre o mesmo assunto? Todas elas estão certas e se completam? Existem várias porque nenhuma de fato é correta ou completa? Só há uma maneira de comprovar a “veracidade” de uma teoria: subentendo-a ao teste empírico, ou seja, verificando na prática e, de preferência, no laboratório, onde podemos controlar melhor as situações que criamos para avaliar as teorias. Neste capítulo, abordaremos a descrição de várias atividades que podem ser desenvolvidas no laboratório com ratos albinos para o estudo do comportamento.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536506449

5 - Técnicas Básicas de Laboratório

Nilton Roberto Fiorotto Editora Saraiva PDF Criptografado

5

Técnicas Básicas de Laboratório

Para começar

Neste capítulo, você aprenderá que no laboratório para separação de substâncias utilizamos vários procedimentos analíticos. Dependendo do tipo de mistura e do tipo de separação, deve-se adotar a técnica mais apropriada. A escolha do método apropriado depende do estado físico dos componentes da mistura e algum conhecimento das propriedades dos constituintes dela.

5.1 Processos mecânicos de separação

Os processos mecânicos são utilizados para separar misturas homogêneas nos casos em que não for necessária nenhuma transformação física (por exemplo, mudança de fase de agregação).

Muitos desses processos, apesar de parecerem rudimentares, encontram aplicações importantes na colheita de alimentos como trigo e arroz, na construção civil, na mineração de ouro, na purificação de minérios de enxofre etc.

»

Catação: é um método rudimentar de separação de misturas baseado na diferença de tamanho e de aspecto das partículas de uma mistura de sólidos granulados. Utiliza as mãos ou uma pinça para separar os componentes dessa mistura. Por exemplo, mistura de feijão e impurezas.

Ver todos os capítulos
Medium 9788553131242

7.5 BASE DE CÁLCULO NEGATIVA DA CONTRIBUIÇÃO SOCIAL SOBRE O LUCRO LÍQUIDO

Silvério das Neves, Paulo Viceconti Editora Saraiva PDF Criptografado

Contabilidade Avançada

266

7.4.4 Inobservância do regime de competência e compensação de prejuízo fiscal a decair

A postergação do reconhecimento de despesas, em princípio, não constitui fundamento para lançamento de imposto.

Entretanto, há uma exceção nas situações em que esta postergação gere uma redução indevida do lucro real em qualquer período de apuração. É o caso de existir prejuízo fiscal cujo prazo de decadência vença no período de apuração em que ocorrer a postergação do reconhecimento da despesa (ou antecipação do reconhecimento de receita).

7.5 ` BASE DE CÁLCULO NEGATIVA DA CONTRIBUIÇÃO SOCIAL SOBRE

O LUCRO LÍQUIDO

Quando a pessoa jurídica apura base de cálculo negativa da Contribuição Social sobre o Lucro

Líquido (CSLL), esta poderá ser compensada com bases de cálculo positivas de períodos posteriores, observada a limitação da redução destas últimas em 30% (trinta por cento).

Consultar a respeito o item 18.16 do Capítulo 18 deste livro.

Ver todos os capítulos
Medium 9788553131242

10.2 ESPÉCIES DE CAPITAL CIRCULANTE LÍQUIDO (CCL)

Silvério das Neves, Paulo Viceconti Editora Saraiva PDF Criptografado

Capítulo 10

Demonstração dos Fluxos de Caixa

(DFC) e Demonstração de Origens e

Aplicações de Recursos (DOAR)

A partir de 1o de janeiro de 2008, quando entrou em vigor a Lei no 11.638, de 2007, a Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) substituiu a Demonstração de Origens e Aplicações de Recursos (DOAR) como demonstração obrigatória para as sociedades por ações.

Entretanto, como muitas companhias continuarão a elabora a DOAR e para facilitar ao estudante uma comparação entre as duas demonstrações, manteremos a explicação da DOAR nesse capítulo.

10.1 ` OBJETIVO DA DOAR

Essa demonstração visa identificar as modificações ocorridas na posição financeira de curto prazo da empresa, motivadas: a) pelo ingresso de novos recursos, além dos gerados pelas próprias operações; b) pela forma como estes recursos foram aplicados.

A posição financeira de curto prazo da empresa é representada pelo valor do Capital Circulante Líquido (CCL). Este é obtido diminuindo-se o Passivo Circulante (PC) do montante do Ativo

Ver todos os capítulos
Medium 9788520434383

6. Técnicas de terapia manual

Peggy A. Houglum Editora Manole PDF Criptografado

Capítulo 6

Técnicas de terapia manual

OBJETIVOS

Após ler este capítulo, você deverá ser capaz de:

1. Discutir as três técnicas de massagem e suas indicações, precauções e contraindicações.

2. Explicar a progressão da restrição miofascial após uma lesão.

3. Discutir as técnicas de liberação miofascial.

4. Explicar a teoria do mecanismo de pontos-gatilho miofasciais.

5. Discutir a teoria da liberação de pontos-gatilho por spray e alongamento.

6. Explicar as regras côncavo-convexa e convexo-côncava.

7. Definir os graus de movimento da mobilização articular.

8. Discutir a direção de deslizamento e de tração em relação ao plano de tratamento.

9. Explicar a síndrome do duplo esmagamento.

10. Discutir os perigos da mobilização neural.

11. Descrever uma técnica de automobilização neural para os membros superiores e uma para os membros inferiores.

Exercicio terapeutico cap. 06.indd 145

26/2/15 10:06 AM

Ver todos os capítulos
Medium 9788553131242

6.13 DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO (DMPL)

Silvério das Neves, Paulo Viceconti Editora Saraiva PDF Criptografado

Capítulo 6

Patrimônio Líquido

243

II – se pessoa jurídica, registrar os bens ou direitos pelo valor pelo qual houverem sido recebidos, reconhecendo, como ganho de capital, sujeito à incidência do Imposto de

Renda e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), a diferença positiva entre este e o valor contábil da participação extinta.

Os valores constantes no item I, se forem recebidos por pessoa jurídica, serão contabilizados da seguinte forma:

Contabilização:

D – Bens e/ou Direitos Recebidos

C – Participação Societária (ANC)

C – Ganhos de Capital (ARE)

420.000,00

250.000,00

170.000,00

6.12.3 Integralização de capital em bens e direitos

As pessoas físicas poderão transferir para a pessoa jurídica, a título de integralização de capital, bens e direitos pelo valor constante da respectiva declaração de bens (pessoa física) ou pelo valor de mercado.

Se a entrega for feita pelo valor constante da declaração de bens, as pessoas físicas deverão lançar nesta declaração as ações ou quotas subscritas pelo mesmo valor dos bens ou direitos transferidos, não lhes aplicando as regras de distribuição disfarçada de lucros.

Ver todos os capítulos
Medium 9788547210229

1.8 DIFERENÇA ENTRE CONCEITOS DE CAPITAL E PATRIMÔNIO LÍQUIDO

VICECONTI, Paulo; NEVES, Silvério das Editora Saraiva PDF Criptografado

24

Contabilidade Básica

1.7.2 Rédito

O termo rédito é mais amplo que resultado, e nas entidades sem fins lucrativos, representa o superávit ou o déficit de suas atividades sociais. É o resultado da atividade econômica das entidades com fins lucrativos e provoca variação patrimonial, aumentativa ou diminutiva.

1.7.3 Regime de caixa

Na apuração dos resultados (rédito) do exercício, o regime de caixa ocorre quando são considerados apenas os pagamentos e recebimentos efetuados no período contábil.

1.7.4 Regime de competência

O regime de competência acontece quando, na apuração dos resultados (rédito) do exercício, são consideradas as receitas e despesas nas datas a que se referirem, independentemente de seus recebimentos ou pagamentos.

1.7.5 Exercício social ou período contábil

O exercício social ou período contábil é o espaço de tempo (12 meses) findo no qual as pessoas jurídicas apuram os seus resultados. Ele pode coincidir, ou não, com o ano-calendário, de acordo com o que dispuser o estatuto ou o contrato social. Perante a legislação do IR, é chamado de período de apuração da base de cálculo do imposto devido e, nesse caso, pode ser trimestral ou anual.

Ver todos os capítulos
Medium 9788572419406

Eletroforese de Hemoglobinas

Paulo Augusto Neves Grupo Gen ePub Criptografado

Anexo 2

ELETROFORESE DE HEMOGLOBINAS

O método é usado para separação de íons mediante um campo elétrico. As moléculas de hemoglobina em pH alcalino apresentam cargas negativas que, no sistema eletroforético, migram para o polo positivo. Hemoglobinas normais apresentam cargas diferentes das hemoglobinas anormais e migram diferentemente das normais, separando-se destas. O método investiga os tipos de hemoglobinas anormais mediante um determinado pH. A migração da hemoglobina desconhecida é comparada com a hemoglobina normal e com controles alterados conhecidos.

• Eletroforese em gel de agarose, tampão pH 9,5.

– Material: cuba de eletroforese, tampão pH 9,5, gel de agarose, pipeta automática, solução de hemoglobina (hemolisado), corante negro de amido, descorante, secador de cabelo.

– Hemolisado: 1mL de sangue não coagulado previamente lavado (3 vezes) com solução fisiológica (NaCl a 0,9%). Adicionar ao volume de glóbulos o mesmo volume de água destilada e mais outro de clorofórmio, agitar vigorosamente e centrifugar por cerca de 5min a 2.500rpm. Recolher o sobrenadante (hemolisado) e filtrar em papel de filtro, quando necessário. A estocagem deve ser feita a 4ºC por uma semana.

Ver todos os capítulos
Medium 9788582715154

Capítulo 10 - Atividades de laboratório com animais não humanos

Márcio Borges Moreira, Carlos Augusto de Medeiros Grupo A ePub Criptografado

Objetivos do capítulo

Ao final deste capítulo, espera-se que o leitor seja capaz de:

1Realizar modelagem de comportamentos simples;

2Conduzir reforçamento contínuo de um comportamento;

3Realizar procedimento de extinção;

4Analisar gráficos de frequência e comparar os efeitos do reforçamento e da extinção sobre o comportamento;

5Realizar um treino discriminativo;

6Identificar padrões comportamentais de diferentes esquemas de reforça-mento;

7Registrar frequência de comportamentos simples.

Os livros de psicologia, das mais diversas áreas e abordagens, apresentam uma grande gama de teorias sobre uma infinidade de assuntos relativos ao ser humano e, em alguns casos, aos organismos vivos em geral (em se tratando da psicologia, organismos pertencentes ao reino animal). Nesses livros você pode encontrar, por exemplo, dezenas de teorias sobre a aprendizagem, muitas das quais fornecem explicações bastante diferentes para um mesmo fenômeno. Por que tantas teorias sobre um mesmo assunto? Todas elas estão certas e se completam? Existem várias teorias porque nenhuma é, de fato, correta ou completa?

Ver todos os capítulos

Carregar mais