156966 capítulos
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788527714617

8. Mamografia: Equipamento e Física Básica

KOPANS, Daniel B. Grupo Gen PDF Criptografado

8

Mamografia:

Equipamento e

Física Básica

No fim da década de 1980, o American College of Radiology (ACR) desenvolveu o Programa de Acreditação em Mamografia (MAP). Inicialmente como programa voluntário, o MAP foi um esforço para padronizar e aumentar a qualidade da mamografia e do equipamento mamográfico. Em

1992, o Congresso dos EUA sancionou a lei Mammography

Quality Standards Act (MQSA) e atribuiu a Food and Drug

Administration (FDA) a tarefa de estabelecer diretrizes e supervisionar a qualidade básica do equipamento mamográfico e das instalações de mamografia nos Estados Unidos. O

FDA, por sua vez, certificou várias organizações para que realizassem as inspeções exigidas de equipamentos e instalações. A primeira a ser certificada e o maior organismo de acreditação é o MAP do ACR. Diversos estados também foram certificados para credenciar serviços de mamografia.

O ACR revê periodicamente as exigências do equipamento de mamografia e formula especificações detalhadas como parte do MAP (1). As especificações evoluíram ao longo do tempo, e o leitor pode consultar o ACR e o FDA para obter orientação e informações atualizadas. Como as especificações mudarão à medida que ocorrerem avanços tecnológicos, este capítulo discute os princípios gerais dos exames de imagem obtidos com raios X, muitos dos quais não mudam.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597017106

6 - Demonstrações Contábeis

ATTIE, William Grupo Gen PDF Criptografado

6

Demonstrações Contábeis

6.1 INTRODUÇÃO

A contabilidade, embora destinada a estudar e possibilitar o controle do patrimônio das entidades, do ponto de vista econômico e financeiro, não deve ser entendida como um simples sistema de escrituração de acontecimentos que afetam a composição dos elementos patrimoniais. A contabilidade é considerada como ciência social que tem respeitável acervo cultural e um conjunto de técnicas, princípios, conceitos e metodologia própria para servir a quem se utilizar de seus produtos, contribuindo, no plano econômico e administrativo das entidades, para a produção de informações seguras e objetivas.

A contabilidade tem, ao longo do tempo, criado condições e competência e servido como poderoso instrumento de decisão aos administradores. Além de informações de natureza econômica, como o fluxo de caixa, receitas e despesas previstas e realizadas e demais informativos úteis, também tem procurado fornecer sólidas informações que possibilitem a gestão dos negócios. O gestor dos negócios requer, para sua decisão, elementos de formação de juízo e a escolha fundamentada na realidade dos fatos.

Ver todos os capítulos
Medium 9788530981945

PARTE II - Capítulo 1 - Tratados Internacionais de Direitos Humanos no Direito Interno

MAZZUOLI, Valério de Oliveira Grupo Gen PDF Criptografado

Capítulo 1

Tratados Internacionais de Direitos

Humanos no Direito Interno

1.1 O status constitucional dos tratados de direitos humanos no

Brasil

Antes de desenvolver a nossa teoria sobre o controle jurisdicional da convencionalidade das leis faz-se necessário estudar o status hierárquico dos tratados de direitos humanos no direito brasileiro, pois quando se falar em controle de convencionalidade a referência à expressão designará tão somente a compatibilização vertical das leis com os tratados de direitos humanos em vigor no Estado. À compatibilidade das leis com os instrumentos internacionais comuns chamaremos de controle de supralegalidade, como se explicará oportunamente (v. Cap. 2, item 2.4.2.2, infra).

Assim, antes de mais nada, é bom fique nítido que a expressão controle de convencionalidade é reservada, neste estudo, apenas aos tratados de direitos humanos e a mais nenhum outro. Ocorre que antes de teorizarmos sobre o controle jurisdicional da convencionalidade das leis no Brasil, há que se provar (e esse é o objetivo deste Capítulo) que os tratados de direitos humanos em vigor no Estado têm índole e nível de normas constitucionais. Trata-se de fazer um estudo conjugado dos §§ 2.º e 3.º do art. 5.º da Constituição

Ver todos os capítulos
Medium 9788580552690

Caso 1

Eugene C. Toy; Donald Briscoe; Bruce Britton Grupo A PDF Criptografado

CASO 1

Um novo paciente, um homem de 52 anos, vem ao seu consultório para um exame físico de rotina. Não tem nenhuma história clínica significativa e não toma nenhuma medicação regularmente. Seu pai morreu aos 74 anos por ataque cardíaco. Sua mãe tem 80 anos e é hipertensa. Dois irmãos mais jovens não têm nenhuma condição clínica crônica conhecida. Não fuma, não ingere

álcool, não usa drogas e não faz exercícios. Ao exame, sua pressão arterial é de

127/82 mmHg, pulso de 80 batimentos por minuto (bpm), frequência respiratória de 18 movimentos respiratórios por minuto (mpm), altura de 1,70 m e peso 86,25 kg. O exame físico cuidadoso não revela nenhuma anormalidade.

Que exame(s) de rastreamento de cardiovasculopatias deve(m) ser recomen­ dado(s) para esse paciente?

 Que teste(s) de rastreamento de câncer deve(m) ser recomendado(s)?

 Que imunizações devem ser recomendadas?

16

TOY, BRISCOE & BRITTON

RESPOSTAS PARA O CASO 1:

Ver todos os capítulos
Medium 9788547221805

1. A DOUTRINA DE GALENO LACERDA

TESHEINER, José Maria Rosa Editora Saraiva PDF Criptografado

T eoria G er al

do

P rocesso

1. A DOUTRINA DE GALENO LACERDA

Começamos com a doutrina de Galeno Lacerda, exposta na vigência do CPC de 1939, em seu Despacho Saneador 6, divulgada por Egas

Moniz de Aragão na vigência do CPC de 19737; adotada, entre outros, por Antônio Janyr Dall’Agnol, em seu livro Invalidades processuais 8, e por Roque Komatsu, em Da invalidade no processo civil 9, e expressamente referida em numerosos acórdãos.

Lacerda tomou como ponto de partida uma lição de Carnelutti, no tronco da teoria geral do Direito: “Carnelutti, adotando a divisão clássica dos vícios essenciais em nulidades absolutas, relativas e anulabilidades, considera a nulidade absoluta insanável e sanáveis a nulidade relativa e a anulabilidade”10. Distingue-as desta forma: “O ato relativamente nulo, ao contrário do absolutamente nulo, que não produz efeito algum, pode produzi-lo, desde que se realize determinada condição; em outras palavras, ao contrário da nulidade absoluta, a nulidade relativa significa que a eficácia do ato está sujeita à condição constituída pelo evento que sane o vício. Essa condição é suspensiva. Diz-se, então, que o vício convalesce”11.

Ver todos os capítulos
Medium 9788553604753

4. Como se organiza este livro

ADEODATO, João Maurício Editora Saraiva PDF Criptografado

uma palavra, decisões de alguma maneira melhores, isto é, mais desejáveis do ponto de vista do teórico que as defende. Essas teorias sempre revelam alguma forma do que se pode denominar conteúdo moral, vez que revelam a visão do mundo que os teóricos que as prescrevem já têm. Isto parece ocorrer mesmo quando as prescrições se apresentam como exclusivamente formais ou analíticas.

Se o que é prescrito como desejável pode ou não realizar-se é outra questão e, de qualquer sorte, sua resposta dependerá do contexto ou do procedimento a ser seguido. Por outro lado, tais teorias deixam claro que os procedimentos sugeridos podem não ser efetivamente observados, podem não ser parte da realidade perceptível empiricamente. É o que geralmente se verifica, vez que seus defensores os prescrevem em vez de descrevê-los, o que releva seu caráter, ao menos temporariamente, ideal, de concepção que se tem hoje para modificar a realidade no futuro. Isso é expressamente admitido, por exemplo, quando o autor defende a legalização dos procedimentos sugeridos por sua teoria, ou seja, sua positivação na ordem jurídica estatal vigente21.

Ver todos os capítulos
Medium 9788582714225

Capítulo 1 - Células e genomas

Bruce Alberts Grupo A PDF Criptografado

PARTE

I

II

III IV V

INTRODUÇÃO À CÉLULA

CAPíTulo

Células e genomas

A superfície do nosso planeta está povoada por seres vivos – interessantes fábricas químicas, intrincadamente organizadas, que absorvem substâncias de seus arredores e as utilizam como matérias-primas para gerar cópias de si mesmas. Esses organismos vivos parecem extraordinariamente diversos. O que poderia ser mais diferente do que um tigre e uma alga marinha, ou uma bactéria e uma árvore? No entanto, nossos ancestrais, sem conhecer nada de células ou de DNA, notaram que todos esses organismos tinham algo em comum. Esse algo eles chamaram de “vida”, maravilharam-se com ela, tiveram dificuldade em defini-la e tentaram explicar o que ela era e como funcionava em relação

à matéria não viva.

As descobertas do século passado não diminuíram o encantamento, pelo contrário, mas removeram o mistério central em relação à natureza da vida. Agora podemos ver que todos os seres vivos são compostos por células: pequenas unidades, delimitadas por membrana, preenchidas com uma solução aquosa concentrada de produtos químicos e dotadas de extraordinária habilidade de criar cópias de si mesmas por meio de seu crescimento e, então, da divisão em duas.

Ver todos os capítulos
Medium 9788547210229

6.2 FATOS QUE MODIFICAM COMPRAS

VICECONTI, Paulo; NEVES, Silvério das Editora Saraiva PDF Criptografado

132

Contabilidade Básica

c) O valor das receitas de vendas nas exportações de serviços auferido pelas pessoas jurídicas, inclusive instituições financeiras e companhias seguradoras, a título de comissões, taxas contratuais, multas e outras receitas vinculadas a operações financeiras ativas, deverá ser convertido, em reais, à taxa de câmbio de compra fixada no boletim de abertura do

Banco Central do Brasil (BACEN) na data do reconhecimento da receita correspondente.

A receita deverá ser computada no resultado contábil, conforme dispõem os itens 4.47 e 4.48 da Estrutura Conceitual para a Elaboração e Apresentação das Demonstrações Contábeis, elaborada pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) e aprovada pela Comissão de Valores

Mobiliários (Resolução CVM no 675, de 2011) e pelo Conselho Federal de Contabilidade (Resolução

CFC no 1.374, de 2011).4

O regulamento do IPI, aprovado pelo Decreto no 7.212, de 15 de junho de 2010, dispõe:

Art. 36. Considera-se ocorrido o fato gerador (Lei no 4.502/1964, arts. 2o e 5o, inciso I, alínea d, e Decreto-Lei no 1.133/1970, art. 1o):

Ver todos os capítulos
Medium 9788553604708

11.4. Imunidades

PDF Criptografado

Impostos Federais, Estaduais e Municipais

g) proporcional: o valor final cresce proporcionalmente ao valor do bem ou serviço objeto de tributação; h) plurifásico: o IPI é considerado plurifásico ou multifásico porque incide em todas as etapas da cadeia de circulação; i) exceção à legalidade tributária: em função de ser o IPI um imposto extrafiscal, precisa de celeridade quanto à sua variação (aumento e diminuição).

Assim a Constituição, em seu art. 153, § 1º, permite que o Poder Executivo altere as alíquotas do IPI, logo não haverá necessidade de lei. Contudo, a permissão alcança apenas as alíquotas, e não a base de cálculo, que é objeto de reserva legal, na forma do art. 97 do CTN. Por fim, ressalte-se que o Presidente da República pode delegar aos seus ministros e auxiliares a alteração das alíquotas9; j) exceção à anterioridade: ainda por ser o IPI um imposto extrafiscal, que precisa de celeridade quanto à variação de suas alíquotas (aumento e diminuição) e cobrança, a Constituição, em seu art. 150, § 1º, submete o IPI apenas à anterioridade de 90 dias, não havendo necessidade de respeitar o exercício financeiro.

Ver todos os capítulos
Medium 9788527731300

PARTE 9: 114 - Correção de Hidrocele

ELLISON, E. Christopher; ZOLLINGER Jr., Robert M. Grupo Gen PDF Criptografado

CAPÍTULO

114

Correção de Hidrocele

INDICAÇÕES  A ocorrência de uma hidrocele da túnica vaginal no pri‑ meiro ano de vida raramente exige uma cirurgia, visto que ela frequente‑ mente desaparece sem tratamento. As hidroceles que persistem depois do primeiro ano ou que aparecem posteriormente durante a vida necessitam, em geral, de tratamento, visto que demonstram pouca tendência à regressão espontânea. Todas as hidroceles sintomáticas em adultos ou em crianças com mais de 2 anos de idade devem ser retiradas. Na maioria dos casos, a hidrocele é indolor, e os sintomas surgem apenas devido à inconveniência causada pelo seu tamanho ou peso. A ocorrência de hidrocele a longo prazo raramente provoca atrofia do testículo. A cirurgia aberta constitui o método de escolha para a retirada de hidrocele. A aspiração do conteúdo da hidro‑ cele e a injeção de agentes esclerosantes são geralmente consideradas como tratamento insatisfatório, em virtude da elevada incidência de recidivas e necessidade frequente de repetição do procedimento. Em certas ocasiões, a aspiração pode provocar infecção grave. Entretanto, pode‑se realizar fre‑ quentemente uma aspiração simples como medida temporária nos casos em que a cirurgia está contraindicada ou precisa ser adiada.

Ver todos os capítulos
Medium 9788577806188

3. FILMANDO E CAPTURANDO CONTEÚDO DE VÍDEO

Adobe Creative Team Grupo A PDF Criptografado

54 ADOBE PREMIERE PRO CS4

Classroom in a Book

Introdução

O propósito deste livro é ajudá-lo a utilizar o Adobe Premiere Pro para criar vídeos com uma aparência profissional. Para isso você precisa iniciar com um material bruto de alta qualidade. Esta lição dá dicas de como filmar bons vídeos e de como transferi-los para o Adobe Premiere Pro.

Dicas para filmar vídeos incríveis

Com a câmera de vídeo preferida em mãos, está na hora de aventurar-se e produzir vídeos. Se for iniciante em videografia, essas dicas o ajudarão a criar vídeos melhores. Se for experiente, pense nessa lista de princípios como uma maneira de sair da rotina e tornar as coisas um pouco mais interessantes.

· Faça uma tomada de fechamento.

· Faça uma tomada de abertura.

· Filme bastante.

· Siga a regra dos terços.

· Mantenha suas tomadas estáveis.

· Siga a ação.

· Filme sobre trilhos (trucking shots).

· Encontre ângulos incomuns.

· Incline-se para frente ou para trás.

· Utilize tomadas distantes e tomadas próximas.

· Filme uma ação repetitiva em uma sequência (matched action).

Ver todos os capítulos
Medium 9788536307152

Capítulo 1 - Para começo de conversa

Maria Carmen Silveira Barbosa Grupo A PDF Criptografado

Por amor e por força: rotinas na educação infantil

15

1

Para começo de conversa

A EDUCAÇÃO INFANTIL NO BRASIL:

UM NOVO CAMPO DE ESTUDOS E PESQUISAS

No Brasil, a partir da década de 1970, a educação de crianças de 0 a 6 anos adquiriu um novo estatuto no campo das políticas e das teorias educacionais. Finalmente, a histórica luta por creches e pré-escolas, engendrada por diferentes movimentos sociais, tomou grandes proporções, e os governos – principalmente aqueles que se instalaram pós-abertura política – realizaram investimentos para a ampliação do direito à educação das crianças dessa faixa etária.

Vários projetos para educação das crianças pequenas foram desenvolvidos, principalmente por meio de ações envolvendo diversos ministérios e a Legião

Brasileira de Assistência (LBA). Vale lembrar que o Estatuto da Criança e do

Adolescente (Lei 8.069/90) considera como criança a pessoa até os 12 anos. A expressão crianças pequenas é utilizada neste texto para falar de crianças de 0 a

Ver todos os capítulos
Medium 9788553611126

12.1. Homologação de sentença estrangeira e de rogatórias

BARROSO, Darlan; LETTIERE, Juliana Editora Saraiva PDF Criptografado

420   Prática no Processo Civil

AÇÕES

INCIDENTES

Em razão da natureza de ação, o início de tais medidas se dará sempre por meio de petição inicial, com observância dos requisitos comuns do art. 319 e os elementos específicos de cada uma delas

Por se tratarem de meros incidentes processuais, o início dessas medidas se dará por meio de simples petição (sem necessidade de petição inicial), com o requerimento de instauração do incidente e demonstração dos requisitos específicos de cada medida

Veja no final do capítulo QUADRO RESUMO das ações e incidentes de competência originária dos tribunais.

12.1. Homologação de sentença estrangeira e de rogatórias

O ordenamento processual nacional ao tratar de competência, inicia delimitando matérias de competência interna exclusiva (ou seja, exclui-se a jurisdição de qualquer outro país – previsão do art. 23 do CPC), e as matérias de competência concorrente (ou seja, admite-se que autoridade estrangeira competente decida sobre a matéria – previsão dos arts. 21 e 22 do CPC).

Ver todos os capítulos
Medium 9788573074260

Referências Bibliográficas

Antoni Zabala Grupo A PDF Criptografado

A PRÁTICA EDUCATIVA / 165

Também fica claro que se inclinar por um enfoque globalizador como instrumento de ajuda para a aprendizagem e o desenvolvimento dos alunos numa perspectiva global, que não deixa de lado nenhuma das capacidades que a educação deve atender, em nenhum caso supõe a rejeição das disciplinas e dos conteúdos escolares. Pelo contrário, segundo nossa opinião, implica atribuir-lhes seu verdadeiro e fundamental lugar no ensino, que tem que ir além dos limites estreitos do conhecimento enciclopédico, para alcançar sua característica de instrumento de análise, compreensão e participação social. Esta característica é a que os torna suscetíveis de contribuir de forma valiosa para o crescimento pessoal, já que fazem parte da bagagem que determina o que somos, o que sabemos e o que sabemos fazer.

De tudo quanto vimos até agora, podemos deduzir que o mais importante não é levar a cabo uma organização de conteúdos conforme um ou outro modelo. O debate não consiste em seguir ao pé da letra um método globalizado ou se inclinar por um modelo disciplinar. Um ou outro serão mais ou menos apropriados conforme a coerência dos conteúdos trabalhados em relação aos projetos previstos e a adequação das atividades ao conhecimento que temos sobre os processos de aprendizagem. Se isto é realmente assim, a resposta será a opção de organizar os conteúdos a fim de nos assegurar ao máximo, através de um enfoque globalizador, de que as aprendizagens sejam o mais significativas possível para que o que os meninos e meninas aprendam lhes ajude a se formar como cidadãos competentes para compreender a sociedade em que vivem e participar nela construtivamente.

Ver todos os capítulos
Medium 9788553603138

2. Bem jurídico tutelado

PDF Criptografado

ou dar publicidade a cena de estupro, estupro de vulnerável, de sexo ou pornografia, fotografia, vídeo ou outro registro audiovisual que contenha cena de estupro ou estu­ pro de vulnerável, cena de sexo, nudez ou pornografia, por qualquer meio, inclusive por meio de comunicação de massa ou sistema de informática ou telemática, sem a anuência da vítima, ou que faça apologia ou induza a sua prática.

O texto legal prevê aumento de pena em dois terços se o crime for praticado por quem mantém ou tenha mantido relação íntima afetiva com a vítima, como namo­ rado, namorada, marido, esposa ou similar. Há ainda a previsão de aumento de pena de metade a dois terços se do crime resultar gravidez. No caso de o criminoso trans­ mitir doença sexualmente transmissível de que sabe ser portador, ou se a vítima for idosa ou pessoa com deficiência, a pena será ampliada de um terço a dois terços.

Trata-se, enfim, de crime essencialmente subsidiário, como destaca o preceito secun­ dário do caput, ou seja, somente será aplicável “se não constituir crime mais grave”, como, por exemplo, o crime de estupro em qualquer de suas modalidades. Nessa hipótese, as condutas aqui descritas ficarão absorvidas pela referida infração.

Ver todos os capítulos

Carregar mais